maio
22

Postado em 22-05-2009 10:18

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 22-05-2009 10:18

Saudade
rodrix

Morreu aos 61 anos, na madrugada desta sexta-feira (22), em São Paulo, o cantor e compositor Zé Rodrix. O consagrado compositor de “Casa no Campo”, sucesso incomparável na voz de Ellis Regina, não apresentava nenhum problema de saúde. Segundo Bárbara Rodrigues, uma das filhas do artista, ele estava bem, mas começou a se sentir mal de repente e sofreu uma forte convulsão. Foi levado às pressas para o Hospital das Clínicas, em São Paulo, mas não resistiu. 

A família ainda não informou sobre o local do velório e o enterro do artista.  José Rodrigues Trindade, natural do Rio de Janeiro, além de cantor e compositor era multiinstrumentista, escritor e publicitário. Foi também componente do trio Sá, Rodrix & Guarabyra, expoente do rock rural nos anos 70, e um dos mais afinados conjuntos de compositores e interpretes do País nas últimas décadas. Rodrix deixa seis filhos e uma obra musical inesquecível, marcada pela sensibilidade misturada com muito bom humor.

(Vitor Hugo Soares)

maio
22

Postado em 22-05-2009 00:01

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 22-05-2009 00:01


Paixão vivida com tamanha intensidade e entrega como a cantada em “Mujer” é difícil encontrar em outro lugar do mundo,  além do México naturalmente, que lá as paixões são insuperáveis. A exemplo da que reuniu o feioso e magérrimo músico e compositor notável, Agustin Lara, com a esplendorosa atriz Maria Felix. Amor tão ardente e explosivo raramente se viu sob o céu mexicano. Quanto mais maltratado pela amada, segundo testemunhas oculares da história, mais Agustin tirava do piano canções mais esplêndida para ela: Maria Bonita, Noche de Ronda, Aquel Amor e, evidentemente, “Mujer”, a música escolhida por Bahia em Pauta para esta madrugada de 22 de maio, em homenagem ao México e a uma paixão sem igual. Aqui, na voz de Pedro Vargas, para muitos o maior intérprete mexicano de todos os tempos. Confira.
(Vitor Hugo Soares)

maio
21

Postado em 21-05-2009 22:56

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 21-05-2009 22:56

Do limão à limonada
mexico

A prefeitura da Cidade do México corre atrás para recuperar-se do prejuizo. Tenta, agora, converter as medidas de higiene contra a epidemia da gripe suina, em um atrativo turístico para uma megalópole que tenta recuperar sua imagem,  depois de uma queda na demanda hoteleira para 12%, quando a média de ocupação local é de 65%.

Segundo publica o jornal espanhol El Mundo, um dos mais lidos de Madri, o secretário de Turismo da capital mexicana, Alejandro Rojas, assegurou, em uma entrevista,  que a cidade  ”é hoje mais limpa que antes, tem muito mais condições de higiene”, graças ao alerta sanitário decretado em 23 de abril passado e suspenso esta semana..

“É um valor agregado para que o turista,  que irá a um restaurante, a uma convenção, saiba que haverá medidas excessivas de higiene”, acrescentou o secretário.  Segundo Rojas, serão capacitados os responsáveis e trabalhadores dos estabelecimentos,  para “elevar o nível de exigência para sua qualidade e seu serviço”.

Segundo a reportagem de El Mundo, as medidas serão especialmente estritas nos pontos de rua que oferecem os famosos tacos e outros pratos típicos mexicanos, onde existe maior probabilidade de contágio. “Estamos obrigando a todos que tenham um posto ambulante a que tenham também muita higiene. Que aquele que cobra não seja o mesmo que serve a comida”, explicou.

Cerca de 75% dos visitantes da cidade vêm do interior do México e,  entre 80 a 90% dos estrangeiros procedem dos Estados Unidos, Canadá, Europa e América Latina.

Segundo o jornal espanhol, a epidemia causada pelo virus AH1N1, que deixou até agora 74 mortos causou 3.660 contágios no país, teve seu epicentro na capital mexicana, que tem uma população de nove milhões de habitantes, uma cifra que sobe para 19 milhões de pessoas  quando se leva em conta sua zona metropolitana.

IMPACTO BRUTAL.

“O golpe na economia da cidade foi brutal, demolidor”, com danos estimados em 150 milhões de dólares para os setores do comércio, turismo e serviços, a que estão vinculados duas terças partes da economia local, admitiu Alejandro Rojas na entrevista.

Em razão da suspensão de atividades,  decretada durante vários dias para freiar a propagação da Gripe Suina,  fecharam 140 museus, a ocupação hoteleira chegou a situar-se em  5% e a taxa de  visitantes desabou um dia a apenas 4.000.

Como paliativo a esta situação devastadora para o turismo, a prefeitura anunciou a realização, de 6 a 14 de junho próximos, da Feira de Culturas Amigas. Enquanto nesta terça-feira lançava uma campanha promocional batizada com o slogam ”Cidade do México. Cheia de Vida”.

Que viva México!

(Vitor Hugo Soares, com jornal El Mundo, de Madri).

maio
21

Postado em 21-05-2009 16:44

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 21-05-2009 16:44

Elieser Cesar, o autor
elieser

A trajetória de vida e a militância política do engenheiro Luiz Fernando Contreiras de Almeida, no Partido Comunista do Brasil, é o tema do livro Contreiras, Camarada Engenheiro – uma história de luta e coerência, que o jornalista e escritor Elieser Cesar lança, nesta sexta-feira, dia 22, às 18h, no Centro Cultural da Câmara de Vereadores, na Praça Municipal em Salvador. Depois de uma novela (O azar do goleiro,  já na quarta edição), dois livros de contos (O escolhido das sombras e outras histórias), uma coletânea de poesia (Os cadernos de Fernando Infante) e um livro de ensaio (O romance dos excluídos – Terra e política em Euclides Neto, fruto de sua tese de mestrado), Elieser Cesar, detentor de vários prêmios de reportagem, traz, agora, um livro-reportagem. “Trata-se, acima de tudo, de uma grande reportagem no estilo perfil, escrita com as técnicas do chamado jornalismo literário”, ressalta Elieser Cesar.

Elieser Cesar conta que o livro, publicado pela Editora Caros Amigos, nasceu de uma encomenda da família de Luiz Contreiras, para homenagear seus 85 anos de idade. “Como jornalista, percebi que a trajetória de Contreiras tinha como pano de fundo as lutas populares da Bahia, sobretudo o enfrentamento ao golpe militar de 1964, que teve no engenheiro e em sua mulher, a ex-deputada estadual Amabília Almeida, opositores de primeira hora. Esse ingrediente foi um motivo a mais para escrever a história de um homem que acreditou no comunismo, mas que viveu tempo suficiente para reciclar suas idéias, sem jamais abandonar os ideais de justiça social”, diz o autor.

“Luiz Contreiras sempre foi um homem movido a paixões. Se como engenheiro ajudou a abrir estradas, construir pontes e prédios, como comunista convicto foi, além de tudo, um construtor de utopias, essa matéria impalpável que tem a mesma volatilidade dos sonhos. Viu ruir o projeto do socialismo democrático, solapado pelo socialismo real, com a centralização burocrática do poder estatal e o Estado policialesco, sobretudo na antiga União Soviética e nos Estados satélites do Leste Europeu. Testemunhou a queda do Muro de Berlim e a extinção da URSS. Porém,  jamais abdicou da crença no socialismo democrático e nos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade,
tributários da Revolução Francesa”, diz o escritor, na introdução do livro.

“Contreiras, Camarada engenheiro” traz também depoimentos de companheiros de luta de Luiz Contreiras, como o ex-deputado federal Fernando Sant’Anna, decano dos comunistas baianos, o ex-prefeito de Salvador, Virgildásio de Sena, o empresário João Falcão, a  esposa, Amabília Almeida, e amigos de outra geração, como o deputado federal Emiliano José, o cientista político Paulo Fábio Dantas e os advogados Dida Santiago e George Gurgel, dentre outras personalidades.

===============================================
Trecho:

“Quem são mesmo esses homens barbudos, cabeludos e sujos, com cara de maus, que chegam como donos da cidade, do destino, da vida e da morte das pessoas simples? Forasteiros de passagem? Bandidos perigosos? Vão logo embora, sem deixar rastro ou saudades, como os ciganos? Que querem esses estranhos,  na cidadezinha pacata? Dinheiro? Judiar dos pobres e dos bichos? Levar toda a comida e o rebanho? Tocar fogo nas casas? Pior se resolverem raptar as mulheres, deixando os homens sem esposas, os pais sem filhas e os filhos sem mãe… Não podem ser de paz, se chegam fortemente armados e prontos para a guerra.

Muitos pensamentos ruins confundiram a cabeça dos moradores do lugar (pouco mais de 800), quando, depois de palmilhar centenas de municípios brasileiros, enfrentando as forças legalistas, os jagunços dos coronéis e as volantes sertanejas, os homens da Coluna Prestes, sedentos e esfomeados, entraram na pequena Rio de Contas, na Chapada Diamantina”.

Elieser Cesar
================================================

maio
21

Postado em 21-05-2009 12:34

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 21-05-2009 12:34

Vale a pena ver de perto
unibanco1

Atração no centro

Maria Olívia recomenda:

“Um dos mais importantes cinemas de Salvador, o Espaço Unibanco, na Praça Castro Alves, antigos Guarani e Glauber Rocha, continua firme e com novidades. O estacionamento, localizado ao lado do cinema – que estava proibido – foi liberado, um alívio para os cinéfilos baianos que estavam com dificuldade de achar lugar para deixar o carro com segurança, conseqüentemente não estavam prestigiando o grande empreendimento entregue a Cidade da Bahia.

Outra novidade tentadora é a promoção do preço do ingresso, que toda quinta-feira (exceto feriados) custa R$ 4 (inteira) e 2 (meia). Uma pechincha se comparado com os cada vez mais elevados preços da entrada nos cinemas de shoppings

Além de modernas salas de cinema, o Espaço Unibanco de Cinema – Glauber Rocha tem livraria especializada em artes e literatura, fotografia, cinema e quadrinhos, espaço para exposições, um café e, logo, logo, um restaurante situado no terraço, com a vista mais bela da cidade para a sua baía de todos os santos, encantos e axé.

Vale à pena ver, quando nada para saber o que Salvador tem (de melhor) no centro, bem ao pé do poeta”.

Maria Olivia é jornalista.

maio
20

Postado em 20-05-2009 23:51

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 20-05-2009 23:51


“Senhor, eu pedi para o sol se esconder um pouquinho/ pedi pra chover, mas chover de mansinho/ Pra ver se nascia uma planta no chão/Senhor, se eu não rezei direito o senhor me perdoe/Mas eu acho que a culpa foi desse pobre que nem sabe fazer oração”. É um pedaço da letra de “Súplica Cearense”, a música que Bahia em Pauta escolhe para mais este dia de chuva, inundações e dificuldades em Salvador e outras cidades do Nordeste.

Uma música antológica, de autoria do baiano Gordurinha, um dos maiores compositores brasileiros em qualquer época, autor de clássicos como “Chiclete com Banana”, “Madalena” e a própria Súplica, gravados por monstros sagrados da MPB, como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Gilberto Gil, Fagner, Dominguinhos, Elba e Zé Ramalho, entre dezenas de outros.

Alguem já escreveu:”Fossem os curiosos tentar advinhar-lhe o físico pelo apelido e Gordurinha seria até hoje mais um enigma na história da música popular brasileira. Magro na juventude, Waldeck Artur de Macêdo, nascido no bairro da Saúde, em Salvador, no dia 10 de agosto de 1922, ganhou seu apelido em 1938, quando já trabalhava na Rádio Sociedade da Bahia”.Irônicamente, na época era magérrimo.

Na imensa lista de composições de sucesso de Gordurinha (alguns não assinados por ele) se incluem “Chiclete com Banana”, “Súplica Cearense”, “Baiano Burro Nasce Morto”, “Baiano Não É Palhaço”, “Orora Analfabeta”, “Mambo da Cantareira” (outro clássico da MPB) e “Vendedor de Caranguejo”, regravado com imenso sucesso por Gil . Um mestre na acepção do termo, com sol ou chuva.

(Vitor Hugo Soares)

maio
20

Postado em 20-05-2009 19:45

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 20-05-2009 19:45

A borda do caos/Gabriel Ramalho
inund1
============================================================

A chuva intensa e a forte ventania que não dão trégua, em Salvador e dezenas de localidades do Recöncavo baiano, seguem causando graves estragos, também, em praticamente toda região Norte e Nordeste do País. Pelo menos 407 municípios localizados em 13 estados sofrem os efeitos das fortes chuvas e devastadoras enchentes: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Acre, Amazonas e Pará.

De acordo com o mais recente balanço da Secretaria Nacional da Defesa Civil (Sedec), pelo menos 45 pessoas morreram e outras cerca de 400 mil ficaram sem casa ou foram desalojadas por causa das chuvas. E  revela que as mortes foram registadas nos estados do Ceará (15), Maranhão (10), Bahia (7), Alagoas (7), Paraíba (2), Sergipe (2), Pernambuco (1). Santa Catarina, no sul do Brasil, também registra uma morte. Os dados já estão em manchetes de edições on-line de jornais europeus, a exemplo do Expresso de Lisboa, Portugal.

Salvador, a terceira maior cidade do país voltou a viver,  desde o início da tarde desta quarta-feira (20), mais um dia de caos, alagamentos e tensão diante dos riscos de desabamentos nas áreas de encostas e subúrbio, onde vive a população mais pobre, mais desprovida de serviços e de infra-estrutura e mais distante dos olhos e das atenções dos poderes públicos. Para culminar, os motoristas de onibus paralisaram suas atividades reivindicando salários, tornando o pandemonio ainda mais infernal, na hora do retorno do trabalho.

As chuvas continuam, também, em praticamente toda região nordestina e tendem a elevar o número de cidades em situação de emergência. Em toda a região, a ligação à Internet tem sido constantemente interrompida, relata o Expresso, de Portugal. No Ceará, a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT-Partido dos Trabalhadores), alegou que a situação da malha viária e dos desabrigados do interior, que começam a chegar em busca de auxílio, justificam o “estado de emergência”. A previsão de chuva acima da média histórica até Julho, divulgada pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), contribuiu na decisão que deverá ser formalizada até sexta-feira.

Até o momento, 42 cidades do Ceará decretaram situação de emergência, segundo informou à agência de notícias Lusa, o coronel Sérgio Gomes, do Corpo de Bombeiros do estado. São 291 964 pessoas afetadas de alguma forma pelos desastres naturais. O problema é que a chuva continua e isso nos preocupa”, disse Gomes. No Maranhão, 95 dos 217 municípios do estado estão em situação de emergência, informou o major Abner Ferreira.

Só resta, mais uma vez, para quem tem fé, o apelo da canção de Gilberto Gil. Oh Senhora do “Perpétuo, Socorrei!”

(por Vitor Hugo Soares)

maio
20

Postado em 20-05-2009 11:18

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 20-05-2009 11:18

Gabrielli: “vamos responder”
sergio
=================================================
Antecipando uma das estratégias que o governo e seus aliados no Congresso deverão adotar, em depoimento no Senado e nos trabalhos na CPI da Petrobras , o presidente da estatal brasileira de petróleo, José Sergio Gabrielli afirmou, ontem (19), na China, que a empresa vai responder às questões levantadas pelo PSDB”. A citação específica aos tucanos, neste caso, não parece mera coincidência”

Na entrevista coletiva, com a presença de muitos jornalistas estrangeiros, o baiano Gabrielli, deixou claro que eventuais acusações na CPI “preocupam a gestão, preocupam os acionistas, a sociedade”. Mas fez questão de não ficar nas cordas, e não perdeu a oportunidade de endereçar golpes diretos no plexo dos tucanos: “Vamos responder as questões levantadas pelo PSDB no Senado com transparência e tratar denúncias genéricas como genéricas”, disse o presidente da Petrobras , em Pequim.

Sergio Gabrielli negou, na entrevista, que as acusações e o pedido de CPI tenham prejudicado a negociação com os chineses. A Petrobras anunciou a obtenção de um empréstimo de US$ 10 bilhões, pelo Banco de Desenvolvimento da China e um acordo de venda de 200 mil barris de petróleo, por dez anos,  à estatal chinesa Sinopec, informa a Folhapress.

As cartas, como se vê, começam a ser jogadas na mesa. E olha que a CPI ainda nem começou.

(Vitor Hugo Soares)

maio
20

Postado em 20-05-2009 01:02

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 20-05-2009 01:02


E nesta hora de tragédia do povo maranhense com as chuvas que não param há semanas, o Bahia em Pauta vai buscar nesta madrugada de maio, dois dos maiores artistas do estado nordestino – o compositor João do Vale e a cantora Alcione – como alento e bálsamo para a sua gente. Os dois estão reunidos no vídeo que mostra as belezas do Maranhão, seu povo e sua cultura, que haverão de resistir à catástrofe de natureza e de seus governantes. A voz única de Alcione na música imortal de João do Vale.
(Vitor Hugo Soares)

maio
20

Postado em 20-05-2009 00:29

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 20-05-2009 00:29

Trizidela: tragédia das águas/NYT
maranhao
======================================================

ROSANE SANTANA

BOSTON (EUA) – A edição on line do The New York Times destacou, nesta terça-feira (19.05) a noite, o drama dos moradores da cidade de Trizidela do Vale, no Maranhão, onde as chuvas provocaram uma enchente no rio local, desabrigarando, segundo o jornal, 11 mil de um total de 18 mil e 400 habitantes. A pior inundação em duas décadas.

The New York Times mostra fotos de crianças atravessando as águas,  para carregar objetos domésticos, enquanto outras tomam banho,  alheias ao perigo de contrair doenças. De acordo com o jornal, “a inundação tranformou a cidade de edificios de telhados vermelhos (telhas de ceramica) em uma cidade aquática onde transporte só é possivel através de barco ou nadando”.

O jornal narra o drama de moradores, como o proprietário de um bar,  Genésio Alves de Souza, 58, que aguarda pacientemente baixar o nivel das águas e acredita que “provavelmente até meados de junho tudo estará terminado. “Nos temos que acreditar em Deus”, diz ele.

Segundo o jornal, “os dias se sucedem testando a interminável alegria de espírito das pessoas de Trizidela, um humilde e profundo posto avançado, no interior de um dos estados mais pobres do Brasil, o Maranhão”. New York Times diz, tambem, que “os residentes estão tentando derrotar o tédio da falta de trabalho ou escola, pegando peixes nas ruas e dando saltos mortais de uma ponte dentro do rio acima do nivel normal das águas.”

Rosane Santana, jornalista, mora em Boston (EUA)

  • Arquivos

  • Janeiro 2019
    S T Q Q S S D
    « dez    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031