Bolsonaro diz que quer cortar “no mínimo” 30% dos cargos comissionados


Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que planeja cortar “no mínimo” 30% dos cargos comissionados no governo federal.

Para o presidente eleito, há um “exagero” no número atual, de 23 mil.

“Não posso falar percentual, no mínimo 30% tem que cortar. Eu fui deputado e vereador, 30 anos, com comissionados do meu lado, eles são importantes, mas concordo que há um exagero no número de comissionados .”

nov
14

Do Jornal do Brasil

De acordo com pesquisa feita por questionário online e divulgada pelo Instituto Paraná Pesquisas nesta terça-feira (13), 89,4% dos brasileiros consideraram injusto o reajuste salarial concedido aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Apenas 8,1% dos que responderam ao questionário acham que o aumento foi justo. 2,5% não sabem ou não responderam. Para 89%, o Brasil não tem momento para arcar com o aumento. Já 7,8% responderam que sim, o País tem condições; 3,1% não sabem ou não opinaram.

Macaque in the trees
O reajuste para o STF foi aprovado por 41 votos a 16, com uma abstenção (Foto: Agência Brasil)

O Instituto Paraná Pesquisas entrevistou 2.008 pessoas via questionário online, em 170 municípios de 26 Estados. A pesquisa foi feita entre 9 e 11 de novembro. A margem de erro é de dois pontos porcentuais.

O Senado aprovou na última quarta-feira (7) projetos de lei que concedem aumento aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e ao procurador-geral da República. O reajuste altera o subsídio dos 11 integrantes do STF e da atual chefe do Ministério Público Federal, Raquel Dodge, de R$ 33,7 mil para R$ 39 mil e provoca um efeito cascata sobre os funcionários do Judiciário, abrindo caminho também para um possível aumento dos vencimentos dos parlamentares e do presidente da República.

Responsabilidade fiscal

Relator do projeto na CAE que havia emitido um parecer contrário ao texto, Ricardo Ferraço (PSDB-ES) disse que a matéria viola a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Constituição, já que não há dotação orçamentária suficiente para o aumento.

“O cálculo feito pela Consultoria do Senado dá conta de que esta matéria impacta as contas nacionais em torno de R$ 6 bilhões. E aí vale perguntar: como fará o estado quebrado e falido do Rio de Janeiro? Como fará o estado quebrado e falido do Rio Grande do Sul e até o de Minas Gerais? Porque existe o efeito cascata. Esse impacto trará aos nossos estados

nov
14
Posted on 14-11-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 14-11-2018



 

Sinfrônio, no (CE)

 

 
Imagem de satélite mostra o incêndio Camp Fire, no norte da Califórnia, ainda no início, na quinta-feira. — Foto: Nasa/Cortesia à Reuters Imagem de satélite mostra o incêndio Camp Fire, no norte da Califórnia, ainda no início, na quinta-feira. — Foto: Nasa/Cortesia à Reuters

Imagem de satélite mostra o incêndio Camp Fire, no norte da Califórnia, ainda no início, na quinta-feira. — Foto: Nasa/Cortesia à Reuters

O número de mortos nos incêndios florestais no norte e no sul da Califórnia, nos Estados Unidos, chegou a 44 nesta terça-feira (13). Desse total, 42 morreram na tragédia que recebeu o nome de Camp Fire, na parte norte do estado norte-americano. É o maior incêndio da história da Califórnia, afirmam as autoridades locais.Bombeiro descansa em meio a floresta queimada no incêndio Camp Fire, na California — Foto: John Locher/AP Photo Bombeiro descansa em meio a floresta queimada no incêndio Camp Fire, na California — Foto: John Locher/AP Photo

Bombeiro descansa em meio a floresta queimada no incêndio Camp Fire, na California — Foto: John Locher/AP Photo

Equipes de resgate procuram por restos mortais em uma residência queimada em Paradise, Califórnia — Foto: Josh Edelson / AFP Photo

Equipes de resgate procuram por restos mortais em uma residência queimada em Paradise, Califórnia — Foto: Josh Edelson / AFP Photo

Veja os números do incêndio:

  • 505,86 km² – É a extensão da área queimada pelo Camp Fire, segundo a Nasa. O número equivale a cerca de um terço do município de São Paulo ou pouco mais de toda a área de Porto Alegre. Até esta terça-feira, só 30% foi controlado.
  • 7,6 mil – Número de construções destruídas pelo incêndio, o que torna o Camp Fire o mais destrutivo da história da Califórnia, segundo o “New York Times”. Desse total, 6.453 eram casas de família.
  • 42 mortos – Número de mortos apenas no Camp Fire. Com o incêndio no sul da Califórnia, perto de Malibu, o total de pessoas que morreram nas queimadas no estado chegou a 44;
  • 228 desaparecidos – Alto número de desaparecidos deve elevar o número de mortos nos incêndios;
  • 27 mil habitantes – Viviam em Paradise, cidade no norte da Califórnia completamente destruída pelo incêndio.
 
Califórnia tem apenas um terço dos focos de incêndio controlados

Califórnia tem apenas um terço dos focos de incêndio controlados

O Camp Fire afeta uma ampla região do condado de Butte, na cordilheira Sierra Nevada. O local atingido fica ao norte da capital do estado, Sacramento.

 
Sobe para 44 o número de mortos nos incêndios da Califórnia

Sobe para 44 o número de mortos nos incêndios da Califórnia

Até então, o incêndio que atingiu o Griffith Park (Los Angeles), em 1933, tinha deixado 29 mortos era considerado o mais letal da história da Califórnia, de acordo com o Departamento de Bombeiros da Califórnia (Cal Fire).

O tempo seco e os fortes ventos contribuíram para a propagação das chamas dos últimos dias. As causas dos incêndios são investigadas.

Homem procura por vítimas de incêndio Camp Fire, que destruiu cidade no norte da Califórnia — Foto: John Locher/AP Photo

Homem procura por vítimas de incêndio Camp Fire, que destruiu cidade no norte da Califórnia — Foto: John Locher/AP Photo

Ponte Golden Gate, em São Francisco, encoberta por fumaça do incêndio florestal na Califórnia na segunda-feira — Foto: Eric Risberg/AP Photo

Ponte Golden Gate, em São Francisco, encoberta por fumaça do incêndio florestal na Califórnia na segunda-feira — Foto: Eric Risberg/AP Photo

Focos de incêndio pontuais estavam nas colinas acima da Universidade Pepperdine, na região de Malibu, na Califórnia, na segunda-feira (13) — Foto: Robyn Beck / AFP

Focos de incêndio pontuais estavam nas colinas acima da Universidade Pepperdine, na região de Malibu, na Califórnia, na segunda-feira (13) — Foto: Robyn Beck / AFP

Outros incêndios ativos

O incêndio Woolsey, no sul do estado, destruiu 37 hectares nos condados de Ventura, destruindo 435 imóveis. Duas pessoas morreram. Cerca de 30% foi contido.

Na região fica a cidade de Malibu, residência de várias estrelas de Hollywood – e de Los Angeles, ao sul do estado. No sábado (10), famosos como Lady Gaga, Kim Kardashian e Guillermo del Toro tiveram que abandonar suas casas.

O ator Gerard Butler postou que sua casa em Malibu ficou completamente destruída pelas chamas.

O Hills Fire atingiu um pouco mais de 1,6 hectares. Ele permanece ativo, mas os bombeiros conseguiram controla 85% dele.

 

 — Foto: Juliane Monteiro/G1  

— Foto: Juliane Monteiro/G1

Trump

Na segunda-feira, o presidente americano, Donald Trump, aprovou a solicitação da Califórnia para declarar os incêndios um “desastre de especial gravidade”. Assim, o governo federal oferecerá aos afetados ajuda financeira para alojamento, desemprego, despesas legais e tratamento psicológico.

“Acabo de aprovar a solicitação de Desastre de Especial Gravidade para o estado da Califórnia. Queria responder rápido para aliviar um pouco esse incrível sofrimento. Estou com vocês. Deus abençoe todas as vítimas e famílias afetadas”, escreveu o governante na sua conta do Twitter.

 Bombeiros chegam ao entardecer de segunda-feira (12) ao Point Dume em Malibu, na Califórnia — Foto: Robyn Beck / AFP

Bombeiros chegam ao entardecer de segunda-feira (12) ao Point Dume em Malibu, na Califórnia — Foto: Robyn Beck / AFP

Anteriormente, Trump acusou as autoridades locais de má gestão florestal. “Não há motivos para estes incêndios grandes e mortais na Califórnia, exceto que a gestão florestal é muito ruim”, escreveu Trump no Twitter no sábado.

“Bilhões de dólares são dados a cada ano, com tantas vidas perdidas, tudo por causa da má administração das florestas. Consertem agora ou não acontecerão mais pagamentos do Fed”, disse Trump.

Brian Rice, diretor dos Bombeiros Profissionais da Califórnia, classificou os comentários de “desinformados, inoportunos e humilhantes para aqueles que estão sofrendo”. Também disse que as afirmações do presidente sobre má gestão florestal “são perigosamente equivocadas”.

O ex-presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso, nesta quarta-feira em Madri. Em vídeo, Cardoso fala da ideologia de Bolsonaro. Foto: J. Rojas | Vídeo: Luis Manuel Rivas

O tsunami político que tomou o Brasil destruiu lideranças tradicionais e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso se inclui entre elas. “Cada um tem seu momento, agora a nova [liderança] tem que aprender”, diz o presidente de honra do PSDB, em clara alusão ao novo Governo liderado por Jair Bolsonaro. Apesar de toda a retórica que assusta quem não votou no presidente eleito, Fernando Henrique prefere o benefício da dúvida. Depois de eleito, as ações de Bolsonaro vão desmentir ou confirmar os temores que desperta hoje. A vitória de um político de extrema direita, analisa o ex-presidente, é fruto de novos tempos que embaralharam valores, diante de eleitores mais emocionais que formam suas opiniões de olho na tela do celular. De passagem por Madri na semana passada para assistir ao Foro Iberoamérica, o ex-presidente que durante seu mandato (1994-2002) conseguiu tirar o país da hiperinflação, defendeu sua controversa decisão de ter se mantido neutro nas últimas eleições. Seria contraditório, segundo ele, uma vez que o  PT não se aproximou em termos políticos do PSDB,  mas apenas pela eleição.“Quando as pessoas estão morrendo afogadas, pedem a mão para te puxar e morrer junto.”

Pergunta. A democracia está em perigo no Brasil?

Resposta. A democracia esta em perigo em todas partes. Mas o Brasil tem instituições fortes, a sociedade é livre, a mídia é livre, a justiça é independente e o povo gosta da liberdade. Então eu acho que é preciso tomar cuidado. Está em perigo? Está mudando, está em perigo por todos lados, mas não há um perigo específico do Brasil. Não acho que a eleição do Bolsonaro ponha em perigo [a democracia], até porque ele ganhou pelo voto.P. Mas o presidente eleito e as pessoas que trabalham com ele falaram nos últimos meses de coisas como a possibilidade de um autogolpe, de um assalto ao STF… O senhor não leva a sério essas falas?R. Não é que eu não leve a sério, eu acho que qualquer coisa dita por uma pessoa que tem importância política diz tem que tomar cuidado. Mas acho que isso não é suficiente para se sobrepor a nossa institucionalidade, a nossa vontade de manter a democracia. Mesmo que um ou outro tenha o impulso não democrático e as frases que foram ditas – que não são boas, e eu critiquei no meu Twitter – sejam contrárias ao espírito da democracia. Mas entre você falar e fazer tem uma diferença. Eu não estou dizendo que alguém não expresse atitudes antidemocráticas. Pode ser, existe isso no Brasil. Mas a despeito disso, nós temos forças democráticas que vão se contrapor a eventuais palavras e mesmo atos que sejam contrários à Constituição, à democracia e às leis.

P. Quando o senhor criticou essas palavras no seu Twitter falou de fascismo inclusive.

R. Eu sou muito cuidadoso quando falo. Eu disse que havia um certo cheiro de fascismo. Porque o fascismo supõe uma doutrina, uma organização, uma visão autoritária da sociedade. Eu não creio que eles tenham isso. Eles têm expressões autoritárias. O fascismo é uma coisa mais orgânica e não acho que no Brasil tenha algum partido com uma doutrina propriamente fascista. E se tiver, eu espero que perca. Eu serei contra.

P. Mas o senhor não acha possível que a democracia fique deturpada, em uma situação como uma espécie de Venezuela de direita?

R. Um autor americano, Levitsky [Steven] tem um livro interessante sobre como as democracias morrem. E hoje em dia elas morrem dessa maneira, não é preciso um golpe, mas que você deturpe as instituições. Eu tenho repetido uma frase que atribuo ao Sérgio Buarque de Hollanda, ainda que não sei bem se era dele: a democracia é uma planta tenra que precisa ser regada todo dia. A democracia não é dada para sempre. Agora está em perigo porque as sociedades e as formas de relação entre as pessoas mudaram muito. Você tem que prestar atenção, pode acontecer uma mudança antidemocrática, mas nós devemos lutar para que isso não ocorra.

P. O mundo está se perguntando como o Brasil, depois de mais de três décadas de democracia, pôde votar em um político como Bolsonaro, com o seu histórico de homofobia, de apologista da tortura e da ditadura…

R. Olha, como foi possível alguém votar no presidente Trump ? O que aconteceu no Brasil e em algumas sociedades, isso que é perigoso porque pode até distorcer a democracia. No Brasil estamos saindo de uma recessão que durou muito tempo, com o desemprego aumentando. Além disso, você tem uma política de definição de “nós” e “eles”. E isso veio também do PT, que separou assim o mundo, um pouco retoricamente, porque não houve nunca no PT um movimento concreto contra a democracia nesse sentido, mas sim esse sentimento. Mais ainda, o Brasil tem o crime organizado, violência nas ruas. Então a sociedade ficou um pouco atemorizada. E quando as pessoas têm medo, às vezes têm raiva também. O voto no Bolsonaro não expressa um sentimento diretamente antidemocrático. Expressa a ilusão de que alguém que vem impor a ordem, seja como for, vai melhorar a situação. Não apostaram em alguém considerado, por quem votou nele, como antidemocrático, mas como alguém capaz de por fim a essa situação de desorganização. Esse é o fenômeno. Pode derivar em alguma coisa contra a democracia? Sempre pode. Vai derivar? Se depender de mim ou de outros que pensam como eu, não.

P. Muitas pessoas esperavam do senhor um aceno para a candidatura do Haddad, ou mesmo que a apoiasse, apesar de suas diferenças, como defesa da democracia frente ao autoritarismo. Por que o senhor não o fez?

R. Isso foi o que o PT disse, que o que estava em risco era a democracia. Se eu achasse que havia realmente esse risco, até entenderia. Mas o PT sempre fez isso. Por exemplo, sempre me chamou de neoliberal, nunca aceitou que o equilíbrio fiscal é necessidade de bom governo. E o PT sempre se aliou com todo tipo de pessoas e partidos de direita, mas não por ser de direita, por serem fisiológicos, ostentados pelas benesses do poder. Eu não concordo com isso nem tampouco com o programa econômico proposto, que era uma repetição dos vícios que levaram a esta situação [atual da economia] com a presidente Rousseff. Por que eu estou obrigado no segundo turno a escolher entre dois caminhos com os quais eu não estou de acordo, se eu não estou achando que um deles, o do Bolsonaro, vai nos levar necessariamente para um regime não democrático? Eu expressei claramente, diversas vezes, que eu não votaria no Bolsonaro. Eu votei no candidato de meu partido. Perdeu a eleição, por diversas razões, algumas são de responsabilidade do próprio PSDB. Mas isso não me levou a pensar que, já que nós perdemos, a única salvação era… Por que a única salvação? A democracia tem rotatividade. Se for evitar a rotatividade, impedir eleição ou tomar medidas contrárias ao sentimento democrático, eu vou me opor. Os militares? Seguem na Constituição. Alguns se candidataram, mas pediram o voto, não puxaram a espada. Eu não achei que fosse o caso de que, porque houvesse um candidato contra o qual eu sou, apostar no outro, com o qual eu também não concordo. Se fosse escolher pessoas, não teria problema para mim. Eu tenho relações pessoais boas com o Haddad. Não é isso. É o que representa. Representa uma visão da economia e da sociedade que tampouco coincide com o que eu penso.

P. Além dessas diferenças o senhor não acha que o PT é um partido democrático e com o Bolsonaro, no mínimo, há dúvidas?

R. O Bolsonaro não tem partido e no momento isso impede que ele possa se transformar em um autoritarismo organizado…

P. Mas tem 52 deputados, a segunda bancada.

R. O que é que são 52 deputados? 11% da Câmara, nada. Esse é um dos problemas que nós temos. A Câmara tem hoje, eu não sei exatamente, mais de 25 partidos…

P. …Trinta.

R. Trinta, imagina!. Pobre de quem for presidente. Não existem 30 posições políticas e ideológicas no mundo. Infelizmente quase todos os partidos foram se transformando em corporações, grupos de deputados que se juntam para ter acesso aos fundos públicos, para financiar as campanhas, ter tempo de televisão e negociar posições no governo. Eu não sei o que significam essas três letrinhas: P,S, L. Social liberal não sei o que quer dizer. É nada, são letras. Essa sopa de letras é dramática.

P. O Haddad conversou com o senhor, pediu seu apoio?

R. Eu conheço o Haddad há alguns anos. Em vários momentos em que havia tensão grande entre o PT e o PSDB eu fui visitá-lo, fomos juntos uma vez a um teatro para mostrar que, de meu ponto de vista, democracia não implica que você fica inimigo de quem está no governo. Quando ele passou para o segundo turno ele teve uma conversa correta comigo. Mas naquele momento o PSDB tinha candidatos aos governos de São Paulo e do Rio Grande do Sul. E uma coisa é você como cidadão ou como intelectual gostar ou não gostar, apoiar ou não, e outra coisa é um líder político. Um líder político está discutindo o poder: o que é que você dá ao meu partido se eu der apoio ao seu? Isso nunca foi nem colocado. O PT nunca tentou se aproximar do PSDB em termos políticos, só em termos de ganhar a eleição.

P. O que teria sido uma negociação adequada dos pontos em comum do PT e do PSDB?

R. O PT disse o tempo todo que o PSDB era um partido de direita, neoliberal, que estava vendendo o patrimônio nacional a custe de banana… a vida inteira. Quando as pessoas estão morrendo afogadas, pedem a mão para te puxar e morrer junto.

P. O senhor acha que se tivesse emprestado seu capital político nesse momento, o Haddad teria chance?

R. As pessoas estão tomando as decisões por conta própria, a palavra dos líderes vale pouco. Essa é a grande mudança que está ocorrendo na sociedade contemporânea. Agora,com o celular, cada um se comunica com o outro e forma sua opinião. A capacidade que a liderança tem de influir na opinião é pequena. Quando a liderança coincide com um sentimento que se espalha, aí parece que a liderança liderou. Não liderou, é uma onda que se forma. O Bolsonaro veio no âmbito de uma onda, como se fosse uma folha seca no ar que vai com o vento. Não é porque a folha existiu que houve o apoio a ele, foi uma reação contra o que está havendo no Brasil que, por acaso, pegaram A, B ou C. Essa é uma questão que nós temos que pensar com profundidade. Como é que vamos manter a liberdade, as regras do jogo, respeito à lei, em uma sociedade em que as pessoas se conectam umas com as outras. As instituições políticas foram formadas em uma época diferente a esta. E não sabemos muito bem o que fazer. As pessoas dizem: “ah, se você falar…”. Se eu falar, não acontece nada, ou muito pouco.

P. O senhor escreveu em um artigo que este é um momento em que é preciso restabelecer a verdade [ele fala em restabelecer a confiança, e os fios que conectam as instituições políticas com a sociedade]. O que é que o senhor enxerga como restabelecer a verdade, agora com esta avalanche de notícias falsas?

R. Se eu soubesse disso, eu ia patentear e ia ficar milionário. Ninguém sabe. Esse é o desafio da democracia. Com tanta informação que circula tão rapidamente, falsa ou verdadeira, como é que você faz? Alguns falam de impor a ordem. Como? Só com ditadura, proibindo a comunicação. As pessoas vão ter que aprender com o tempo a discernir, a ver as várias versões. Eu não sou dos que acham que a imprensa e os livros não têm mais importância. Têm. O que é preciso é ter quadros de referência. Vai levar um tempo para as pessoas aprenderem a usar melhor essa informação fragmentada que chega pelo celular. Mas a verdade não existe. Eu nunca disse assim essa expressão, restabelecer a verdade. Eu acho que você pode ter várias versões e se aproximar mais do que aconteceu. Estamos mudando de era, é uma coisa forte, e ainda não sabemos lidar com a comunicação imediata e instantânea de todos com todos. A chave para mim é ganhar a confiança. No Brasil houve uma quebra de confiança porque a Lava Jato mostrou as bases do poder, que eram podres. E as pessoas perderam a confiança, estão tentando se agarrar a uma tábua de salvação.

P. A gente está vivendo algumas coisas um pouco assustadoras que o próprio presidente estimula, como filmar professores, a escola sem partido. Isso já está acontecendo.

R. Eu sei, sou contra.

P. O senhor acha que a sociedade brasileira é forte suficiente para rechaçar isso?

R. Nenhuma sociedade é forte o suficiente de antemão. A Alemanha era muito forte, muito culta e avançada, e deu Hitler. A democracia tem que ser cuidada sempre e devemos contra-atacar essas coisas. Mas de momento ele nem tomou posse. Deixa ele tomar posse, vamos ver o que ele vai fazer, se vai nomear gente boa… Governar é difícil. Quem nunca governou pensa que é fácil. Eu torço pelo Brasil dar certo. A mídia está levando o presidente eleito a dizer que ele respeita a Constituição. Isso é um mecanismo já de contenção, é importante. Para a política não importa o que ele pensa, importa o que ele vai fazer. As palavras só se transformam verdadeiramente em um risco quando elas viram ato.

P. O que o senhor acha da decisão do juiz Moro de aceitar um superministério?

R. Ele arrisca bastante. Primeiro tem que deixar de ser juiz. Talvez a motivação dele foi dar continuidade ao que ele estava fazendo. Se isso vai ser bom ou mau, vamos ver daqui a pouco. O PT já está dizendo que ele jogou sempre porque queria tal coisa. Eu não faço isso, porque eu não julgo a intenção.

P. Mas não é como a mulher do Cesar? Não só tem que ser, tem que parecer…

R. Eu acho que sim, é importante parecer. É arriscado. Agora, eu não quero julgar, vou supor que foi porque ele acredita que na sua posição vai ter mais espaço para atuar do jeito que ele sempre atuou. Se ele conseguir, eu acho que é bom continuar havendo um processo de apuração. Nunca houve no Brasil tanta gente rica e poderosa na cadeia. Vamos ver se Moro tem a virtude para, sem perseguir ninguém, melhorar as instituições.

P. Mas o próprio Moro, não há muito tempo, falou que ele nunca iria para a política porque isso colocaria sob suspeita o seu trabalho na Lava Jato. Não tem esse perigo?

R. Esse perigo tem, e o que o PT está fazendo é colocar sob suspeita. Ele respondeu agora que não entrou para a política, que entrou para uma função pública. É um jogo. Ele arrisca. Vamos torcer para que esse risco seja para o melhor, não para o pior.

P. O tsunami que tomou a política no Brasil também teve consequências para seu partido. Tem pessoas do PSDB que querem apoiar o Bolsonaro. O governador eleito de São Paulo se atrelou imediatamente. O que é que o senhor está enxergando para seu partido?

R. Como todos os demais partidos, o PSDB também sofreu o tsunami, ele não está isento das críticas que outros partidos assumiram por ter se envolvido em processos de manipulação de dinheiros públicos. Isso abala o prestígio. Eu sou presidente de honra, mas não atuo nos níveis de decisão. Posso ter influência, que é diferente de poder. A executiva do PSDB tomou a decisão de manter-se neutro no segundo turno. Eu preferi uma neutralidade que não implicasse o apoio a ninguém. Alguns governadores, por questões eleitorais, apoiaram o Bolsonaro. Eu claramente não. Muitos no meu partido ficaram inquietos com a minha posição, achando que isso prejudicaria a votação, o que talvez seja verdade. Mas eu acho que o político tem que ter convicção, valores, não acho que o importante é só ganhar.

P. O senhor acha que as pessoas no PSDB têm hoje as convicções e os valores nos quais o senhor acredita?

R. Não. Em nenhum partido. Eu não acho que as pessoas do PT tenham as convicções originárias do PT. Tudo está muito confuso. Nem sei se os valores nos quais eu acredito e o PSDB foi formado são contemporâneos, a política muda muito de pressa.

P. A política muda, mas os valores não.

R. Eles não mudam mas se adequam. O PSDB, como os demais partidos, estão flutuando e já não representam uma posição nítida, nem são expressão de uma camada nítida da sociedade, porque tem muita mobilidade social, muita fragmentação das novas profissões… A polarização esquerda-direita só é inteligível para quem tem uma certa intelectualidade, as pessoas querem coisas mais concretas. O PSDB, como qualquer outro partido, vai ter que se adequar a esse novo momento da história. Se não se adequar, vai perder o controle das situações de poder. Eu sei que estou falando coisas vagas, mas eu não tenho como saber o que vai acontecer no futuro. No Brasil temos que procurar formas de expressão política que preservem a liberdade. As desigualdades sociais no país são imensas e elas desapareceram da discussão política. Os problemas de longo prazo sumiram da discussão. Tudo é: “eu gosto, não gosto, odeio, não odeio”. É um momento de exacerbação.

P. E agora no próximo governo?

R. O governo tem que ter algum grau de eficácia. Como é que você vai atuar com 30 partidos? Alguém vai ter que falar em nome -vou usar uma palavra antiga- do interesse comum.

P. O senhor está mais no sentido de se dar o  benefício da dúvida.

R. Não é uma dúvida parada, é uma dúvida ativa. Eu tenho lado, e o meu lado não é o do autoritarismo.

P. Mas quando o Bolsonaro tiver que lidar com esse Congresso, se ele achar que está atrapalhando seu governo, ele não pode ficar com a tentação de procurar algum atalho?

R. Para isso, é preciso ter apoio da sociedade e das Forças Armadas. Eu não acho que isso seja fácil de obter no Brasil. A sociedade se habituou com a liberdade. E as Forças Armadas mudaram muito.

P. O Brasil teve desde a redemocratização muitos mais governos progressistas. Na véspera do segundo turno, Bolsonaro falou algo na linha: “O Brasil somos nós, o Brasil é conservador”. Qual é a verdade? O país mudou tudo isso?

R. Mudou muita coisa mas não a necessidade de você entender que as carências da população são muito grandes. Ser conservador não implica você ser cego. O Brasil continua sendo um pais com muita desigualdade. Isso não se resolve do dia para a noite…

P. … Mas a fórmula econômica dele…

R. Qual é a fórmula econômica dele? Será que ele sabe?

P. A do Paulo Guedes.

R. Eu não conheço Paulo Guedes e não vou falar de quem não conheço. Mas eu sei que ele nunca sentou em uma cadeira de poder, nunca tomou decisões públicas. Eu não sei qual vai ser o conceito do ponto de vista econômico. Ultraliberal? Olha, vai experimentar o ultraliberalismo no Brasil? [risos] Vamos ver o que acontece?. Eu não creio que eles tenham uma ideia consistente, concreta, a não ser valores abstratos…

P. Ele fala de privatização, reforma da Previdência…

R. Qual reforma da Previdência? O que fazer com os militares, por exemplo? Tem que mudar, mas não dá para mudar tudo de uma vez. O que vai privatizar, a Petrobras? Tem coisas que são privatizáveis… mas o governo vai vender a maioria das ações? Isso vai ser apoiado pela sociedade, pelo Congresso? Eu não sei se isso é o que ele quer. Tudo isso é muito mais complicado que formular. O tsunami no Brasil destruiu  – e eu não estou defendendo que não destruísse – as lideranças tradicionais, me incluo nelas. Não tem importância, cada um tem seu momento, muito bem. Mas agora a nova tem que aprender. E não se sabe muito bem o que é que essa nova é na prática.

Como eu não sou pessimista e torço pelo Brasil, eu espero que acertem. Eu já expressei minhas dúvidas por razões político-filosóficas. Mas o que vou fazer? O que é que nós vamos fazer como oposição? O PT foi contra tudo no meu governo, foi contra aumento de salário de professor. Será que a sociedade brasileira que tem mais informação vai aceitar uma atitude totalmente negativista? Não é a minha. Eu acho que é preciso distinguir o que é de interesse real da população e o que é de interesse político. Talvez nesta época a razão tenha menos importância do que o impulso, do que a emoção. Mas eu sou de outra época, ainda procuro ser razoável, dar argumento, por que faço, por que não faço. Talvez seja antiquado. Mas a esta altura da vida para mim pessoalmente tanto faz como tanto fez, vou manter minha visão.

P. Viralizou um vídeo do senhor que tudo leva a crer que votou 13 e 40.

R. Tudo leva a crer de que maneira? Eu voto em cabina secreta. Então, adivinhando a movimentação de meus dedos? Como é que eu não diria se votasse 13 e 40?

P. O senhor votou?

R. Votei. Eu tenho 87 anos, há muitos anos que eu não sou obrigado a votar. Mas eu fui lá a pé e votei.

P. O senhor votou 13 e 40?

R. Pois imagina, não!  Nem estou de um lado nem de outro, como é que eu vou votar 13 e 40?

P. Era a primeira vez que votou branco?

R. Nem me lembro, votei tantas vezes na vida… Mas eu não tenho por que não dizer, qual é a vantagem? Eu costumo dizer o que eu penso, erro com muita frequência até porque eu falo demais.

P. Votou no Doria?

R. No Doria votei, claro.

P. Só para presidente votou nulo.

R. Você está tirando essa conclusão… você me viu votar? [risos]

o essa conclusão… você me viu votar? [risos]

 Repito neste 12 de novembro de 2018, o que escreveu Saul Alberto Loyola há 4 anos na área de comentários do youtube: Uma dupla adorável, sem limite de beleza e harmonia musical”.
Destaque para a poesia que às profundezas maiores dos sentimentos de perda e ausência, que o gênio de Serrat produziu tomado ainda pela dor da morte de sua mãe e pela emoção que sentiu diante do caixão. A sua interpretação em dueto com Mercedes Sosa ( talvez a artista que melhor compreendeu a poesia e os sentimentos de Serrat nesta e outra canções) é uma emoção à parte. Confira.
BOM DIA!!!
(Vitor Hugo Soares) 
“Aquellas Pequenas Cosas
Juan Manuel Serrat
“Uno se cree / Que las mató El tiempo y la ausencia / Pero su tren Vendió boleto De ida y vuelta/  Son aquellas pequeñas cosas Que nos dejó un tiempo de rosas/ En un rincón En un papel O en un cajón /Como un ladrón Te acechan detrás De la puerta/ Te tienen tan A su merced Como hojas muertas/ Que el viento arrastra allá o aquí/ Que te sonríen tristes y Nos hacen que Lloremos cuando Nadie nos ve”

Do  Jornal do Brasil

Stan Lee, um dos maiores criadores da indústria dos quadrinhos e de personagens da Marvel Comics, morreu nesta segunda-feira (12), aos 95 anos. Ele chegou a ser levado para o Cedars-Sinai Medical Center, mas não resistiu.

Entre outros, ele criou O Homem-Aranha – seu preferido -, O Incrível Hulk, X-Men, Quarteto Fantástico e Os Vingadores.

Macaque in the trees
Stan Lee (Foto: Gage Skidmore)

Personificação da cultura dos quadrinhos nos Estados Unidos, Lee morreu na manhã desta segunda-feira (12) em Los Angeles, segundo a mídia especializada, incluindo o Hollywood Reporter. Nos últimos anos, ele enfrentou uma série de enfermidades.

Trajetória

Nova-iorquino da gema, nascido Stanley Martin Lieber, em 1922, ele foi um dos mais importantes nomes dos quadrinhos por décadas, mas não foi exatamente um quadrinista. Fez história principalmente no nicho dos super-heróis ao escrever argumentos, roteirizar HQs e conceber personagens que viriam a se tornar célebres. No entanto, Lee começou a carreira, em 1939, como um mero assistente, sem assumir funções criativas.

Uma de suas primeiras criações foi o Destroyer (não confundir com o Demolidor, que também foi imaginado por Lee em parceria com Bill Everett), em 1941, mas o herói não obteve o sucesso de suas futuras contribuições. Suas principais obras vieram com a renovação dos quadrinhos nos anos 1950 e 1960, justamente quando Stan Lee estava pensando em mudar de carreira e sua esposa sugeriu que ele contasse as histórias que queria, independente de serem adequadas ou não às fórmulas de super-heróis. Esse conselho coincidiu com a intenção da Marvel de renovar seu rol de personagens, e a partir daí vieram os Vingadores originais, o Doutor Estranho, o Quarteto, os X-Men, entre muitos outros heróis exaltados hoje no cinema.

Com a ajuda de Steve Ditko (com quem imaginou o Homem-Aranha) e Jack Kirby (parceiro na criação de Hulk, Thor e Homem de Ferro), Stan Lee deu início à ideia de um universo compartilhado para as histórias dos heróis da Marvel no início da década de 1960, o que culminou em diversas sagas que envolviam heróis diferentes e serviu de base para o universo cinemático em que habitam os filmes da empresa. Ditko morreu em junho, brigado com Lee.

Por falar neles, aliás, Stan Lee é o ator que mais estrelou longa-metragens de heróis. Em todas as adaptações cinematográficas de quadrinhos da Marvel, mesmo nas produções da Fox (X-Men, Deadpool) e da Sony (Homem-Aranha), ele faz participações especiais curtas, porém aguardadas pelos fãs. Existe, inclusive, uma teoria não confirmada de que todos os personagens interpretados por Stan Lee no cinema seriam a mesma pessoa.

Embora não tenha efetivamente lutado, Stan Lee serviu o exército durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945), e retornou às atividades quadrinisticas após cumprir as obrigações militares. A função de Stan Lee, intitulada “playwright” (algo como “roteirista”), consistia em escrever e adaptar textos e foi compartilhada no exército americano por pouquíssimos nomes, como o dramaturgo William Saroyan, o cineasta italiano Frank Capra e o também cartunista Theodore Geisel.

Por mais que sua contribuição pelos quadrinhos de super-heróis tenha sido voltada quase exclusivamente à Marvel, Stan Lee figura nas páginas de algumas HQs da empresa rival, a DC Comics. Quando seu parceiro de longa data Jack Kirby trabalhou na DC, ele criou Funky Flashman, personagem secundário de Mister Miracle (1972). Sem poderes sobre-humanos ou qualquer passado, Funky foi tido por muitos como uma sátira de Stan Lee, embora essa informação não seja canônica.

Repercussão

A atriz Kaley Cuoco, que interpreta Penny na série The Big Bang Theory, lamentou a morte de Stan Lee em suas redes sociais: “Ele deixou sua magnífica marca em nossa série de tantas maneiras e nós estamos eternamente gratos. Eu adorava suas visitas, abraços e fantásticas histórias. Ele era um super-herói épico e eu nunca o esquecerei”, escreveu.

Com Estadão

 Do Jornal do Brasil

O Facebook e o Twitter informaram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que as páginas oficiais do presidente eleito Jair Bolsonaro não contrataram o impulsionamento de mensagens durante a campanha eleitoral, entre 16 de agosto e 28 de outubro. A Google Brasil informou ainda que a campanha de Bolsonaro gastou R$ 1 mil com propaganda eleitoral, pagos pelo PSL.

No comunicado enviado ao TSE, o Facebook informou que o impulsionamento também não foi contratado no Instagram, plataforma controlada pelo Facebook Brasil. Também notificado, o WhatsApp ainda não respondeu.

As informações foram encaminhadas pelas plataformas ao relator da prestação de contas de Bolsonaro no TSE, ministro Luís Roberto Barroso, que por meio da área responsável do tribunal notificou as empresas “com o objetivo de identificar a contratação de impulsionamento de conteúdos na rede mundial de computadores em favor do candidato eleito à Presidência da República”.

Neste ano, pela primeira vez, foi permitido e regulamentado o impulsionamento de conteúdos para campanhas eleitorais. A regras preveem que esse tipo de serviço somente pode ser contratado por partidos, coligações e candidatos. O gasto deve ser identificado na prestação de contas. Mensagens impulsionadas por apoiadores não foram permitidas.

Em outubro, o TSE abriu ações de investigação judicial eleitoral (aijes) para apurar informações, publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo, de que empresários contrataram o envio de mensagens em massa via WhatsApp para beneficiar Bolsonaro. A campanha nega conhecimento. Caso comprovada, a prática pode vir a caracterizar doação de campanha não declarada.

 

“A mulher não é um útero a serviço da sociedade”, diz Barroso

O ministro Luís Roberto Barroso voltou a defender o direito ao aborto durante o I Congresso Internacional de Direito e Gênero, promovido pelo FGV, no Rio.

“Estão em jogo direitos fundamentais da mulher e do feto. A autonomia individual da mulher é um direito fundamental em jogo”, disse.

Segundo Barroso, “a mulher não é um útero a serviço da sociedade”.

“Se os homens engravidassem, esse problema já teria sido resolvido. O ponto é que a criminalização se tornou uma má política.”

nov
13
Posted on 13-11-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-11-2018
 

Atualizado diariamente desde 1996 Se você acha que não está vendo a página de hoje. Clique aqui para atualizar

Jornal de charges – O melhor do humor gráfico brasileiro na Internet – ano XXII – 2ª- feira 12/11/2018

random image
Mariano, no portal de humor A Charge Online

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 ... 1994 1995

  • Arquivos

  • novembro 2018
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930