jun
07


Mané Garrincha:um canhoto extraordinário.


Arthur Andrade

E eu que sou direita!!

Arthur Andrade

Altamirando era o melhor jogador do mundo. E era meu colega, rááá!! Tinha orgulho de ser colega dele. Tínhamos 8 anos.

Mas eu era diferente dele, muito. O melhor jogador do mundo era o que passei a sonhar ser: canhoto!

Ele chutava de esquerda, uaoo!!. Depois vi, também escrevia com a esquerda. Era craque.

Virou minha primeira maluquice. Imitá-lo! Escrever e chutar com a esquerda. Viver na esquerda.

Tentei durante meses com minha mãe na cola. Pra que isso, filho? O mundo é destro e você quer ser canhoto?

A sala de aula era um transtorno. Percebi a ginástica do amigo pra escrever em cadeiras feitas para destros. O mundo era mesmo destro. E até então era um mundo bem confuso…e eu nele, fazendo o que?

E se o mundo fosse canhoto? Ou se o mundo fosse meio a meio?

Perguntas ao vento. Os canhotos são ínfima parte da humanidade. Cerca de 4%. Estão entre eles Charles Chaplin e Einstein. Garrincha e Maradona. Paul, Ringo, Jimmi Hendrix, Plant. Marilyn Monroe e Madame Curie. Picasso. Napoleão. Hitler. Alexandre, o grande, Isaac Newton, Michelangelo, Leonardo da Vinci… Caraca!

Mas até Hitler? Sim! Hitler deu uma boa sacudida no mundo. Chaplin também,uao! E da Vinci?!

Virou minha crença. Pra sacudir o mundo tinha que ser canhoto. Tinha que usar a esquerda.

Cansei de treinar, suei, desisti. Recolhi-me a minha insignificância de destro, esse lugar comum da humanidade. O lugar dos 96% restantes, que saco!
A maioria que tem bagunçado, que tropeça e se atrapalha, pra não falar toda verdade.

Mas você não sabe o que sofre uma pessoa canhota, me disse a linda miga artista e terapeuta ali no trajeto do Catete, no Rio.

Fora o incômodo das carteiras da sala de aula, tem o baleado, o pingpong, o volei, tem o violão invertido, tem o karatê, o lado da queda no judô, o aikidô…epa!!

Mulher linda, eu te respeito!

Parte dos 4% da humanidade está na familia dela. Dos 5 irmãos, três são canhotos. Todos passaram por vexames e chacotas. Que idiotice fazer chacota com gente que sacode o mundo!

Ok, ok! Tem uma gente meio estranha entre os canhotos. Ronald Reagan e João Batista Figueredo, Jack o Estripador e Otto Von Bismark.

Mas tem Ghandi pra contrabalançar. Goethe, Kafka, Spike Lee e Billy the Kid. Mozart, Ravel e Caruso. Ainda Bethoven, Paganini e o grande faraó Ramses II, tudo esquerda.

No campo ideológico, o termo “esquerda” surgiu com a Revolução Francesa. No lado esquerdo sentavam os políticos contrários ao rei e a favor das igualdades sociais. Do lado direito do parlamento, sentavam os leais às religiões e ao poder dos monarcas. Os caretas!

Mas a mão direita tem governado o mundo, sim. Nem a Revolução Francesa mudou isso.
A qualquer movimento da mão esquerda, o aparato da direita levanta-se com suas luvas de adamantium e destroça o que vem pela frente. Ou pela esquerda.

Não é à toa que essa mão comanda bancos, indústrias de armas, remédios, alimentos, doenças, virus, os sistemas de informação e toda comunicação do planeta.

A mão direita ganhou até aqui. Nem sei se um dia irá perder algo.

Mas sei que sei e sei que eu ainda vou ganhar.

Vou chutar com a perna esquerda e jogar ping pong com a mão direita dando tchau pro mundo todo.

Cês vão ver!

Arthur Andrade é jornalista, profissional multimídia, músico e compositor premiado. Editou, durante anos, uma das mais lidas e importantes colunas políticas da imprensa baiana (Bahia com H, no extinto jornal Bahia Hoje). Participou ativamente da fase de criação deste Bahia em Pauta.

Arte e sentimento em tom maior do cronista de hoje no BP. Confira.

BOM DIA !!!

(Vitor Hugo Soares)

DO EL PAÍS

Na véspera do início do julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a Polícia Federal enviou ao presidente Michel Temer um questionário com 82 perguntas que representam um verdadeiro campo minado para o mandatário. As questões tratam dos assuntos levantados pelo empresário Joesley Batista em sua delação, bem como a conversa que ele manteve com Temer, e que foi registrada em um gravador oculto em seu bolso. Das 82 perguntas, mais de uma dezena trata da relação de Temer com seu ex-assessor, Rodrigo Rocha Loures, detido no último sábado. Joesley Batista aparece em outras tantas, como, por exemplo, quando o presidente é questionado se “tem por hábito receber empresários em horários noturnos e sem prévio registro em agenda oficial”. Em uma das questões, os investigadores pedem que o presidente descreva “com a máxima precisão possível” quando e onde Temer se encontrou Rodrigo Loures após a conversa com Joesley Batista, em março deste ano.

O questionário deixa transparecer rotas de investigações da Polícia Federal, que vai fechando o cerco sobre Temer. Há nove perguntas relativas ao porto de Santos, citado em conversa grampeada entre Loures e o presidente. O questionário faz parte da investigação em que Temer é acusado de corrupção, obstrução de justiça e organização criminosa.

Inicialmente Temer tinha até a tarde desta terça-feira para se pronunciar. No entanto, após um pedido da defesa do presidente para prorrogar o prazo, o ministro permitiu que as respostas sejam apresentadas até as 17h da sexta-feira (9). Temer ainda pode optar por não responder, exercendo seu direito de silêncio. Confira as 82 perguntas enviadas pela Polícia Federal:

1. Qual a relação de Vossa Excelência com Rodrigo da Rocha Loures?

2. Desde quando o conhece? Já o teve como componente de sua equipe de trabalho? Quais os cargos ocupados por ele, diretamente vinculados ao de Vossa Excelência?

3. Rodrigo da Rocha Loures é pessoa da estrita confiança de Vossa Excelência?

4. Vossa Excelência confirma ter realizado contribuição financeira à campanha de Rodrigo da Rocha Loures à Câmara dos Deputados, nas eleições de 2014, no valor de R$ 200.650,30? Quais os motivos dessa doação?

5. Vossa Excelência realizou contribuições a outros candidatos nessa mesma eleição? Se a resposta for afirmativa, discriminar beneficiários e valores.

6. Vossa Excelência gravou um vídeo de apoio à candidatura de Rodrigo da Rocha Loures à Câmara dos Deputados, em 2014. Fez algo semelhante em prol de outro candidato? Quais?

7. Rodrigo da Rocha Loures, mesmo após ter assumido vaga na Câmara dos Deputados, manteve relação próxima com Vossa Excelência e com o Gabinete Presidencial?

8. Vossa Excelência confirma ter estado com Joesley Batista, Presidente do Grupo J&F Investimentos S/A, em 7 de março de 2017 no Palácio do Jaburu, em Brasília, conforme referido por ele em depoimento de fls. 42/51 dos autos do Inquérito no 4483?

9. Qual o objeto do encontro e quem o solicitou a Vossa Excelência?

10. Rodrigo da Rocha Loures teve prévio conhecimento da realização desse encontro?

11. Por qual motivo a reunião em questão não estava inserida nos compromissos oficiais de Vossa Excelência?

12. Vossa Excelência tem por hábito receber empresários em horários noturnos e sem prévio registro em agenda oficial? Se sim, cite ao menos três empresários com quem manteve encontros em circunstâncias análogas ao de Joesley Batista, após ter assumido a Presidência da República.

13. Vossa Excelência já havia encontrado Joesley Batista fora da agenda oficial? Quando, onde e qual o propósito do (s) encontro (s)?

14. Em pronunciamento público acerca do ocorrido, Vossa Excelência mencionou que considerava Joesley Batista um ‘conhecido falastrão’. Qual o motivo, então, para tê-lo recebido em sua residência, em horário, prima facie, não usual, em compromisso extraoficial e sem que o empresário tivesse sido devidamente cadastrado quando ingressou às instalações do Palácio do Jaburu (segundo as declarações do próprio Joesley Batista)?

15. Vossa Excelência aventou a possibilidade de realizar viagem a Nova York, no período de 13 a 17 de maio de 2017? Rodrigo da Rocha Loures chegou a comentar com Vossa Excelência sobre o interesse de Joesley Batista de encontrá-lo na sede da JBS, naquela cidade?

16. Vossa Excelência sabe se o ex-ministro Geddel Vieira Lima mantinha encontros ou contatos com o empresário Joesley Batista, segundo referido por este às fls 42/51? Se sim, esclarecer a finalidade desses encontros?

17. Vossa Excelência tem conhecimento se o ministro Eliseu Padilha mantinha encontros ou contatos com o empresário Joesley Batista segundo referido por este às fls 42/51? Se sim, esclarecer a finalidade desses encontros?

18. No mesmo depoimento de fls. 42/51, Joesley Batista disse ter informado Vossa Excelência, no encontro, sobre a cessação de pagamentos de propina a Eduardo Cunha e da manutenção de mensalidades destinadas a Lúcio Bolonha Funaro, ao que Vossa Excelência teria sugerido o prosseguimento dessa prática. Em seguida, o empresário afirmou ‘que sempre recebeu sinais claros de que era importante manter financeiramente ambos e as famílias, inicialmente por Geddel Vieira Lima e depois por Michel Temer para que eles ficassem ‘calmos’ e não falassem em colaboração premiada’. Vossa Excelência confirma ter recebido de Joesley Batista, na conversa havida no Palácio do Jaburu, a informação de que ele estaria prestando suporte financeiro às famílias de Lúcio Funaro e de Eduardo Cunha, como forma de mantê-los em silêncio? Em caso de resposta negativa, esclareceu a Joesley Batista, na ocasião, que não tinha qualquer receio de eventual acordo de colaboração de Lúcio Funaro ou de Eduardo Cunha?

19. Existe algum fato objetivo que envolva a pessoa de Vossa Excelência e seja passível de ser revelado por Lúcio Bolonha Funaro ou Eduardo Cunha, em eventual acordo de colaboração?

20. Vossa Excelência sabe de algum fato objetivo que envolva o ex-ministro Geddel Vieira Lima e que possa ser mencionado em acordo de colaboração premiada que eventualmente venha a ser firmado?

21. Vossa Excelência conhece Lúcio Bolonha Funaro? Que tipo de relação mantém ou manteve com ele? Já realizou algum negócio jurídico com Lúcio Bolonha Funaro ou com empresas controladas por ele? Quais?

22. Lúcio Bolonha Funaro já atuou na arrecadação de fundos a campanhas eleitorais promovidas por Vossa Excelência ou ao PMDB quando Vossa Excelência estava à frente da sigla? Se sim, especificar a (s) campanha (s)

23. Joesley Batista também aduziu no depoimento de fls 4251 que Vossa Excelência se dispôs a ‘ajudar’ Eduardo Cunha no Supremo Tribunal Federal através de dois Ministros que lá atuam? Vossa Excelência confirma isso? Se sim, de que forma prestaria tal ajuda? Quais eram esses dois Ministros?

24. Joesley Batista afirma, no depoimento de fls. 42/51, que Rodrigo da Rocha Loures foi indicado por Vossa Excelência, em substituição a Geddel Vieira Lima, como interlocutor ao Grupo J&F Investimentos S/A. Vossa Excelência confirma tê-lo indicado para tal função? Se sim, quais temas estavam compreendidos nessa interlocução?

25. Vossa Excelência já indicou Rodrigo da Rocha Loures para atuar como interlocutor do Governo Federal em alguma questão?

26. Vossa Excelência sabe se Rodrigo da Rocha Loures reuniu-se com Joesley Batista, após o encontro mantido entre Vossa Excelência e esse empresário, no Palácio do Jaburu? Se sim, qual a finalidade do encontro?

27. Rodrigo da Rocha Loures reportou a Vossa Excelência algum assunto tratado com Joesley Batista? Quais?

28. Vossa Excelência esteve com Rodrigo da Rocha Loures após conversa mantida com Joesley Batista em 7 de março de 2017? Se sim, aponte, com a máxima precisão possível, quando e onde se deram tais encontros.

29. Recorda-se de Joesley Batista, na conversa mantida com Vossa Excelência no Palácio do Jaburu, ter feito comentários acerca do comando do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) assim como da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Receita Federal do Brasil? Qual o interesse manifestado pelo empresário acerca desses órgãos?

30. Vossa Excelência teve ciência, através de Rodrigo da Rocha Loures, do interesse do Grupo J & F Investimentos S/A em questão submetida ao CADE, envolvendo o setor de energia? Quais informações foram levadas a Vossa Excelência?

31. Vossa Excelência determinou a Rodrigo da Rocha Loures que interviesse junto ao CADE no sentido de atender a interesses do Grupo J & F Investimentos S/A?

32. Vossa Excelência tomou conhecimento (antes da divulgação jornalística) de encontros mantidos entre Rodrigo da Rocha Loures e Ricardo Saud, Diretor do Grupo J & F Investimentos S/A? Se sim soube do encontro antecipadamente? Qual a pauta dessas reuniões?

33. Vossa Excelência compareceu à inauguração da Casa Japão, em São Paulo, em 30 de abril de 2017. Rodrigo da Rocha Loures viajou com Vossa Excelência no avião presidencial? Se sim, Rodrigo da Rocha Loures reportou a Vossa Excelência, durante a viagem, Grupo J & F Investimentos S/A. naquela mesma semana? Se sim, em que termos foi o relato?

34 Vossa Excelência soube que Ricardo Saud, em encontros realizados em 28 de abril de 2017, expôs a Rodrigo da Rocha Loures, em detalhes, um ‘esquema’ envolvendo o pagamento de vantagens indevidas decorrente da suposta intervenção do então parlamentar junto ao CADE, em prol dos interesses do Grupo J & F Investimentos SA?

35. Em caso de resposta negativa, o que tem a dizer acerca desse episódio, mesmo que dele tenha tomado conhecimento somente por sua veiculação na imprensa?

36. Rodrigo da Rocha Loures chegou a levar ao conhecimento de Vossa Excelência a disponibilidade do Grupo J & F Investimentos em fazer pagamentos semanais que girariam entre R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) e R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), por conta da resolução da questão que estava em trâmite no CADE?

37. Vossa Excelência soube, também por Rodrigo da Rocha Loures, que tais pagamentos semanais estavam garantidos até dezembro do corrente ano e, a depender da extensão do contrato firmado entre empresa do Grupo J & F e a Petrobras, poderiam se prolongar por até vinte e cinco anos?

38. Caso não tenha tomado conhecimento, Vossa Excelência acredita que Rodrigo da Rocha Loures possa ter participado de tais tratativas com o Grupo J & F Investimentos S/A com o intuito de obter exclusivamente para si as quantias que na hipótese da mencionada dilação contratual, chegariam pelo menos à casa dos R$ 600.000.000,00 (seiscentos milhões de reais)?

39. Vossa Excelência tomou conhecimento (antes da divulgação na imprensa) do recebimento, por Rodrigo da Rocha Loures, de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) do Grupo J & F Investimentos S/A, em São Paulo, em 28 de abril de 2017? O que tem a dizer sobre tal fato (ainda que tenha tomado conhecimento do mesmo pela imprensa)?

40. Após a divulgação desses fatos pela imprensa, que demonstraram a participação inequívoca de Rodrigo da Rocha Loures em conduta aparentemente criminosa, Vossa Excelência manteve algum contato com ele, diretamente, seja por interpostas pessoas? Se sim, por qual meio e qual a finalidade do contato?

41. Ricardo Saud, em depoimento prestado na Procuradoria-Geral da República, conforme vídeo já amplamente divulgado, afirmou que tratou com Rodrigo da Rocha Loures sobre os repasses semanais já mencionados, mas ressaltou, categoricamente, que o dinheiro era direcionado a Vossa Excelência. O que Vossa Excelência tem a dizer a respeito?

42. Vossa Excelência considera a hipótese de Rodrigo da Rocha Loures ter usado o nome de Vossa Excelência para obter valores espúrios do Grupo J & F Investimentos S/A?

43. Vossa Excelência conhece Ricardo Saud? Qual a relação que mantém com ele?

44, Vossa Excelência já esteve com Ricardo Saud em alguma ocasião? Onde e qual o motivo do encontro?

45. Já solicitou ou recebeu algum valor através de Ricardo Saud a pretexto de contribuição de campanha?

46. Vossa Excelência, em campanhas eleitorais nas quais foi candidato, recebeu alguma contribuição financeira de empresas pertencentes ao Grupo J & F Investimentos S/A? Discriminar as campanhas, os valores, quem os solicitou e como foram encaminhados (se via diretórios ou diretamente)

47. Vossa Excelência tem alguém chamado ‘EDGAR’ no universo de pessoas com quem se relaciona com certa proximidade? Se sim, identificar tal pessoa, mencionando a atividade profissional, eventual envolvimento na atividade partidária, descrevendo, ainda, a relação que com ela mantém.

48 Vossa Excelência conhece Antônio Celso Grecco, proprietário do Grupo Rodrimar, de Santos (SP)? Qual relação mantém com ele?

49. Vossa Excelência já recebeu alguma contribuição financeira para fins eleitorais de Antônio Celso Grecco, da empresa Rodrimar ou de alguma outra empresa a ela vinculada? Quando e qual o valor?

50. Vossa Excelência recebeu alguma reivindicação dessa empresa, ou de outra igualmente atuante no segmento de portos, relacionada à questão do ‘pré-93′? Se sim, em que termos?

51. Vossa Excelência tem conhecimento se Rodrigo da Rocha Loures recebeu alguma reivindicação da Rodrimar ou de outra empresa igualmente atuante no segmento de portos, relacionada a esse tema?

52 Rodrigo da Rocha Loures chegou a demonstrar a Vossa Excelência interesse pela questão do ‘pré-93′?

53. Rodrigo da Rocha Loures tem alguma relação com empresas do setor portuário?

54. Vossa Excelência tem relação de proximidade com empresários atuantes no segmento portuário, especialmente de Santos (SP)?

55. Vossa Excelência conhece Ricardo Mesquita vinculado à Rodrimar? Que relação mantém com tal pessoa?

56. Rodrigo da Rocha Loures mencionou a Vossa Excelência o fato de ter encontrado Ricardo Mesquita no mesmo dia (e local) em que esteve reunido com Ricardo Saud? Se sim, qual o propósito do encontro com Ricardo Mesquita?

57. Vossa Excelência conhece João Baptista Lima Filho, Coronel inativo da Polícia Militar de São Paulo? Qual relação mantém com ele?

58. João Baptista Lima Filho já teve alguma atuação em campanha eleitoral promovida por Vossa Excelência? Qual a função desempenhada por ele?

59. João Baptista Lima Filho já atuou na arrecadação de valores a eventual campanha política de Vossa Excelência ou ao PMDB de São Paulo?

60. Joesley Batista afirmou que desde a assunção de Vossa Excelência como Presidente da República, vinha mantendo contatos com o ministro Geddel Vieira Lima. Vossa Excelência tinha conhecimento de encontros? A que se destinavam?

61. O empresário referiu também que vinha ‘falando’ com o ministro Eliseu Padilha. Vossa Excelência tinha conhecimento desses contatos?

62. Quando Joesley Batista perguntou como estava a relação de Vossa Excelência com o ex-deputado Eduardo Cunha, Vossa Excelência mencionou ‘o Eduardo resolveu me fustigar’, aludindo, em seguida, a questionamentos que ele havia proposto ao juiz Sérgio Moro em seu interrogatório realizado na 13.ª Vara Federal, em Curitiba/PR. Imediatamente, Joesley Batista referiu que havia ‘zerado as pendências’ (presumivelmente em relação a Eduardo Cunha) e que perdera o contato com Geddel, ‘o único companheiro dele’, não mais podendo encontrá-lo, ao que Vossa Excelência fez o comentário ‘é complicado’. A quais pendências se referiu Joesley Batista?

63. Geddel Vieira Lima efetivamente mantinha relação próxima a Eduardo Cunha?

64 Vossa Excelência via algum inconveniente na realização de encontros entre Joesley Batista e Geddel Vieira Lima? Qual o motivo de ter classificado a situação exposta como ‘complicada’?

65. Em seguida, Joesley Batista, em outros termos, mencionou que investigações envolvendo Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima haviam tangenciado o Grupo J & F Investimentos SIA, afirmando, com conotação de prevenção que estava de bem com Eduardo, ao que Vossa Excelência interveio com a colocação ‘tem que manter isso, viu?’, tendo o empresário complementado dizendo ‘todo mês’.

66. Explique o contexto em que se deram essas colocações, esclarecendo, sobretudo, o sentido da orientação final de Vossa Excelência, nos termos ‘tem que manter isso’.

67. Uma das interpretações possíveis a essa passagem do diálogo é de que Joesley Batista, ao afirmar que ‘estava de bem’, tenha se referido a pagamentos mensais que vinha efetuando a Eduardo Cunha com o propósito de não se ver implicado em eventuais revelações que pudessem partir do ex-parlamentar. Vossa Excelência sequer considerou essa hipótese?

68. Vossa Excelência tem conhecimento de alguma ilegalidade cometida por Eduardo Cunha? Quais?

69. Avançando no diálogo, Joesley Batista, ao mencionar a sua condição de investigado, afirmou ‘aqui, eu dei conta, de um lado, do juiz dar uma segurada do outro lado, um juiz substituto, ao que Vossa Excelência complementou: ‘que tá segurando, os dois’, o que foi confirmado por Joesley, ‘os dois’. Logo em seguida, o empresário adicionou a informação ‘consegui um procurador dentro da força-tarefa que tá me dando informação’. Adiante, o empresário complementa que estava agindo (sem explicar como) para trocar um Procurador da República que estava ‘atrás dele’, fazendo menção, ao que o contexto indica, à atuação de um membro do Ministério Público Federal em alguma investigação. Vossa Excelência, inclusive, se certifica indagando ‘o que tá em cima de você?’, o que é confirmado pelo empresário. Vossa Excelência percebeu alguma ilicitude nas informações que lhe estavam sendo transmitidas por Joesley Batista?

70. Ao fazer o breve comentário ‘segurando os dois’ Vossa Excelência aparenta compreender a alusão do empresário à suposta intervenção nas investigações instauradas em seu desfavor (de Joesley Batista). O que tem a dizer sobre isso? Caso tenha feito interpretação diversa, a exponha.

71. Se, no entanto, Vossa Excelência confirma ter entendido, naquele momento, o imediato sentido que emana das expressões usadas pelo empresário, explique o porquê de não ter advertido Joesley Batista quanto à gravidade daquela revelação e, também, por qual razão não levou ao conhecimento de autoridades a ilícita ingerência na prestação jurisdicional e na atuação do Ministério Público que lhe fora narrada por Joesley Batista?

72. Mais à frente, em contexto diverso, Joesley Batista aparentemente procurou estabelecer (ou restabelecer) um canal de contato com Vossa Excelência: ‘queria falar como é que é, pra falar contigo, qual melhor maneira? Porque eu vinha falando através do Geddel, eu não vou lhe incomodar, evidentemente’, Vossa Excelência confirma ter mencionado Rodrigo da Rocha Loures nesse momento?

73. Qual a função que ele deveria efetivamente exercer?

74. Joesley Batista já conhecia Rodrigo da Rocha Loures?

75. No tocante às menções feitas pelo empresário à nomeação de presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) Vossa Excelência assegurou que tal nomeação já havia ocorrido. Vossa Excelência sugeriu a Joesley Batista que procurasse o novo Presidente do CADE para ter uma ‘conversa franca’ com ele? Qual o exato significado dessa orientação?

76. Vossa Excelência, naquele momento, tinha conhecimento de algum interesse específico de Joesley Batista no âmbito do CADE?

77. Joesley Batista mencionou também que o Presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) estava por ser ‘trocado’ e que se tratava de ‘lugar fundamental’. Vossa Excelência, então, orientou o empresário para que falasse com ‘ele’. A quem Vossa Excelência se referiu?

78. Qual a legitimidade de Joesley Batista para interceder (ou tentar, ao menos) na nomeação do novo presidente da CVM?

79. Em seguida, Joesley Batista referiu a importância de um ‘alinhamento’ com o Ministro Henrique Meirelles, ao que Vossa Excelência manifestou concordância. Qual o sentido da expressão ‘alinhamento’?

80. Vossa Excelência autorizou que Joesley Batista apresentasse pontos de interesse ao Ministro Henrique Meirelles? Quais? Vossa Excelência tem conhecimento se isso realmente ocorreu?

81. Joesley Batista também mencionou determinada operação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que tinha dado certo, sendo que Vossa Excelência manifestou ter conhecimento do tema, mencionando, inclusive, que havia falado com ‘ela’ a respeito. Qual operação referida pelo empresário?

82. A pessoa aludida por Vossa Excelência no contexto é Maria Silvia Bastos Marques, ex-presidente do BNDES? O que solicitou a ela?

DEU NO BLOG O ANAGONISTA

EXCLUSIVO: TEMER VIAJOU COM MARCELA NO JATINHO DE JOESLEY

O Antagonista descobriu que Michel Temer usou ao menos duas vezes o jatinho de Joesley Batista, para viajar com Marcela, para a Bahia e Porto Alegre.

Uma das viagens ocorreu em janeiro de 2011, logo que Temer assumiu o mandato de vice-presidente. Eles foram para Comandatuba (BA) no Learjet de matrícula PR-JBS.

Na recepção ao casal, Marcela ganhou um buquê de flores – o gesto de cortesia de Joesley despertou ciúmes no peemedebista.

jun
07
Posted on 07-06-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 07-06-2017


Myrria, no jornal A Crítica (AM)


Imagem da biblioteca principal da Universidade de Harvard.

DO EL PAÍS

Mari Luz Peinado

Seu currículo acadêmico lhes abriu as portas de Harvard, mas seu rastro digital acabou por fechá-las. Pelo menos 10 estudantes que haviam entrado na prestigiosa universidade norte-americana admitiram ter perdido a vaga após o Comitê de Admissões descobrir que compartilhavam brincadeiras ofensivas em um grupo privado do Facebook, de acordo com publicação do jornal da universidade The Harvard Crimson.

O grupo era formado por futuros alunos que fariam parte da Turma de Formandos de 2021 da universidade. Um dos nomes do grupo foi “Memes de Harvard para adolescentes burgueses com tesão”. De acordo com as capturas de tela as quais o The Harvard Crimson teve acesso o grupo tinha publicações sobre estupros, pederastia, suicídios, e também antissemitismo e xenofobia (alguns deles contra os mexicanos).

No Facebook existe um grupo oficial para conectar os futuros alunos da universidade. Foi criado depois um paralelo sobre memes de humor e daí surgiu esse outro grupo privado. Nesse, no qual só se entra por convite, os administradores encorajavam seus membros a compartilharem imagens R-rated (o equivalente à qualificação no cinema “para maiores de 18 anos”). A investigação do Crimson cita um e-mail enviado pelo Comitê de Admissões a vários membros do grupo em abril ao qual o jornal teve acesso:

“O Comitê de Admissões sente-se decepcionado por saber que vários estudantes de um grupo privado de chat para a Turma de 2021 enviaram mensagens e imagens com conteúdo ofensivo. Como entendemos que você está entre os membros que contribuíram com esse chat, pedimos para que apresente uma declaração amanhã explicando sua contribuição para discuti-lo com o Comitê de Admissão”.

Nesse ano, de 39.506 solicitações recebidas, a universidade admitiu 2.056 estudantes, que farão parte da Turma de Formando de 2021. Graças ao sistema de admissão das universidades norte-americanas, isso não significa que todos acabem matriculados. De acordo com o The Harvard Crimson, 84% dos estudantes “convidados” pela universidade se matriculam.

As regras de admissão de Harvard dizem que a universidade se reserva o direito de retirar uma oferta de admissão se o estudante admitido “participa ou participou de comportamentos que colocam em dúvida sua honestidade, maturidade e moralidade”, entre outras condições.

A universidade deu a mesma resposta sobre esse caso a todos os veículos de comunicação: não comenta publicamente a admissão de candidatos. Também não revelou como teve acesso às mensagens, compartilhadas em um grupo privado. O jornal The Guardian, entretanto, entrou em contato com pelo menos dois professores de Harvard que questionam a decisão de retirar a oferta de admissão. Alan Dershowitz, professor Emérito da universidade disse ao jornal britânico que era um “castigo draconiano” para “brincadeiras de muito mau gosto que os estudantes enviavam uns aos outros. Pode marcá-los por toda a vida”.

O rastro digital, o rastro de nossa atividade na Internet e redes sociais, é algo que os entrevistadores há muitos anos levam em consideração no momento de contratar alguém. Agora também sabemos que influencia nos processos de seleção educativos. O Washington Post cita um estudo do Kaplan Teste Prep em que foram entrevistados mais de 350 responsáveis pelo processo de admissão de universidades dos EUA, e 35% dos entrevistados disseram pesquisar as redes sociais dos estudantes, como o Facebook, Twitter e Instagram, para saber mais sobre eles. Quase a metade deles (42%) reconhece que o que encontraram influenciou negativamente sobre os estudantes.

Barack Obama é um dos alunos ilustres de Harvard. Curiosamente, há uns dias ele enviou uma mensagem aos estudantes de outra universidade, a de Chicago, membros da primeira geração que cresceu com redes sociais: “Se vocês vissem fotos de tudo o que eu fiz no colegial, provavelmente não teria sido presidente dos Estados Unidos”.