nov
14

Um trator chamado século 21

Arthur Andrade

Os velhos racistas, pedófilos, misóginos e tarados do século 20 estão atônitos. Mudaram as regras e não avisaram.
Um trator chamado século 21 está em intensa operação removendo modelos e crenças, lixos acumulados há séculos.

Por isso William Waak está sem chão. De estrela do jornalismo a poeira de faxina, Waak foi reduzido a qualquer coisa, um racista. Em segundos, viu seu extenso currículo rasgado em farelos por imagens geradas na mesma emissora que o alavancou.
Dois garotos nascidos no século 20 mas com DNA do 21 passaram o trator. Diego Rocha e Robson Ramos divulgaram nas redes um átimo de fala, um nada que explodiu e destruiu um edifício inteiro chamado WW. Admitiram não ter a menor intenção de tanto barulho. Só chamar a atenção para o racismo daquele “jornalista intelectual”. Mas o dois também esqueceram do século 21.

Kevin Spacey perdeu tudo. Um episódio rolado numa madrugada de meados dos anos 80 e esquecido de todas suas memórias século 20, subiu à tona no 21. No século passado, o ator Anthony Rapp tinha 14 anos quando foi assediado por Spacey. Hoje, aos 49, resolveu descarregar seu arquivo morto. Destruiu Spacey. Outras vítimas do excelente ator também abriram seus arquivos analógicos nesses terríveis tempos digitais. Spacey do século passado está deletado pelo trator do 21.

Outro deletado é o ex-produtor de Hollywood Harvey Weinstein. Voraz assediador de atrizes frágeis no passado, cuja senha para o estrelado era o “teste do sofá”, Weinstein foi destruído pelas vozes do século digital. Muitas daquelas atrizes frágeis são hoje mais poderosas que ele – algumas diretoras, outras produtoras, outras ambos. O temido produtor do passado virou um rabicho de fio de mouse esmagado por esse mesmo 21.

E o já esquecido José Mayer, também da Globo, é outro fulminado pelo barulho do século 21. Famoso garanhão dos bastidores, Mayer foi desmascarado por uma assistente de moda nascida no século 20 mas com o mesmo DNA do 21. O ator ficou atônito com tantas balas de posts e tweets zunindo sobre sua carcaça. Nada conseguia interromper o tsunami de revoltas.

Mas o que houve com o mundo? Isso sempre foi normal, bradou como um bardo.
Mayer sabia que muitos faziam aquilo e mais aquilo na Globo e nas outras TVs…e no cinema, no teatro, em empresas, em universidades, clínicas médicas, em famílias, nas esquinas, em palácios, em casebres. Não sou o único, nunca fui, fui até discípulo, disse na sua rodinha dos bastidores do século 20.

Mayer também esqueceu do implacável 21.

Holísticos, astrofísicos, os bruxos do século 20 aguardavam o novo século com saliva de canto e graves predições. Não ficará pedra sobre pedra. O tapete será levantado. As máscaras cairão. “Mundos” irão acabar.

E você ainda tem alguma dúvida?

Arthur Andrade é jornalista, músico, especialista em mídia digital, colaborador da primeira hora do BP.

Comentários

Regina Soares on 14 novembro, 2017 at 12:34 #

Quando a “máscara” cai é a gota d’água que extravasou, essas pessoas conseguiram esconder, por treinamento profissional, o verdadeiro personagem e seus credos… WW está muito certo da sua expressão preconceituosa no vídeo, isso não é coisa que aparece de repente e uma vez na vida. O mesmo se aplica nos outros casos citados!!!
A Internet e suas redes sociais deu voz ao anônimo, cada um tem um fórum, se quiser, para expressar sua opinião, grande logro do século 21!!!!


Vanderlei on 14 novembro, 2017 at 13:08 #

O Problema não é o que o WAACK falou ou não falou. O problema é o patrulhamento a que estamos todos nós envolvidos. Não se pode falar mais nada. Teremos de andar de boca fechada e talvez nem nas nossas casas poderemos falar besteiras, asneiras. porcarias, bobagens, anedotas e por aí vai. São Câmeras e microfones para todos os lados. Agora fica as as indagações: Por que só foi aparecer agora o que Waack falou? O quem tem por trás disto? Quem nunca errou ao falar grandes asneiras, se até os Papas, digo os do Vaticano, falam e falaram no passado? Abaixo o patrulhamento! Vida na terra está cada vez ficando mais chata. Vou me mudar para MARTE!

Após toda a polêmica envolvendo William Waack, vem à tona um depoimento de Gil Moura, um cinegrafista que trabalhou com ele por várias anos na Globo. Gil o defende de várias formas. Segue seu relato feito em rede social:
Cinegrafista negro da Globo defende William Waack com unhas e dentes

http://www.otvfoco.com.br/cinegrafista-negro-da-globo-defende-william-waack-com-unhas-e-dentes/


regina on 14 novembro, 2017 at 13:17 #

Caro Vanderlei, vc pode falar e fazer o que quiser mas assuma as consequências…
As palavras ofendem, ferem, matam… cuidado com elas!!!
Abraço


Vanderlei on 14 novembro, 2017 at 16:07 #

Sim! eu sempre assumi o que falo. Até na justiça. No entanto, o que estou ressaltando é o constante patrulhamento que estamos sendo bombardeados. Logo mais estaremos todos de bocas fechadas.


regina on 14 novembro, 2017 at 17:34 #

“O preço da liberdade é a eterna vigilância”
A frase acima é atribuída ao orador irlandês John Philpot Curran (1750-1817).
Leia aqui um interessante artigo sobre isso:
https://canaltech.com.br/seguranca/O-preco-da-liberdade-e-a-eterna-vigilancia/


regina on 14 novembro, 2017 at 17:39 #

Se nós estamos dispostos, e devemos estar, a vigiar os nossos representantes políticos, servidores públicos, juízes, etc… devemos começar por nós mesmos!!!!
No caso do Brasil, é uma reforma de base, de estrutura do nosso comportamento básico, se quisermos ser uma nação respeitada!!!


Daniel on 14 novembro, 2017 at 18:46 #

Espero que o autor do texto não tenha deixado algum esqueleto do século XX atrás de algum armário empoeirado pelo tempo.

Quando todos vigiam todos, quando todos são patrulheiros do pensamento alheio, quando todos procuram chafurdar em qualquer coisa que possa manchar a imagem de algum adversário (seja ele político, social, funcional ou o que o valha) sabemos bem a que caminho estamos indo.

E viva o progressismo libertador!


Vanderlei on 15 novembro, 2017 at 12:46 #

“Olho por olho, e o mundo acabará cego – Mahatma Gandhi”


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments: