jun
17
Posted on 17-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-06-2022
 
Morre a atriz Maria Lúcia Dahl, que atuou em novelas como "Anos Rebeldes" e "Aquele Beijo" | GZH
 Maria lucia Dahl: Saudades,
muitas Saudades!!!

 
Morre a atriz Maria Lúcia Dahl, que atuou em novelas como "Anos Rebeldes" e "Aquele Beijo" | GZH
 
 MORRE NO RIO DE JANEIRO A ATRIZ, CRONISTA E ROTEIRISTAS. DEIXA MUITAS SAUDADES E LEVA EM SUA VIAGEM DEFINITIVA, ALGUNS DOS PEDAÇOS MAIS BELOS, CRIATIVOS E CONTRADITÓRIOS DOS ANOS 60.
A atriz, cronista e roteirista Maria Lúcia Dahl morreu, aos 80 anos, no Rio de Janeiro. Figura feminina referencial dos anos 60 no País, principalmente no Rio de Janeiro, onde atuou como atriz de cinema, teatro e TV, cronista e roteirista, ativista do feminismo é personagem de passagem antológica na abertura do livro “1968- O Ano que Não Terminou”, do jornalista Zuenir Ventura., sobre as contradições daqueles anos loucos. Nos últimos dois anos, Maria Lúcia bolo vivia no Retiro dos Artistas. Foi internada em um hospital da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e faleceu na noite desta quarta-feira de complicações renais. Ela sofria de Alzheimer.
Atriz , mulher e intelectual marcante do seu tempo, Dahl atuou no teatro, cinema e em novelas de televisão. No palco, no início da carreira, trabalhou com o Grupo União e Marília Pera, na peça “Se Correr o Bicho Pega, se Ficar o Bicho Come”. Também fez “O Avarento” (1968), ao lado de Procópio Ferreira. No cinema, atuou com destaque em “Macunaíma” (1969), de Joaquim Pedro de Andrade. Em 1978, estrelou “O Bom Marido”, ao lado de Paulo César Pereio. Nas telenovelas de TV fez parte do elenco de grandes sucessos de audiência: “Espigão” (1974), “Espelho Mágico” (1977), “Anos Rebeldes” (1992) e “Aquele Beijo” (2011).
A irmã e também atriz., Marília Carneiro, posto comovente homenagem, recordando a forte ligação com Maria Luciai na infância:
“Éramos assim. Só nós duas. Onde ia uma, a outra ia. Quando éramos pequenas nos vestiam igual, viajamos sempre juntas dividindo o tédio daquelas viagens de navio. Viagens sem fim e muitas. Papai não viajava sem as filhas e tinha medo de avião. Viramos duas viajantes precoces o que nos viciou para sempre”,
“Passamos nossas vidas adultas em busca de novas fronteiras. Hoje ela foi na minha frente embora eu tenha chegado antes no mundo. Espero que ela encontre no lado de lá todas as coisas que ela imaginava que lá esperavam pela gente. Beijos minha irmã querida, Boa Viagem..
MARIA LUCIA DAHL SE VAI E, AO PARTIR, DEIXA SAUDADES, MUITA SAUDADES. E LEVA EM SUA VIAGEM PARA SEMPRE UM DOS PEDAÇOS MAIS BONITOS E CONTRADITÓRIOS DOS ANOS 60, SAUDADES DE UM ADMIRADOR DE SEMPRE. (Vitor Hugo Soares, com informações do portal UOL e da Agência Brasil)

No Papo Antagonista, Alexandre Saraiva comenta sobre como o crime organizado ocupou o vácuo estatal na região onde Bruno Pereira e Dom Phillips foram mortos
“Ali virou uma grande holding criminosa”, diz delegado, sobre Amazônia

Em entrevista a Claudio Dantas, no Papo Antagonista ontem, o delegado Alexandre Saraiva comentou os assassinatos de Bruno Pereira e Dom Phillips. Segundo ele, a Amazônia virou uma terra sem lei dominada pelo crime organizado.

“Ali tem o Código Penal completo. Na verdade ali virou uma grande holding criminosa. Existe no crime organizado o fenômeno da convergência. Quem extrai madeira ilegal atua junto com o garimpeiro. O trafico de drogas começa a colaborar. O traficante vira madeireiro, o madeireiro vira traficante.”

“Io Che Amo solo Ye”, Sergio Endrigo:

 
Sergio Endrigo, com S de sucesso e de saudade, para sempre!
BOM DIA!!!
(Gilson Nogueira)

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

O União Brasil, nascido da fusão entre Democratas e PSL, teve direito a mais de R$ 782 milhões. Já o PT, principal partido de oposição ao governo federal, recebeu pouco mais de R$ 503 milhões

AB
Agência Brasil

 (crédito: Marcello Casal JrAg..ncia Brasil)

(crédito: Marcello Casal JrAg..ncia Brasil)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou na noite de ontem (15) a partilha dos R$ 4,9 bilhões do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o Fundo Eleitoral, destinado às legendas para as Eleições Gerais de 2022. O maior Fundo Eleitoral da história foi dividido entre os 32 partidos políticos registrados no TSE. O União Brasil, PT, MDB são os partidos com maior quantia recebida.

O União Brasil, nascido da fusão entre Democratas e PSL, teve direito a mais de R$ 782 milhões. Já o PT, principal partido de oposição ao governo federal, recebeu pouco mais de R$ 503 milhões. O MDB teve direito a R$ 363 milhões. Além disso, o PSD recebeu R$ 349 milhões e o PP aproximadamente R$ 344 milhões. Juntas, essas cinco legendas respondem por 47,24% dos recursos distribuídos.

O Fundo Eleitoral foi criado em 2017. Sua criação se seguiu à proibição do financiamento privado de campanha. Em 2015, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu doações de empresas a campanhas políticas, sob a alegação de haver desequilíbrio na disputa política e exercício abusivo do poder econômico.

Para distribuir o Fundo Eleitoral, o TSE utiliza critérios definidos em lei. Dois por cento do total são divididos igualmente por todos os partidos registrados no tribunal.

Além disso, 35% são divididos entre os partidos que tenham pelo menos um representante na Câmara dos Deputados, na proporção do percentual de votos obtidos por eles na última eleição. Outros 48% são divididos entre os partidos na proporção do número de representantes na Câmara e 15% divididos na proporção do número de representantes no Senado.

Os recursos do Fundo Eleitoral não são repassados aos partidos a título de doação. Eles devem ser usados exclusivamente no financiamento das campanhas eleitorais, e as legendas devem prestar contas do uso desses valores à Justiça Eleitoral. A verba repassada só ficará à disposição do partido político depois que ele definir critérios para a distribuição dos valores. Esses critérios devem ser aprovados pela direção executiva nacional do partido e precisam ser divulgados publicamente.

Confira abaixo os dez partidos que mais receberam receitas do Fundo Eleitoral:

– União Brasil: R$ 782.549.751,69

– PT: R$ 503.362.324,00

– MDB: R$ 363.284.702,40

– PSD: R$ 349.916.884,56

– PP: R$ 344.793.369,45

– PSDB: R$ 320.011.672,85

– PL: R$ 288.519.066,50

– PSB: R$ 268.889.585,68

– PDT: R$ 253.425.162,09

– Republicanos: R$ 242.245.577,52

A lista completa pode ser acessada no site do TSE.

jun
17
Posted on 17-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-06-2022
 Charge do Amarildo
Amarildo no Blog do Noblat (DF)

 

jun
17
Posted on 17-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-06-2022

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

Dois anos depois, e pela primeira vez na história do país, o presidente republicano, acusado de tentar encobrir o caso, foi obrigado a renunciar para evitar a humilhação do impeachment

AF
Agence France-Presse
 

 (crédito: CONSOLIDATED NEWS PICTURES / AFP)

(crédito: CONSOLIDATED NEWS PICTURES / AFP)

Foi um vigia noturno, intrigado com um pedaço de fita adesiva na porta do prédio que abriga a sede do Partido Democrata em Washington, que, ao chamar a polícia em 17 de junho de 1972, desencadeou o escândalo de Watergate e fez explodir a administração de Richard Nixon.

O “roubo” fracassado que o guarda acabara de desvendar revelava uma questão de Estado de alto nível: cinco homens haviam sido instruídos por funcionários ligados à Casa Branca a instalar microfones e tirar fotos de documentos em busca de informações que pudessem incriminar oponentes de Nixon.

Dois anos depois, e pela primeira vez na história do país, o presidente republicano, acusado de tentar encobrir o caso, foi obrigado a renunciar para evitar a humilhação do impeachment.

Nas primeiras horas de 17 de junho, Frank Wills, o vigia de 24 anos, fazia sua ronda pelos corredores de Watergate, um opulento complexo de edifícios da capital, quando percebeu uma fita adesiva na fechadura de uma porta para evitar que se trancasse.

A princípio, não deu importância. Removeu a fita, colocou-a no bolso e retomou a ronda. Mas quando voltou, havia uma nova fita. Desta vez, suspeitou de um assalto.

Frank Wills imediatamente chamou a polícia.

“Encontrei fita adesiva na porta; chamei a polícia para inspecionar”, escreveu no diário de Watergate, mantido no Arquivo Nacional.

Os policiais chegaram ao local “em um minuto, um minuto e meio”, disse um deles, John Barrett, em um programa da ABC News em 2017.

Como seu colega Paul Leeper, Barrett estava vestido com roupas civis e ambos pareciam até um pouco desgrenhados.

Isso certamente funcionou a seu favor: Alfred Baldwin, o homem que deveria atuar como sentinela dos cinco supostos ladrões, não pareceu notar a presença dos dois policiais.

Talvez sua atenção estava no filme de terror que passavao na televisão ao mesmo tempo em que deveria ficar de guarda, “Attack of the puppet people”.

Baldwin “estava grudado na televisão”, disse Barrett. “Quando ele alertou (seus cinco cúmplices), já era tarde demais e eles tiveram que correr e se esconder como ratos”.

– Adrenalina e mãos para cima –

Uma vez dentro do prédio, os policiais encontraram fita adesiva em várias portas. Perceberam que algo estranho estava acontecendo.

“A adrenalina disparou”, disse Paul Leeper à ABC.

Eles descobriram escritórios de cabeça para baixo e suspeitaram que os autores do roubo ainda estavam lá.

De repente, Barrett viu um braço. “Eu me assustei”, admitiu. “Gritei algo como ‘Saia daí com as mãos para cima ou vou explodir sua cabeça’. Dez mãos se ergueram e começaram a sair”.

Do outro lado da rua, Baldwin falava em um walkie-talkie. “Em meio aos sussurros, ouvi uma voz: ‘eles nos pegaram'”, disse Barrett.

As dez mãos pertenciam a James McCord, Virgilio González, Frank Sturgis, Eugenio Martínez e Bernard Barker, que foram imediatamente presos.

A polícia rapidamente percebeu que não se tratava de uma ocorrência “normal”, disse Barrett.

Os estranhos ladrões não estavam apenas vestidos de terno e gravata, mas “tinham microfones, muitas bobinas de filme, canetas de gás lacrimogêneo, ferramentas de serralheiro, milhares de dólares em notas de cem”, explicou.

Em 18 de junho de 1972, o Washington Post publicou seu primeiro artigo sobre o assunto, assinado por Alfred E. Lewis, o jornalista que cobria casos policiais.

Mas na lista de colaboradores, na parte inferior da nota, também apareciam os nomes de Bob Woodward e Carl Bernstein.

Os dois jovens repórteres assumiram o caso, investigaram cada detalhe minucioso e acabaram ganhando um prestigioso Prêmio Pulitzer, explodindo a presidência de Richard Nixon no processo.

  • Arquivos