Amanhã, terça-feira, 17, completa uma semana da partida de Miltinho Carvalho. A pedido de seus muitos amigos e camaradas de lutas democráticas e boemia na Bahia – quase todos só souberam de sua morte dias depois da cremação do corpo – Bahia em Pauta reproduz o texto de tributo a este baiano que fez história, publicada semana passada. (VHS)

===============================================
Morreu na terça-feira, 10, Milton Carvalho Silva, o Miltinho, como quase todos os seus amigos e camaradas o chamavam. 82 anos de idade e uma larga história de resistência política e de grandes combates baianos, nacionais e internacionais.

Partiu assim um camarada dos melhores, ser de bem com a vida até ser vencido pela insidiosa leucemia que o levou esta semana sem permitir nem avisar a tantos amigos (como este editor do BP), que gostavam dele, bebiam literalmente suas lições e o admiravam.

Militante da vida e das melhores causas sociais e políticas, dentro e fora da Bahia e do país. Mas, igualmente, um ser humano raríssimo. Miltinho reunia, em uma figura, seriedade, coragem moral e bom humor, associados a uma invejável bagagem cultural.

Sobrevivente da clandestinidade e das torturas nos quarteis, mas igualmente um boêmio imbatível, amigo leal e sempre generoso.

Magnífico contador de casos (políticos ou não, pois conhecia como poucos Salvador e a Bahia expostas à luz do dia ou escondidas debaixo dos lençóis).

Os almoços-reuniões periódicos dos quais Miltinho participava, ao lado de antigo companheiros – Othon Jambeiro, José Gorender, Walter Lessa, Guerrinha, Zelito Abreu e tantos outros, nas mesas especialmente reservadas por Antonio Moreira no restaurante Porto Moreira – eram de encher os olhos, corações e mentes dos participantes e de quem rondava por perto. Pena quem não viu nem conheceu Miltinho, pois ele era um dos pedaços dos melhores da Bahia.

Triste Bahia, mais triste ainda sem a sua presença.

(Vitor Hugo Soares)
=====================================================
A jornalista Maria Olivia Soares, colaboradora do Bahia em Pauta, conversou com o prefessor da UFBA, Othon Jambeiro, que recebeu a notícia do grande amigo Miltinho da vida inteira, quando dirigia seu carro na estrada BR-324 a caminho do interior do estado. Da conversa resultou o texto com resumido perfil de Milton Carvalho, que BP publica a seguir:

O que posso falar de Miltinho, a partir do que Othon Jambeiro contou da estrada:

Milton Carvalho, carinhosamente chamado de Miltinho, nasceu em Paripiranga – ele sempre brincava dizendo ser natural de Parispiranga .
Mesmo sendo um cidadão do mundo, que viveu em Moscou, Praga e Bratislava, não escondia sua grande paixão pela histórica Itapicurú , antiga cidade balneária do sertão da Bahia, fonte de saber, cultura e traquinagens eróticas inesquecíveis da infância, como confessava aos amigos, não raro com visível ar de saudades.

Morreu nesta terça-feira, dia 10 de maio. Seu corpo foi cremado. A seu pedido, o mar vai receber suas cinzas

Miltinho foi aluno de Engenharia da Escola Politecnica da UFBA, mas nunca se formou devido a militancia constante e as “tarefas” que o PCB lhe impunha e ele sempre cumpriu sem queixas, a não ser a partir do momento em que descobriu todo terror e barbárie imposto por Stalin.

Foi presidente da União dos Estudantes da Bahia – UEB, integrante da UNE e representante da entidade na União Internacional dos Estudantes – UIE, período em que viveu em Praga .

Militante do PCB por longo período, trabalhou na Petrobras, com o golpe de 64 perdeu emprego, foi preso, muito torturado – a ponto de precisar ficar retido no Hospital do Exército com pneumonia braba, devido torturas na água.

Solto, exilou-se em Paris, onde conviveu com os exiliados nas articulações da resistência democrática à ditadura no Brasil, especialmente ao lado de Waldir Pires e Miguel Arraes. Miltinho trabalhou na Argelia com Miguel Arraes, e foi auxiliar e orientador destacado no governo baiano de Waldir, na área de transportes.

Voltou ao Brasil, mas já não militava mais no PC. Acompanhou de perto a volta da democracia, apoiando pessoas em que acreditava, independentemente de filiação partidária e ideológica.

Homem de enorme fibra moral, grande cultura, leitor voraz, Miltinho morreu desencantado. Estava escrevendo sobre Stalin, sua maior decepção. A cada dia se abatia e sofria mais “com as descobertas sobre este tirano”.

Muitas histórias cercam sua vida de militante e boêmio. Uma que os colegas de Engenharia contam, a do desaparecimento do busto do ex-governador e ex-chanceler Juracy Magalhães, da Escola Politécnica, que ficou escondido por mais de 20 anos…

Grande Miltinho, um pedaço de história baiana que se vai, deixando saudades para sempre.

====================================

COMENTÁRIO

Inácio Gomes
inaciogomes@atarde.com.br
187.90.65.36 12/05/2011 às 21:47

==================================================
Após assistir na TV noticiario a respeito de um ucraniano que , aos 91 anos de idade, foi condenado na Alemnaha a cinco anos de prisão pela assassinato de judeus em campo de extermino li a noticia divulgada por Maria Olivia, Othon Jambeiro e Vitor, destacados jornalistas e motivo de orgulho para aqueles como eu os conheceu na luta contra a ditadura ontem e, hoje, pelo competente jornalismo investigativo e de analise politica me entristesse pecreber que na Alemanha, há 66 do termino da guerra ainda se condena criminoso politico, assassino ou não.

No Brasil, o texto dos três jornalistas fazendo justiça a Milton não mereceu um comentarlio de qualquer dos esquerdistas do passado principalmente dos que estão o poder hoje. Apesar de tudo valeu a luta.

Inácio Gomes

( Pedaços de lembranças de Maria Olívia Soares, Othon Jambeiro e Vitor Hugo Soares) .


===================================================
BOM DIA!!!

maio
12


Etna cospo fogo em Catânia
=============================================

O vulcão Etna, o mais alto e um dos mais activos em toda a Europa, registou uma intensa atividade nas últimas honas. A cinza lançada obrigou ao fecho do aeroporto da Catânia.

Entre as 1:00 e as 5:00 horas desta quinta-feira, um rio de lava e cinzas desceu pela encosta do Etna em direcção à cidade da Catânia, a segunda maior da Sicília e a mais próxima do vulcão.

Foram quatro horas de forte atividade vulcânica que obrigaram ao encerramento do aeroporto. A pista ficou totalmente coberta de cinza, impedindo o movimento de aviões.

A reabertutra do aeroporto da Catânia chegou a estar prevista para as 10:00 horas, mas fortes rajadas de vento impediram que isso acontecesse. Ainda não se sabe a que horas reabre o aeroporto.

Para o início da tarde está marcada uma nova reunião do gabinete de crise que inclui as entidades aeronáuticas, bombeiros e polícia. Só depois se saberá ao certo quando voltam os aviões a aterrar e a descolar do aeroporto da Catânia.

A situação encontra-se calma, mas o Instituto de Geofísica e Vulcanologia da Catânia está a acompanhar todos os movimentos do Etna e já enviou especialistas para o terreno, principalmente para fazer um vôo de helicóptero junto à cratera do vulcão.

(Informações do portal TSF. de Portugal)


Alice Portugal:”na guerra pra valer”
===============================================

OPINIÃO POLÍTICA

Está tudo regulado

Ivan de Carvalho

Já em campo como candidata informal, mas oficialmente anunciada, à prefeitura de Salvador, a deputada Alice Portugal escreveu ontem à tarde em seu twuitter que “o PC do B entrou pra valer” na guerra pela sucessão do prefeito João Henrique.

Já que neste país tudo tem que ser regulado, incluindo o período em que as pessoas podem apresentar-se como candidatas e o período em que isso é proibido, por não se tratar do “período eleitoral” que só começa depois da convenção do partido, que tem de ser realizada no estreito período de um mês, a deputado comunista se apresenta como pré-candidata, não como candidata, como seria natural.

Aliás, só para lembrar, nos Estados Unidos, citados sempre como o maior exemplo de democracia do mundo – embora se o critério fosse a população do país a Índia seria a maior, como seria a Inglaterra se a questão fosse tempo de existência e perfeição no exercício do regime – não há limitação alguma de tempo para alguém lançar-se candidato ou algum partido lançar seu candidato.

Recorda-se que Jimmy Carter, ex-governador da Geórgia, passou dois anos viajando pelo país e apertando mãos em campanha declarada – para ser lançado candidato pelo Partido Democrata e para disputar a presidência da República. Foi eleito para suceder a Gerald Ford. Mas, bem, se Carter quisesse e o Partido Democrata concordasse, ele teria sido oficialmente lançado para aquela eleição, que venceu, mesmo antes de Richard Nixon renunciar à presidência e Gerald Ford assumir para completar o mandato.

Os Estados Unidos fizeram uma Constituição após declarar sua independência da Inglaterra e é ela que ainda continua em vigor, tendo incorporado as emendas consideradas necessárias, todas elas de grande relevância. Na Inglaterra, após a Magna Carta, de 1215, um pacto real com os barões e a Igreja, que visou a extinguir o poder absoluto do rei, nada foi feito que se parecesse a uma Constituição. O Direito Positivo é, basicamente, consuetudinário (fundado nos costumes).

Mas no Brasil viciado pelas minuciosas Ordenações da corte portuguesa, no período colonial, cada pa-ta-ti precisa ser regulamentado, sem prejuízo da regulamentação do respectivo pa-ta-tá.

No Direito Eleitoral, a pretexto de assegurar igualdade entre os candidatos, eliminou-se a criatividade, na propaganda e em um monte de outros aspectos, inclusive nas estratégias e táticas, e elaborou-se um detalhadíssimo calendário, tudo levando a crer que o objetivo central não foi a igualdade, mas a supressão de qualquer possibilidade de surpresa. Afinal, houve Jânio, houve Collor, quase aconteciam Roseana e Ciro. Os donos da festa não gostam de penetras.

Mas, voltando a Alice Portugal e seu PC do B, que, parece, estão forçando a entrada na festa sucessória na simpática condição de penetras, mas compenetrados, a candidata (não digo pré-candidata, pois, pelo menos por enquanto, não estou sujeito às Ordenações, salvo quanto à divulgação de resultados de pesquisas eleitorais) diz que tem “intenções sérias de expor opiniões e ideias para refundar Salvador”.

Suponho que na linguagem telegráfica do twitter essa declaração contenha conceitos profundos a serem mais à frente explicitados.

maio
12
Posted on 12-05-2011
Filed Under (Artigos) by vitor on 12-05-2011


=============================================
Sponholz, no Jornal da Manhã (PR)


================================================
Jorge Ben, demais, para um dormir sossegado!

BOA NOITE!!!

(Gilson Nogueira)


=============================================
“Honni soit qui mal y pense”, dizem os franceses. Envergonhe-se quem vê malícia nessas coisas, traduzo eu (precariamente) para os leitores do BP.

BOA TARDE!!!

(VHS)


Campus universitário:mapa da mina do PT e PC do B
===========================================

OPINIÃO POLÍTICA

Uma lista incompleta

Ivan de Carvalho

Considero uma tarefa inglória, impossível para um repórter, a essa altura dos acontecimentos, compor uma relação completa dos aspirantes ou possíveis candidatos a prefeito de Salvador nas eleições do ano que vem.

E julgo conveniente advertir, para tentar reduzir um pouco a confusão, que há uma diferença, aparentemente sutil, mas bem concreta, entre um aspirante a candidato e um possível candidato.

O aspirante é aquele que tem o desejo e até pode acabar disputando a eleição, mas não dispõe no momento, necessariamente, de instrumentos que lhe dêem a chance de ir até às urnas. Sem embargo, para alguns aspirantes, esses instrumentos podem eventualmente, no período que nos separa das convenções partidárias e, em última análise, do pleito, se tornarem disponíveis. Nem todo “aspirante a candidato” é “possível candidato”.

Já o possível candidato é aquele que, além de aceitar no íntimo a hipótese de ser candidato, tem possibilidades objetivas de concretizar a hipótese e percorrer o longo caminho que, de agora a outubro de 2012, o separa das urnas.

A relação que segue pretende apenas mostrar a maior parte do cenário – do ponto de vista de nomes e partidos – da sucessão do prefeito João Henrique. Escrevi a maior parte do cenário por ser impossível, neste espaço, registrar o cenário completo. Mas nele há um animado remelexo.

Na segunda-feira o PC do B, numa estratégia de sair na frente e ocupar espaços vazios, já que em outros setores políticos a confusão e as indefinições são profundas, anunciou a candidatura da deputada federal Alice Portugal. Pronto, ela está em declarada campanha informal, não há mais ninguém nessa situação. Tratará de fazer disso uma grande vantagem, para efeitos tanto estratégicos quanto táticos.

O PT, tradicional aliado do PC do B, que está zangado com ele no Brasil e de modo especial na Bahia, é a questão seguinte. Aspirante e possível candidato, o deputado federal Nelson Pelegrino encontra resistências no partido. Resistência amorfa, mas facilmente perceptível, reconhecem seus próprios aliados.

Aliás, enquanto o PC do B perdeu muito da grande influência que teve na área universitária e espera que a candidatura antecipada de Alice o ajude a reconquistar sua posição no setor, Pelegrino quis entrar no vazio universitário aberto pelas perdas do PC do B, mas, reconhecem petistas próximos a ele, os resultados da investida são pífios.

Agora vejam os meus pacientes leitores a relação (incompleta) de outros nomes, aspirantes ou possíveis candidatos: deputado João Leão, do PP e chefe da Casa Civil do prefeito João Henrique, atualmente no mesmo partido; deputado ACM Neto, líder do DEM na Câmara dos Deputados ou ex-deputado José Carlos Aleluia, presidente estadual do DEM; deputado Antonio Imbassahy, do PSDB e ex-prefeito da capital; deputado Maurício Trindade, do PR, sempre bem votado em Salvador; Edvaldo Brito, do PTB, ex-prefeito de Salvador, atual vice-prefeito; Fátima Mendonça, do PV.

Claro que aí está faltando o PMDB, que pensava em lançar o deputado Alan Sanches, que, no entanto, pretende mudar-se para o PSD; e provavelmente surgirão candidatos do Psol e outros radicais de oposição

maio
10
Posted on 10-05-2011
Filed Under (Artigos) by vitor on 10-05-2011


===============================================
BOA NOITE!!!

Zé Celso: bate boca com ministra/imArquivo
>Claudio Leal
==========================================

DEU NA REVISTA DIGITAL TERRA MAGAZINE

CLAUDIO LEAL

No encontro da ministra da Cultura Ana de Hollanda com artistas, deputados e produtores na Assembleia Legislativa de São Paulo na tarde desta terça-feira (10), o diretor teatral Zé Celso Martinez Corrêa travou um bate boca com a convidada. Depois de a ministra ter dito que não responderia à carta do movimento Mobiliza Brasil, pois esta havia sido dirigida a presidente Dilma Rousseff, Zé Celso resmungou:

“Ah, não”. E se dirigiu à tribuna para fazer duras criticas à sucessora de Juca Ferreira no MinC:

– Não passe a bola para a presidente Dilma…Você tem que encarar porque as críticas podem levar o ministério pra frente – declarou.

Num outro momento, ele atacou o corte de verbas para a cultura no inicio do governo Dilma. “Por não ter reagido a um corte tão violento de verba, de um orçamento conquistado nas gestões de Gilberto Gil e de Juca, fica procurando minhoca. Nada nosso funciona”, afirmou o fundador do Teatro Oficina, cobrando medidas para evitar as pressões do grupo de Silvio Santos no Bexiga.

– Vocês demoraram quatro meses para vir conversar conosco – cobrou o ator e diretor. Na hora de responder a Zé Celso, Ana de Hollanda reagiu:

– Quero deixar claro que já participamos de vários encontros, estou sim dialogando… Estou trabalhando até as 23h30 no Ministério, estou aqui com a voz rouca.

Ana de Hollanda respondeu às criticas por ter recebido o secretario de comércio dos Estados Unidos durante a visita do presidente Barack Obama:

– O Brasil é soberano… Nossa atitude sempre é, foi e será soberana.

Durante a fala da ministra, Zé Celso começou a interromper com novos ataques:

– Não se utilize de burocracias – gritou o diretor, ao repelir o argumento de que o MinC “não tem como honrar os compromissos, por falta de verbas”.

Não tenho me utilizado de burocracia! – disse, ríspida, Ana de Hollanda. Zé Celso, antes de ser repreendido pela mesa por fazer repetidas intervenções, protestou:

– Todos os nossos vídeos que têm homens nus foram retirados do YouTube – disse o diretor em crítica ao moralismo. “Todas as medidas que você tomou foram sem consulta”.

Irritada, Ana de Hollanda interrompeu:

– Vamos deixar os outros participarem.

Pages: 1 2 ... 2305 2306 2307 2308 2309 ... 2489 2490

  • Arquivos

  • setembro 2020
    S T Q Q S S D
    « ago    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930