jun
07
Posted on 07-06-2009
Filed Under (Artigos, Multimídia) by vitor on 07-06-2009

 

 Neste ensolarado domingo junino, em Salvador da Bahia, a música para começar o dia lembra João Só e sua inesquecível composição “Menina da Ladeira”. Quem, na Bahia e no Brasil , não ouviu esta melodia com o gosto  e a simplicidade das melhores coisas brasileiras e não sentiu vontade de sair assobiando pela rua,  feliz , mesmo  em momento sombrios e de  dificuldades como os anos 70  em que foi composta?

 Grande e saudoso João Só, que um ataque sorrateiro do coração levou, no dia 20 de junho de 1992,  quando ele descansava na casa de sua família, em Salvador. João Evangelista de Melo Fortes, ou simplemente João Só,  nasceu em Teresina, no Piaui, mas passou praticamente a vida inteira na cidade das ladeiras da menina de sua canção. Saudades!

(Vitor Hugo Soares)    

jun
06
Posted on 06-06-2009
Filed Under (Artigos, Multimídia) by vitor on 06-06-2009


Para este sábado (6) da Semana Mundial do Meio Ambiente é difícil encontrar música melhor que Terra, do santamarense Caetano Veloso, para começar o dia. Com a palavra um ouvinte não identificado, em comentário ao vídeo postado no You Tube: “a música mais bonita que eu ouvi do tempo da ditadura, a mais emocionante dedicatória de amor a nossa vida? e a nossa TERRA”. Nada a acrescentar. Só ouvir e prestar bem atenção na letra e melodia.

(Vitor Hugo Soares)

jun
05
Posted on 05-06-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 05-06-2009


——————————————————————
 A música para terminar o dia nesta sexta-feira, 5 de junho, é “Trem das Onze”, aqui numa interpretação especial que reúne no mesmo palco o grupo paulista Demônios da Garôa, criado pelo imortal Adoniran Barbosa, e o grupo carioca Fundo de Quintal. A escolha tem dupla motivavação, além de significados inumeráveis, à vontade de cada ouvinte ou leitor deste site-blog. Em primeiro lugar é um classico do melhor samba brasileiro, feito em plena garoa paulista. Depois disso é a música preferida desde sempre de Fernanda Gabriela, a Gabee, aniversariante desta data, que nasceu e vive nos Estados Unidos, com a cabeça e o coração de mel sempre ligados em Salvador e, ultimamente, também neste site-blog, do qual sua mãe, Regina é colaboradora e grande incentivadora. “Trem das Onze” é o samba que estimulou Gabee não só a gostar de música, mas a aprender português, dançar e amar as coisas do Brasil. Felicidade para ela! Prazer para todos com Trem das Onze.

(Vitor Hugo Soares, editor, e Margarida Cardoso, revisora, com carinho)

jun
05
Posted on 05-06-2009
Filed Under (Artigos, Multimídia) by vitor on 05-06-2009


==================================================
CRÕNICA DO COTIDIANO/LEMBRANÇAS

Vamos à luta!

Gilson Nogueira

Salvador é uma das 12 capitais brasileiras escaladas para sediar algumas partidas da Copa do Mundo de 2014. Palmas para ela! O fato irá proporcionar enormes benefícios à capital do estado cujo povo faz do futebol uma de suas maiores paixões, tendo o Carnaval entre elas. De melhoramentos no sistema viário a outras intervenções de peso na infra-estrutura da cidade, a Copa deverá provocar mudanças definitivas na paisagem urbana da Meca da Capoeira que, hoje, parece gemer calada ao receber golpes mortais da especulação imobiliária.

São punhaladas arquitetônicas que a descaracterizam, da noite para o dia. Salvador geme, baixinho, ao ver sangrar o que restou de sua Mata Atlântica, principalmente, às margens da Avenida Paralela, e não se rebela, como deveria, por inércia ou ingenuidade de sua boa gente, com o fato do Abaeté vir a secar, de vez, e deixar de ser uma lagoa escura, arrodeada de areia branca, como cantou o mestre Dorival Caymmi, ícone maior de nossa música.

Os cartões-postais da Bahia correm o risco de se perpetuarem, apenas, no papel. Salvador, a dona da bola, quando o assunto é festa, parece aceitar, de braços cruzados, passivamente, com raras exceções, de grupos que buscam impedir a destruição do seu patrimônio natural, sua morte anunciada. É preciso dizer Não! Dessa vez, a esses capitães do lucro a qualquer preço, neo-invasores de terras alheias!

As dunas, no entorno do Abaeté, onde a natureza era intocada, no tempo em que as serenatas existiam, começam a ser destruídas, para dar lugar à ampliação do Aeroporto Internacional Deputado Luis Eduardo Magalhães, que deveria voltar a chamar-se Dois de Julho. Os horizontes da nossa urbe, sob a ótica de quem defende a qualidade de vida da sua população, revelam-se turvos nos aspectos ambientais. Dessa sanha imobiliária, que agride a paisagem, derivam males incuráveis, como, por exemplo, a perda da auto-estima dos habitantes da cidade por sua terra, como se algo ferisse seu amor-próprio. É preciso estar atento e forte para impedir que Salvador deixe de ser Salvador. Vamos á luta!

O aquecimento global não é mais uma ameaça. O clima da maior metrópole nordestina está mudando, para pior. Não posso mais dizer às pessoas que ele é o melhor do mundo. Há, no espaço de minhas lembranças da mocidade, a Fonte Nova de antigamente, com seu formato lembrando uma ferradura.Creio, para permitir ao vento – que balançava as palhas dos coqueiros e que encrespava as águas do mar -,entrar, por ali, de graça, a fim de assanhar, mais ainda, os cabelos da morena, na torcida do Bahia. Era um gol de vida!

Gilson Nogueira, jornalista, ex-morador do bairro da Saúde, em Salvador, a menos de 300 metros do estádio da Fonte Nova em linha reta.

jun
05
Posted on 05-06-2009
Filed Under (Multimídia, Newsletter) by vitor on 05-06-2009

Michele Bachelet com a Joan Turner(bailarina) viuva de Jara
bachelet
==================================================
Durou cerca de quatro horas a exumação no cemitério de Santiago, nesta quinta-feira (4) do corpo do compositor, intérprete e diretor de teatro Víctor Jara – um dos maiores nomes da canção no Chile e na América Latina – assassinado pelos militares em 15 de setembro de 1973, días depois do golpe militar do ditador Augusto Pinochet. A finalidade é esclarecer alguns testemunhos sobre um dos mais terríveis crimes políticos praticados no continente.

A diligência, ordenada pelo juiz Juan Eduardo Fuentes, encarragado da instrução da investigagação da morte de Jara, poderá elucidar aspectos chave do caso e se espera que sirva para validar a declaração do ex-recruta José Adolfo Paredes Márquez, até agora o único detido pelo crime..

Paredes, de 54 anos, confessou ser um dos soldados que dispararam em repetidas ocasiões contra o autor de ‘Te recuerdo Amanda’, ainda que posteriormente tenha se retratado e se declarado inocente e assegurou que cantor foi assassinado por um subtenente com um disparo na fronte…

Esta versão difere da estabelecida pelo Serviço Médico Legal, que determinou que Jara foi torturado, teve os braços partidos e recebeu 44 disparos em todo o corpo.

(Postado por:Vitor Hugo Soares, com informações do jornal espanhol El Mundo)

jun
04
Posted on 04-06-2009
Filed Under (Artigos, Multimídia) by vitor on 04-06-2009

Eastwood: valor das rugas
ator
===============================================
A música e o vídeo que inspiraram o cronista

==============================================

CRÕNICA DO COTIDIANO/MÚSICA E CINEMA

CLINT EASTWOOD É O CARA

Janio Ferreira Soares

Existem pessoas que vivem travando um eterno combate contra o tempo, como se ele fosse um velho esclerosado que se deixa enganar por plásticas, mini-saias e jovens de aluguel a tiracolo, que na verdade estão mais interessados na fama pós-coito do que na própria relação em si. Em contrapartida existem aqueles que assimilam com perfeição as durezas impostas pelos anos e aceitam numa boa seus cruzados no fígado e demais golpes baixos, que de vez em quando nos pegam de jeito. Mas, enfim, cada um que cuide de suas necessidades, de seus pés de galinha e de seus cabelos brancos como bem entender.

Estou falando isso porque recentemente eu andei vendo alguns filmes protagonizados ou dirigidos por Clint Eastwood e pude observar que ele, que no último domingo, 31 de maio, completou 79 anos, vale cada ruga que a vida lhe sapecou na pele. E quanto mais elas aparecem, melhor ele fica, seja como ator, diretor ou um simples garimpeiro de belas canções que compõem suas trilhas sonoras.

Lá pro final dos anos 60 e início dos 70, quando eu flanava por Paulo Afonso (BA) em meio a gibis, brigites e lolobrigidas, o cinema tinha lugar de honra por essas bandas do sertão. A cidade chegou a ter cinco salas funcionando simultaneamente, o que representava uma verdadeira festa no interior. E pela proximidade entre elas dava até pra pegar duas sessões por dia, como acontece nesses democráticos complexos de salas germinadas dos grandes centros, onde Fellini e Rambo às vezes ficam lado a lado, apenas separados por grossas paredes que servem como uma luva para que queijos, salames e garrafas de vinhos da Toscana não sejam atingidos por rajadas de bazucas endiabradas e músculos bombados made in Vietnam.

Lembro-me que quando passava algum western em que ele era o mocinho, tirando a dificuldade de pronunciar o seu sobrenome, o resto era uma festa. Além de toda agitação, eu também ficava doido para ouvir a música que iria acompanhar suas cavalgadas por cânions, vales e montanhas, pra depois ir correndo até a minha casa (assoviando-a, claro, pra não esquecer nenhuma nota pelo caminho) aprender a tocá-la no violão.

O seu último filme, Gran Torino, pode não ser uma obra prima, mas, para quem conhece o seu trabalho, é muito bacana poder identificar em Walt Kolwalski – um veterano da guerra da Coréia -, traços do cavaleiro solitário que ele foi um dia, misturado com o policial durão, Dirty Harry, acrescido de algumas pitadas do fotógrafo que conquistou Maryl Streep – ao som da sensual voz de Dinah Washigtton – em As Pontes de Madison.

Confesso que ao subir o letreiro, quando ele sussurra com sua voz rouca e desafinada a canção que dá nome ao filme (uma bela parceria com Jamie Cullum), deu vontade de colocar os dedos na boca e dar aquele mesmo assovio que eu dava nos tempos em que ele sacava o seu Colt 45 na tela do velho Cine São Francisco e derrubava pelo menos uns três. Só não o fiz porque naquela hora eu estava com uma das mãos segurando um lenço meio umedecido. Vida longa ao bom e velho Clint.

Janio Ferreira Soares, cronista e escritor, é secretário de Cultura e Turismo de Paulo Afonso, na região do Vale do São Francisco


A música para começar o dia nesta quarta-feira(3) – a exemplo da linda crônica de ontem da jornalista e escritora Aparecida Torneros, que o Bahia em Pauta publica logo a baixo – é um bálsamo para amenizar temores que andam pelos aeroportos e pelo espaço nos útimos dias, principalmente na romântica rota Rio-Paris. É o Samba do Avião, imortal criação de Tom Jobim. A emoção se completa no vídeo do You Tube com cenas deslumbrantes do Rio de Janeiro no sobrevôo de tirar o fôlego sobre a Cidade Maravilhosa.

(Vitor Hugo Soares)

jun
02
Posted on 02-06-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 02-06-2009


=================================================
A música para começar o dia nesta terça-feira (2) é “Medo de Avião”, um clássico da MPB, sucesso dos anos 70/80, de autoria de Belchior. É uma canção auto-explicativa nestes dias de buscas nas águas do Atlântico do AirBus da Air France, que fazia o vôo Rio-Paris e desapareceu com 228 pessoas a bordo. O artista cearense fala com humor, originalidade e delicadeza sobre o temor que permeia o nascimento de uma paixão. Quantos temores e quantos amores no vôo da Air France?(Vitor Hugo Soares)
======================================================

Medo de Avião
Belchior

Foi por medo de avião
Que eu segurei
Pela primeira vez
A tua mão
Um gole de conhaque
Aquele toque em teu cetim
Que coisa adolescente
James Dean…

Foi por medo de avião
Que eu segurei
Pela primeira vez
A tua mão
Não fico mais nervoso
Você já não grita
E a aeromoca, sexy
Fica mais bonita…

Foi por medo de avião
Que eu segurei
Pela primeira vez
A tua mão
Agora ficou fácil
Todo mundo compreende
Aquele toque Beatle
I wanna hold your hand
Agora ficou fácil
Todo mundo compreende
Aquele toque Beatle
I wanna hold your hand
Aquele toque Beatle
I wanna hold your hand…

Yeh, Yeh, Yeh!
Yeh, Yeh, Yeh!
Yeh, Yeh, Yeh!
Yeeeh!

jun
01
Posted on 01-06-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 01-06-2009


A música para começar o dia, nesta segunda-feira (1° de junho) de maus prenúncios no ar, é uma homenagem à memória de Livinia Dean, última sobrevivente do naufrágio do Titanic, que morreu ontem aos 92 anos de idade na Inglaterra, em uma residência para idosos. No vídeo do You Tube, escolhido pelos Bahia em Pauta para seus leitores e ouvintes, Celine Dion, em apresentação ao vivo, interpreta a música tema do filme sobre a tragédia no mar, um dos maiores sucessos de público da história do cinema em todos os tempos, que fez disparar também o sucesso mundial da grande cantora. Repuso em paz para Livinia Dean, em qualquer dimensão em que ela estiver agora.

(Vitor Hugo Soares)

maio
31
Posted on 31-05-2009
Filed Under (Artigos, Multimídia) by bahiaempauta on 31-05-2009

O editor deste blog me recrutou a encerrar as atividades deste site nesta noite com uma referência a Londres, hoje comemorando os 150 anos de um dos seus símbolos máximos, o  Big Ben.  O pedido tem várias razões, mas é suficiente dizer que a cidade em questão foi minha residência em tempos recentes e que nós (eu e o ilustre editor) ja a desfrutamos juntos e permanecemos como grandes amantes da mesma.

Neste domingo frio e chuvoso aqui em Brasília, buscar referências e músicas que possam homenagear Londres foi uma tarefa que demandou alguma emoção. Lembrei-me que em domingos frios como este na capital inglesa muitas vezes me reuni com amigos brasileiros, neozolandeses, australianos em animados pubs para ouvir o clássico rock inglês e encerrar bem o fim de semana. É um pouco desta emoção que eu tento trazer aos caros leitores do Bahia em Pauta com The Clash, puro rock britânico, no clássico London Calling. Apreciem. Parabéns ao Big Ben. Viva Londres.

Por Laura Tonhá

Pages: 1 2 ... 97 98 99 100 101 102 103 104

  • Arquivos

  • outubro 2019
    S T Q Q S S D
    « set    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031