“Tu me sabes comprender”, Benny Moré e sua orquestra: Grande clássico da canção romântica cubana, na formidável e inimitável interpretação de um do fabuloso bolerista, crooner e maestro de orquestra em sua terra e no mundo. Dedicado pelo BP aos seus leitores e ouvintes amantes de boa música.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

set
19

Do Jornal do Brasil

 

O cargo foi transmitido por sua antecessora, Raquel Dodge

  

O vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF), Alcides Martins, assumiu nesta quarta-feira (18), interinamente, a chefia da Procuradoria-Geral da República (PGR). O cargo foi transmitido por sua antecessora, Raquel Dodge, em cerimônia no plenário do colegiado que contou a presença do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Em sua primeira manifestação como procurador-geral, Martins anunciou o retorno, “em nome da continuidade”, dos integrantes do grupo de trabalho da Lava Jato na PGR, que haviam deixados seus postos na reta final do mandato de Raquel Dodge por discordarem da forma como ela conduzia a operação. “O que tiver que ser feito vai ser feito”, afirmou ele.

Seis integrantes da Lava Jato na PGR haviam deixado seus postos em protesto contra os rumos da Lava Jato na procuradoria. Segundo a assessoria da PGR, uma portaria deve ser publicada ainda nesta quarta-feira (18) com o nome daqueles que aceitaram retornar de imediato para a operação.

Interino

Martins assume o cargo enquanto não é sabatinado e aprovado no Senado o novo procurador-geral da República, Augusto Aras, cujo nome foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro no inicio do mês. A previsão é de que os tramites parlamentares ocorram até a próxima quarta-feira, 25 de setembro, restando somente a realização de nova transmissão do cargo, em caso de aprovação.

Enquanto isso não ocorre, permanecem também como interinos nos cargos o atual vice-procurador-geral, Luciano Mariz Maia, e o vice-procurador-geral Eleitoral, Humberto Jacques.

Desde 1988, a PGR foi chefiada por um interino ao menos outras duas vezes. A subprocuradora Helenita Acioli assumiu após o fim do mandato de Roberto Gurgel e antes de Rodrigo Janot tomar posse, em 2013. Antes, o mesmo ocorreu com a subprocuradora Debora Duprat, que foi a PGR interina por 22 dias em 2009.

Último discurso

Nesta quarta-feira (18), em seu último discurso antes de transmitir o cargo, Raquel Dodge reforçou a necessidade de independência e autonomia do MPF e de que o cargo de PGR seja exercido “dentro daquilo que de melhor tem a Constituição Federal, seu sistema de freios e contrapesos”.

Ela também frisou que “a vontade da maioria deve prevalecer, mas os direitos da minoria não devem ser dispensados”, de modo que o “desenvolvimento não seja só econômico, não seja só industrial, não seja só financeiro, mas seja também desenvolvimento social e humano”.

“Precisamos também ser um país em que a liberdade de opinião, de critica, de associação estejam verdadeiramente garantidos”, acrescentou ela.

Entre seus últimos atos no cargo, Raquel Dodge ajuizou no STF uma ação contra “qualquer ato do poder público – legislativo, administrativo ou jurisdicional – que autorize ou promova a realização de vigilância e censura da atividade docente”, na qual criticou o movimento Escola Sem Partido. Ela também apresentou denúncia contra cinco pessoas por suspeita de envolvimento no assassinato da vereadora do Rio Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes. Raquel Dodge pediu a federalização do caso.

Na terça-feira (17), no último dia de seu mandato de dois anos à frente da PGR, ela apresentou um balanço de sua gestão. Durante o período em que chefiou o Ministério Público Federal (MPF), a procuradora ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) 56 ações diretas de inconstitucionalidade e 13 arguições de descumprimento de preceito fundamental. Ela apresentou ainda 64 denúncias contra 224 pessoas e fez 19 pedidos de homologação de delações premiadas.

PORTAL TERRA

O Athletico-PR se sagrou o primeiro time paranaense a conquistar a Copa do Brasil, nesta quarta-feira, ao derrotar por 2 a 1 o Internacional, em pleno Beira-Rio, em Porto Alegre. Além de ser campeão da segunda competição mais importante do País, o rubro-negro do Paraná garantiu vaga na fase de grupos da Copa Libertadores do ano que vem e faturou R$ 64 milhões.

Campeão brasileiro em 2001, o Athletico-PR tinha sido vice da Copa do Brasil em 2013, quando caiu diante do Flamengo. A equipe paranaense se junta ao próprio Internacional (1992) e mais nove times campeões uma vez da competição. São eles: Criciúma (1991), Juventude (1999), Santo André (2004), Paulista (2005), Fluminense (2007), Sport (2008), Santos (2010), Vasco (2011) e Atlético-MG (2014).

O começo do jogo foi bastante nervoso. Jogadas ríspidas, divididas, catimba e muita reclamação com a arbitragem. Na pior encrenca, Nico López e Léo Pereira quase trocaram agressões. Em dez minuto de jogo, apenas 29% foi de bola rolando.

Boa parte do pouco tempo de bola rolando ficou com o Inter, que teve duas belas chances de abrir o placar. Uma com Nico López antes dos dois minutos e outra com Patrick.

O Athletico-PR era tímido nos contra-ataques até os 23 minutos, quando Roni escapou da marcação, tocou para Marco Ruben na esquerda. O atacante tocou para dentro e Léo Cittadini, com grande categoria, fez o primeiro gol do jogo.

 Em desvantagem, o Inter foi para cima e conseguiu o empate, após grande pressão na área paranaense, que Nico López empurrou por último para o fundo das redes. Empurrado por quase 50 mil torcedores, o time gaúcho ficou perto da virada ainda no primeiro tempo, após lances perigosos de Nico López e Patrick.

O Athletico-PR voltou para o segundo tempo com a intenção de ficar mais com a bola, mas o Inter veio com Rafael Sóbis no lugar de Patrick e conseguiu manter o domínio na partida. Aos dez minutos, Victor Cuesta e Guerrero se atrapalharam e perderam boa oportunidade. Rafael Sóbis (de falta), Wellington Silva e Nico López também tiveram chance.

 Com o passar do tempo, o nervosismo tomou conta do Inter. Cada jogada era disputada como se fosse a última. Com grande atuação dos zagueiros Robson Bambu e Léo Pereira, o Athletico não passou perigos e ainda assustou o goleiro Marcelo Lomba, com uma perigosa cabeçada de Marcelo Cirino, que saiu por muito pouco.

Os últimos dez minutos foram dramáticos. O Inter se abriu cada vez mais e o Athletico-PR se tornou muito perigoso nos contra-ataques. O experiente Lucho González entrou para segurar a bola para os paranaenses.

Aos 42, Santos errou feio, mas Guilherme Parede, surpreendido com a falha do goleiro, perdeu grande chance para o Inter. O Athletico-PR também teve sua oportunidade, mas Edenílson salvou cruzamento de Rony para Cirino.

Mas o melhor lance estava reservado para os 50 minutos. Em jogada espetacular, Cirino rolou para Rony, que definiu o título para o Athletico-PR.

FICHA TÉCNICA:

INTERNACIONAL 1 x 2 ATHLETICO-PR

INTERNACIONAL – Marcelo Lomba; Bruno (Nonato), Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Uendel; Rodrigo Lindoso, Edenílson, Patrick (Rafael Sobis) e Nico López; Paolo Guerrero e Wellington Silva (Guilherme Parede). Técnico: Odair Hellmann.

ATHLETICO-PR – Santos; Khellven (Madson), Robson Bambu, Léo Pereira e Márcio Azevedo; Wellington, Léo Cittadini (Lucho González), Bruno Guimarães e Nikão; Rony e Marco Ruben (Marcelo Cirino). Técnico: Tiago Nunes.

GOLS – Léo Cittadini, aos 23, e Nico López, aos 30 minutos do primeiro tempo. Rony, aos 50 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Wilton Pereira de Sampaio (GO).

CARTÕES AMARELOS – Bruno, Nico López, Wellington, Marco Ruben, Rodrigo Moledo.

RENDA – R$ 2.742.150,00.

PÚBLICO – 44.804 pagantes (50.355 no total).

LOCAL – Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS).

set
19

Maia diz não ter pressa de instalar a CPI das Mensagens Roubadas

Rodrigo Maia, ao chegar à Câmara, também disse não ter pressa para decidir se vai instalar ou não a CPI das Mensagens Roubadas.

Ele alegou que é preciso pensar muito antes de abrir uma CPI para investigar outro Poder. E acrescentou que a Câmara pode viver “instabilidade” semelhante à do Senado em razão da CPI da Lava Toga.

“A gente precisa é de harmonia, de equilíbrio.”

Do Jornal do Brasil

 

   REDAÇÃO JB, redacao@jb.com.br

Evandro Teixeira, papa da fotografia nacional, será homenageado na ArtRio 2019. Em uma parceria com o Rio-Galeão, serão instaladas imagens feitas pelo fotógrafo entre 1960 e 1970, no jardim da Marina da Glória, durante a feira, que acontece entre 18 e 22 de setembro. Entre os clicks selecionados está a célebre foto de Chico, Tom e Vinicius estirados em uma mesa da churrascaria Carreta, após o aniversário do poetinha, em 1979. Na época, Evandro foi com a missão de fazer um ensaio fotográfico para o Jornal do Brasil, mas só conseguiu fazer essa única imagem, que acabou sendo capa do Caderno B e posteriormente ganhou o país e o mundo.

Macaque in the trees
Foto histórica do fotojornalista Evandro Teixeira é um dos destaques da ArtRio (Foto: Evandro Teixeira/CPDoc JB)

Serviço: ArtRio 2019 / Local: Marina da Glória – Av. Infante Dom Henrique, S/N – Glória / Data: 19 a 22 de setembro (quinta-feira a domingo) / Preview – 18 de setembro (quarta-feira) / Horários: Quinta a sábado das 13h às 21h e domingo das 13h às 20h / Ingressos: Inteira R$ 60 (Inteira), R$ 30 (Meia), R$ 120 (Pacote família) e R$ 180 (Passaporte) / Informações: artrio.com

Relatório sobre fluxos migratórios da instituição afirma que 99.000 brasileiros migraram para países desenvolvidos em 2017. Aumento anual só foi menor que o do fluxo de venezuelanos e tailandeses

O número de brasileiros que migraram para os 36 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aumentou 24% em 2017 com relação ao ano anterior, segundo um relatório sobre migração internacional publicado nesta quarta-feira pela entidade. Trata-se do terceiro maior aumento de fluxo migratório para os países ricos, atrás apenas da Tailândia e da Venezuela. Em números absolutos, porém, o Brasil ocupa a décima sétima posição em um ranking de 50 países que mais enviaram pessoas para a OCDE em 2017. Um total de 99.000 brasileiros mudaram de país naquele ano, enquanto que 80.000 arrumaram suas malas em 2016.

O Brasil vivia então um período de lenta recuperação econômica após duas quedas bruscas do PIB em 2015 e 2016, coincidindo com uma grave crise política que desembocou no impeachment de Dilma Rousseff, com o aumento dos índices de violência urbana e a continuidade de altas taxas de desemprego. Os números de 2017 também estão acima da média registrada entre 2007 e 2016. Nesse período, cerca de 77.000 brasileiros deixaram o país a cada ano para morar em países da OCDE, segundo o estudo.

O relatório também mostra que, entre os países desenvolvidos, Portugal foi o que assistiu o maior aumento no fluxo de migrantes brasileiros. Se em 2016 um total de 7.100 pessoas escolheram o o país europeu para viver, em 2017 foram 11.600. Isto é, 64% a mais. Porém, em números absolutos, os brasileiros ainda preferem a Itália, onde 15.700 novos imigrantes chegaram em 2017, Estados Unidos (15.000), Japão (14.200) e Espanha (12.500). Depois de Portugal, Espanha e Estados Unidos foram os países que mais assistiram o aumento do fluxo de brasileiros: 12% e 9% a mais com relação a 2016, respectivamente, ainda segundo o estudo.

Com relação aos pedidos de nacionalidade, o documento da OCDE mostra que os brasileiros recorrem principalmente a Itália, onde 9.936 pessoas do país sul-americano se naturalizaram em 2017, Estados Unidos (9.701), Portugal (6.084) e Espanha (1.294).

Pedidos de asilo sobem nos EUA

Um dado que chama a atenção no relatório é o de pedidos de asilo feitos por brasileiros nos Estados Unidos. O país norte-americano registrou apenas 175 pedidos feitos por brasileiros em 2009, mas o índice foi aumentando constantemente: chegou a 492 pedidos em 2014, 983 em 2015, 1.454 em 2016 e 2.625 em 2017. Portanto, em um período de apenas um ano, o número de solicitações praticamente dobrou. Em 2018 se estabilizou, ficando em 2.282 pedidos.

Essa mudança brusca se deu, sobretudo, porque aumentou o número de brasileiros que chegam pela fronteira com o México e se entregam aos guardas estadounidenses pedindo asilo, segundo informou o jornal Folha de S. Paulo em reportagem com dados públicos acessados pelo programa TRAC da Universidade de Syracuse. As solicitações também ocorreram, ainda que em menor número, por pessoas que chegam de avião aos EUA e acabam detidas no aeroporto.

Entre as razões mais usadas pelos brasileiros na hora de pedir asilo estão perseguição por violência de gênero ou orientação sexual, além de perseguição policial — ainda que em menor número. Alguns também afirmam precisar de asilo por condições econômicas ou políticas, perseguição por agiotas ou brigas de herança, ainda segundo o jornal. A taxa de concessão de asilo fica abaixo de 10%.

Dados globais

Após uma queda de 4% entre 2016 e 2017, o fluxo de imigrantes permanentes para os países da OCDE voltou a crescer em 2018 até se fixar em 5,3 milhões de pessoas, segundo o relatório anual. Além disso, o documento afirma que a crise econômica e política pela qual a Venezuela passa fez com que a crise humanitária se deslocasse: já não é mais a Europa que a vive, com a chegada de pessoas em fuga do conflito sírio, mas os países vizinhos sul-americanos, que recebem números recordes de venezuelanos, especialmente a Colômbia

set
19
Posted on 19-09-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 19-09-2019



 

Sponholz,NO

 

Sem Neymar, Mbappé e Cavani, o argentino marcou duas vezes na vitória por 3 a 0 contra o time de Zidane em Paris

O PSG não teve problemas para superar o Real Madrid  por 3 a 0 nesta quarta-feira, em Paris, pela primeira rodada da fase de grupos da UEFA Champions League. Marcando duas vezes no primeiro tempo, Di Maria foi o grande destaque do jogo — o argentino ainda iniciou a jogada do terceiro gol, anotado por Meunier já nos acréscimos da etapa final. Mesmo desfalcados do trio Neymar, Mbappé e Cavani, os franceses foram superiores desde o primeiro tempo, controlando o jogo sempre no campo de ataque. O primeiro gol de Di Maria foi aos 13 minutos, após completar cruzamento vindo da esquerda de Bernat. O segundo veio 20 minutos depois, com o argentino recebendo de fora da área, ajeitando para a canhota e acertando um belo chute no canto de Courtois. Bale chegou a diminuir com um golaço por cobertura de fora da área, mas o lance foi anulado após o VAR constatar que o atacante usou a mão direita para dominar a bola. Mesmo assim, o galês foi o jogador mais participativo do ataque espanhol no primeiro tempo.

O segundo tempo começou diferente com Hazard vindo buscar mais a bola, mas o passar dos minutos trouxe o mesmo domínio francês da primeira etapa. Zidane ainda tentou reagir colocando Vinicius Junior em campo, mas o brasileiro mal tocou na bola. Ex-goleiro do Real Madrid, Keylor Navas não precisou trabalhar no jogo — a equipe espanhola não acertou nenhum chute na direção da meta francesa. O PSG apenas precisou esperar o tempo passar antes de, em contra-ataque, Meunier tabelar com Bernat e, depois de passar o goleiro Courtois, empurrar para o gol vazio. O 3 a 0 leva o Paris para a liderança do grupo A, que também teve o empate por 0 a 0 entre Club Brugge e Galatasaray. 

 

 

 
 
Dodge denuncia irregularidades nas investigações do caso Marielle

Dodge denuncia irregularidades nas investigações do caso Marielle

Em seu último dia como procuradora-geral da República, Raquel Dodge anunciou nesta terça-feira (17) que apresentou uma denúncia ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra cinco pessoas por interferência nas investigações dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista dela Anderson Gomes.

Dodge também pediu ao tribunal a abertura de um novo inquérito para apurar os mandantes do crime e ainda um pedido para que toda a investigação do caso vá para o âmbito federal. Caberá ao STJ decidir se acolhe a denúncia e o destino das investigações.

A vereadora e o motorista foram mortos há um ano e meio e ainda não há conclusão sobre os autores do crime. Dodge fez o anúncio ao apresentar um balanço da sua gestão nos dois anos em que esteve à frente da Procuradoria Geral da República (PGR).

“Estou denunciando Domingos Brazão […] um funcionário dele chamado Gilberto Ferreira, Rodrigo Ferreira, e Camila, uma advogada e o delegado da Polícia Federal, Hélio Kristian. Eles todos participaram de uma encenação, que conduziu ao desvirtuamento das investigações”, disse Dodge.

Os denunciados

  • Domingos Brazão, conselheiro afastado do TCE-RJ;
  • Gilberto Ferreira, funcionário do gabinete de Domingos Brazão no TCE-RJ;
  • Rodrigo Jorge Ferreira (Ferreirinha), policial militar no Rio de Janeiro. Apontado pela Polícia Civil como testemunha-chave das mortes de Marielle e de Anderson Gomes. O PM apontou o vereador Marcelo Siciliano e o miliciano Orlando Curicica como mentores do crime;
  • Camila Moreira Nogueira, advogada de Rodrigo Jorge Ferreira;
  • Hélio Khristian, delegado da Polícia Federal. Lotado na Delegacia Previdenciária da Polícia Federal, no Rio, o delegado recebeu Ferreirinha nas dependências da PF.

“Domingos Brazão, valendo-se do cargo, da estrutura do seu gabinete no Tribunal Contas do estado do Rio, acionou um de seus servidores, agente da Polícia Federal aposentado, mas que exercia cargo nesse gabinete, para engendrar uma simulação que consistia em prestar informalmente depoimentos perante o delegado Hélio Kristian e, a partir daí, levar uma versão dos fatos à Polícia Civil do Rio de Janeiro, o que acabou paralisando a investigação ou conduzindo-a para um rumo desvirtuado por mais de um ano”, detalhou Dodge.

Domingos Brazão é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TC-RJ) e virou réu em ação penal no STJ em junho deste ano em razão da Operação Quinto do Ouro, desdobramento da lava Jato que apura fraudes na Corte.

Brazão está afastado do cargo em razão das suspeitas. No desdobramento da Lava Jato, ele responde junto com outros conselheiros do TCE do Rio por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Procurado, o conselheiro disse estar perplexo e indignado com a denúncia:

“Já prestei os esclarecimentos voluntariamente à PF, para colaborar. O que eu soube é que a PF concluiu suas investigações e indiciou a advogada [Camila Nogueira] e o Ferreirinha. Não o conheço. Como também não conheço a doutora Camila. Estou afastado do TCE há 2 anos e meio. Como usei a estrutura do meu gabinete para influir na investigação? Só ouvi dizer na vereadora [Marielle Franco] em dois momentos: quando ela foi eleita, e depois desse trágico episódio, da morte dela e do motorista [Anderson Gomes]. Se alguém tentou envolver o vereador (Marcelo Siciliano) nessa história, não é problema meu”.

O delegado da PF Hélio Khristian afirmou em nota que considera “o maior absurdo de todos os tempos ter o seu nome envolvido em um crime bárbaro”.

“A defesa esclarece que a PGR no apagar das luzes, sem atribuição para tal, ferindo o princípio do promotor natural (28 Vara Criminal do RJ) denuncia pessoas inocentes. Tal postura será discutida no âmbito de uma ação de responsabilidade civil em desfavor da união”, cita a nota.

De acordo com a procuradora-geral, o grupo foi denunciado por quatro crimes:

  1. embaraço a investigação de organização criminosa (obstrução de justiça);
  2. favorecimento pessoal;
  3. falsidade ideológica;
  4. imputar falsamente, sob pretexto de colaboração com a Justiça, a prática de infração penal a pessoa que sabe ser inocente.

A denúncia, diz PGR, se baseia nas investigações da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Segundo Dodge, os crimes imputados estão relacionados ao modo como foram “engendrados os depoimentos que conduziram a polícia civil do Rio de Janeiro, até um certo ponto, indicar que os executores do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, eram pessoas que na verdade não tinham participado dessa execução”.

Na noite desta terça o STJ confirmou o protocolo do material enviado pela PGR. O sorteio do relator que analisará o caso deve ocorrer nesta quarta-feira (18), a partir das 9h.

‘Investigação da investigação’

No dia 30 de agosto, o ministro do STJ Raul Araújo determinou que a 28ª Vara Criminal do Rio de Janeiro entregasse à procuradora-geral da República uma cópia do inquérito que apura irregularidades na investigação dos assassinatos.

Com o material, a PGR pôde analisar a “investigação da investigação” para saber se a apuração sobre as mortes na Justiça estadual está comprometida.

Dodge explicou nesta terça-feira que pediu apenas a federalização da investigação sobre quem são os mandantes do crime, não sobre quem são os executores. Segundo ela, a lei prevê essa possibilidade de dividir a investigação.

“Há uma possibilidade legal e a jurisprudência e a doutrina são muito claras no sentido de que pode haver uma cisão da investigação e do juri em relação a quem são os executores e quem são os mandantes. O que nós verificamos […] é que há uma inércia e uma dificuldade em investigar e identificar quem são os mandantes, elucidando esta parte da trama criminosa e é essa parte, apenas ela”, disse Dodge.

Eventual mudança na condução do inquérito tem que ser concedida pelo STJ, a quem cabe decidir sobre deslocamento de competência – termo técnico para mudança de jurisdição – de apurações.

O inquérito que apura irregularidades na investigação dos assassinatos avalia suspeitas de organização criminosa, fraude processual, exploração de prestígio, falsidade ideológica, entre crimes. O caso é sigiloso.

A eventual federalização das investigações está em análise desde março do ano passado. Na ocasião, a procuradora informou que acompanhava a investigação “atentamente”, mas que naquele momento não havia necessidade de atuação do MPF, da PF e da Justiça Federal.

Nesta terça Dodge justificou que só nesta segunda-feira (16) recebeu as últimas informações da Polícia Federal necessárias para que apresentasse a denúncia e o pedido de novo inquérito.

Troca na PGR

O mandato de Dodge na PGR terminou nesta terça-feira.O presidente Jair Bolsonaro indicou o subprocurador Augusto Aras para a procuradoria-geral da República, mas o ainda precisará ser sabatinado pelos senadores e depois ter seu nome aprovado em votação no plenário.

Até lá, o subprocurador Alcides Martins, vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal, assumirá interinamente.

Primeira mulher a ocupar o cargo, Raquel Dodge foi indicada em 2017 pelo então presidente Michel Temer.

“Ora Ora”:Bebeto Castilho, o Tamba vive!! E maravilhosamente bem, como se observa neste vídeo de arranjo, letra, melodia e interpretação espetaculares e de grande arrojo técnico e originalidade. Confira e tenha uma excepcional quarta-feira .

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira e Vitor Hugo Soares)

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 ... 2218 2219

  • Arquivos

  • setembro 2019
    S T Q Q S S D
    « ago    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30