Fabulosa figura humana! Magnífico cantor do Rio e do Brasil!

SAUDADES E VAZIO. IMENSO VAZIO.

BOA TARDE!!!

(Vitor Hugo Soares)

DO G1

Mauro Ferreira

Luiz Melodia morre aos 66 anos, em decorrência de câncer de medula

O cantor, compositor e músico carioca Luiz Carlos dos Santos, o Luiz Melodia, morreu na cidade natal do Rio de Janeiro (RJ), aos 66 anos, em decorrência de complicações de um câncer que atacou a medula óssea. Melodia morreu na madrugada de hoje, 4 de agosto, por volta das cinco horas da manhã. A informação foi confirmada ao colunista musical do G1 por Renato Piau, guitarrista que tocou com Melodia, após ligação para a família do artista. Melodia chegou a fazer um transplante de medula óssea e resistiu ao procedimento, mas não vinha respondendo bem à quimioterapia. O câncer voltou e o estado de saúde de Melodia se agravou bastante ontem. O artista estava internado no hospital Quinta D’Or.

Ele cantava que o nome dele era ébano na música que defendeu no festival Abertura, exibido pela TV Globo em 1975. Na certidão de nascimento, o nome era Luiz Carlos dos Santos. Mas o Brasil o conhecia mesmo pelo nome artístico de Luiz Melodia. Nascido em 7 de janeiro de 1951 no morro do Estácio, o bairro da cidade natal que ele cantou poeticamente em um dos sambas mais conhecidos do repertório gravado a partir da década de 1970, Luiz Melodia saiu de cena hoje em decorrência de complicações de um câncer de medula óssea conhecido cientificamente como mieloma múltiplo, mas fica eternamente em lugar de honra na história da música brasileira.

Tinha 66 anos de vida e 46 de carreira, se estabelecido como marco zero da trajetória profissional o lançamento da música Pérola negra em 1971 na voz de Gal Costa. Pérola negra era um dos destaques do show Fa-tal – Gal a todo vapor. No ano seguinte, Maria Bethânia lançou o samba Estácio, Holy, Estácio no álbum Drama (1972), abrindo caminho para que Melodia lançasse em 1973 pela gravadora Philips o primeiro álbum, Pérola negra, um dos clássicos da música brasileira de todos os tempos.

Pérola negra tinha samba, mas não era um disco de samba como o cantor tinha aprendido no morro em vivência musical que começou dentro de casa, quando Luiz ouvia o pai, o compositor Oswaldo Melodia, tocar. O álbum que projetou Melodia ergueu uma ponte tropicalista que ligava o samba do Estácio ao blues, passando pelo choro, pelo soul e pelo rock ao cair em suingue singular.

O romantismo ingênuo do cancioneiro da Jovem Guarda, influência assumida do cantor, ficaria mais evidente em álbuns posteriores com regravações de sucessos da turma comandada por Roberto Carlos em 1965, época em que Melodia ainda frequentava programas de calouros em busca do lugar ao sol que não havia conseguido com a formação de conjunto efêmeros, como Os Filhos do Sol e Os Instantâneos, para animar bailes da juventude pop dos anos 1960.

De lá para cá, a partir especificamente da edição do álbum Pérola negra, Melodia firmou nome na música brasileira como um dos compositores de assinatura pessoal, delineada em posteriores álbuns autorais como Maravilhas contemporâneas (1976), Mico de circo (1979), Nós (1980), Felino (1983), Claro (1987), Pintando o sete (1991), 14 quilates (1997), Retrato do artista quando coisa (2001) e o derradeiro Zerima (2014). Grande cantor de voz aveludada, Luiz Melodia foi bamba que foi muito além do samba do Estácio.


Deu na Folha, reproduzido no espaço da autora teatral Aninha Franco, nesta quinta-feira, 3 de agosto.

ARTIGO

Vitória da mala

Bernardo Melo Franco

BRASÍLIA – Uma mala cheia de dinheiro transformou Michel Temer no primeiro presidente do Brasil a ser denunciado no exercício do cargo. A acusação é forte, mas não dará em nada. A Câmara negou autorização para que o Supremo abra um processo contra o peemedebista.

A vitória de Temer é a vitória da mala. Ao blindá-lo, os deputados deixaram claro que provas não importam. O que mantém um presidente na cadeira é a sua capacidade de manter o Congresso no cabresto.

A instantes da votação, o governo ainda barganhava verbas e nomeações. O ministro Antonio Imbassahy circulava com uma lista de emendas e cobrava a fatura de quem ameaçava votar contra o presidente.

O clima de feira livre fazia par com a avacalhação no plenário. Deputados trocaram empurrões, atiraram dinheiro falso para o alto e encenaram uma guerra de bonecos infláveis. O presidente Rodrigo Maia alimentou o circo ao dizer que queria encerrar a votação cedo para assistir a uma partida de futebol na TV.

Na Câmara, o jogo foi digno dos piores campos de várzea. A oposição se embananou numa tentativa desastrada de adiar a sessão. O governo atropelou a lógica ao defender a blindagem do presidente.

Os papagaios do Planalto repetiam que engavetar a denúncia não significava garantir impunidade a Temer. A Justiça só precisaria esperar o fim do mandato para processá-lo. Isso equivale a dizer que todo suspeito de crime deve ser investigado, a não ser que esteja na Presidência.

Além de colher os frutos do fisiologismo, Temer saboreou a solidariedade de outros políticos na mira da lei. Celso Jacob, o deputado-presidiário, foi um dos 263 que apoiaram sua permanência no cargo. Depois de votar, ele retornou à sua cela na Papuda.

Ao enterrar o caso da mala, a Câmara deu as costas ao eleitorado, que cobrava em peso a saída do presidente. No entanto, o abismo entre representantes e representados não chega a ser uma novidade da era Temer.

MARTINHO, PARA ACOMPANHAR O BABADO!!!

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)


Maduro nesta quinta-feira EFE

DO EL PAÍS

Xosé Hermida

Federico Rivas Molina

Brasília / Buenos Aires Federico Rivas Molina

Os países do Mercosul se reunirão com urgência no próximo sábado no Brasil para estudar a suspensão definitiva da Venezuela por causa da atitude do Governo de Nicolás Maduro. O Mercosul, através da Presidência de turno brasileira, se ofereceu a Maduro como intermediário no diálogo entre Governo e oposição. O presidente venezuelano rechaçou a oferta, segundo o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, que já antecipou em declarações ao jornal O Estado de S. Paulo que, em sua opinião, a suspensão do país “é uma consequência inevitável” pela recusa de Maduro a negociar.

Os chanceleres do Mercosul pensavam em se reunir em Lima, no Peru, no dia 8 de agosto, durante uma reunião regional convocada para tratar a questão da Venezuela. Mas a denúncia de fraude realizada pela empresa Smartmatic, responsável pelo sistema de voto eletrônico usado na eleição da Assembleia Constituinte, acelerou os tempos. Nesta quinta, a Procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Dias, anunciou no Twitter que pediu anulação O presidente argentino, Mauricio Macri, à frente da estratégia regional contra a Venezuela, pediu hoje abertamente uma sanção. “A Venezuela deve ser suspensa definitivamente do Mercosul. É inaceitável o que está acontecendo. Deixou de ser uma democracia e os direitos humanos são sistematicamente violados”, disse.

O Ministro de Relações Exteriores do Paraguai, Eladio Loizaga, disse que a reunião de representantes do Mercosul no Brasil terá “de qualquer jeito uma decisão” comum contra Caracas. “Será tomada com base no que estabelece o Protocolo de Ushuaia sobre questões de democracia, levando em conta que há, definitivamente, uma ruptura da ordem democrática na Venezuela”, explicou Loizaga para a Rádio Nacional da Argentina. “Será algo definitivo, deve ser tomada uma decisão de qualquer jeito. Não há como dar voltas, não há marcha para trás”, opinou.

O Governo brasileiro preferiu não fazer mais comentários na quinta-feira, mas uma declaração é esperada para a sexta-feira. Em todo caso, seu ministro já foi direto. O Brasil tem feito esforços nos últimos dias para facilitar o diálogo. Na semana passada enviou de volta seu embaixador em Caracas, que estava ausente desde setembro. Em uma nota publicada na quarta-feira, o Executivo brasileiro exigiu a libertação imediata dos líderes da oposição Leopoldo López e Antonio Ledezma, cujas prisões, afirmou, “são mais uma demonstração da falta de respeito às liberdades individuais e ao devido processo legal”.

A situação na Venezuela dominou a agenda da última cúpula presidencial do Mercosul, realizada há duas semanas em Mendoza. Brasil e Argentina tentaram aprovar uma declaração que condenava abertamente Maduro pela eleição de uma Assembleia Constituinte, sob a ameaça de suspensão. Mas a negativa do Governo do Uruguai, encurralado por pressões políticas internas, promoveu um documento final sem menções concretas às eleições realizados no domingo. Nesse momento, o Mercosul enviou a Caracas uma nota de consulta, como estabelece o protocolo antes de qualquer eventual sanção contra um sócio que rompeu a ordem institucional. Se as consultas não prosperarem, o Mercosul pode decidir aplicar a cláusula democrática.

Essa agora é a intenção do bloco. É verdade que a Venezuela já está suspensa, mas as causas são administrativas. Como Caracas não cumpriu com o prazo de adequação normativa com que se comprometeu em 2012, quando começou seu ingresso como membro pleno, foi despojado de suas atribuições até que avançasse nessa direção. Da reunião no Brasil pode sair uma suspensão política, muito mais grave, como a que recebeu o Paraguai há cinco anos, quando o Congresso destituiu em tempo recorde o presidente Fernando Lugo.

A Argentina foi o país que impulsionou desde o início uma sanção definitiva contra a Venezuela. Macri sempre afirmou que o país caribenho não era mais uma democracia, mas sua ex-chanceler Susana Malcorra optou, na época, pela cautela e os chamados ao diálogo entre Governo e oposição. Desde 12 de junho, com a chegada do novo ministro de Relações Exteriores, Jorge Faurie, e a evidente escalada da violência na Venezuela, o discurso da diplomacia argentina endureceu. Maduro “não se importa com nada. Nós acreditamos que [na Venezuela] não há Estado de direito, a democracia não é praticada”, disse Faurie. Dias atrás, Faurie adiantou inclusive que o Mercosul estava “muito perto” de aplicar a cláusula democrática. Tudo será decidido no Brasil


Neymar, com a camisa do Barcelona em uma partida da Liga 16-17.
LLUIS GENE AFP


DO EL PAÍS

O Paris Saint-Germain (PSG) acertou, após mais de duas semanas de idas e vindas, o pagamento da multa de 222 milhões de euros (821 milhões de reais) ao Barcelona pela multa rescisória de Neymar e confirmou a contratação do atacante brasileiro. Neymar assinará contrato com o PSG até 30 de junho de 2022, antes da Copa do Mundo do Catar. O jogador de 25 anos será apresentado nesta sexta-feira, 4 de agosto, em Paris, no estádio Parc des Princes. Trata-se da contratação mais cara da história do futebol.

Em declaração ao site oficial do PSG, Neymar afirmou que foi seduzido pela ambição do clube de conquistar títulos e entrar para o patamar das grandes potências mundiais. “Estou extremamente satisfeito por me juntar ao Paris Saint-Germain. Desde a minha chegada à Europa, o clube se tornou um dos mais competitivos e ambiciosos. O maior desafio, que me motivou a me juntar aos meus novos companheiros de time, é ajudar o clube a conquistar os títulos que os torcedores sonham. A ambição do PSG me conquistou tanto quanto a paixão e a energia que gera. Passei quatro anos na Europa e estou pronto para o desafio. A partir de hoje, vou fazer de tudo para ajudar minha equipe a vencer, abrir novos horizontes para o meu clube e dar felicidade a seus milhões de torcedores em todo o mundo”, disse o atacante, que vestirá a camisa 10 em Paris.

Já em seu perfil no Instagram, o craque escreveu em espanhol agradecendo pela parceria de sucesso com Luis Suárez e Lionel Messi, ressaltando que a decisão de trocar o Barça pelo PSG teria contrariado a vontade de seu pai. “Formei um ataque com Messi e Suárez que ficou na história. Tive a honra de atuar com o maior atleta que vi jogar e tenho certeza que não vou ver outro melhor que Messi, que se tornou um amigo dentro e fora de campo. Um atleta (eu) precisa de desafios. Vou contrariar meu pai pela segunda vez na vida. O PSG será minha casa pelos próximos anos e vou trabalhar para honrar a confiança que depositaram em meu futebol.”

ago
04
Posted on 04-08-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 04-08-2017


Myrria, no jornal A Crítica (AM)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Professor Bruno

A Justiça autorizou o ex-goleiro Bruno a dar aulas de futebol a crianças e adolescentes.

Ele está preso num presídio de Varginha, em Minas Gerais, de onde será buscado e levado para o local de trabalho, uma entidade de assistência social.

No início deste ano, Marco Aurélio Mello soltou Bruno, mas o habeas corpus foi revertido dois meses depois.