jun
18

Postado em 18-06-2009 13:32

Arquivado em ( Multimídia, Newsletter) por vitor em 18-06-2009 13:32

================================================

Acabou a partida entre as seleções de Brasil e Estados Unidos pela Copa das Confederações, que se realiza na Africa do Sul. Resultado: Brasil 3 a 0. Destaque especial para a alegre participação da torcida africana com suas cornetas e coreografias espetaculares. Para comemorar, a música para começar o dia vem do histórico concerto da Africa do Sul, no Zimbabwe,em 1987, organizado por Simon, no lançamento de um de seus discos mais inovadores, com a participação da saudosa cantora Mirian Makeba e dezenas de músicos e intérpretes sensacionais da Africa do Sul. Neste vídeo, Simon interpreta “Diamonds on the soles of her shoes, South Africa”, com Ladysmith black mambazo, Joseph shabalala, Ray Phiri, Miriam Makeba. Bonito de doer! Ouça e dance à vontade.

(Vitor Hugo Soares)

jun
18

Postado em 18-06-2009 09:19

Arquivado em ( Artigos, Entrevistas) por vitor em 18-06-2009 09:19

Top Gisele/O Globo
modelo1
===============================================
Deu no jornal:

Trecho da entrevista exclusiva concedida pela top-model brasileira, Gisele Bundchen, ao jornal O Globo, publicada na edição desta quinta-feira(18) do diário carioca:
======================================================

OG- “O presidente Lula quer lancer a candidatura da ministra Dilma Roussef para a presidência. O que você acha da possibilidade de termos uma mulher presidente?

GB- Não julgo as pessoas por gênero ou cor. Isso é só casca. A questão é saber qual é a melhor pessoa para fazer esse trabalho. Quem tem melhor índole, caráter, quem tem melhores ideias e a capacidade de realizá-las. Não interessa se é homem ou mulher, o importante é ter competência. O que eu mais acompanho no noticiário brasileiro, o que mais me interessa, são as riquezas naturais. Quero saber o que eles fazem com a Amazônia. Não acho que o governo está protegendo o bem mais precioso que o Brasil tem, que é a floresta Amazônica. Se algum presidente me mostrar o que está fazendo para proteger a Amazônia, aí sim ele ganha meu voto.

jun
17

Postado em 17-06-2009 22:58

Arquivado em ( Newsletter) por vitor em 17-06-2009 22:58

Grazzi Brito

JUAZEIRO – Com a proximidade dos festejos juninos é comum, no interior, algumas famílias comprarem fogos de artifícios para revender em casa, uma situação bastante perigosa como foi comprovada, ontem (16), em Juazeiro, na margem baiana do Rio São Francisco.

Joana Gonçalves da Silva, uma senhora com mais de 60 anos, já há alguns anos revendia fogos de artifício em sua residência localizada no bairro Castelo Branco. D. Joaninha, como é conhecida, era referência para as crianças do bairro que buscam por traques, bombas, chuvinhas, etc. Uma atividade que parece ingênua, que mantêm a cultura e a tradição das festas juninas, mas que se transformou em um pesadelo para D. Joana e toda a vizinhança.

A aposentada que mora só, já se recolhia para dormir quando o incêndio começou, e logo se alastrou pela casa inteira. Ela acuada, com o fogo na sala de entrada, foi para o quintal da casa de onde foi retirada por vizinhos com a ajuda de uma escada. Foram longos minutos de pavor e medo, principalmente pela rapidez com que o fogo se espalhou e pela demora do corpo de bombeiros que, segundo a vizinhança, foi acionado assim que começaram os ‘pipocos’ dos fogos, chegando ao local bem depois, quando a moradora já havia sido retirada pelos vizinhos de forma bastante arriscada. Foram necessárias duas horas para conter as chamas que felizmente não atingiram as casas vizinhas.

O secretário municipal, Flávio Luiz Ribeiro, da SEIHASP (Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos), responsável pela fiscalização de vendas de fogos de artifício, diz que a polícia técnica ainda está investigando se foram realmente os fogos de artifício que deram início ou apenas ampliaram o incêndio.

Grazzi Brito, jornalista, mora em Juazeiro (BA)

jun
17

Postado em 17-06-2009 18:55

Arquivado em ( Artigos, Multimídia, Newsletter) por vitor em 17-06-2009 18:55


===============================================
Segue bombando como grande sucesso na Internet nesta quarta-feira(17), o vídeo em que o presidente Barack Obama aparece matando uma mosca durante uma entrevista para a emissora americana CNBC no Salão Executivo da Casa Branca.

O “feito” do presidente americano mereceu palmas de assessores do governo e membros da equipe de TV. Alguns jornais chegaram a afirmar que o líder americano “mostrou habilidades ninjas para matar o inseto que atrapalhava o andamento da conversa em um golpe único e certeiro”.

A mosca parecia aquela da sopa, que rendeu uma das composiçõpes de maior sucesso do baiano Raul Seixas. O presidente chegou a interromper sua fala para ordenar ao inseto: “saia daqui”. Não foi atendido. Em seguida ficou em silêncio e ergueu a mão direita agurdando que a mosca pousasse. Com um golpe rápido, Obama matou a mosca e retomou o diálogo com o repórter: “Bem, onde nós paramos?”.

O presidente Lula, que é “o cara” segundo Obama, não teria feito melhor. Deve ter sentido inveja.

Inperdível

(Postado por:Vitor Hugo Soares)

jun
17

Postado em 17-06-2009 17:39

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 17-06-2009 17:39

Iemanjá junina/Imagem Carmela Talento
iemanja1

O Blog do Rio Vermelho (http://blogdoriovermelho.blogspot.com), da jornalista Carmela Talento, traz um flagrante jornalístico exclusivo -texto e foto – das filmagens de “Capitães de Areia”, em Salvador, inspirado no romance homônimo de Jorge Amado e dirigido pela neta do escritor, Cecília Amado
====================================================
“EXLUSIVO
======================================================

“Uma das cenas do filme Capitães de Areia no momento da entrega do presente a Iemanjá flagrada pelo blog do Rio Vermelho, durante a gravação. Alguns figurantes são pescadores da Colônia de Pesca Z1. Todo o reboco da Casa do Peso foi retirado, inclusive o mosaico que enfeitava a entrada,deixando toda a Colonia com a cor de barro, certamente mais adequada ao periodo que o livro de Jorge Amado se reporta.Detalha: quando estava fotografando, um pescador se queixava de que não havia sido indicado pela diretoria da colonia para participar das filmagens. “Dou um duro danado aqui quando é para ganhar uma graninha, sou excluido, mas deixe estar, da mesma manieira que ele tá lá encima ele vai cair, não viu o outro?, dizia em tom ameaçador, fazendo referência ao ex-presidente da Colônia destituido do cargo no inicio do ano”.

O filme “Capitães de Areia” conta a história da turma de garotos liderada por Pedro Bala, nas ruas de Salvador. Os 13 atores não-profissionais foram selecionados entre mais de mil garotos vindos principamente de organizações não-governamentais baianas, dentre as quais a Fundação Cidade Mãe, Projeto Axé, Olodum, Pracatum, Liceu, Picolino.

O tema central é a infância carente, o drama social, que se origina na falta de estrutura familiar, no escasso acesso à educação e na miséria, adaptado do um dos livros mais conhecidos internacionalmente de Jorge Amado.

O longa-metragem é uma co-produção do Rio de Janeiro e a Bahia, através da empresa Araçá Azul Cinema e Vídeo. A previsão de lançamento é para julho do próximo ano, e já conta com distribuições marcadas para o mercado internacional e nacional.

jun
17

Postado em 17-06-2009 13:26

Arquivado em ( Newsletter) por vitor em 17-06-2009 13:26

Passada a terça-feira (16) gorda na Assembléia Legislativa da Bahia, os olhos se voltam com preocupaçãp novamente para a casa dos deputados. E com motivos de sobra para isso.

Servidores do poder legislativo, os chamados Secretários Parlamentares (SPs), que trabalham nos gabinetes dos parlamentares, andavam em polvorosa hoje nos corredores e corredores da Casa, atônitos diante da possibilidade da aprovação de um projeto de lei, de autoria da Mesa Diretora alterando o Art. 46 da Lei 8.971, que dispõe sobre a gratificação por tempo de serviço, em valores e critérios semelhantes ao FGTS, concedido a esses servidores quando são exonerados ou quando se aposentam.

Assim como no Senado Federal, a Assembléia legisla de forma obscura e questionável para muita gente. Quando se trata de projetos de aumentos dos benefícios dos deputados, os projetos são publicados por códigos para não chamar a atenção da imprensa, quando as propostas retiram direitos dos servidores a prática não é a mesma. Apesar de estar publicado no site oficial da AL, o internauta não tem acesso ao teor do projeto, tem acesso apenas à ementa.

Isso tem gerado dúvidas e todo tipo suposição quanto ao teor da proposta de alteração do artigo 46 da Lei das gratificações, levantada ontem. A rádio corredor funcionou como nunca, com muito choro e ranger de dentes.

Na sessão plenária de ontem, quando questionado pelo deputado Isaac Cunha, o presidente Marcelo Nilo avisou que irá colocar em votação o projeto no mês de agosto. Segundo ele, o projeto irá corrigir algumas injustiças e diminuir os custos da Casa. Faltou o presidente explicar quais as injustiças que justificariam a mudança da lei.

Além disso, preocupa também o fato de que as medidas de cortes de custos na Casa , em geral tem sido direcionado apenas para o servidor. Dos deputados nenhum benefício foi cortado ou reduzido. Os dez mil reais de combustível, os seis mil e novecentos reais em passagens, o auxílio moradia e a verba indenizatória continuam com d’antes no quartel de abrantes.

A conferir

(Vitor Hugo Soares)

jun
17

Postado em 17-06-2009 10:55

Arquivado em ( Multimídia) por vitor em 17-06-2009 10:55


Além de ser o dono da frase do dia neste site-blog o “tremendão” Erasmo Carlos é, também, o autor da música para começar esta quarta-feira(17) no Bahia em Pauta. Entre tantas de primeira linha ofertadas pelo You Tube, a escolhida é “Mesmo que seja eu”. Canção e vídeo bem anos 70, com letra, melodia e e imagens repletas da ingenuidade e das coisas simples que alegram corpo e alma. No meio do “saloon” aparece também o parceiro e “irmão” de Erasmo, o rei Roberto, na plenitude da Jovem Guarda. Observe e curta.

(Vitor Hugo Soares)

jun
17

Postado em 17-06-2009 10:09

Arquivado em ( Newsletter) por vitor em 17-06-2009 10:09

Assembléia: “porteira aberta”
assembleia
==================================================
Enquanto todas as atenções de atores e platéia se concentravam no espetáculo no Tribunal de Contas do Estado, onde se discutia em meio a grandes tempestades emocionais e poucos fatos as contas do governo Wagner, a terça-feira (16) foi de completa paz na Assembléia. “Dia de porteira aberta” , como se comentava nesta quarta-feira nos corredores da Casa.

Foram votados por acordo todos os projetos que estavam na pauta, incluindo alguns projetos de deputados e propostas do Poder Executivo, incluindo os dois turnos da Lei de Diretrizes Orçamentárias e projetos do TCE e do Ministério Público Estadual(reajuste)

Passou na maior tranquilidade até uma Proposta de Emenda Constitucional(PEC), de autoria do deputado Luciano Simões, que altera o Art. 39 da Constituição do Estado, estendendo aos parlamentares a possibilidade de adquirir a estabilidade econômica durante a ocupação do mandato parlamentar. Essa alteração permite que o deputado, após dez anos de mandato, possa se beneficiar da estabilidade econômica sendo ele servidor público estadual.

Nada mal!

(Vitor Hugo Soares)

jun
16

Postado em 16-06-2009 23:12

Arquivado em ( Newsletter) por vitor em 16-06-2009 23:12

Hage: ambiente de integridade
hage
===================================================

O poder público e a iniciativa privada tentam estreitar laços para atuar em conjunto no combate à corrupção no País, pelo menos em algumas áreas. Nesta terça-feira (16) a Controladoria-Geral da União (CGU), o Instituto Ethos e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc) lançaram durante a décima edição da Conferência Internacional do Instituto Ethos, em São Paulo, o manual “A Responsabilidade Social das Empresas no Combate à Corrupção”.

O ministro-chefe da CGU, Jorge Hage, assinalou que a iniciativa busca promover um ambiente de integridade no setor empresarial e sensibilizar as empresas para o papel determinante que podem exercer na luta contra a corrupção. “Ao adotar voluntariamente um conjunto de princípios que garantam um sistema de integridade nas relações com o setor público, com seus colaboradores e com os demais setores do mercado, as empresas engajadas na luta contra a corrupção poderão se tornar uma referência exemplar para toda a sociedade”, diz o ministro.  

Jorge Hage chamou a atenção ainda para o caráter inovador da parceria entre o poder público e a iniciativa privada no combate à corrupção. Sustentou que, ao criar, no curto prazo, aparentes vantagens às empresas, a prática de ilícitos leva à falsa percepção de que pode ser vantajosa. Mas, como lembra um dos prefácios do manual lançado hoje, “a corrupção distorce a competitividade, estabelecendo formas de concorrência desleal, e deteriora os mecanismos de livre mercado, o que gera insegurança no meio empresarial, afugenta novos investimentos, encarece produtos e serviços e destrói a ética nos negócios, afastando qualquer possibilidade de lucratividade consistente no longo prazo”.   

Nesta edição, a Conferência Internacional do Instituto Ethos discute o tema “Rumo a uma Nova Economia Global: A Transformação das Pessoas, das Empresas e da Sociedade”. Os convidados debaterão a respeito das transformações que pessoas, empresas, sociedade e Estado precisam empreender para construir uma nova economia global, mais justa e sustentável. 
O ministro Jorge Hage participou, como expositor, do painel “Crise Econômica: Mais Corrupção ou a Oportunidade de um Novo Modelo?”. O painel aconteceu às 14h30 e teve como moderadora a jornalista Miriam Leitão.

 

jun
16

Postado em 16-06-2009 18:15

Arquivado em ( Newsletter) por vitor em 16-06-2009 18:15

Sarney: discurso reprovado no Senado
sarney
==================================================
O apelo ao emocionalismo para obter apoio de seus pares, em lugar das aguardadas medidas e ações concretas,  para enfrentar as denúncias graves de desvios e corrupção na instituição que preside, marcou o pronunciamento do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) , nesta terça-feira (16).

O presidente do Congresso citou Joaquim Nabuco, ao afirmar que “defender-se não é vergonha”, tentou comover o plenário e a plateia ao lembrar problemas de saúde da filha e governadora do Maranhão, Roseana (a que atribuiu uma das causas de seu alheiamento diante do agravamento da situação no Senado) e disse em sua defesa: “A crise do Senado não é minha, é do Senado, essa instituição que devemos preservar”, afirmou no pronunciamento feito de tribuna na abertura da sessão plenária.

Na tribuna, o que deveria parecer grave e solene, soou patético e, em certo momentos até arrogante, em contraste com a habitual imagem de modéstia do senador pelo Amapá. Em nenhum momento luziu nem o Sarney intelectual, nem o orador empolgante que se vê,  por exemplo, no famoso filme sobre o Maranhão feito pelo cineasta baiano Glauber Rocha.

O que se presenciou nesta tarde, no plenário e nas imagens que as TVs transmitiram para o país, foi um político vacilante, um administrador claudicante, mesmo quando tentava falar grosso, além de um homem atemorizado diante de uma crise que ele tentou jogar no colo ou, ao menos, dividir com seus companheiros de Casa, sem sucesso. É o que ficou evidente na frieza com que suas palavras foram recebidas do começo ao fim do discurso, e pelos discursos de protesto e reprovação que se seguiram no Plenário.

RETÓRICA REPROVADA

“A instituição é maior que todos nós. Nós a recebemos assim e temos de transmiti-la da mesma maneira, pois somos transitórios”, repetiu pela enésima vez o senador do PMDB e senhor do Maranhão há mais de meio século. Sobre os escândalos que acontecem no Senado, Sarney disse: “Não seria agora na minha idade que iria praticar qualquer ato menor que nunca pratiquei na minha vida. Aqui assisti a muitos escândalos, muitos momentos de crise, mas em nenhum momento meu nome esteve envolvido”.

“Nunca tive meu nome associado às coisas que são faladas aqui dentro do Congresso, e isso é crise mundial, o que se fala aqui fala na Espanha, Inglaterra e Argentina em todos os lugares”, enfatizou o presidente, sempre genérico e vacilante do começo ao fim

“Estou aqui há quatro meses como presidente. O que nós praticamos? Só exclusivamente buscar corrigir erros, tomar providências necessárias ao resgate do conceito da Casa, isso não se faz do dia para a noite, e nem é do meu estilo que o faça soltando fogos de artifício”, concluiu, quando já praticamente ninguém duvidava que a montanha havia parido um rato.

“Não devo dizer contudo que pude me dedicar totalmente, atravessei um problema que todos aqui como pais sabem, nesses meses todos, e agora me libertei deles, Deus me exige a penitência dessas coisas que tenho que falar, mas muito maior foi a graça da recuperação da minha filha”. O presidente do Senado se emocionou ao falar da filha, Roseana, que passou por uma delicada cirurgia recentemente.

Firmeza apenas nos trechos do pronunciamento em que o presidente do Senado se referiu a funcionários subalternos da Casa. No fim a indiferença, pior condenação para um homem público: Sarney saiu da tribuna meio trôpego e coberto por um silêncio dos mais expressivos para quem entende o mínimo de signos do poder, apoiado no ombro amigo do velho aliado Romeu Tuma e mais uns poucos colegas.

Bem merecido!
(Vitor Hugo Soares)

  • Arquivos

  • setembro 2018
    S T Q Q S S D
    « ago    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930