jul
11
Posted on 11-07-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 11-07-2009


Em 7 de junho de 1989 morria prematuramente Nara Leão, aos 47 anos. 20 anos depois de seu desaparecimento, completados mês passado, a importância de Nara para a MPB, em especial para a Bossa Nova, segue inabalável. Quase como amadora ela presenciou o nascimento do movimento , em razão da amizade com Roberto Menescal (que ela conheceu na praia aos 11 anos de idade), Edu Lobo, Wanda Sá e Ronaldo Boscoli. Estreu profissionalmente em 1963, ao lado de Vinícius de Moraes e Carlos Lyra, na comédia Pobre Menina Rica, “ano em que a bossa nova já ultrapassara a sua primeira fase e vivia a segunda, em plenitude”.

Nara nasceu em Vitória, capital do Espírito Santo, a 19 de Janeiro de 1942. Mudou-se com a família para o Rio de Janeiro com um ano. Sua formação é, pois, toda carioca, zona sul, Copacabana no auge, anos 50 . Estimada, querida, amada pelo charme oriundo da invencível timidez que não a impedia de ser franca, sempre que necessário, “Nara polarizou como figura feminina simbólica, a natureza íntima do movimento”.

Ei-la, na música para começar o dia no Bahia em Pauta, neste sábado, 11/7, em fantástica interpretação de “Dueto”, com Chico Buarque de Holanda, sua alma gêmea masculina.

(Vitor Hugo Soares)

jul
10
Posted on 10-07-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 10-07-2009


A música desta triste sexta-feira(19) vai postada pelo Bahia em Pauta em memória do ex-parlamentar constituinte e inigualável ex-líder dos petroleiros da Bahia à frente do Sindipetro, Mario Soares Lima, figura humana generosa que acaba de partir para dimensões insondáveis. Filho ilustra de Glória, na beira do Rio São francisco, Amigo solidário, alegre resistente, frágil e contraditória figura às vezes, mas sempre ser humano como poucos. É para ele esta Ave Maria, na interpretação de Charles Aznavour, único como Mario, que acaba de partir.

(Vitor Hugo Soares, editor)

jul
09
Posted on 09-07-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 09-07-2009


=================================================
O cantor e compositor uruguaio, Jorge Drexler,44 anos, consagrado com a conquista do Oscar em 2005, pela canção do filme “Diário da Motocicleta”, está no Brasil em rápida temporada de lançamento de seu novo album “Cara B”, lançado no ano passado. Já apresentou-se no Rio de Janeiro, domingo passado, depois em São Paulo, e agora segue entre Florianópolis e Porto Alegre, antes de retornar so seu país. Não passará pela Bahia, fonte de inspiração de uma de suas mais belas criações, mas é ele que interpreta Sampa, de Caetano Veloso, a música para começar o dia, neste 9 de Julho, data em que São Paulo festeja a sua Revolução Constitucionalista.

O vídeo, como assinala o autor no You Tube, é uma versão inusitada de Jorge Drexler (capturada por Sérgio Lombardi) da obra-prima de Caetano Veloso, Sampa. Emocionante. “Foi um privilégio estar presente a esta noite mágica. Setembro de 2007 no Sesc”, registra . Realmente. Esta é também a homenagem do Bahia em Pauta aos paulistas nesta data repleta de significado histórico para Sampa. Confira.

(Vitor hugo Soares)

jul
09
Posted on 09-07-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 09-07-2009

Lula escorrega em Paris
lula

jul
08
Posted on 08-07-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 08-07-2009


==================================================

Por falar em beleza e elegância: a música para começar esta quarta-feira (8) baiana de sol e chuva misturados é “Infinito Particular”, na interpretação singular e elegante – bota elegânncia nisso – de Marisa Monte. O Bahia em Pauta escolheu o vídeo de uma apresentação ao vivo, gravado durante a apresentação da artista no programa “Altas Horas”, de Serginho Grossman, na Rede Globo, que destaca toda força da letra dos tribalistas Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, e Marisa Monte,mas princiopalmente a intensidade interpretativa e magnetismo de Marisa: “Vem cá, não tenha medo, a água é potável, você pode beber”. Pode apostar.

(Vitor Hugo Soares)
======================================================
LETRA

Infinito Particular
Marisa Monte

Composição: Arnaldo Antunes, Marisa Monte, Carlinhos Brown

Eis o melhor e o pior de mim
O meu termômetro, o meu quilate
Vem, cara, me retrate
Não é impossível
Eu não sou difícil de ler
Faça sua parte
Eu sou daqui, eu não sou de Marte
Vem, cara, me repara
Não vê, tá na cara, sou porta bandeira de mim
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular
Em alguns instantes
Sou pequenina e também gigante
Vem, cara, se declara
O mundo é portátil
Pra quem não tem nada a esconder
Olha minha cara
É só mistério, não tem segredo
Vem cá, não tenha medo
A água é potável
Daqui você pode beber
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular

jul
07
Posted on 07-07-2009
Filed Under (Artigos, Eventuais, Multimídia) by vitor on 07-07-2009


===============================================
O texto que o Bahia em Pauta publica a seguir nesta sua área de conteúdo principal, no dia do sepultamento de Michael Jackson, em Los Ângeles, saiu originalmente como simples comentario a uma crônica sobre a morte do megaastro do pop, assinada pela jornalista e escritora carioca Maria Aparecida Torneros, cidadã do mundo colaboradora de primeira hora deste BP.

É um texto saído das entranhas de um jovem, nascido na Califónia nos loucos anos 70, Pablo Nicholas Vallejos. Amante de Rock desde a infância, ainda atualmente costuma cruzar o seu enorme país de ponta a ponta, viajando de carro, ônibus e trem para assistir a todos os shows da temporada de uma banda, ou de um artista (como Michael Jackson ou os brasileiros do Sepultura), desde que ele efetivamente goste e ache que o sacrifício vale a pena.

Com o passar dos dias, ficou cada vez mais evidente para nós, que o texto de Pablo merecia mais luz e atenção. Pela simplicidade, pelo sentimento verdadeiro, pela pungência das recordações, mas também pela real qualidade de uma escrita densa, crítica, amarga as vezes, mas enxuta ao mesmo tempo, e que vai direto ao ponto: corações e mentes.

Decidimos que esta terça-feira, dia do enterro de Jackson, é a oportunidade que faltava para republicar o texto de Pablo Vallejos. É também a mensagem de despedida do Bahia em Pauta ao incomparável artista que partiu

Em tempo: a tradução do texto de Pablo, publicado originalmente em inglês, é de Laura Tonhá, outra jovem cidadã do mundo, e uma das razões de ser deste Bahia em Pauta.

(Vitor Hugo Soares, editor)

====================================================
Paris, a filha: lágrimas no adeus
paris2

==================================================

CRÔNICA/DESPEDIDA

CONTINUAMOS DANÇANDO

Pablo Nicholas Vallejos

“Os anos 80 foram os dias de rei do Michael, e uma visao apurada da década mostrará um tempo de maior simplicidade.

O jornalismo de celebridade ainda não tinha se transformado na pouco inteligente “caça ao peru” dos dias de hoje.

Rumores sobre as excentricidades de Jackson – chimpazé de estimação, camara de gás, homem dos ossos de elefante – eram espalhados jocosamente pelo próprio Jackson.

Durante este período, o pop estava em seu apogeu e Jackson seguramente era o Rei.

Não foi evidenciado o fato de que sua música era, sem nenhum esforço, progressiva: do disco pop duplo “Não pare até você conseguir o suficiente” para o rock pesado da guitarra de Eddie Van Halen (guitarrista holandes) em “Beat it = Cai fora” para a electro-gofh – gênero musical que combina diversos estilos de música eletrônica, com a atitude e o espírito do rock gótico – de “Thriller” – para o astro da musica Soul (musica afro-americana) de “Smooth Criminal” (canção do album “BAD” de 1987). Hoje cruzadas com o mais importante do gênero pop, essas musicas são facilmente percebidas como extremamente inovadoras para o seu período de tempo clássico.

Apesar de Jackson ainda produzir grandes musicas, videos e performances em shows na década de 90, Jackson nunca se recuperou completamente das acusações de molestar crianças em 1993. Ele se sentiu traído pelo público- seu público – e o crescimento da exposição, acelerava sua reclusão.

A musica mudou nos anos 90: o rock alternativo alterou as percepções do que era o pensamento geral sobre sucesso, e Gangsta Rap – termo cunhado pela mídia para descrever um certo gênero do rap, que tem por característica a descrição do dia-a-dia violento dos jovens de algumas cidades – oferecia criminalidade como entretenimento. Cultura em geral mudou, e nós, como consumidores, mudamos com isto.

Na época do segundo julgamento por molestação de crianças de Jackson, em 2005 – no qual o cantor foi inocentado – ele tinha começado a usar palavras de “brincadeira” para se defender, que causavam estranhamento. Ultra-saturados, simpatia em baixa, cínicos, nós fomos induzidos por sensacionalistas e não-provadas alegações. Não prestamos atenção na verdade. Nós queríamos a história dos tabloides, principalmente porque isto era o que todos ofereciam. Se nós dançávamos a sua música, isto era com uma piscada de olho irônica.

Mas nós continuamos dançando.”

Pablo Nicholas Vallejos

jul
06
Posted on 06-07-2009
Filed Under (Artigos, Eventuais, Multimídia) by vitor on 06-07-2009


================================================

OPINIÃO/IMPUNIDADE

POLITICAMENTE INCORRETA

Graça Azevedo

Que me perdoem os amigos dos anos 67-70 se este desabafo parecer politicamente incorreto. É que não suporto mais ver os poderosos infringindo as leis e acobertando-se sob o manto do politicamente correto.

É muito fácil para os que estão no poder repetirem a frase: são excluídos sociais, não tiveram a oportunidade de se tornarem pessoas melhores. E em nome destes excluídos fazerem leis que beneficiam aos maiores infratores deste País.

São pessoas que se beneficiaram no tempo da ditadura e que, por si ou por seus descendentes, continuam representando o que a elite brasileira tem de pior. E pensar que eu, como muitos da minha geração, lutamos, de formas diversas, para mudar o “status quo”… Eles continuam!

Que privação passaram os senadores e deputados deste Brasil? Todos pertencem a uma classe privilegiada, inclusive de trabalhadores. É através do discurso do politicamente correto que se negam a fazer as leis punitivas tão necessárias à moralização deste País.

Enquanto estes legisladores estiverem no poder, nenhuma lei permitirá a tranqüilidade que almejamos. Eles jamais criarão algo capaz de uma autopunição. E ainda fazem o discurso bonito contra a miséria. Que fique claro que, como socióloga, vi e estudei os fatos sociais que definem a exclusão social do Brasil. O que não aceito é que, usando a miséria social, os verdadeiros construtores desta realidade, miseráveis morais, se protejam da punição que lhes seria imposta.

Os ditos “representantes do povo” , com raras e honrosas exceções, possuem em seus gabinetes funcionários que buscam consultas e internamentos para a população excluída e com este ato “generoso” conseguem a fidelidade de eleitores pelo seu favor. Por isso nunca um projeto de saúde eficiente será efetivamente montado para atender a todos. Isso ocorre em todos os segmentos: estradas, poços, caminhões de água na seca… Tudo tem que ter o carimbo de quem conseguiu, como se isso não fosse sua obrigação. Aos pobres eleitores parecerá sempre um favor, um presente.

Vejo em todas as esferas do Poder um esquema de autoproteção. Começa no Legislativo que, em tese, deveria fazer leis que beneficiassem toda a população e não o fazem, passa pelo Executivo que não as cumpre e termina no Judiciário que absolve a todos.

Quando vejo a sucessão de escândalos que abala o País me vejo sem saber a quem recorrer.

Perdi há três anos um filho assassinado. Até hoje os criminosos não foram julgados e ainda possuem protetores “importantes”. Eu me pergunto se, diante de toda a impunidade que campeia neste país, os meliantes não se sentirão com direito às benesses que uma corja instalada no Poder reivindica em seu próprio favor.

E é em nome das mães das vítimas, já que as mães dos infratores recebem toda a ajuda dos poderes constituídos e paralelos, que suplico aos que, como eu, se revoltam com o atual estado das coisas, que se rebelem contra os ditos “direitos humanos” e exijam uma sociedade que comporte os Humanos Direitos.

Maria das Graças Azevedo é socióloga e servidora pública, mãe do economista e ex-consultor da ONU para políticas de agricultura familiar e alimentação, Vitor Athayde Couto Filho, assassinado em Salvador em 2006.

jul
05
Posted on 05-07-2009
Filed Under (Aparecida, Artigos, Multimídia) by vitor on 05-07-2009


=============================================
Nelson: “tantos anos depois”
nelson
===============================================
CRÔNICA/VIDA E ARTE

TODOS NÓS,MUITOS ANOS DEPOIS…

Aparecida Torneros

Terminei minha sexta-feira, tomando chope na Lapa carioca, já noite alta, aliás, no sábado entrante, passava da meia noite, e eu estava ali, com duas outras “cinderelas”, amigas de profissão, ambas ex-alunas minhas, nos tempos, mais de 20 anos atrás, em que dava aulas de jornalismo, na universidade,e me tornava referência para meninas como elas, cheias de ideais e sonhos.

Vínhamos de uma palestra, dada pelo escritor moçambicano Mia Couto, num festival que se realiza no Rio, sobre o teatro da língua portuguesa. Ela própria, a afiada “flor do Lácio, inculta e bela”, mais uma vez, a pátria de nós todos, os escribas e falantes felizes de um idioma tão sensibilizante.

Na única pergunta que formulei ao poeta e palestrante do evento, incitei-o a discorrer sobre a sensação de ver textos seus traduzidos em mais de 20 idiomas e do quanto isso o agradava ou não. Ele foi humilde e direto: “Estou condenado a ser mesmo um escritor da língua portuguesa, não sei se as traduções são bem feitas, acho mesmo é que não, mas só consigo conferir em duas ou três línguas, e o que sinto é comum a todos os escritores, na verdade”. E seguiu nos impressionando com seu jeito bem humorado de falar dos anos da sua infância, da sua juventude engajada na revolução em Moçambique, na sua tarefa simples de escrever e dizer coisas da sua alma, no faz de conta que lhe atravessa a vida e faz dele um autor teatralizado e um poeta revisitado, tempos afora.

Antes, pela tarde, em trabalho de assessoria,eu tinha acompanhado meu chefe num debate sobre as favelas e bairros do Rio de Janeiro. Na mesa principal, encontrava-se o cineasta Nelson Pereira dos Santos e foi exibido trecho do seu antológico filme Rio 40 graus, de 1955. O sábio intelectual, do alto dos seus 81 anos, digno imortal que é da Academia Brasileira de Letras, contou sobre a realização daquela produção em preto e branco e se declarou emocionado ali, diante de uma platéia cheia de estudantes, professores e técnicos para discutir a realidade urbanísitica e social da cidade maravilhosa, sob o tema abordado no seu projeto de jovem que observou o comportamento do morador da favela dos anos 50, e o levou para o cinema com maestria e sensibilidade.

Aproveitei o intervalo do café e fui até ele. Conversamos aquele tipo de conversa que une pessoas de várias gerações em torno de um só tema…o tempo… tantos anos depois… eu fora aluna dele, nos anos 70, na Universidade Federal Fluminense, quando ele rodou com a participação dos alunos, “Como era gostoso o meu francês”.

Nos poucos minutos do nosso papo informal, Nelson me contou que foi à França em maio último para festejar seus 60 anos de Paris, pois lá chegou em 1949, às vésperas de completar os 21 anos para estudar, com bolsa do governo francês.

Trocamos algumas confidências sobre o encantamento da cidade francesa, eu lhe falei dos mistérios que quero ainda desvendar por lá, e que acabei de ter meu primeiro contato com o lugar dos sonhos de tantas gerações, mas vou voltar, com calma e descobrir um a um, segundo meu coração indica e minha alma clama.

Contei-lhe que já me matriculei num curso de francês, para preparar-me melhor e viver algum tempo a partir da minha próxima aposentadoria, bem ali, no ponto de encontro da minha juventude com a minha maturidade. Não lhe revelei, entretanto, que vou viver também o que estiver ao meu alcance, em termos de amor entre homem e mulher, já que tenho um namorado novo e ele vive por lá.

Mas, na manhã do dia seguinte, deparo-me com um texto que relembra o filme “Um homem , uma mulher”, obra que me emocionou tanto, nos anos 60. Volto mais um pouco a fita e me recordo que assisti também à produção do mesmo Claude Lelouch, que se atreveu a filmar, 20 anos depois , a continuação da história, e em 1986, fez “Um homem, uma mulher 20 anos depois”.

Como os mesmos atores protagonizando o enredo que trouxe a sequencia das suas vidas para o tempo do amanhã, em doce e reconfortante final feliz, acompanhei, a tal nova versão, para meu gáudio e de tantos sonhadores, contemporâneos da minha adolescência.

Encontro-me agora, exatamente, na manhã do dia seguinte, na manhã do tempo de todos nós, tantos anos depois.

Pergunto-me sobre a razão pela qual o tempo ao correr nos deixa assim tão à mercê de si, envolvidos com lembranças extremamente frágeis e num piscar de olhos, ali estamos todos, embalados por histórias que permanecem vivas no imaginário do escritor moçambicano, na alma do cineasta brasileiro, na criação do diretor francês de cinema, na saudade da cronista carioca e até no reencontro das meninas alunas que atingiram os 40 anos com a carinha dos 20, e me resgataram a deliciosa condição de amiga do tempo, tantos anos depois…a rodagem do filme continua…ainda somos os melhores protagonistas dos nossos roteiros.

Cida Torneros, jornalista e escritora, mora no Rio de Janeiro

jul
03
Posted on 03-07-2009
Filed Under (Artigos, Gilson, Multimídia) by vitor on 03-07-2009

CRÔNICA DE CINEMA

UM HOMEM, UMA MULHER, O FILME

Gilson Nogueira

Faça de conta que você ouve alguém tocando Wave ao piston na praia de uma ilha deserta em fim de tarde chuvosa e que você está só no único bar aberto bebendo alguma coisa à espera da mulher que você se apaixonou quando a viu descer do barco que a levou até lá para passar o final de semana em uma pousada de um amigo dela.

Se não for essa a imagem que pinta, imagine qualquer outra história que o faça feliz e deixe seu coração bater mais forte. Em seguida, pensando na paixão de sua vida, vá ao computador e procure a trilha sonora do filme Um Homem, Uma Mulher, dirigido por Claude Lelouch, tendo Anouk Aimeé e Jean-LuisTrintignant nos papéis principais. Mesmo quem não é fã de carteirinha de cinema sabe que Un Homme et une Femme é considerado um dos carros-chefe da ‘Nouvelle Vague’ francesa e detentor da Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1966 e dos Oscars de Filme Estrangeiro e Roteiro Original de 1967.

Foram mais de 40 premiações conquistadas no mundo inteiro. A película conta a história de dois viúvos que se conhecem ao acaso ao visitarem seus respectivos filhos em um colégio interno a cada fim de semana. Certa vez, Anne (Anouk) perde o trem e Jean–Louis ( Trintignant ) lhe oferece uma carona de volta a Paris. Aos poucos começam um relacionamento, cujo final não deve ser contado, aqui, para não perder a graça. Procure assisti-lo, em DVD.

Enquanto você pensa nisso e, claro, na mulher amada, faça uma pausa, no seu final de semana, e escute parte da trilha sonora de Francis Lai para essa que é uma das mais belas histórias de amor da chamada sétima arte. As principais características de Lelouch, você sabe, eram o uso de uma câmera móvel e de temática que tratava das relações humanas, com ênfase para homens-mulheres. No dia que fui ver o filme, em Salvador, aos 21 anos de idade, sabia que o Samba da Benção, cantado por Vinícius de Moraes e Baden Powwel, seus autores, estava lá. E, até hoje, independentemente de possuir o LP da sua trilha sonora, tento, apaixonadamente, no dia-a-dia, “filmar” um novo mundo, mesmo sem uma câmera na mão. Viva Glauber!!!

Gilson Nogueira é jornalista

jul
03
Posted on 03-07-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 03-07-2009


3 de Julho: este é um dia verdadeiramente para se festejar, principalmente que curte boa música. Em uma data como esta, no ano de 1967, era lançado na Inglaterra o album “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, o oitavo álbum dos Beatles, para inujeráveis críticos o melhor e mais revolucionário de todos os produzidos pela banda britânica de rock e da música em geral.Vendeu 11 milhões de cópias só nos Estados Unidos.

Em 2003, a revista especializada em música Rolling Stone colocou Sgt. Pepper’s no topo de uma lista de 500 melhores álbuns de todos os tempos[5]. O disco recebeu quatro Grammys, entre eles “Álbum do Ano”. A musica para começar o dia é uma das mais belas do album famoso: “With a Litle Help to my Frend”. Confira.

Pages: 1 2 ... 95 96 97 98 99 ... 103 104

  • Arquivos

  • outubro 2019
    S T Q Q S S D
    « set    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031