mar
17


DO EL PAIS

Enfim, uma boa notícia. À caça de uma agenda positiva para aplacar o abalo da Operação Lava Jato e o ruído dos protestos contra a reforma da Previdência, o presidente Michel Temer se apressou em divulgar nesta quinta-feira dados positivos sobre a criação de emprego em fevereiro em cerimônia no Palácio do Planalto. Pela primeira vez em 22 meses, houve mais contratações do que demissões no Brasil no mês passado, deixando um saldo positivo de 35.612 vagas formais criadas, especialmente no setor de serviços.

“Nós temos muitos milhões de brasileiros que dependem de empregos, mas é preciso começar. E o começo veio com essa notícia que estou dando a vocês”, disse Temer. O dado é do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foi inusualmente anunciado pelo presidente _em geral, a divulgação é feita pela Internet e nos últimos dias do mês. A última vez em que as vagas haviam superado as demissões ocorreu em março de 2015, quando o Brasil ainda começava a trajetória de recessão da economia da qual ainda não se livrou totalmente.

A melhora no emprego é um dos aspectos mais ansiados pelo Governo porque o problema atinge quase 13 milhões ou 12,6% da população, segundo os dados mais recentes do IBGE. No acumulado de 12 meses, a perda de líquida de vagas ainda supera um milhão.
Sem Lava Jato, mas com Moody’s e leilões

Pelo segundo dia consecutivo, Temer se recusou a responder aos jornalistas presentes ao anúncio quando questionado sobre a Operação Lava Jato. Os vazamentos agora implicam ao menos seis nomes do seu gabinete como prováveis investigados nos novos inquéritos pedidos pelo procurador-geral, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal na terça-feira. A lista completa dos políticos alvo de Janot ainda não foi divulgada oficialmente, uma decisão que depende do ministro do STF Edson Fachin e que não tem prazo para acontecer.

Se evitou falar de Janot, o presidente fez questão de comemorar outras duas boas notícias recentes. Temer classificou de “grande sucesso” o leilão de quatro aeroportos brasileiros (Salvador, Fortaleza, Porto Alegre e Florianópolis) realizado nesta quinta-feira em São Paulo, um teste para a confiança dos investidores na estabilidade de sua administração. A expectativa do Governo era alcançar 3 bilhões de reais em lances e o valor final chegou a 3,7 bilhões de reais.

Já a melhora da avaliação da agência Moody’s sobre o risco soberano do Brasil _de negativa para estável nesta quarta_ fez Temer fazer uma aposta: “Ao longo do tempo é muito provável que se atinja uma pontuação que nos faça retomar o grau de investimento.” O Brasil perdeu o grau de investimento, em outras palavras “o selo de bom pagador” para investidores, com o agravamento da crise política e econômica em 2015.

Comentários

Taciano Lemos de Carvalho on 17 março, 2017 at 9:40 #

“Atualmente, quando um presidente diz ‘o país está indo muito bem’, ele quer dizer que o capital está indo bem, mas as pessoas estão indo mal.” (David Harvey, geógrafo britânico)


Taciano Lemos de Carvalho on 17 março, 2017 at 10:58 #

Suspirando como? Assim:
Escuta traz conversa entre Osmar Serraglio e servidor preso pela PF (na operação A Carne é Fraca, deflagrada hoje, 17 de março).

Mais um ministro de Termer.
http://www.metropoles.com/brasil/escuta-traz-conversa-entre-osmar-serraglio-e-servidor-preso-pela-pf


Daniel on 17 março, 2017 at 19:31 #

E não é só essa: a inflação está caindo, os juros idem e a expectativa dos investidores está aumentando.

E tal contexto se fez possível por uma razão especial: a saída do PT do poder!


Taciano Lemos de Carvalho on 17 março, 2017 at 20:12 #

Carne Fraca…ou Carne Podre?

Doações aos partidos:

PT: R$ 60,7 milhões
PMDB: R$ 59,1 milhões
PSDB: R$ 58,1 milhões
PP: R$ 38,1 milhões
PR: R$ 24,4 milhões
As doações feitas diretamente a candidatos totalizaram R$ 79 milhões e beneficiaram as campanhas de dezenas de políticos. Candidatos do PT foram os mais contemplados, com R$ 60,6 milhões, bem à frente dos peemedebistas, que receberam R$ 6,9 milhões; e dos tucanos, agraciados com R$ 3,3 milhões.

Doações a candidatos:

PT: R$ 60,6 milhões
PMDB: 6,9 milhões
PSDB: 3,3 milhões
PSD: 3,1 milhões
PROS: 1,6 milhão

http://www.edsonsombra.com.br/post/empresas-investigadas-na-carne-fraca-doaram-r-393-milhoes-a-politicos-em-201420170317


Daniel on 18 março, 2017 at 15:16 #

Chamou minha atenção a distorção entre as doações aos partidos e aos candidatos.

Os candidatos do PT receberem cerca de 20 vezes mais do que os do PSDB não me parece algo natural.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments: