Trump: “a bomba atômica em figra de gente”

Artigo

Um Bufão no Poder

Gilson Nogueira

(Direto da Carolina do Norte (USA) para o BP)

Enquanto o mundo tem uma guerra de proporções inimagináveis querendo entrar em campo, sob a inspiração de um tirano com pinta de cantor de rock e vendedor de perucas, para não ir mais fundo na comparação,ocorre-me,na chamada Terra do Tio Sam, a ideia de que, se isso acontecer,não teremos vencidos nem vencedores.O planeta vai para o espaço,literalmente,deixando em seu lugar, o vácuo da insensatez e um odor de dar inveja ao diabo, capaz de afastar qualquer interessado em ocupa-lo.

Nessa expectativa de um sujeito que me parece a bomba atômica em figura de gente, alio-me aos milhões de cidadãos e cidadãs incrédulos que estão acompanhando, através da imprensa,essa farra de desequilíbrio de um bilionário metido a presidente da maior potencia mundial que,na verdade, não teria sido eleito se a contagem de votos na América fosse através do voto por pessoa e, não, por meio do chamado Colégio Eleitoral.Ate os homenzinhos verdes,que nos espiam assustados,temem que o homem-botão aperte ele mesmo. Temo,como baiano acostumado a acompanhar grandes embates no campo da política e fora dele que esse jogo não termine empatado e o cara de garotão deslumbrado saia dele achando que fez o que os EUA queriam. Mentira. Na verdade,a peleja está no primeiro tempo.Até o apito final,o capitão do time poderá renunciar ao posto ou, então,receber um chute na bunda e ir catar coquinho na Florida.No embalo de minhas preocupações ditadas pelos absurdos cometidos,até aqui,pelo doidão,por meio de decretos executivos,ocorre-me um alerta para um certo pais abençoado por Deus e bonito por natureza. Junto,cutucando a alma,feito um pica-pau da saudade, desde o dia em que sob o azul carolino soube da tragédia com o avião que levava a Chapecoense para um jogo de futebol na Colômbia,a lembrança do genial Mario Sergio Pontes de Paiva, ex-jogador de futebol e cronista esportivo.Fiz com ele uma matéria para O Verbo Encantado,sob o titulo Mario Sergio por dentro.Era o ano de 1971.Naquele dia,em uma pensão,no Desterro,bairro de Nazaré, ao conhece-lo de perto,agradeci a Deus por haver me apresentado um sujeito extraordinário.

Gilson Nogueira é jornalista, colaborador da primeira hora do BP. Atualmente está na Carolina do Norte.

fev
01
Posted on 01-02-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 01-02-2017

Pode entrar, fevereiro, a casa é sua, mas veja lá o que vais aprontar, hein!!!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

DEU NO BLOG POR ESCRITO ( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Liberdade e banheiro decente para Eike

Pode-se dizer que o Brasil não conhecia Eike Batista. Apenas ouviu falar de seus bilhões e empreendedorismo patriótico, inclusive pela boca de presidentes da República – sem esquecer o casamento com uma atriz top da TV brasileira.

Agora, tornou-se uma figura popular e simpática, graças ao simples fato de, acusado das mais elevadas falcatruas, passando do status de foragido ao de presidiário, ser capaz de conceder entrevistas tranquilas e ponderadas, no aeroporto e no avião, alem de mostrar-se totalmente acessível a selfies diversos de brasileiros fãs de celebridades.

Não é exagero. Quantos tragados pelas águas túrbidas da Lava-Jato ou de seus filhotes tiveram comportamento tão civilizado? Antes, vimos alguns dos flagrados em crime erguendo punhos cerrados, denunciando complôs e até debatendo-se pateticamente sobre uma maca para não serem levados a presídios.

Eike Batista teve a dignidade de apresentar-se e dizer que falará à Justiça, e que, em “um novo Brasil que está nascendo”, está disposto a assumir as culpas que lhe caibam. Apenas, educadamente, não quer antecipar nada para não incorrer em alguma infração ao rito processual.

Se algo se pudesse sugerir a sua defesa, seria o argumento de que essas qualidades únicas entre tantos políticos, empresários, beneficiários e “operadores” da corrupção nacional são fortes atenuantes de uma eventual conduta irregular, e que a cabeça raspada e o vaso sanitário tipo “sapateiro” são penas por demais dolorosas para quem acaba de desembarcar de uma classe executiva..

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Marcelo Odebrecht mudou

O Antagonista soube que Marcelo Odebrecht abandonou aquela postura arrogante que ostentava desde que foi preso pela Lava Jato.

“Ele está sereno, tranquilo. Nos recebe na custódia com ar harmonioso, diferente de outra época”, diz um integrante da força-tarefa.

A verdade liberta.

fev
01
Posted on 01-02-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 01-02-2017


Luscar, no portal de humor gráfico A Charge Online


Neil Gorsuch com Donald Trump na Casa Branca
Reuters/CARLOS BARRIA

DO JORNAL “PÚBLICO” ( DE LISBOA)

Donald Trump anunciou a nomeação de Neil Gorsuch para o Supremo Tribunal dos EUA. Desde 2016, e depois da morte súbita do juiz Antonin Scalia, que o Supremo americano contava apenas com oito juízes. O Presidente americano nomeou na noite desta terça-feira o nono.

“Quando Antonin Scalia morreu”, explicou Trump durante o anúncio da decisão na Casa Branca, “fiz a promessa que ia encontrar o melhor juiz do país para o Supremo”. “Alguém que respeitasse a nossa lei e a nossa Constituição” e “que a interpretasse literalmente”, indicou o Presidente americano.

“Sou um homem de palavra. Algo que os americanos pediam há muito, muito tempo em Washington”, afirmou Trump antes de anunciar o nome de Gorsuch.

Trump considera o novo juiz do Supremo o verdadeiro representante de Scalia, que interpretava, tal como o seu substituto, a Constituição dos EUA tal como foi escrita, e de acordo com as circunstâncias temporais da sua criação, como explica o Washington Post num perfil publicado sobre o novo juiz do Supremo. O Presidente norte-americano disse ainda: Gorsuch “é um homem de que o nosso país realmente precisa”.

Gorsuch foi até agora juiz do Tribunal de Recurso pelo 10.º circuito, ficando conhecido pelas suas posições pró-vida, opositor da eutanásia e defensor dos ideais religiosos. No entanto, não tomou qualquer posição conhecida sobre a questão do aborto.

Afirmou, várias vezes, que tentou, como juiz, seguir o legado de Scalia, defendendo também que os magistrados não devem decidir casos baseando as suas decisões nas suas convicções morais e pessoais ou nas consequências políticas das mesmas. A ala mais crítica de Gorsuch diz que esta visão da lei conduz a decisões demasiado conservadoras.

O vice-presidente dos EUA Mike Pence já reagiu à nomeação afirmando que Gorsuch “é um dos nomeados para o Supremo Tribunal mais mainstream, respeitado e excepcionalmente qualificado na história da América”.