jun
04
Em Pernambuco, Bolsonaro diz que ajuda cidades atingidas pelas chuvas ''independente de coloração partidária'' - Portal de Prefeitura
 Bolsonaro em visita: ataques ao governador
de Pernambuco e ao prefeito de Recife.Recife: ataque

ARTIGO DA SEMANA

Bolsonaro e Juan Rulfo: comício ao pé da tragédia

Vitor Hug o Soares

Depois de mais um fim de semana de passeios de moto, provocações e inércia, diante do desastre das chuvas no Nordeste, o presidente Jair Bolsonaro chegou de avião em Recife, segunda-feira (30/5), quando os pernambucanos choravam seus mais de 100 mortos, e removiam escombros em busca de desaparecidos. Um ambiente de dor e desolação semelhante ao do conto famoso de “A Planície em Chamas” (Llanto en Llamas), do notável escritor Juan Rulfo, no México dos Anos 50.
Nosso mandatário – candidato à reeleição – desembarcou à semelhança do chefe político da narrativa de Rulfo: com ministros e seguranças, na cidade atingida por um terremoto. E, depois de um dia de discursos, promessas vãs, bebedeira, banquetes, tomam os carros oficiais de volta à capital, sem resover nada. Alguns ainda levam o pouco que restara do desastre – galinhas e ovos recebidos “de presente” das vítimas do sismo.

Desgraças diferentes na forma e moldura (o tremor de terra na província mexicana e os temporais na capital pernambucana), cuja essência no conteúdo é a mesma: a arrogância do poder, a impiedade dos senhores do mando, a crença ingênua das vítimas. Além da insidiosa teia de enganos decorrentes da utilização política das tragédias, sobretudo se elas acontecem em períodos eleitorais.

Transmitida quase em tempo real pelas redes sociais, nos blogs e sites dos principais veículos de imprensa regionais e do país, o jogo de cena do “mito” e seus acompanhantes se deu desde o “sobrevôo nas áreas alagadas”, mas ganhou tons surreais na entrevista coletiva  na cidade destroçada. Sem pisar na lama, na visita a título de “levar assistência e solidariedade” às vítimas, o “mito” fez da coletiva, um palanque de campanha.
 
Atacou o governador Paulo Câmara (PSB)  que, sem ser avisado da visita presidencial ao estado, recebeu ofensas do mandatário. “Ele (o governador Câmara, aliado de Lula), preferiu ficar em casa,  dormindo na cama, debaixo de lençol quentinho, em lugar de estar aqui, ouvindo as medidas e providências que estamos anunciando para o povo de seu estado”, disse, irritado, ao responder pergunta de uma repórter, ao lado dos ministros Marcelo Queiroga (Saúde) e Daniel Ferreira (Desenvolvimento Regional). “O momento não é de fazer política”, disse. E seguiu nas ofensas, tendo em sua companhia o prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Luiz Medeiros, colega de partido, convidado ao ato. O prefeito de Recife, João Campos (PSB), a exemplo do governador, aliado e amigo do peito do presidenciável petista, também não participou do comício de Bolsonaro, no auge da maior tragédia em Recife, desde o desastre das cheias do Capibaribe, em 1975. “O prefeito de Jaboatão, meu amigo, conhece a região, e vai falar o que o governo federal tem feito, não só para seu município, independente da coloração partidária”, disse, antes do abrir o microfone às perguntas dos jornalistas. Depois pegou o avião de volta à Brasília.

No dia 31, antes de junho chegar, desceu no oeste da Bahia, a pretexto de participar da abertura da “Bahia Farm Show”, uma das mais importantes feiras do agronegócio no país. O presidente em campanha participou de motociata pela cidade, levando na garupa seu ex-ministro da Cidadania, João Roma,  candidato a governador da Bahia, pernambucano de nascimento que não esteve na Recife devastada, na visita da véspera. Resta o pensamento do grande Juan Rulfo, antes do ponto final:”Vivemos em um terra onde tudo acontece graças à Providência, mas tudo acontece com acidez. Estamos condenados a isso”.Que venha então a Providência. E breve.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitors.h@uol.com.br

“Seja o meu céu”, Nara Leão: a poesia nordestina e universal de Jose Carlos Capinan e a saudosa voz de Nara se completam neste baião atemporal, para alegrar o mês de junho e matar saudades de Nara no BP. Vai dedicado  à competente fotojornalista e amiga do peito deste site blog. Viva!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

 

jun
04
Posted on 04-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 04-06-2022
 
CS
Cecília Sóter

 

(crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Morreu, nesta quinta-feira (2/3), a cantora sertaneja Tâmara Matos, aos 27 anos. Ela foi vítima de um atropelamento por um carro desgovernado em Itabuna, no sul da Bahia. As informações são do G1.

Tâmara Matos e duas amigas estavam a caminho de um restaurante quando um veículo subiu na calçada em que elas estavam passando. A artista e uma outra jovem, que não teve a identidade revelada, foram atingidas. A cantora chegou a ser arrastada.

As duas mulheres foram socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levadas ao Hospital Calixto Midlej Filho. Tâmara não resistiu e a amiga, que não teve ferimentos, foi liberada. A terceira moça não chegou a ser atingida.

 

Uma mulher de 66 anos estava dirigindo o carro que atingiu as vítimas. A polícia não informou se ela ficou detida ou o porquê ela perdeu controle do carro, mas disse que a condutora responderá por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

 Tâmara Matos era engenheira e trabalhava na Secretaria Municipal de Infraestrutura de Itabuna. A artista estava se preparando para cumprir uma agenda de shows em festas de São João e havia se apresentado em Coaraci, cidade da mesma região de Itabuna, no sul baiano.

jun
04
Posted on 04-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 04-06-2022
Charge do Amarildo
Amarildo no Blog do Noblat (portal Metrópoles)

jun
04
 DO ANTAGONISTA
  •  
Em 2018, o pré-candidato pelo PDT foi criticado pelo PT por ter deixado o país após ficar em terceiro no primeiro turno das eleições gerais
Ciro descarta aliança com Lula em segundo turno: “Não fico ao lado de bandido nunca mais”
Foto: Youtube
 

Em entrevista ao Papo Antagonista, o pré-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) descartou qualquer aliança com os principais postulantes ao Palácio do Planalto.

Em 2018, Ciro foi criticado pelo PT por ter deixado o país após ficar em terceiro no primeiro turno das eleições gerais.

“Eu vou falar com todos as letras. Eu não fico ao lado de bandido em nenhuma circunstância. Seja bandido de PT, seja bandido de Bolsonaro. Eu não faço campanha ao lado de bandido nunca mais. Nunca mais. Por nenhuma ordem de consideração”, disse Ciro, de forma incisiva.

  • Arquivos