A trama da novela A Força do Querer cresce em intensidade a cada capítulo: sensacional o de ontem.
A trilha musical também. Acompanha em pegada e alternativas o mesmo nível de qualidade do folhetim de Glória Perez. Por exemplo, esta maravilha apresentada de canção (letra e interpretação) na trilha sonora das cenas do casamento de Caio.Confira.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)


CRÔNICA

O GOZO

Gilson Nogueira

Deus poderá ser um ET, elucubro, no momento em que imagino a tecnologia invadindo a área das emoções e dos mais nobres sentimentos humanos, como, por exemplo, gritar gol, mesmo em um estádio de futebol vazio, onde a voz do torcedor seja um estrondo capaz de despertar os deuses da justiça.

Os homenzinhos verdes são uns chatos, concluo, ao percebe-los determinando, para o bem ou para o mal, se a bola entrou ou não no gol e se beltrano estava em impedimento ou não estava. E bato na mesa, Deus, Jamais, poderia ser um deles! Foi Ele o Inventor da bola de futebol, um esporte divino, onde o errar é humano tem, sempre, lugar na súmula do torcedor, esteja ele na arquibancada ou na estação espacial de sua imaginação.

Vou divagando devagar, bem devagar, diante da tela do computador, e vejo a oportunidade de marcar posição contra esse negocio de usar tecnologia de computador para dizer se foi ou não foi gol, ou seja, antes de você, torcedor, abrir o peito, emocionar-se, chegar ao orgasmo futebolístico, na catarse geral do futebol que o glorifica como ser humano e o conduz aos píncaros da felicidade, ainda que cercado por aqueles que não são maioria, ou seja, pelos que pensam ser o esporte das multidões batalha campal, com ingresso pago.Que o Inferno lhes reserve, desde já, cadeira cativa no campeonato da vida.

Que seja o gol o soberano da conquista sem juízes sentados em sala com ar-condicionado, de olhos no PC, tomando guaraná, ou o que seja, para decidir os limites de sua alegria.

Viva o gol, o maioral do futebol, feito na areia, na grama, no asfalto, em cima da cama, em traves armadas com dois cocos verdes, duas pedras, dois chinelos ou qualquer outro volume que o vento não leve e que assinale a linha imaginaria para a bola entrar entre um ponto e outro e validar o sentido maior do esporte e, assim, capaz de justificar seu grito. O orgasmo da alma!

Com a mesma emoção do repórter cuja carreira de jornalista iniciou atrás do gol, na lendária Fonte Nova, defendo a volta do futebol arte, do mesmo modo que torço por um cartão vermelho para os que querem fazer o torcedor deixar de ir as nuvens com o gol do seu time.

Abaixo a Fifa!

Gilson Nogueira é jornalista, colaborador da primeira hora do BP


DO EL PAÍS

Afonso Benites
Brasília

Há quase três anos, Aécio Neves usava as tribunas por onde passavam para se apresentar como a melhor alternativa para retirar o PT da presidência da República. “NInguém aguenta mais a corrupção do PT” , repetiu várias vezes. Nesta terça-feira, 48 dias após ser impedido de exercer suas funções parlamentares, o senador pelo PSDB de Minas Gerais deverá proferir mais um discurso. Só que dessa vez, para se defender de uma série de acusações que só o afundam em lamaçal do qual terá severas dificuldades de sair.

Acusado de receber 2 milhões de reais como propina e flagrado em diálogos não republicanos com executivos da J&F que admitiram corromper políticos, entre eles o presidente Michel Temer (PMDB), o parlamentar tucano tenta traçar duas estratégias essenciais para si e para a própria família. Na seara política, quer evitar ser enterrado. Na esfera pessoal, lutará para ver o Judiciário absolver a si, sua irmã, Andrea Neves, e um primo, Frederico Pacheco, das acusações de corrupção passiva e obstrução da Justiça. Andrea, acusada de pedir a propina, e Pacheco, apontado como quem pegou o dinheiro ilícito, cumprem prisão domiciliar e são monitorados por tornozeleiras eletrônicas.

Nesta segunda-feira, Aécio, que por ter foro privilegiado segue sua vida normalmente, passou boa parte do dia discutindo com assessores os detalhes do discurso que deverá fazer entre terça e quarta. Autorizado pelo ministro Marco Aurélio Mello a voltar a ocupar o cargo de senador por Minas Gerais, ele deverá usar a tribuna para dizer que foi injustamente envolvido em uma trama criada por Joesley Batista, o sócio da J&F (a controladora da JBS). O próprio senador admitiu que recebeu os 2 milhões de reais de Joesley, mas diz que o valor foi um empréstimo para que ele pudesse pagar seus advogados. E, certamente, os gastos com advogados tomarão boa parte de seu patrimônio – estimado na eleição de 2014 em 2,5 milhões de reais. Atualmente, o parlamentar responde a pelo menos sete inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF). Vão desde a acusação de receber 30 milhões de reais da Odebrecht, conforme delatores dessa empreiteira, até o de obstruir a justiça.

Depois de perder o segundo turno da eleição de 2014 por uma estreita margem para Dilma Rousseff (PT), Aécio era tido como nome certo do PSDB para eleição de 2018. Hoje não figura nem como o virtual candidato do partido nas pesquisas dos mais diversos institutos que analisam a opinião pública. Pessoas próxima a ele dizem que, antes da delação da JBS e já envolvido na Lava Jato, ele pensava em concorrer ao cargo de deputado federal, apenas para manter seu foro privilegiado e tentar ter alguma influência política. Contudo, o turbilhão dos últimos dias e as seguidas explicações que é obrigado a dar por conta dos esquemas de corrupção o fizeram a repensar sua carreira. Antes cercado de aliados, sua liderança dentro do PSDB e no Planalto Central já passa a ser questionada.
Influência em queda

Assim que foi afastado das funções parlamentares, Aécio licenciou-se da presidência do PSDB. Seu retorno ao cargo ainda é incerto. As alas jovens e os neófitos na legenda, como o prefeito paulistano João Dória, defendem sua saída definitiva da função do partido. E mais, assumem que ele não tem mais respaldo para defender o apoio ao Governo Temer. Mas seus antigos defensores ainda dizem que o senador merece mais um voto de confiança. “Não vejo por que não poderia reassumir a presidência do PSDB. O partido vai ser mais realista que o Judiciário, que lhe deu o direito à dúvida?”, questionou o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), um dos tucanos mais próximos a Aécio.

Na visão de Pestana, o senador teve apenas “um diálogo infeliz com o Joesley que estava treinado para criar arapucas”. “Ele [Aécio], infelizmente teve o pior momento de sua trajetória política naquele diálogo. Mas agora, o cenário está tudo muito embaralhado”.

Líder do Governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), outro investigado no STF, diz que Aécio retornará ao Legislativo no momento em que achar mais adequado e que a situação atual é de “normalidade”. Jucá, no entanto, conta com o retorno do tucano para garantir que os demais peessedebistas votem a favor da reforma trabalhista, que deve começar a ser debatida e nesta semana e votada na próxima.

Para Ricardo Costa de Oliveira, professor de sociologia política da Universidade Federal do Paraná, o retorno de Aécio ao Senado é a continuidade da mesma composição que está no poder desde a queda de Rousseff. “O Aécio é um símbolo dessa classe dominante tradicional. Indivíduos desse estatuto geralmente gozam de grandes franquias e impunidade no Brasil”.

Além do campo jurídico, Aécio já terá de resolver uma questão no curto prazo. A Comissão de Ética deverá analisar se abre um processo contra ele por quebra de decoro parlamentar. Na primeira tentativa de reabrir o caso, o processo foi enterrado com uma simples canetada do presidente do colegiado, João Alberto Souza (PMDB-MA). Ao engavetar a denúncia protocolada pelo partido Rede Sustentabilidade, João Alberto seguiu um pedido do Governo Temer. Cinco senadores recorreram da decisão e o presidente da comissão tirou uma licença médica no mesmo dia que o recurso foi apresentado. Nos próximos dias, o vice-presidente da comissão, Pedro Chaves (PSC-MS), um dos signatários do recurso, deverá decidir se coloca em votação o pedido de reabertura do caso, o que poderia gerar a cassação do mandato do tucano.

jul
04

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

“Solto, Geddel pode escamotear propina”

Na decisão de prender Geddel Vieira Lima, obtida em primeira mão por O Antagonista, o juiz Vallisney de Oliveira também ressaltou o risco de que o ex-ministro possa escamotear ou esconder o dinheiro de propina recebido no esquema da Caixa.

Ele comenta ainda que Geddel teria mantido sua influência na Caixa mesmo após deixar o cargo de vice-presidente de Pessoa Jurídica. “E tinha “atuação direta com os empresários tomadores de empréstimos”.

jul
04
Posted on 04-07-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 04-07-2017


Jorge Braga, no jornal O Popular (GO)

DO EL PAIS

Sandro Pozzi

Donald Trump dizia no sábado, em pleno ataque à imprensa, que está modernizando a presidência dos Estados Unidos graças ao uso que faz das redes sociais para chegar às suas bases. Falava de seguidores tão fanáticos como um usuário da plataforma Reddit que utiliza o codinome HanAssholeSolo. Esse indivíduo se autoproclama o autor do vídeo em que se vê o republicano em um combate de luta livre, enquanto agride virtualmente seu adversário com um logo da rede de televisão CNN cobrindo-lhe a cabeça.

Trump compartilhou a montagem desse usuário no começo de domingo talvez sem saber que seu histórico na Internet está recheado de mensagens racistas, homofóbicas, muito desagradáveis. Ele também idolatra o magnata. Por exemplo, comenta que se viajasse a Paris levaria “furadores” para se defender do ataque de um muçulmano. Em outra publicação brinca com colocar um gato em uma batedeira.

O vídeo original é de um evento em que Donald Trump, conhecido amante da luta livre, participou há uma década enfrentando Vince McMahon. A esposa do profissional, a propósito, é Linda McMahon, responsável pela agência que ajuda as pequenas e médias empresas. O jornal The Washington Post, após uma intensa busca para encontrar a origem do meme, afirma que Han é o responsável por colocar o logo no vídeo. “Não conseguimos encontrar outra versão”, diz o jornal.

A montagem com o vídeo foi publicada na quarta-feira. Han se gabou pela montagem divulgada por Trump no domingo. “Puxa, nunca imaginei que seria retuitado pelo próprio Deus Imperador”, exclama. O suposto autor, entretanto, explica que alguém colocou música e realizou outras alterações na versão publicada pelo presidente em sua conta pessoal.

Han chama a montagem de “Trump derruba as notícias falsas”. Os golpes na WrestleMania são de mentira, mas o fato de o presidente tê-la compartilhado em pleno ataque à imprensa é interpretado como uma incitação à violência. O histórico de Han ajuda a entender esse temor. O usuário não causou muito impacto com suas mensagens até que começou a participar de um grupo dedicado a ofender os que criticam o presidente Trump.

A publicação presidencial causou sensação entre os membros do grupo, que a viram como uma espécie de benção. “Confirma que Trump vê nossos memes”, é possível ler em um dos comentários, enquanto outros participantes elevam a figura do autor à altura de “lenda” por esse feito. Sua mensagem estará guardada para sempre no Arquivo Nacional. “Todos buscamos esse reconhecimento”, é possível ler nas mensagens da plataforma.