ago
08
Posted on 08-08-2009
Filed Under (Artigos, Vitor) by vitor on 08-08-2009

Zé Alencar: quanta semelhança!
jalencar
Zé Sarney: quanta diferença!
jsarney
==================================================
ARTIGO DA SEMANA

REVELAÇÕES DO PODER

Vitor Hugo Soares

No começo da semana, durante os ensaios na televisão da ópera bufa encenada quinta-feira (6) no plenário do Senado, com o presidente da Companhia no papel de ridículo e desconcertante personagem central, o autor destas linhas cuidava do blog que edita em Salvador desde fevereiro deste ano, com descobertas surpreendentes a cada dia.

Exemplo: abrir a caixa de mensagens eletrônicas e encontrar uma duplamente especial. Primeiro, porque oferecia preciosas informações sobre casos impunes de favorecimentos de governos e instituições públicas, benesses à mãos cheias distribuídas às custas do erário, tema que permeia tantos escândalos ultimamente – federais, estaduais e municipais – entre eles o do senador Sarney (PMDB-AP), um dos mais deslavados.

Em segundo lugar, a mensagem trazia a assinatura do advogado Inácio Gomes, uma referência pessoal e profissional desde sempre, e mais ainda na época em que ele e uns poucos em sua profissão arrostavam perigos pessoais e profissionais na defesa de presos e perseguidos políticos na Bahia, como o ex-deputado Chico Pinto (“este exemplo de parlamentar”, como dizia Ulysses Guimarães). Tempo em que muitos juristas eminentes – e também políticos com mandatos que agora se apresentam em plenário como audazes paladinos da democracia e da coragem cívica em um tempo de covardia – costumavam correr, como o diabo da cruz, de gente com problemas com o regime discricionário em construção.

Quinta-feira, seis de agosto, será lembrada como marco dos tempos temerários que atravessamos. Era dia também do aniversário de nascimento do imenso Adoniran Barbosa, que teria festejado 99 anos naquela data. Mal comparando, o ambiente no Senado, em Brasília, lembrava aquele velho bar do bairro Bixiga, cenário do samba antológico sobre o valentão Nicholas, soberano no meio da pancadaria generalizada em que voavam pizzas e bracholas para todo lado. No breque do samba antigo, diante dos estragos da briga, o conselho atualíssimo do gênio dos Demônios da Garoa, no vídeo do You Tube em que ele canta com Elis Regina: “A situação está cínica. Os mais pió vai pras Crínicas”.

Pode até não parecer, mas isso não é só passado. Fala-se aqui também da história que esta sendo escrita desta quadra nebulosa da vida política nacional. Inácio recorda na mensagem seus encontros com o ex-governador e ex-ministro Antonio Balbino de Carvalho Filho, outra figura legendária da política baiana e nacional, do tempo em que era comum se ouvir que o poder corrompe. “Seu Inácio, o poder não corrompe. O poder revela!”, ensinava Balbino ao jovem advogado.

Quanta verdade e atualidade em tão poucas palavras. Basta citar dois personagens da semana. Um deles é o maranhense José Sarney, senador pelo Amapá, presidente de um dos poderes da nação, peixe grande apanhado em rede de desvios, favorecimentos, falsificações e, agora também em falta com a verdade, na qual se enrola cada dia mais até o pescoço. O outro é o mineiro José Alencar, vice-presidente da República, em sua batalha contra o mal insidioso que não lhe dá trégua, mas contra o qual ele guerreia não apenas “armado de muita fé”, mas de ação e exemplos comoventes e inspiradores. Símbolo revelador ambulante de que o poder é incapaz de corromper a tudo e a todos.

Recordo do poderoso empresário mineiro que vi de perto pela primeira vez na campanha presidencial de 2002, quando Alencar visitava a histórica Associação Comercial da Bahia, em meio a um dos maiores temporais já vistos em Salvador. Garganta inflamada, queimando-se em febre de quase 39 graus, chegou a figura que parecia saída das páginas de um livro de Guimarães Rosa, debaixo da chuva naquela noite de trovões e relâmpagos assustadores. Vinha pedir aos seus pares que dessem uma chance ao “companheiro”, líder dos sindicatos do ABC, na disputa pela presidência da República.

Quanta semelhança, física e moral, com a figura que apareceu esta semana no Jornal Nacional, da Rede Globo, horas antes de embarcar em um avião para os Estados Unidos, de onde já está de volta, para seguir o tratamento experimental que faz contra o câncer no abdome. “Estamos lutando bravamente porque temos recebido também um apoio que nós não sabemos como agradecer. Uma corrente nacional, que é feita a meu favor neste caso do câncer. É uma coisa que confesso a você que eu não sei se mereço isso, sinceramente”, diz o modesto e firme Alencar.

Quanta diferença das imagens confusas e titubeantes de Sarney, quando posto também diante das câmeras implacáveis da tevê e dos olhos da opinião pública. Que falta faz Adoniran Barbosa! Quem sabe, em outro samba antológico como o do valentão Nicholas, ele nos diria para onde Sarney deve ser levado. Saudades!

Vitor Hugo Soares é jornalista. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

ago
01
Posted on 01-08-2009
Filed Under (Artigos, Vitor) by vitor on 01-08-2009

Bachelet: pra cima
michelle

================================================

ARTIGO DA SEMANA

Bachelet: A mãe do Chile e o Brasil

Vitor Hugo Soares

Há anos corre de boca em boca por Santiago inteira uma narrativa interessante sobre a presidente do Chile, Michelle Bachelet, que contarei adiante. É um caso sobre o jeito próprio de ser, fazer política e administrar da líder da coalizão chilena no poder, que passou por São Paulo esta semana. Por onde ela esteve – no encontro com o presidente Lula e empresários, na conversa com a ministra Dilma Rousseff (PT) e no almoço com o governador José Serra (PSDB) -, Bachelet parecia flutuar sobre nuvens de algodão doce. Afinal, ela acaba de alcançar um novo recorde de aprovação de sua gestão na opinião pública de seu país: 74%, em plena crise da economia mundial e a menos de cinco meses das eleições presidenciais para a sua sucessão.

O índice de aprovação da “mãe do Chile” – como Bachelet é chamada – é invejável sob qualquer ponto de vista: econômico, político ou pessoal. Isto foi assinalado esta semana tanto pela “mãe do PAC” do Brasil, como pelo tucano paulista. Só é comparável a casos raríssimos de governantes do continente, ou mesmo da América vista como um todo. Números recentes nos Estados Unidos mostram, por exemplo, que Barack Obama patina já em torno dos 50%, depois de ter ostentado índices pessoais de aprovação além dos 70% na chegada à Casa Branca.

Bachelet praticamente só encontra paralelo em termos de popularidade no colega brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, cuja guerra sucessória – apesar dos primeiro tiros já disparados – ainda está a um ano e meio de distância, enquanto obstáculos se multiplicam à sua frente, dois deles com nomes próprios: José Sarney, presidente do Senado, e a voluntariosa ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, ungida por Lula para disputar a sua sucessão em 2010. Dilma sentou-se humildemente em uma cadeira para receber, esta semana, conselhos da “mãe do Chile”.

Michelle Bachelet não teve a cobertura jornalística nem análises de sua passagem por aqui, do tamanho merecido por sua relevância atual no contexto político continental. É muito provável que seja diferente em Buenos Aires, próximo pouso da sua viagem. Na esplêndida capital portenha, a chilena tentará “dar uma força” à carente peronista Cristina Kirchner, combalida pelas recentes derrotas administrativas e eleitorais sofridas na Argentina, que produziram mais estragos políticos na imagem da dirigente da Bacia do Rio da Prata que o vírus H1N1.

Mas vamos ao caso referido no começo destas linhas, antes que o espaço acabe:

A história circula desde antes de Bachelet chegar ao Palácio La Moneda, mas segue emblemática como explicação para a capacidade de reação e enfrentamento de dificuldades demonstradas pela simpática e firme líder latino-americana. É do tempo do governo de Eduardo Frei, quando parecia fato consumado para a política chilena o conceito vigente de que o poder é sempre masculino, e ela foi convocada a assumir a complicada Pasta da Defesa no governo socialista. A primeira reunião de Bachelet com os altos comandos militares se iniciou com a seguinte e surpreendente declaração aos circunspetos e desconfiados fardados em volta da mesa: “Sou socialista, agnóstica, separada e mulher… mas trabalharemos juntos”.

Desde então nunca mais o Chile foi o mesmo e Bachelet chegou à presidência. O belo país andino de nível político, educacional e cultural alto, mas de costumes e hábitos machistas e conservadores, estremeceu, é verdade. A popularidade da dirigente caiu logo em seguida abaixo dos 40 pontos percentuais, mas ela não perdeu – em nome de governabilidade ou outro desavergonhado argumento qualquer do tipo – o rumo nos princípios e nas ações.

O jornalista e analista Paul Walder diz, sobre Bachelet, que a avaliação de seu desempenho pode ser feita de muitas e diversas maneiras, mas na política moderna, de frente para o espectador, há só uma que vale: “a opinião pública modelada pelos meios de comunicação”.

Assim, desde o Ministério da Defesa, Michele Bachelet conseguiu realizar um trabalho digno e eficiente. Mas, o maior valor, segundo o analista, foi tê-lo feito bem, apesar de sua condição de mulher. “Sem perder seus atributos originais”, registrou Walder.

Agora, a menos de cinco meses de deixar o poder, em plena campanha para eleição sucessória em seu país, ela surge fortalecida como uma guerreira dos Andes, mas seu triunfo não foi obtido com armas, nem conluios, nem chantagens – políticas ou emocionais. Michele Bachelet brilha fulgurante como uma mulher-governante capaz e decidida, que jamais ocultou na singeleza do comportamento, o seu amável coração de mulher.

Se esta lição foi aprendida, valeu a rápida estada da guerreira chilena entre nós.

Vitor Hugo Soares é jornalista.
E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

jul
25
Posted on 25-07-2009
Filed Under (Artigos, Vitor) by vitor on 25-07-2009

UNE dissolvida em Ibiuna (SP)…
ibiuna
================================================
…E reconstruída em Salvador(BA)
salvador
===============================================


ARTIGO DA SEMANA

A UNE e a memória

Vitor Hugo Soares

“Ninguém me contou… Eu vi”…

Peço licença a Sebastião Nery para começar estas linhas sobre a União Nacional dos Estudantes – e toda polêmica levantada em relação ao recente 51º congresso da entidade, em Brasília – com as mesmas palavras do jornalista baiano na apresentação do livro “Rompendo o Cerco”, a coletânea de discursos mais importantes e frases políticas marcantes do deputado Ulysses Guimarães, de saudosa memória. Mais ainda, nesses tempos de vergonha (ou falta de) no parlamento do país.

Peço desculpas também por não ir direto ao ponto, como recomendam os manuais de jornalismo. Ora bolas! Isso também parece perdeu o sentido, depois da célebre sessão do Supremo Tribunal Federal na qual foi jogado na lata do lixo o diploma profissional de nível superior, comparado a uma habilitação de cozinheiro pelo presidente do Supremo. Mendes, por sinal, nesses dias de nuvens pesadas sobre o céu de Brasília, andava pela Rússia, que, como se sabe, é modelo mundial de liberdade política, jurídica e de imprensa.

Assim, lembro antes a imagem comovida de Nery no cemitério Jardim da Saudade, em Salvador, debruçado sobre o caixão do ex-deputado Mario Lima, pioneiro do sindicalismo brasileiro na área do petróleo (fundador do SINDIPETRO). Parceiro também do ex-governador de Pernambuco, Miguel Arraes, na prisão militar da ilha de Fernando de Noronha em 64; resistente e competente aliado a quem Ulysses confiaria, anos mais tarde, comissões cruciais na feitura da Constituição de 88, na parte que trata do trabalho e do trabalhador. Até o presidente Lula mandou mensagem à família do morto: “Mário Lima destacou-se pela combatividade durante toda a vida, tanto na trincheira do sindicalismo quanto na do Parlamento”, realçou o presidente.

Os grandes jornais, no entanto, a exemplo do que já acontecera dois anos antes, na morte do ex-deputado e ex-prefeito cassado de Feira de Santana, Chico Pinto, – símbolo do parlamento de seu tempo – passaram ao largo ou viraram as costas, descartando até mesmo, em alguns casos, o simples registro factual em suas colunas de Falecimento. “Que país é esse?”, poderia perguntar algum leitor mais curioso e interessado em motivos. A resposta, além da falta de memória congênita, pode ser encontrada também na letra contundente da famosa música da banda Legião Urbana: “Nas favelas, no Senado/ Sujeira pra todo lado/ Ninguém respeita a Constituição/ Mas todos acreditam no futuro da Nação/ Que país é esse?/ Que país é esse? …

E chegamos à UNE, finalmente.

Do mais recente congresso da entidade o que sei é de leitura ou de ouvir dizer. E não são coisas agradáveis nem edificantes; tanto do lado dos defensores quanto dos críticos da UNE e de suas atuais lideranças. Com ideologias e emoção em demasia, fatos e argumentações sólidas de menos, o resultado é um registro factual nebuloso e análises meio mancas, que o tempo, senhor da razão, haverá de filtrar, até deixar escorrer a água límpida e verdadeira dos fatos e seus signos.

Quero falar mesmo é de quando tudo isso começou. Nos dias 29 e 30 de maio de 1979, no 31º Congresso da UNE, em Salvador, no “Congresso da Reconstrução” da entidade despedaçada pela ditadura e jogada na ilegalidade durante 13 anos. No Centro de Convenções da Bahia, ainda em obras, cedido pelo governador Antonio Carlos Magalhães em meio a grande polêmica nacional, 10 mil estudantes presentes. 3.304 deles delegados eleitos “nas bases”. Juntos no mesmo espaço, esquerdistas, direitistas, comunistas, anarquistas, “estudantes profissionais e inocentes úteis”, como alguns jornais definiam na época.

Na mesa, entre muitos outros destacados líderes estudantis de então, o atual governador de São Paulo, José Serra (PSDB) e o hoje deputado petista José Genoino. Como esquecer a grande faixa dos anarquistas “Inimigos do Rei”, aberta de repente?, e o alvoroço da platéia surpreendida? E a hora em que faltou energia, em plena cerimônia de encerramento do Congresso, quando, ato contínuo, o baiano Ruy César Costa e Silva, o primeiro presidente da UNE reconstruída, pediu a todos que acendessem velas ou isqueiros, enquanto ele lia a mensagem de encerramento. Sem alto falante, cada palavra do estudante de Comunicação da UFBA (que mais tarde se transformaria em ator e educador), era reproduzida pelo coro de mais de 10 mil vozes na noite escura da Bahia. Indescritível!

Repórter da sucursal do Jornal do Brasil em Salvador, na época, ninguém me contou… Eu vi. Difícil aceitar que algo tão bonito e significativo, possa ter-se transformado, 30 anos depois, em algo tão feio – maligno até – como a histórica entidade estudantil e seus dirigentes aparecem em alguns retratos do evento da semana passada, em Brasília. Depois do que vi na Bahia, porém, creio que a UNE resistirá mais uma vez.

Vida longa à histórica entidade dos estudantes brasileiros. E curta aos maus dirigentes, da UNE ou de qualquer outra instituição do País.

Vitor Hugo Soares é jornalista. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

jul
18

Luzia em Xambioá/arquivo pessoal
guerrilheira
===============================================

ARTIGO DA SEMANA

RETRATO DE LUZIA

Vitor Hugo Soares

Foi na primeira página do jornal O Globo, em uma reportagem sobre a Guerrilha do Araguaia, que vi pela primeira vez o impressionante retrato da guerrilheira Luzia Ribeiro, que acabara de ser presa em Xambioá, na selva amazônica. Ela aparecia marcada fisicamente pelas agruras da vida na região, mas principalmente pelas dores das torturas a que havia sido submetida pelos comandados do major Sebastião Curió, que a haviam prendido. Luzia mantinha intocada na face de prisioneira, porém, os traços de beleza indefinível da jovem militante dos anos 60, que conheci ainda uma estudante secundarista. A “moça de olhos firmes” de Jequié, marca inconfundível da integridade jamais perdida, como fica claro na entrevista que ela deu ao jornal A Tarde esta semana.

Na época, o retrato produziu sentimentos contraditórios no também jovem militante da UFBA. Primeiro, o contentamento de rever, viva, a querida amiga e companheira das lutas estudantis contra a ditadura nas ruas de Salvador, desaparecida de repente depois do último encontro em uma mesa cheia de outros amigos e companheiros que pareciam felizes como na canção “Anos Dourados”, de Chico e Tom. Todos sentados ou de pé em volta de uma mesa da “Barraca Botafogo”, ao pé do histórico Relógio de São Pedro, à espera da passagem do trio elétrico de Dodô e Osmar, ou do bloco sem cordas do Jacu, de Waltinho Queiroz, com o travesti Valéria , destaque no carnaval soteropolitano naqueles anos temerários.

A segunda sensação foi de melancolia. Na impressão do retrato em O Globo, Luzia se assemelhava muito com uma das atrizes preferidas da geração 60/70: Jane Fonda. Principalmente no papel da pungente personagem central do filme de Sidney Pollack, “A noite dos desesperados”. Uma película, como se dizia então, sobre a depressão da década de 1930, nos Estados Unidos, que levava as pessoas a decisões drásticas para sobreviver em um tempo marcado pela fome e o desespero.

Esta semana revi no jornal baiano o antigo retrato de Luzia, ao lado de uma fotografia atual quando se aproxima de completar 60 anos. Ilustram a entrevista concedida à repórter Patrícia França – depois de anos de silêncio público. Luzia fala na condição de única sobrevivente entre participantes da Bahia na guerrilha do PC do B, que ainda tem 11 nomes de ex-militantes na relação de desaparecidos. A ex-combatente faz o contraponto essencial ao recente depoimento de Curió, no relevante trabalho jornalístico produzido pelo Estadão.

Atualmente aposentada do extinto Baneb, formada em Economia, vivendo com um companheiro chileno, mãe de um filho, afastada do PC do B, mas militante de um grupo social que “luta em defesa da justiça e da paz”, Luzia faz na conversa com Patrícia um relato comovedor de suas experiências pessoais na guerrilha.

É inflexível em relação a Curió: “Foi muito triste quando li o que Curió está relatando e mostrando em documentação. Claro que o jornal (Estadão) só mostrou um pouco, mas demasiadamente forte… Esse homem que eu não considero isso, considero um bicho, foi quem comandou a Marajoara, a terceira e última operação, que exterminou os 41 combatentes da guerrilha. Ele diz que estava do lado contrário, que obedecia ordens e que por isso é inocente. Mas ele tinha que ser julgado como criminoso de guerra. Em vários países existe isso, e aqui no Brasil este homem fica impune. Isso é que dói mais”, diz a ex-guerrilheira. Curió “ganhou muito com o extermínio. Enriqueceu, ganhou prestígio, é dono de muitos hectares de terras em Serra Pelada, tem uma cidade com seu nome”, denuncia Luzia.

Mas a ex-combatente de Xambioá reserva críticas duras também para “setores de esquerda”, ex-aliados, em especial do PT, que ela acusa de ter feito acordos com militares, que resultam na impunidade de torturadores até aqui e na falta de vontade política do governo petista de tocar adiante as investigações cruciais: “Lula está aí há quantos anos? No início ele tinha um compromisso com os familiares da guerrilha do Araguaia. Inclusive o PC do B participa do governo, mas não tem a força suficiente para fazer com que o governo Lula abrace isso. Tudo que está acontecendo agora é em função de pressões nacional e internacional, de reportagens investigativas e de familiares dos desaparecidos’.

“Entre esses familiares – lembra a ex-combatente – existem mães como a de Dinaelza Santana Coqueiro, com quase 90 anos, que não quer morrer antes de enterrar sua filha”. Tantas décadas depois, a mesma integridade nas palavras e ações de Luzia, a moça generosa dos olhos firmes de Jequié, mostrada no antigo retrato de O Globo.

Que bom revê-la assim!

Vitor Hugo Soares é jornalista.
E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

jul
11
Posted on 11-07-2009
Filed Under (Artigos, Vitor) by vitor on 11-07-2009

Protógenes na Bahia: andar com fé
fe1

=========================================================
ARTIGO DA SEMANA

SANTOS FORTES DO DELEGADO PROTÓGENES

Vitor Hugo Soares

No Dois de Julho o delegado da Polícia Federal, Protógenes Queiroz, foi a sensação do grande desfile cívico e popular realizado em Salvador, na data magna da Bahia. Ele deixou no chinelo o governador Jaques Wagner (PT), o ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), prefeito João Henrique (PMDB) e o ex-governador carlista Paulo Souto(DEM), entre outros políticos renomados da terra – do governo e da oposição.

Protógenes percorreu quilômetros a pé sob aplausos e gestos efusivos da multidão nas ruas e das famílias nas sacadas dos casarões históricos durante o cortejo aos heróis simbólicos da batalha da independência nos cerros de Pirajá, em 1823. A consagração veio no Pelourinho, onde o delegado recebeu, de joelhos, a saudação dos integrantes do Olodum, que tocaram tambores para ele em formação especial, algo raro de ver.

Desde então é difícil encontrar no País alguém mais contente que Protógenes. Ele próprio atribui esse estado de felicidade pessoal a motivos de fé: religiosa, moral e cívica. O homem que há um ano conduziu a Operação Satiagraha e prendeu, entre outros, o conterrâneo Dantas Dantas – banqueiro-mor do Grupo Opoortunity – é católico praticante, devoto de São Bento e do Senhor do Bonfim, cujas medidas não tira do braço por nada.

Sincrético, nascido no seio de família com um pé nas sacristias e outro nos terreiros, Protogenes foi recebido também em um dos templos mais sagrados do candomblé de sua terra. Ali teve a confirmação de que é protegido de Xangô, guerreiro poderoso do reino dos orixás que adora desafios.

Saiu da visita quase em estado de levitação, segundo testemunhas confiáveis. Esta seria uma das principais razões do atual estado de espírito e do moral elevado exibido por Protógenes ultimamente. Mas não é o único, podem apostar. Basta ler a entrevista do delegado na revista virtual Terra Magazine, postada na quarta-feira (8/7) na passagem do primeiro ano da Operação Satiagraha, para tirar essa conclusão.

O devastador evento político-policial que virou o país de cabeça para baixo segue emblemático em seus desdobramentos, como se vê pela denúncia criminal apresentada pelo Procurador da República Rodrigo de Grandis, na sexta-feira, 03, contra o banqueiro Daniel Dantas e mais 13 pessoas envolvidas. Eis aí causa mais concreta e explícita para explicar a euforia destes dias de Protógenes Queiroz.

Isso se revela a cada resposta do delegado à repórter Marcela Rocha, na conversa em que o delgado avalia os desdobramentos das investigações que ele conduziu na fase mais crucial, até ser abruta e injustificadamente afastado pelo novo comando da corporação a que pertence. Os motivos estão ainda submersos, mas provavelmente ainda virão à tona, como outras estranhas trasações (para dizer o mínimo) deste caso.

Os fatos mais recentes revelam que o filho de Xangô não só é bom de briga e sabe nadar bem, como parece ter a proteção atenta de santos e orixás poderosíssimos. Assim, no primeiro aniversário da Satiagraha, ele pode afirmar na TM, que não teria feito nada diferente do que fez. Para Protógenes a denúncia do procurador De Grandis, esta semana, não é diferente da primeira, como alguns afirmam. Ao contrário, confirma integralmente os crimes antes apontados por ele.

“Inclusive o procurador foi muito feliz ao requisitar, com urgência, a instauração de três novos procedimentos, em especial o da BrOi, que já era para ter sido instaurado no ano passado, porque eu requisitei que a PF prosseguisse, mas isso não foi feito. O MP, segundo o delegado, teve grande lucidez em razão das provas levantadas, que apontam a autoria de fraude e participação de várias pessoas no esquema da BrOi”, entre elas e advogado e ex-deputado petista, Luis Eduardo Greenhaalg e o advogado e ex-ministro Mangabeira Unger, que inesperadamente deixou o governo Lula e voou de volta para a sua cadeira mais tranqüila e segura,na Faculdade de Direito de Harvard.

Quanto ao fato de ter aberto um novo capítulo sobre a mídia na operação Satiagraha, o delegado também não se arrepender de nada. Ao contrário, afirma estar cada vez mais convencido de que a relação do banqueiro Daniel Dantas e do grupo dele com setores da mídia “é uma relação espúria e criminosa, como foi desde o início apontado na investigação. Foi mostrada a relação que ele (DD) tinha com determinados jornalistas… Entendo que tem que aprofundar essa questão”, conclui o delegado.

Neste domingo (12), à meia noite (que pena o horário tão tarde), na católica Rede Vida de Televisão, o feliz delegado Protógenes Queiroz dará entrevista também no programa de Kennedy Alencar. Mais “chumbo grosso” a caminho, pois munição o delegado não esconde que ainda tem de sobra Que o Senhor do Bonfim, São Bento e Xangô reforcem a guarda de seu protegido.

Ele precisa, e merece.

Vitor Hugo Soares é jornalista. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

jul
05
Posted on 05-07-2009
Filed Under (Artigos, Vitor) by vitor on 05-07-2009

Deu nos blogs e jornal

Em maio de 2008, na semana em que foram suspensas as buscas no extrmo-sul da Bahia pelo avião Cessna desaparecido quando fazia o percurso entre Salvador e Ilhéus, levando “empresários britãnicos”, o editor deste Bahia em Pauta escreveu sobre o assunto o seguinte artigo publicado na época no Blog do Noblat, Site da Radio Metrópole e Jornal Tribuna da Bahia, reproduzido em vários outros sites nacionais: O texto vai republicado a seguir, como memória jornalística deste estranho e obscuro caso á espera de esclarecimento. Confira.

================================================
SEGREDOS NO PARAÍSO

Vitor Hugo Soares

Foram suspensas ontem, pela Marinha e Aeronáutica, as operações de buscas pelo avião Cessna desaparecido na semana passada, quando fazia o percurso entre Salvador e Ilhéus e sobrevoava a costa sul da Bahia. A bordo do bimotor de uma empresa de táxi-aéreo, dois tripulantes locais, quatro empresários britânicos e muitos segredos, submersos no pedaço de paraíso no Atlântico cuja orla abriga alguns dos mais exclusivos empreendimentos turísticos e imobiliários do País.

Familiares dos ingleses agradeceram às autoridades, em nota sintética, pelos esforços na procura dos desaparecidos, que seguem agora a cargo da PM e voluntários na região. Os empresários foram identificados como AlanKempson, Ricky Every, Nigel Hodges e Sean Woodhall, este último, presidente da World Wide Destinations (WWD), cujo projeto de maior visibilidade no Brasil é o “Barra Nova Pearl Eco-Nature Resort”, entre Ilhéus e Itacaré. Busca mais refinada na Internet, porém, conduz a revelações surpreendentes sobre viagens e transações de Woodhall antes do acidente.

As primeiras suspeitas sobre a movimentação do empresário britânico por paraísos turísticos da Espanha, Caribe e América do Sul foram levantadas em março de 2006, quando o jornal “El Mundo” publicou reportagem sobre achamada “Operação Malaya”. O tradicional diário de Madri teve acesso a um informe detalhado depois da detenção, por ordem judicial, de 28 pessoas acusadas de envolvimento no “Escândalo de Marbella” – rumoroso caso de desvio de verbas públicas e suborno de autoridade que abalou a cidade consagrada como um dos mais sonhados destinos de férias e badalação de gente rica e celebridades do mundo inteiro até pouco tempo.

A Unidade Central de Inteligência da Polícia (UCI) e o Serviço Executivoda Comissão de Prevenção da Lavagem de Capitais (Sepblac), encarregados deinvestigar um dos maiores escândalos na Europa naquele ano, entraram em campo com vontade. Mas ainda tentam descobrir onde estão as centenas de milhões de euros conseguidos por alguns dos principais imputados pelo juiz Miguel Angel Torres neste assalto aos cofres públicos, entre eles Carlos Sanchez, Juan Antonio Roca e Andrés Lietor, peixes grandes espanhóis fisgados no caso.

Anexo de um informe do Sepblac, em poder do “El Mundo”, falava de “outras pessoas” envolvidas nas tenebrosas transações e traçava o caminho percorridona época pela maior parte do dinheiro, que em grande parte ia parar em “lavanderias” de edens turísticos da República Dominicana. Sepblac indicou que a sociedade anônima “Punta Perla Caribbean Ltda”, por exemplo, remeteu mais de 11 milhões de dólares à empresa “Paraíso Tropical”, controlada diretamente por Carlos Sanchez e seus sócios espanhóis.

A partir daí, as suspeitas apontam também na direção do empresário britânico que consta da lista dos desaparecidos no desastre da semana passada na Bahia. O informe da polícia espanhola destaca que Sean Woodhall é, também, diretor na sociedade “Paraíso Tropical”. O empresário inglês passou a ser considerado o “eslabon necessário” (elo necessário) entre os investidores espanhóis e os projetos dominicanos.

As investigações citadas na reportagem de “El Mundo”, depois aprofundadasem jornais dominicanos, denunciam ainda o empresário britânico como beneficiário dos fundos remetidos pela “Sungolf Desarollo Inmobiliário”, outra das sociedades que participam do projeto Punta Perla no paraíso caribenho. O site noticioso dominicano, Clave Digital, acrescenta: em seu país, a Inglaterra, o empresário foi acusado e julgado por envolvimento em uma fraude escandalosa no ramo de venda de automóveis. Woodhall teria admitido a sua responsabilidade e foi sentenciado a 18 meses de prisão. Cumprida a pena, mudou-se para a Espanha, e ingressou em negócios ligados ao setor imobiliário.

Ultimamente a WWD, presidida por Woodhall, tocava importante empreendimento turístico-imobiliário no Sul da Bahia: o “Barra Nova PearlEco-nature Resort”. Complexo de luxo, com investimentos avaliados na casados R$ 500 milhões, o complexo “Barra Nova Pearl” prevê a construção de um hotel de luxo, um condomínio de 1,3 mil apartamentos e um seletissimo campode golfe.

Tudo isso em “bela área da Bahia, de clima político seguro, praias deslumbrantes, habitat tropical, comida exótica, cultura colorida e vibrantes localidades, perfeitas como destino”, segundo exalta o site da empresa. Na fase de pré-lançamento, um apartamento de dois quartos no Resort estaria sendo anunciado por imobiliárias inglesas por 67 mil libras esterlinas e por americanas ao preço de 130 mil dólares, segundo o jornal Correio da Bahia em informação creditada a Agência Estado (AE).

“Histórias como esta vão longe de carro ou avião, se pegam boa estrada ou céu de brigadeiro”, diria certamente se vivo estivesse o grande cronista baiano Raimundo Reis. No caso de Sean Woodhall, a viagem foi interrompida tragicamente na costa sul baiana. Na nota em que agradecem os esforços de buscas aos desaparecidos no desastre do bimotor, familiares dos empresários ingleses pedem à imprensa que “continue e respeitar nossa privacidade neste momento difícil” . Seguem os segredos no paraíso tropical da Bahia.

* Vitor Hugo Soares é jornalista. E-mail: vitors.h@ig.com.br

jul
03
Posted on 03-07-2009
Filed Under (Artigos, Vitor) by vitor on 03-07-2009

Honduras: ovo da serpente
imprensa

ARTIGO DA SEMANA
=======================================
O FANTASMA DE VOLTA

Vitor Hugo Soares

O fato assombra e preocupa, mesmo que alguns ainda se esforcem para escondê-lo ou negar: um ovo de serpente foi posto outra vez no útero da América Latina. Domingo passado, Manuel Zelaya, presidente eleito de Honduras, foi arrancado da cama altas horas da madrugada por militares encapuzados e levado para um quartel. Depois foi deposto e substituído no cargo em alta velocidade pelo Parlamento de seu país, com base em uma carta apócrifa de renúncia. Colocado à força dentro de um avião militar, Zelaya foi deportado em seguida para a Costa Rica.

Resta ver, agora, se o embrião maléfico será fecundado outra vez, o que se começará a saber já a partir deste sábado (4), quando termina o prazo da Organização dos Estados Americanos (OEA), para que a presidência de Honduras seja devolvida pelos golpistas – militares e civis -, ao seu dono legítimo e livremente eleito.

Leio e vejo o noticiário pobre e fragmentado da imprensa brasileira sobre o golpe na América Central, enquanto corre pelas ruas de Salvador o desfile cívico do 2 de Julho, data magna do Estado. Celebra a batalha dos cerros de Pirajá, na qual os baianos expulsaram de vez as tropas invasoras de Portugal, consolidando assim, com sangue, ferro e fogo, a independência “no grito”, proclamada pelo Imperador às margens do Ipiranga. No rádio toca o Hino ao Dois de Julho: “Nunca mais o despotismo, regerá nossas ações/Com tiranos não combinam, brasileiros corações”.

A letra faz pensar nos conflitos heróicos, mas débeis, de Tegucigalpa, enquanto o novo regime vai impondo-se pelos tanques e armas pesadas. Tenta “limpar” o terreno para fincar raízes mais fundas, ajudado por silêncios ou ações colaboracionistas no Congresso, na Justiça, na imprensa e no meio empresarial da pobre república hondurenha. O tempo é veloz e não pára. Já sabemos que, em casos assim, é preciso agir rápida, coordenada e firmemente para evitar o fato consumado.

Neste caso, o golpe já se prolonga por mais de 150 horas. Até sexta-feira (3) , nenhum país do planeta havia reconhecido o golpe que transferiu o governo de Honduras para um ditador de fachada, mal disfarçado de ex-presidente do Congresso. Condenações partem da OEA, da ONU, da ALBA, da SICA, do Grupo do Rio, do “escambáu”, como dizem os baianos. Mas até agora nada, ou quase. O presidente Lula, ao condenar o golpe na primeira hora, disse que “não há conversa” sobre qualquer outro tema, sem que antes o regime democrático seja restaurado em Honduras, com a volta de Zelaya ao comando do governo. Discurso repetido por Obama, dos Estados Unidos.

Nesta sexta-feira, no entanto, leio também que o representante da OEA estava sendo esperado em Tegucigalpa pelos golpistas, “para conversar”, mas com uma condicionante: “sem a presença de Zelaya”. A memória voa então, com melancolia, para uma mesa do Café na Avenida 18 de Julio, em Montevidéu, onde se reuniam habitualmente, mais de 10 anos depois do golpe que havia deposto o presidente João Goulart, no Brasil, inúmeros exilados brasileiros na então”suíça da América Latina”.

Na cabeceira da mesa, vejo ainda, com nitidez, apesar do desaparecimento há tantos anos, a figura humana digna e impressionante do coronel Dagoberto Rodrigues. Ele recorda com seu refinado bom humor carioca os primeiros dias de exílio. Com tinturas de realismo fantástico, conta uma história para ilustrar a esperança do breve retorno ao País e os radicalismo retóricos de alguns exilados de então, em especial os gaúchos.

“Um deles costumava sentar-se bem aí onde você está agora”, dizia o ex-diretor geral dos Correios e Telégrafos e das Comunicações no governo Goulart, dirigindo-se ao então repórter do Jornal do Brasil. “No começo ele batia com o dedo ‘fura-bolo’ na mesa, e gritava: “O golpe não vingará! O povo brasileiro e a comunidade internacional reagirão para acabar com a farra dos milicos. Retornaremos todos do exílio – com Jango e Brizola à frente – no mês que vem, no máximo. Pode anotar aí, tchê”, dizia .

O coronel fazia então uma pausa de suspense, antes de concluir a narrativa. “Perto do golpe completar o décimo aniverário, o gaúcho já havia perdido o dedo e a mão inteira de tanto bater na mesa, mas seguia firme martelando o móvel do Café uruguaio com o “cotôco” que lhe restava do braço direito: “De 10 anos o golpe não passa, podem arrumar as malas e as tralhas que vamos todos voltar para o Brasil na semana que vem, tchê”.

De passagem por Montevidéu , era difícil para o autor destas linhas e sua mulher (também jornalista), conter a emoção e o nó na garganta diante de tanta esperança vã, como se veria nos dias e anos seguinte da demorada ditadura. Diante do fantasma que volta a rondar o continente, resta esperar que a história e o destino sejam menos cruéis com os hondurenhos.
Vitor Hugo Soares. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

Pages: 1 2 ... 9 10 11 12 13 14 15 16

  • Arquivos

  • agosto 2018
    S T Q Q S S D
    « jul    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031