Belissima música composta e interpretada por Carlinhos Brown para a trilha sonora do filme “Rio” (composta com Sergio Mendes), a esperança brasileira de uma estatueta do Oscar na grande festa do cinema esta noite de domingo (26) em Hollywood.

Diga-se, a bem da verdade, uma linda esperança!

Da-lhe Brown!

(Vitor Hugo Soares)

Comentários

regina on 26 fevereiro, 2012 at 1:11 #

VAI ARARINHA E TRAZ UM OSCAR PRO RIO…


vangelis on 26 fevereiro, 2012 at 9:11 #

Todos sabem que o Carlito Marrom tem um talento musical nato, grande percursionista, entretanto ao enveredar em declarações sobre a arte muitas vezes derrapa. Na sua entrevista falando sobre o que os americanos tinham achado sobre a sua intervenção musical disse que ouviu a palavra “amazing” de imediato interpretou como “eles estão me amando”, com tanto marketing em sua volta cade os assessores? A bem da verdade ele mesmo declarou que não sabia nada de inglês. Isso me lembra um episódio ocorrido ha poucos anos num fim de tarde em época junina, em que não pude viajar para o interior, no Farol da Barra com o Carlito Marrom como personagem:
– Como em todo o Nordeste, nas cidades do interior baiano há tradição de festas juninas, ha poucos anos nesta Soterópolis o Carlito Marrom resolveu inovar com as festas juninas, às custas de dinheiro público colocou um trio elétrico no farol da Barra com um grupo de foliões travestidos de caipira formando uma “Quadrilha de São João”, em cima do trio tinha até um reitor da UFBA que lhe concedeu o título de Doutor Honoris Causa, sabe-se Deus o porque, e com aquela inteligência que Deus lhe deu fez uma peroração enaltecendo a beleza das festas juninas e soltou essa pérola:

“Aquí diante do Farol da Barra estamos assistindo esse belo por do sol com as graças e a força de Oxossi estamos inaugurando mais uma tradição baiana a festa do interior na Capital…”
“Tempos passou na janela…” e a “tradição” do Brown não se confirmou!!!
OXALÁ ele traga o Oscar.


danilo on 26 fevereiro, 2012 at 11:08 #

excelente análise, Vangelis!

esse tal Carlito Marrom nasceu com o pescoço francês virado pra lua. caiu nas graças dos marqueteiros mais “espertos” da praça. ele pode até ser bom assistencialista social, um bom tocador de atabaque, e pode até fazer umas musiquinhas meeiras (furrécas) de letra sem pé nem cabeça. mas daí para ser guindado à condição de gênio e “grande artista”, é exagero além da conta.

o que a média das pessoas não percebe é que a armação marqueteira tomou conta de tudo que envolve cultura. pior ainda nos países terceiromundistas emergentes dentro da economia globalizada. pra aparecer o artista precisa de estratégia feita por um publucitártio de ponta. aí, ele vai estar em todas, vai estar nas cabeças.

do carlismo, ao chicobuarquismo, ao, ao bushismo, ao academicismo, ao petismo, Carlito Marrom transa todas sem perder o tom do tilintar das moedas.

e aí fica a pergunta: diante de tanta exaltação em torno do cacique axezeiro do Candeal, cadê Jards Macalé, Ednardo, Belchior, Elomar, Walter Franco, Hyldon?

por que estes grandes e verdadeiros artistas não têm sequer gravadora, enquanto nulidades como Brown são tratadas a pão de ló?


rosane santana on 26 fevereiro, 2012 at 12:14 #

Mesmo pegando carona na bossa de Tom, João (o papa) e Sérgio Mendes, músicos respeitadíssimos nos EUA, Carlinhos é merecedor de todas as glórias. De vendedor de picolé, nas ruas da Bahia, para Hollywood… Só não é possível esquecer dos mestres. Ararinha e a trilha toda é bossa nova pura. E isso, claro, abriu as portas para o Oscar, ressalte-se, porque é algo fundamental, que não está sendo dito. Tom, João e Mendes são sucesso há mais de 50 anos entre americanos e europeus. Nos EUA, as programações diárias de rádios incluem bossa nova. Digo isso, para que depois a propaganda oficial não venha atribuir um possível trunfo dos brasileiros ao clima Brasil potência lullo-petista (com licença, Danilo, o uso dos dois Ls. Viva Mendes, viva Brown, mas viva o gênio de Tom e João, sobretudo. Ah, tem um toque também de “Orfeu do Carnaval”, filme produzido nos anos 70, cuja trilha é assinada por Jobim e Vinícius, este último o letrista maior da bossa nova. É só conferir.


rosane santana on 26 fevereiro, 2012 at 12:18 #

correção urgente: “Orfeu do Carnaval”, final dos anos 50


rosane santana on 26 fevereiro, 2012 at 12:22 #

Palma de Ouro em Cannes…portanto, Mendes, que faz a liga com o presente e conhece o gosto musical americano, seguiu a trilha do sucesso…


rosane santana on 26 fevereiro, 2012 at 12:30 #

Não é possível esquecer Baden Powell, cujo papel Brown assume muito bem. Baden e Vinícius em sua série Bahia dos deus, santos e orixás…


rosane santana on 26 fevereiro, 2012 at 12:35 #

Correção: deuses.
Encerrando: tudo muito maravilhoso, tudo lindo. Mas, se o Brasil erguer hoje a estatueta, o fará, sem dúvida, graças ao gênio do maestro Antônio Carlos Jobim e do baiano João Gilberto do Prado Pereira de Oliveira.


rosane santana on 26 fevereiro, 2012 at 13:11 #

a arara azul…essa temática, também é jobiniana e a trilha cai bem e está no inconsciente coletivo…


rosane santana on 26 fevereiro, 2012 at 13:23 #

…americano, claro!


luiz alfredo motta fontana on 26 fevereiro, 2012 at 14:16 #

Carlinhos Brown é só Carlinhos Brown, mimetismo de si mesmo, em sendo assim, resta aos incautos, repetir seu mote, e citar os copiados.


regina on 26 fevereiro, 2012 at 15:08 #

Tá certo que Carlinhos Brown é continuação desse percurso aberto por Tom, João, Baden, Sérgio, e muitos outros menos reconhecidos mas, nem por isso menos importantes, porem ele vem com sua criatividade e marca própria, evidente nessa e centenas de outras criações suas. É um batalhador e vencedor. Arte, pra mim, não deve ser comparada e muitos menos limitada a rótulos… Desde quando nossa cultura tem que ser determinada pelo gosto dos “Americanos”?????
Carlinhos Brown – Conexão Roberto D’Avila (19/02/2012)
http://www.youtube.com/watch?v=9yC18BBHuCw


rosane santana on 26 fevereiro, 2012 at 16:28 #

Oi Regina, tudo bem? Tô meio apressada, em meio a preparativos para um concurso, mas dei uma paradinha para lhe responder. Veja, concordo que nossa cultura não pode ser limitada pelo gosto amricano. Mas acho que o Sérgio Mendes e Carlinhos Brown, seguindo uma trilha de meio século de sucesso nos EUA, investiram no ritmo bossa nova para conquistar o público e, naturalmente, conquistaram. Pelo que sei, nos EUA, música brasileira com grande penetração, só a Bossa Nova, e o nosso cantor, também bossa nova, Roberto Carlos, por causa do público latino, que o venera e hoje representa 13,5 por centro da população americana (dados de 2008). Grandes artistas brasileiros que ouvi e ouço em rádio americana (Milton e Caetano, por exemplo) sempre estão cantando bossa nova, quando aparecem em programações. Então, Carlinhos e Mendes, se ganharem a estatueta com a trilha bossanovista, devem a conquista ao gênio de Antônio Carlos Brasileiro Jobim e João Gilberto Prado de Oliveira Pereira.


regina on 26 fevereiro, 2012 at 16:44 #

Cara Rosane, tudo bem por aqui, já grudada na TV, sempre gostei de acompanhar a entrega dos Oscar’s, especialmente pelas surpresas que sempre pintam… Quanto à música que estamos debatendo, eu acho que tudo é uma questão de mercado, demanda. Assim essa música do filme certamente foi encomendada e as rádios aqui na América tocam por rótulos, estamos inseridos sempre na “World Music” ou “Latin Music”, então cada uma dessas categorias tem seu público especifico, o que toca é determinado pelas companhias distribuidoras de musicas, record’s label… o meu ponto é que nem tudo que faz “sucesso” é o melhor, como sabemos… O fato da bossa nova ter sido bem recebida, é sorte nossa.. Bjos!


regina on 26 fevereiro, 2012 at 16:58 #

Ah, esqueci de citar o JAZZ, a influência do jazz foi que ajudou à bossa nova fincar raiz, e, off-course, seu próprio valor musical e dos membros que a apresentaram ao mundo…


gilson on 26 fevereiro, 2012 at 17:04 #

O mago do Candeal mais uma vez faz a hora. Boa sorte, campeão!


vangelis on 27 fevereiro, 2012 at 9:36 #

Uma pena o Carlito Marrom não viu o seu Oscar, perdeu para o Sapo. Mesmo assim presto a minha homenagem com a música Oh! Seu Oscar do Roberto Silva:
http://www.youtube.com/watch?v=fjctP3df8w4


luiz alfredo motta fontana on 27 fevereiro, 2012 at 10:20 #

E tudo volta ao normal, assim como na F1…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments: