jan
08

Postado em 08-01-2010 09:22

Arquivado em ( Newsletter) por Dimas Fonseca em 08-01-2010 09:22

 ====================================================
Deu na EFE

Notícia distribuida pela ag~encia de notícias EFE informa que os Estados Unidos celebram nesta sexta-feira,8, em grande estilo o que seria o 75º aniversário de Elvis Presley, figura imortal na cultura musical do país, que, três décadas após sua trágica morte, continua atraindo milhões de fãs no mundo todo.

Segundo EFE, a longa lista de exposições, espetáculos e shows que nestes dias homenageiam Elvis Aron Presley, nascido no dia 8 de janeiro de 1937 em East Tupelo (Mississipi, EUA), são prova da influência que a música e personalidade do cantor ainda exerce no imaginário popular americano.

O ponto principal das comemorações é a grande festa em Graceland, a antiga mansão do cantor em Memphis, na qual a filha e a viúva do cantor, Lisa Marie e Priscilla, esperam reunir milhares de fãs para lembrar a trajetória de Elvis com shows, exposições e concursos de dança.

Registra ainda a agência de notícias que a festa de aniversário continuará também em Las Vegas, cidade onde o cantor viveu talvez seus anos mais sombrios e onde agora há vários “covers” do cantor.

Em Las Vegas, a famosa companhia canadense Cirque du Soleil apresenta “Viva Elvis”, espetáculo que mistura impressionantes acrobacias com a música do aclamado artista.

“A popularidade de seu repertório musical cresce a cada ano com o surgimento de novos admiradores no mundo todo e esperamos que, com as comemorações do 75º aniversário, esse amor continue aumentando”, disse à Agência Efe um porta-voz da gravadora Sony, que preparou uma reedição, sob o selo RCA, de todos os discos do cantor em uma caixa temática intitulada “Elvis 75: Good Rockin’ Tonight”.

Trinta e dois anos após sua morte, Elvis continua sendo uma mina de ouro que não para de dar bons resultados, apesar da mudança nos gostos musicais do público.

Os centros culturais mais famosos do país, como o Instituto Smithsonian, também se renderam nestes dias ao “rei do rock”.

Bahia em Pauta se junta, com aplausos, aos tributos ao canto eterno de Elvis.

(Postado por vitor Hugo Soares, com informações da EFE)

jan
07

Postado em 07-01-2010 22:17

Arquivado em ( Newsletter) por vitor em 07-01-2010 22:17

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou, esta noite, mudanças em quatro áreas dos serviços de informação dos EUA para melhorar o seu funcionamento e impedir que se repitam acontecimentos como o atentado frustrado da noite de Natal. Obama anuncioutambém uma nova frente de ataque no combate à Al-Qaeda.

Informe do jornalista José Milheiro para o portal português TSF dá detalhes da nova frente de combate à Al-Qaeda.Um relatório divulgado esta quinta-feira, 7, sobre o atentado falho num voo entre Amesterdã e Detroit revelou «uma série de erros humanos», incluindo atrasos na interpretação de informação sobre o terrorista nigeriano que provocou o incidente.

Barack Obama determinou que se investiguem «de imediato» as pistas relativas a matéria anti-terrorista e que os relatórios das agências de inteligência sejam disponibilizados de forma «mais ampla e rápida».

Ainda este mês a ministra norte-americana da Segurança Interna, Janet Napolitano, viaja até Espanha onde vai encontrar-se com dirigentes de vários países para discutir o reforço da segurança aeroportuária.

O anúncio foi feito por Barack Obama, esta noite, que revelou também que está aberta uma nova frente no combate à Al-Qaeda, que desenvolva uma estratégia para contrariar os recrutamentos de Bin Laden, sobretudo junto dos muçulmanos africanos.
contra

jan
07

Postado em 07-01-2010 21:51

Arquivado em ( Multimídia) por vitor em 07-01-2010 21:51


=================================================
Olha a seta do arco da noite aí, gente, na Rádio BP!!
(Gilson Nogueira)

jan
07

Postado em 07-01-2010 19:07

Arquivado em ( Newsletter) por Dimas Fonseca em 07-01-2010 19:07

Dona Canô fora do Terno de Reis este ano

======================================================

Deu no Blog Fala Bahia

Dona Canô, matriarca da família Veloso, não vai participar da tradicional festa do “Terno de Reis” na cidade de Santo Amaro da Purificação, neste sábado (09).

O motivo é uma queda que ela sofreu no final da tarde da última terça-feira (05), quando levantava da cama. De acordo com a família, Dona Canô foi atendida por uma equipe médica de Salvador e, como fraturou o fêmur, está em observação em uma cama hospitalar dentro de casa.

jan
07

Postado em 07-01-2010 17:42

Arquivado em ( Newsletter) por vitor em 07-01-2010 17:42


==================================================
Tem razões de sobra o ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, para os rasgados elogios que habitualmente faz à Bahia e a forma sempre especial como é recebido e tratado por companheiros petistas e amigos na terra do Senhor do Bonfim. Seja na Costa do Dendê – região preferida de seus descansos quando à frente de um dos cargos mais importantes na hierarquia do poder no primeiro governo Lula, seja no Litoral Norte de Salvador, onde nestes tempos de planície ele repousa agora.

Magnificamente hospedado pelo secretário estadual de Industria e Comércio da Bahia, James Correia, em um dos mais caros e aprazíveis condomínios privados da Praia do Forte, o Zé, como é chamado pelos mais próximos, tem passados dias de rei ou, no mínimo, de príncipe. Cercado de mimos e atenção por companheiros e companheiras petistas. Gente que vai abraça-lo, mas principalmente gente que vai para ouvi-lo sobre a “conjuntura do País”. Há também os que querem saber do futuro.

Na manhã desta quinta-feira, 7, por exemplo, o Zé não chegou para tantos abraços e tantas consultas na Praia do Forte, tendo à sua frente uma das mais belas paisagens do litoral baiano. Até por telefone, a ponto de causar ciumes em graúdos do PT local.

Mas não adianta “ciumar”.

Como disse um petista de carteirinha: “Com o Zé, na Bahia, é sempre assim!”

Será?

(Postado por Vitor Hugo Soares )

jan
07

Postado em 07-01-2010 14:06

Arquivado em ( Newsletter) por vitor em 07-01-2010 14:06

Erundina: alma lavada

—————————————————————

MARIA OLIVIA

A deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP), ex-prefeita de São Paulo, conseguiu arrecadar mais de R$ 350 mil para pagar sua dívida com a prefeitura da Capital, conforme informações divulgadas nesta quarta-feira pelo jornal Folha de S.Paulo. “Estou aliviada e de alma lavada”, afirmou. As doações superaram a dívida e ela irá doar o excedente a uma entidade social.

Erundina foi condenada, em ação popular que correu na 1ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, a ressarcir o governo municipal por usar dinheiro público para financiar publicações manifestando apoio à greve de trabalhadores paulistas. A condenação da ex-prefeita se deve à publicação, em 1989, de anúncio apoiando o movimento grevista, e motivou campanha de arrecadação de centrais sindicais, de políticos (incluindo o PSDB) e até pessoa física. De Salvador, a ex-prefeita também recebeu apoio.

A deputada havia penhorado seus bens, como forma de garantir o pagamento da dívida, mas, ainda assim, os recursos não eram suficientes. Então, no final do ano passado, um grupo de amigos da deputada organizou um jantar beneficente e o movimento “Luiza apoio você”, a fim de obter doações.

Maria Olívia Soares é jornalista

jan
07

Postado em 07-01-2010 12:37

Arquivado em ( Artigos, Claudio, Multimídia) por vitor em 07-01-2010 12:37

A canção que unia Dalva a Lamenha

=================================================
==================================================
CRÕNICA/ENCONTROS

Sylvio Lamenha e Dalva de Oliveira, outra canção de amor

Claudio leal

O nome do cronista caiu na mesa. Ligeira busca na memória, persistente dúvida interna, um movimento das sobrancelhas rarefeitas. O professor Cid Teixeira, esse gênio de historiador desengravatado, recorre aos dois entrevistadores: “Sylvio Lamenha ainda é vivo?”. Resposta do antropólogo Roberto Albergaria, numa síntese melancólica: “Todos já estão mortos, Cid”.

Pois veja, depois de uma sentença tão definitiva, do lado cá dos vivos os companheiros de boêmia e de jornalismo deram de reviver Sylvio Lamenha a cada capítulo da minissérie global “Dalva e Herivelto – Uma canção de amor”, um brilhante diário para os telespectadores. Mas, por desígnios da morte, falta um espectador das desventuras do casal mais talentoso e briguento da música brasileira.

Imitador e fã extremado de Dalva de Oliveira, capaz de reproduzir os erres estridentes da cantora, Lamenha é uma pontada de saudade a cada aparição de Adriana Esteves, a intérprete da “Divina”. Jornalista do Diário de Notícias nos anos 60, o advogado Antonio Guerra Lima se lembrará por décadas das manhãs em que Sylvio cantava na redação um clássico de Herivelto Martins, “Ave Maria no Morro”, enquanto batucava na máquina a coluna “Hi-So”, insuperável em vibração cultural e diversidade de rostos. Ele pode ser flagrado no ofício, caderneta em punho, como um colunista social do filme “Tocaia no Asfalto”, de Roberto Pires. Encerrava a tripa de notinhas, invariavelmente, com um poema: “E, no mais, poesia é axial”.

Gay “avant la lettre”, Lamenha era ralhado pelo paternal diretor dos Diários Associados na Bahia, Odorico Tavares: “Senhor Silvio, eu lhe dou uma coluna social e o senhor só me põe homem?”. Além de Dalva, a grande paixão platônica de Lamenha era o irmão de uma famosa miss com duas polegadas a menos. Baixem as cortinas.

Os trinados do baiano não tardaram a cativar o rouxinol. Ficaram amigos de copo e de palco. Em 1972, em fase de declínio, Dalva foi produzida pelo jornalista Tarso de Castro, parceiro do colunista social nos verões baianos, quando faziam farras em Salvador e na Ilha de Itaparica, não raro embarcados na lancha do construtor Walter Fernandez, a Atrevida (“O mundo é mais bonito/Com Benito/ A vida só tem vez/ Com Walter Fernandez”, anotava na Hi-So).

Numa sacada de fera, Tarso incluiu o jornalista no show da decadente Dalva, que morreria naquele ano, no Teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro. Lamenha, autor da contracapa de um dos discos da cantora, atuava ao lado da musa Leila Diniz. Nome do espetáculo? “Vem de ré que eu estou de primeira”. Deu até pra notar o sorriso do leitor. Quem não viu a silhueta deve conferir a magnífica caricatura de Lamenha incorporando a estrela do rádio, feita pelo craque do bico de pena Ângelo Roberto.

O livro inspirador da minissérie global, “Minhas duas estrelas”, do grande cantor Pery Ribeiro (escrito em parceria com Ana Duarte), traz duas histórias em que Lamenha se torna reincidente no álcool e na amizade. Os gays sempre foram fãs ardorosos de Dalva, registra o filho da artista com Herivelto, “e esse era dos mais fanáticos”. Depois de um show com Chico Anysio, em Salvador, os músicos foram recebidos pelo prefeito da cidade.

Temeroso com a aproximação de Sylvio – a mãe deveria permanecer a quilômetros de qualquer drinque –, Pery Ribeiro passou o jantar olhando para os lados, atento à chegada do homem “inteligente e bom de papo”, mas desencaminhador de Dalva.

Perto do fim do encontro, ressurge a ave Lamenha, que arrebanha sua mãe para a noite de Salvador. Um telefonema desperta Pery na madrugada: embriagados, os dois não deixavam o dono de um bar de “quinta categoria” encerrar o expediente. Noutra temporada baiana, Lamenha introduziu conhaque no camarim da cantora, furando o bloqueio imposto pelo apresentador Luis Vieira. Bêbada, Dalva de Oliveira não conseguiu terminar o programa televisivo.

Sylvio Lamenha morreria de câncer, mas antes experimentou a fusão de bebida e desesperança, a mesma esteira em que derrapou a carreira de Dalva. Fantasiado de Nero, com uma lira furtada por Glauber Rocha e amigos do túmulo de Castro Alves, naufragou-se em cachaça e lança-perfume num baile do Bahiano de Tênis. Terminou no hospital, em coma. Mas não será lembrado somente por essas milongas. Projetado em Dalva, Lamenha encarnava esse desejo etéreo de distrair a morte com representações de hedonismo e alteridade. Até certa dose, valeu o engenho.

Claudio Leal é jornalista.

jan
07

Postado em 07-01-2010 09:41

Arquivado em ( Artigos, Eventuais) por vitor em 07-01-2010 09:41

Quem matou Neilton?

DEU NA TRIBUNA DA BAHIA
======================================================
Silvana Blesa

A família da vítima prefere o silêncio e desacredita na eficiência da Justiça baiana. Os acusados de assassinarem o servidor público Neylton Souto da Silveira, os vigilantes Josemar dos Santos, 31 anos, e Jair Barbosa da Conceição, 44, aguardam julgamento, presos no Presídio Salvador.

Já o Ministério Público entrou com recurso no Tribunal de Justiça da Bahia e reforça a tese de que o crime foi articulado pela a ex-subsecretária municipal de saúde Aglaé Amaral Sousa e pela ex-consultora técnica Tânia Maria Pimentel Pedroso, ambas em liberdade. A promotora Armênia Cristina Santos entrou com recurso no TJ, no dia 12 de julho do ano passado, contestando a decisão do juiz titular da 1ª Vara do Júri, Moacyr Pitta Lima Filho, e pedindo que os quatro acusados vão a júri popular pela morte do servidor. Enquanto isso, Aglaé, por exemplo, faz doutorado em São Paulo.

Três anos se passaram. Neylton Souto da Silveira, 48 anos, foi encontrado morto no dia 7 de janeiro de 2007, nas dependências da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A promotora salientou que, até o final do ano passado, o processo estava no TJ para ser julgado. E devido ao recesso de férias dos servidores que retornaram às atividades ontem, ela aguarda esperançosa que nos próximos seis meses obtenha resposta do Tribunal de Justiça. O MP entrou com recurso após a decisão do juiz Moacyr Pitta de que as provas apresentadas pela promotoria não seriam suficientes para que as duas acusadas fossem a júri popular.

Segundo a promotora criminal Armênia Cristina explicou, antes mesmo da confissão do vigilante Josemar dos Santos, acusado de executar Neylton, a própria família da vítima já tinha sido interrogada e afirmado que Neylton estava preocupado com as irregularidades que vinham acontecendo dentro da SMS, com desvios vultosos de verbas públicas, e tinha pedido para sair do emprego por conta das falcatruas, com os quais não concordava.

“Temos provas suficientes que comprovam que Agláe e Tânia tinham uma certa antipatia por Neylton, por ele ser correto no seu trabalho. Ele estava sendo pressionado pelas acusadas diante das irregularidades de desvios de dinheiro. Irei até o fim, mas não resta dúvidas do envolvimento delas no crime de mando”, afirmou a promotora, um dia antes de pedir recurso do TJ.

O Ministério Público aponta que os dois vigilantes, Josemar e Jair Barbosa da Conceição, teriam matado Neylton a mando das acusadas e recebido como recompensa R$ 25 mil. Mas o juiz não considerou eficientes as acusações do MP e nem acatou as outras investigações como desvios de verbas públicas. “Apenas o juiz não achou prudente o material apresentado. Agora espero que o TJ reveja os documentos que comprovam o que afirmo e peça que as duas vão a júri popular, assim como os dois vigilantes”, revelou Armênia.

LEIA INTEGRA NO JORNAL TRIBUNA DA BAHIA

jan
07

Postado em 07-01-2010 09:12

Arquivado em ( Artigos, Eventuais) por vitor em 07-01-2010 09:12


==============================================
ARTIGO / PERFIL

RESERVA MORAL DA BAHIA

Consuelo Pondé de Sena

Com lucidez e descortino, o Acadêmico e homem de cultura, Joaci Góes, teve a feliz idéia de, no seu espaço de quinta feira, dia 17 de dezembro de 2009, lembrar o nome do Ex-Governador da Bahia, Dr. Waldir Pires, para, nas próximas eleições de 2010, disputar uma cadeira no Senado da República, como representante da Bahia naquela Casa Legislativa. Refere ainda que, na formação da chapa majoritária do PT, encabeçada pelo governador Jaques Wagner, pouco tem sido lembrado o nome do ilustre homem público.

Fez bem Joaci em assumir essa iniciativa e fazer a prudente sugestão. É a voz de um homem experiente e talentoso a defender a candidatura de um político decente, de moral irretocável, preparado para exercer a função para a qual está sendo lembrado. Com efeito, Waldir Pires tem perfil de parlamentar preparado para essa missão.

Trata-se de um cidadão culto, educado, discreto, enfim, uma pessoa de trânsito fácil na sociedade civil, onde tem admiradores e adversários, como todo homem que faz da política a sua vida e preza a honradez da sua figura pública.

Pessoa alguma, porém, mesmo que dele divirja, pode apontar-lhe conduta amoral, um procedimento indecente, ou um pronunciamento inconveniente. Não gosta de fazer “alarde” dos seus atos, muito menos de proceder levianamente. É comedido nas suas ações. Talvez seja excessivamente sonhador.

Muitos fazem restrições à sua função de administrador, apontando equívocos cometidos na gestão como Governador da Bahia. Mesmo assim, confere-lhe a virtude de exercer a Democracia a qualquer preço. Talvez tenha cometido o grave pecado de confiar, cegamente, nos seus auxiliares. Também de ter escolhido, para os cargos importantes do governo, pessoas há muito tempo afastadas da Bahia e dos assuntos baianos. Cercou-se de partidários e de membros dos partidos que o apoiaram. Alguns deles, incompetentes e “aduladores” nunca trabalharam a seu favor. Muito ao contrário, incompatibilizaram-no com grande parte do povo que o elegeu numa campanha sem precedentes em nossa história. Esses tais auxiliares, pessoas desarticuladas com a realidade baiana, angariaram-lhe desafetos e o afastaram de amigos tradicionais. Pena que, em nome da conveniência, não seja prudente declinar os nomes de determinados “fanfarrões”. Mas, que tenho vontade de fazê-lo, isso tenho. Até hoje tenho todos eles atravessados na garganta. Tive a honra de servir ao seu governo e de ter sido por ele convocada para exercer uma função no meu Estado. Foi aquela a única vez em que estive colaborando diretamente com o Governo baiano.

Em nome da verdade e da justiça, dentre os nomes até agora lembrados para o Senado, pelo PT baiano, inexiste um que se lhe compare na trajetória coerente, digna e respeitável.
Não se sabe, nem se saberá em tempo algum, que Waldir Pires participa de “esquemas” fraudulentos, de “operações indignas”, de expedientes vergonhosos.

É um homem de bem a toda prova, incapaz de transigir com a indignidade e a malandragem, digno representante da linhagem familiar de um varão diligente, honrado e competente como foi o Dr. Bernardino José de Souza. Tomei conhecimento dessa gênese graças ao excelente trabalho do Dr. Francisco Lins, membro da mesma estirpe.

Consuelo Pondé de Sena é Presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia e membro da Academia de Letras da Bahia. consueloponde@terra.com.br

jan
07

Postado em 07-01-2010 00:07

Arquivado em ( Multimídia) por vitor em 07-01-2010 00:07


BOA NOITE!

  • Arquivos

  • dezembro 2018
    S T Q Q S S D
    « nov    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31