mar
31
Postado em 31-03-2010
Arquivado em (Claudio, Entrevistas) por vitor em 31-03-2010 11:53

ACM Jr: em busca de Aécio

=================================================================
A revista digital Terra Magazine publica nesta quarta-feira entrevista na qual o senador baiano ACM Jr revela que o DEM vai esgotar convite para Aécio ser vice de Serra. BP reproduz a conversa de ACM Jr com o repórter Claudio Leal, de TM, na qual o sernador considera sede de poder o apoio de ex-aliados do carlismo à chapa do petista Jaques Wagner à reeleição.

===============================================================

Claudio Leal

Para o senador ACM Jr. (DEM-BA), ainda não morreu a ideia de trazer Aécio Neves para a vice do presidenciável José Serra (PSDB-SP), que se desincompatibiliza nesta quarta do governo de São Paulo. Apesar das sucessivas recusas do líder mineiro para compor a chapa tucana, o DEM pretende insistir até a náusea.

- Nós temos que esgotar as possibilidades de ter o governador Aécio na vice. A partir daí, nós pensaremos outro nome – defende o senador democrata, ainda que o DEM tenha a prerrogativa de indicar o vice.

Em entrevista a Terra Magazine, o empresário e político comenta a adesão de velhos aliados de seu pai, o ex-senador baiano ACM (1927-2007), à chapa eleitoral do governador Jaques Wagner (PT-BA). O petista finaliza uma aliança com os ex-carlistas Otto Alencar e César Borges.

- No momento em que se identificar que eles foram aliados nossos e agora querem se aliar ao PT por questões de repartir poder, é claro que o eleitor vai ficar desconfiado e pode votar contra – critica.

Terra Magazine – Senador, como tem evoluído as articulações para a vaga de vice de José Serra?
Antonio Carlos Jr. – A candidatura de Serra é consolidada, favorita, nós estamos contentes com a posição do governador e vamos fazer uma grande festa em Brasília, no dia 10 (de abril), para lançar a candidatura dele. Estamos bastante otimistas. Em relação ao vice, vamos aguardar para fazer a melhor escolha.

O DEM vai apresentar o nome?
Primeira coisa: nós temos que esgotar as possibilidades de ter o governador Aécio (Neves) na vice. A partir daí, nós pensaremos outro nome.

O senhor ainda aguarda o governador Aécio Neves? Ele já desmentiu essa possibilidade.
Ainda vamos esgotar a possibilidade de ter o governador Aécio como candidato a vice. A partir daí, vamos pensar em outra alternativa.

O que o senhor pensa do apoio de ex-aliados do seu pai, o ex-senador ACM, à chapa do governador petista Jaques Wagner?
Na verdade, é claro que muita gente gosta de estar próximo do poder. Vejo a aliança como uma tentativa de se manter em suas posições de poder. Mas isso pode ser uma coisa contrária, porque quando repassar a origem dela, vão ver que não se misturam posições ideológicas absolutamente diferentes. Pode ser prejudicial. O eleitor não vai ver com bons olhos essa aliança.

O PT sempre fez muitas críticas ao pai do senhor… Eram inimigos históricos. Como avalia essa adesão?
É isso que pode prejudicar esses candidatos. No momento em que se identificar que eles foram aliados nossos e agora querem se aliar ao PT por questões de repartir poder, é claro que o eleitor vai ficar desconfiado e pode votar contra.

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 31 março, 2010 at 14:14 #

Aqui “encafifado”

Diz o herdeiro de ACM:

“Mas isso pode ser uma coisa contrária, porque quando repassar a origem dela, vão ver que não se misturam posições ideológicas absolutamente diferentes.”

Como se pronunciasse a mais cristalina verdade!

Afinal qual a posição ideológica de Wagner?

Qual a diferença dela, caso exista, com a de ACM?

Não é só uma luta pelo poder em nome do poder?

Wagnerianos, e aqui a preferência, pelo termo Wagneriano, no lugar de Wagnerista, posto que é mais feudal, são tão pomposos quanto Carlistas.

Onde está mesmo a diferença?


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments: