jul
16

Postado em 16-07-2019 00:15

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 16-07-2019 00:15

Do Jornal do Brasil

 

BUENOS AIRES (Reuters) – A corrida presidencial da Argentina parece a caminho de ser decidida em cima da hora, já que a primeira leva de pesquisas aponta um empate técnico entre o atual presidente, Mauricio Macri, e seu adversário de centro-esquerda, Alberto Fernández.

Meia dúzia de sondagens analisadas pela Reuters mostram que a eleição, um referendo sobre as dolorosas reformas de mercado adotadas por Macri para reduzir os níveis da dívida do país, provavelmente terá um segundo turno, sem nenhum vencedor claro emergirá da votação inicial de 27 de outubro.

Macaque in the trees
Casa Rosada (Foto: REUTERS/Agustin Marcarian)

As sondagens, feitas por uma série de institutos de pesquisas locais, se dividiram sobre quem venceria um segundo turno – mas todas indicam que nenhum candidato alcançará a marca de 45% dos votos necessária para vencer na primeira rodada.

“É como lançar uma moeda”, disse o analista de pesquisas Jorge Giacobbe à Reuters. “Essa moeda, atualmente, ainda está no ar”.

As sondagens apontam para meses tensos pela frente para a Argentina e seus mercados nervosos, mas também sugerem que os dois lados precisarão fazer concessões para conquistar o eleitor médio, podendo suavizar políticas mais polêmicas.

Macri, um conservador pró-mercado, viu sua popularidade ser golpeada por uma recessão e uma crise econômica que abateram o peso no ano passado e desencadearam uma inflação de quase 50%.

Recentemente o ex-magnata dos negócios recebeu um impulso de alguns sinais econômico positivos, dentre eles o fortalecimento do peso e uma redução da inflação.

Alberto Fernández, candidato inesperado da oposição peronista, encabeça uma chapa composta pela ex-presidente Cristina Kirchner, uma populista militante que tem um séquito ardoroso e que muitos acreditavam que seria a principal desafiante de Macri.

Os institutos de pesquisas disseram que, como Macri e Cristina são impopulares com grandes parcelas do eleitorado, a eleição pode pender para quem conquistar o eleitor médio. Fernández é visto como uma voz moderada dentro do peronismo.

As empresas de pesquisa Ricardo Rouvier & Asociados, Raúl Aragón & Asociados e Tendencias mostram Fernández vencendo os dois turnos. A Management & Fit e a Synopsis, por outro lado, preveem uma vitória apertada de Macri depois de ficar em segundo no primeiro turno.

jul
16

Postado em 16-07-2019 00:13

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 16-07-2019 00:13

Ciro Gomes voltou hoje a comentar a situação de Tabata Amaral no PDT. Em entrevista ao Estadão e à Rádio Eldorado, o pedetista disse que a deputada faz “dupla militância” — por representar, além do partido, o movimento Acredito, do qual é uma das fundadoras.

“Ela só tem 25 anos. E ela entrou no Brasil nesse negócio que é dupla militância. Ela pertence a alguns movimentos que são financiados pelos miliardários brasileiros e que colocaram a faca no pescoço de todo mundo”, afirmou Ciro. “Vai ser um sofrimento eterno a dupla militância dela e de quem mais vier com esse papo furado.”

Ciro disse também que “ninguém pode servir a dois senhores”.

Na semana passada, Carlos Lupi, presidente do PDT, já havia adotado o mesmo discurso. “Ela obedece ao Acredito ou ao PDT?”, questionou o dirigente.

jul
16

Postado em 16-07-2019 00:11

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 16-07-2019 00:11

Do Jornal do Brasil

 

CAROLINA LINHARES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Três ações em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pedia indenização por danos morais a pessoas que divulgaram postagens ofensivas no Facebook sobre a morte de seu neto acabaram indeferidas pelo juiz Carlos Visconti, do Juizado Especial Cível de São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

O magistrado não chegou a analisar o mérito das ações, apenas extinguiu os processos porque sua tramitação não caberia ao Juizado Especial Cível. A defesa do ex-presidente já ingressou com novas ações contra as mesmas pessoas, mas dessa vez na Justiça comum.

Macaque in the trees
Lula (Foto: Reprodução de vídeo)

O neto de Lula, Arthur Araújo Lula da Silva, 7, morreu no dia 1º de março, vítima de infecção generalizada originada pela bactéria Staphylococcus aureus. O ex-presidente foi autorizado a deixar a prisão em Curitiba e acompanhou o velório do neto.

A decisão do juiz Visconti, proferida na última quarta (10), afirma que o Juizado Especial Cível, que julga pequenas causas, não era o foro adequado para a demanda de Lula, pois não atende pessoas presas.

Além disso, os juizados especiais são destinados a casos céleres, e a demanda de Lula, por requisitar ao Facebook que identificasse os responsáveis pelos perfis de onde partiram as ofensas, poderia ter uma tramitação demorada. Por isso, o magistrado encerrou as ações.

Os três processos haviam sido propostos entre os dias 9 e 10 de julho e pediam R$ 1.000 de indenização por danos morais a três usuários do Facebook distintos.

Após a extinção dos processos, na sexta (12), a defesa de Lula ingressou com três novas ações idênticas, que agora tramitam na Justiça comum. Não houve decisão sobre elas.

Também tramita em São Bernardo do Campo uma ação de Lula que pede R$ 50 mil em indenização por danos morais a uma blogueira que tratou a morte da criança como uma boa notícia. Essa ação foi proposta em maio passado.

A ação de Lula pede que o Facebook forneça dados cadastrais do perfil da blogueira e que exclua as postagens ofensivas -o que já foi feito pela própria autora.

Segundo os advogados que atuam no caso, o perfil da blogueira aparentemente é fake e, por isso, foi solicitado ao Facebook o IP e os dados do perfil. A rede social ainda não respondeu ao pedido.

A intenção dos advogados é que o Facebook exclua a página da blogueira.

jul
16

Postado em 16-07-2019 00:09

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 16-07-2019 00:09

Dirigentes alertaram o jogador que se permanecesse em rebeldia no Brasil não poderiam vendê-lo já que sua desvalorização prejudicaria a reputação do Qatar, proprietário do clube

Madri
Neymar, durante um torneio de exibição no Brasil.
Neymar, durante um torneio de exibição no Brasil. Andre Penner AP

A tensão entre Neymar Júnior e o PSG chegou a níveis máximos na semana passada. O presidente do clube francês, Nasser Al-Khelaifi, enviou vários intermediários, além de seu diretor esportivo, Leonardo, para aumentar o grau das advertências com o passar dos dias sem que pai do jogador — que também se chama Neymar e é seu empresário — garantisse o retorno de seu filho a Paris. Diante da contínua ameaça de rebeldia, fontes da administração do clube contam que Al-Khelaifi chegou a ameaçar deixar Neymar na geladeira, condenando-o a não jogar até completar seu contrato em 2022. O dirigente não pode tolerar que essa crise prejudique ainda mais a imagem de uma instituição profundamente ligada ao Estado do Qatar.

Ao escutar que em Paris ameaçavam seu filho para que interrompesse imediatamente suas férias brasileiras, Neymar pai respondeu há uma semana dizendo que isso não ficaria assim. Que o PSG não só havia quebrado a promessa feita em 2017 quando convidaram seu filho a fazer parte do rojeto na condição de principal estrela, como o traíam tentando vendê-lo a qualquer custo.

Al-Khelaifi passou da decepção à raiva quando, em pleno suspense, um agente muito próximo ao jogador disse a ele que Neymar estava disposto a diminuir seu salário a 24 milhões de euros (101 milhões de reais) líquidos se assinasse pelo Barcelona, como era seu desejo. No PSG, não importa a situação, a estrela recebeu 47 milhões de euros (197 milhões de reais) líquidos por temporada. A ideia de que Neymar preferia receber menos para abandonar o PSG, onde lhe permitiram levar sua vida à margem da disciplina profissional do elenco, enfureceu Al-Khelaifi. Indignado ao ver que o jogador postergava sua confirmação da viagem de retorno, o presidente enviou Leonardo para dizer ao pai que se o menino não se apresentasse na segunda-feira teria o mesmo destino de Rabiot, que o clube deixou na geladeira por insubordinação na temporada passada. Recebendo salário e sem encostar na bola. O dinheiro não era um problema para o PSG. Podia se dar ao luxo de reter Neymar pagando-lhe seu salário mesmo sem jogar.

Os assessores da diretoria do PSG afirmam que, ao saber da ameaça, o pai de Neymar respondeu em tom sarcástico. Disse a Leonardo que não era a mesma coisa deixar Rabiot, que ganha um milhão de euros (4 milhões de reais), na geladeira, e mandar Neymar passar a temporada tranquilamente em casa recebendo 47 milhões enquanto o restante de seus colegas, que com sorte ganham a metade, devem se esforçar para levar a equipe à vitória. O motim era coisa certa. “Em três semanas vocês terão Mbappé pedindo 100 milhões de euros (420 milhões de reais) por ano”, alertou o pai.

Após calcular o desafio, dizem no clube que Al-Khelaifi e Leonardo ficaram desconcertados. Na quarta-feira passada voltaram a ligar para o pai do jogador diminuindo o nível de agressividade. Dessa vez, convidaram os Neymar para viajar a Paris e encontrar o quanto antes a solução que todos procuram: uma venda rápida e politicamente assumível. O PSG informou o pai de que o caráter do clube como símbolo do Estado soberano do Qatar lhe impedia de comprometer gravemente a dignidade da instituição e isso ocorreria caso vendessem Neymar por menos de 100 milhões de euros após tê-lo contratado por 222 milhões (934 milhões de reais) há dois anos. Se permanecesse no Brasil por mais tempo, seu preço, disseram, cairia vertiginosamente até impedir a operação por razões políticas. O Qatar não pode se permitir projetar uma imagem de incompetência.

Ao que parece, de acordo com fontes do clube parisiense, essa foi a única razão que convenceu o pai de Neymar a alterar uma estratégia de rebeldia que, segundo a ortodoxia negociadora, sempre beneficia o jogador. Os Neymar compreenderam que o PSG, para o bem e para o mal, escapa aos códigos do futebol. A passagem de retorno a Paris foi a primeira consequência.

jul
16

Postado em 16-07-2019 00:07

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 16-07-2019 00:07


 

Miguel, no (PE)

 

jul
16

Por Laís Lis, G1 — Brasília

Empresa de telemarketing — Foto: Algar Tech/ Divulgação Empresa de telemarketing — Foto: Algar Tech/ Divulgação

Empresa de telemarketing — Foto: Algar Tech/ Divulgação

 

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou nesta segunda-feira (15) que a partir desta terça (16) quem não quiser mais receber ligações de telemarketing das empresas de telecomunicação poderá se cadastrar na chamada lista do “não perturbe”.

A lista nacional e única vale para clientes das empresas Algar, Claro/Net, Nextel, Oi, Sercomtel, Sky, Tim e Vivo. Ainda segundo a Anatel, o prazo para o bloqueio é de 30 dias após a solicitação do cliente.

As prestadoras que descumprirem a regra podem ser advertidas ou penalizadas com multa no valor de R$ 50 milhões.

 
Sistema que bloqueia ligações indesejadas de telemarketing entra em operação na terça (16)

Sistema que bloqueia ligações indesejadas de telemarketing entra em operação na terça (16)

A implementação da lista nacional de “não perturbe” regula apenas as chamadas feitas pelas empresas de telecomunicação, e não se estende a chamadas realizadas por companhias de outros setores.

O cadastro poderá ser feito no site criado pelas empresas, que entrará no ar nesta terça. Na página, o usuário terá de inserir o CPF da linha telefônica que deseja cadastrar para não receber mais ligações de telemarketing e selecionar quais das companhias quer bloquear.

De acordo com a Anatel, também será possível bloquear especificamente um serviço oferecido pelas empresas de telecomunicação: telefonia fixa, celular, internet e TV por assinatura.

Lista

A criação da lista foi uma determinação da Anatel. Segundo a agência, as empresas não poderão mais fazer ligações telefônicas com o objetivo de oferecer seus pacotes ou serviços de telecomunicações para os consumidores que registrarem seus números na lista nacional.

De acordo com a Anatel, estudos de mercado estimam que pelo menos um terço das ligações indesejadas no Brasil sejam realizadas com o objetivo de vender serviços de telecomunicações, que só podem ser prestados por empresas reguladas pela agência.

A lista de “não perturbe” deve ser única e o meio de acesso a ela, ou seja, onde o consumidor poderá registrar seu número, também deverá ser único, fácil e amplamente divulgado pelas prestadoras.

jul
15

Postado em 15-07-2019 11:32

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 15-07-2019 11:32

DO BLOG O ANTAGONISTA

Sergio Moro é aplaudido em voo

 

Sergio Moro, sua mulher Rosângela e a filha do casal embarcaram ontem à noite para os Estados Unidos.

A família Moro, relata Lauro Jardim, viajou de classe econômica e foi aplaudida no voo.

O apoio ao ministro da Justiça ocorre em meio aos ataques à Lava Jato e aos vazamentos de mensagens roubadas dos procuradores da força-tarefa.

Opinião
COLUNA i

A capitã e o ministro

A capitã e o ministro
Fernando Vicente

Carola Rackete, a capitã do barco Sea-Watch 3, que fazia 17 dias estava à deriva no Mediterrâneo com 40 imigrantes a bordo resgatados no mar, atracou na madrugada da sexta-feira retrasada na ilha italiana de Lampedusa, apesar da proibição das autoridades desse país. Fez bem. Foi de imediato detida pela polícia italiana, e o ministro do Interior e líder da Liga, Matteo Salvini, se apressou a advertir a ONG espanhola Open Arms, que navega pelos arredores com dezenas de imigrantes resgatados no mar, de que “caso se atreva a chegar perto da Itália terá a mesma sorte que a jovem alemã Carola Rackete”, que poderá ser condenada a dez anos de prisão e a pagar uma multa de 50.000 euros [a acusação contra Rackete foi arquivada após a conclusão deste artigo]. O fundador da Open Arms, Óscar Camps, respondeu: “Da prisão se sai, do fundo do mar, não”.

Quando as leis, como as invocadas por Matteo Salvini, são irracionais e desumanas, é um dever moral desacatá-las, como fez Carola Rackete. O que deveria ter feito, a não ser isso? Deixar que morressem esses pobres imigrantes resgatados no mar e que, depois de 17 dias à deriva, se encontravam em condições físicas muito precárias, alguns deles a ponto de morrer? A jovem alemã violou uma lei estúpida e cruel, agindo de acordo com as melhores tradições do Ocidente democrático e liberal, as quais têm como antípodas precisamente o que a Liga e seu Matteo Salvini representam: não o respeito da legalidade, mas uma caricatura preconceituosa e racista do Estado de direito. E são precisamente ele e seus seguidores (numerosos demais, aliás, e não só na Itália, mas em quase toda a Europa) que encarnam a selvageria e a barbárie de que acusam os imigrantes. Não merecem outros qualificativos os que haviam decidido que, para não pisarem o sagrado solo da Itália, melhor seria os quarenta sobreviventes do Sea-Watch 3 se afogarem ou morrerem de doenças ou de fome. Graças à valentia e decência de Carola Rackete pelo menos estes quarenta infelizes se salvarão, pois já há cinco países europeus que se ofereceram para recebê-los.

L

Contra a imigração há preconceitos crescentes que vão alimentando o perigoso racismo que explica o ressurgimento do nacionalismo em quase toda a Europa, a ameaça mais grave para o mais generoso projeto em marcha da cultura da liberdade: a construção de uma União Europeia que no dia de amanhã possa competir de igual para igual com os dois gigantes internacionais, os Estados Unidos e a China. Se o neofascismo de Matteo Salvini e companhia triunfasse, haveria Brexits por toda a parte no velho continente, e seus países, divididos e antagonizados, teriam à espera um triste porvir a fim de resistir aos abraços mortais do urso russo (veja-se a Ucrânia).

Apesar de as estatísticas e as vozes de economistas e sociólogos serem conclusivas, os preconceitos prevalecem: os imigrantes vêm tirar trabalho dos europeus, trazem crimes e violências múltiplas, sobretudo contra as mulheres, suas religiões fanáticas os impedem de se integrar, com eles cresce o terrorismo, etcétera. Nada disso é verdade, ou, se for, está exagerado e adulterado a um extremo irreal.

Não serei o único a pedir que seja dado a esta jovem capitã o Prêmio Nobel da Paz quando chegar a hora

A verdade é que a Europa necessita de imigrantes para poder manter seu alto nível de vida, pois é um continente em que, graças à modernização e ao desenvolvimento, um número cada vez menor de pessoas precisa manter uma população aposentada mais numerosa e que continua crescendo sem trégua. Não só a Espanha tem as mais baixas taxas de nascimento no ano. Muitos outros países europeus seguem seus passos de perto. Os imigrantes, queiramos ou não, terminarão preenchendo esse vazio. E, para isso, em vez de mantê-los à margem e persegui-los, é preciso integrá-los, removendo os obstáculos. Isso é possível com a condição de erradicar os preconceitos e medos que, explorados sem descanso pela demagogia populista, criam os Matteo Salvini e seus seguidores.

Sem dúvida, a imigração tem de ser orientada para que beneficie os países que os recebem. Convém recordar que ela é uma grande homenagem que prestam à Europa esses milhares e milhares de miseráveis que fogem dos países subsaarianos governados por gangues de ladrões e, ainda por cima, às vezes, fanáticos que transformaram o patrimônio nacional na caverna de Ali Babá. Além de estabelecer regimes autoritários e eternos, saqueiam os recursos públicos e mantêm suas populações na miséria e no medo. Os imigrantes fogem da fome, da falta de emprego, da morte lenta que é a existência para a grande maioria deles.

Não é um problema da Europa? A verdade é que é, sim, pelo menos parcialmente. O neocolonialismo fez estragos no Terceiro Mundo e contribuiu em boa parte para mantê-lo subdesenvolvido. Claro que o erro é compartilhado com os que adquiriram os maus costumes e foram cúmplices dos que os exploravam. Não há dúvida de que, em última instância, só o desenvolvimento do Terceiro Mundo manterá em suas terras essas massas que agora preferem se afogar no Mediterrâneo a serem exploradas pelas máfias, a continuar em seus países de origem, onde sentem que não há mais a esperança de mudança.

Europa necessita imigrantes para poder manter seu alto nível de vida e uma numerosa população aposentada

O fundamental na Europa é a transformação da mentalidade. Abrir as fronteiras a uma imigração que é necessária e regulá-la de modo que seja propícia, e não fonte de divisão e de racismo, nem sirva para incrementar um populismo que no passado provocou consequências tão horrendas. É preciso recordar sempre que os milhões de mortos das duas últimas guerras mundiais foram obra do nacionalismo, e que este, inseparável dos preconceitos raciais e fonte irremediável das piores violências, deixou em todas as partes rastros das atrocidades que causou e que poderá voltar a causar se não o contivermos a tempo. É preciso enfrentar os Matteo Salvini de nossos dias com o convencimento de que eles não são mais do que o prolongamento de uma tradição obscurantista que encheu de sangue e de cadáveres a história do Ocidente, e foram o inimigo mais encarniçado da cultura da liberdade, dos direitos humanos, da democracia, nenhum dos quais teria prosperado e se espalhado pelo mundo se os Torquemada, os Hitler e os Mussolini tivessem vencido os Aliados na guerra.

Escrevo este artigo em Vancouver, uma bela cidade aonde cheguei ontem. Esta manhã tomei o desjejum em um restaurante do centro da cidade no qual travei conversa com quatro “nativos” de origem japonesa, mexicana, romena e, só o último deles, gringo. Os quatro tinham passaporte canadense e pareciam estar contentes com sua sorte e se entenderem muito bem. Esse é o exemplo a seguir na Europa, o do Canadá.

Temos de estar atentos ao julgamento de Carola Rackete e exigir que os juízes salvem a honra e as boas tradições da Itália, hoje pisoteadas por Salvini e a Liga. Estou certo de que não serei o único a pedir que seja dado a esta jovem capitã o Prêmio Nobel da Paz quando chegar a hora.

“Minha”, Silvio Cesar: Joia preciosa da  MPB, em poesia e musicalidade refinadas, aqui em duas interpretações magistrais : a  primeira, de Silvio Cesar e, a segunda, do próprio autor, Francis Hime. Tem outra, sensacional, de Elis Regina, mas fica para a próxima vez. Embarque na paixão e emoção sem limites, e boa viagem!!!

BOM D!!!

(Vitor Hugo Soares)

 

 

 

jul
15

Postado em 15-07-2019 00:25

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 15-07-2019 00:25

Os rastros do hacker

 

Os traques de Glenn Greenwald estão se esgotando.

A questão fundamental, agora, é prender os criminosos que roubaram as mensagens de Deltan Dallagnol.

A última reportagem da Folha de S. Verdevaldo pode ser útil para a PF, porque o jornal publicou mensagens trocadas entre 5 de dezembro de 2018 e 3 de março de 2019.

A invasão do telefone celular do procurador deve ter ocorrido imediatamente depois disso.

  • Arquivos

  • julho 2019
    S T Q Q S S D
    « jun    
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031