Remenbering You”, Ray Coniff:Adeus dona Alice. em sua partida definitiva que deixa luto, saudades e a recordação eternas de uma mulher extraordinária. 100 anos e um pouco mais de doçura e humanismo entre os seus ( que são também os nossos).

(Vitor Hugo e Margarida)

jun
30
Posted on 30-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 30-06-2022

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

“Quem vai regular é a sociedade brasileira, não vai ser o presidente da República. Vamos ter que convocar plenárias, congressos, palestras; e a sociedade vai dizer como tem que ser feito para gente poder democratizar, regular melhor o direito de resposta”, afirmou o petista

AE
Agência Estado
 

 (crédito: Ricardo Stuckert/Divulgação PT)

(crédito: Ricardo Stuckert/Divulgação PT)

Pré-candidato do PT ao Planalto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender nesta quarta-feira, 29, a regulação dos meios de comunicação no País. Em entrevista à Rádio Educadora de Piracicaba, o petista disse o processo garantira “melhor direito de resposta”.

“Quem vai regular é a sociedade brasileira, não vai ser o presidente da República. Vamos ter que convocar plenárias, congressos, palestras; e a sociedade vai dizer como tem que ser feito para gente poder democratizar, regular melhor o direito de resposta”, afirmou, sem detalhar nenhuma proposta. O direito de resposta já é previsto em lei.

“Porque a verdade é essa: nós temos nove famílias que são donas de quase todos os meios de comunicação neste País. Então, é possível que a gente possa abrir um pouco mais a participação”. Na entrevista, Lula disse que a regulação deveria focar nos meios de comunicação com concessão concedidas pelo Estado, como TV e rádio.

“Jornal e revista são problemas do dono, faça o que quiser, escreva o que quiser. Mas aquela mídia que é uma concessão do Estado é preciso que a gente coloque a sociedade para discutir como é que a gente pode democratizar melhor, fazer melhor. É preciso que a gente tenha o direito a várias opiniões no mesmo meio de comunicação”, disse.

Como mostrou o Estadão, a última prévia de programa de Lula, divulgada no final de junho, incorporou menção à punição de ataques à imprensa e a jornalistas, e voltou a tratar de “democratização de meios de comunicação”. O debate sobre regulamentação – ou controle social da mídia – sempre foi encampado. A proposta fez parte do plano de governo de Fernando Haddad na campanha eleitoral de 2018, quando o ex-presidente estava preso em Curitiba.

Lula já afirmou que Congresso Nacional é o responsável por discutir sobre a regularização da mídia. “O que se propõe é que, em algum momento da história do Congresso Nacional, esse tema possa ser debatido. Esse não é um tema do presidente da República, é um tema do Congresso Nacional”, disse Lula em entrevista em Brasília, em 2021.

jun
30
Posted on 30-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 30-06-2022

jun
30
Posted on 30-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 30-06-2022

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

Segundo o ministro do Supremo, o crime organizado tomou conta de várias regiões da floresta por incapacidade do poder público de garantir a segurança na região

VN
Vicente Nunes – Correspondente
 

 (crédito: Nelson Jr./SCO/STF)

(crédito: Nelson Jr./SCO/STF)

Lisboa, Portugal —Enquanto o governo faz alarde sobre uma possível tentativa de países como a França e os Estados Unidos tomarem posse da soberania da Amazônia, o narcotráfico já está fazendo esse movimento de fato. Foi o que disse o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, durante participação no Fórum Jurídico de Lisboa. Segundo ele, o crime organizado tomou conta de várias regiões da floresta por incapacidade do poder público de garantir a segurança na região.

“Quais são os perigos hoje na Floresta Amazônica? O contrabando, o garimpo, o comércio ilegal de madeira. Não são os ribeirinhos”, afirmou. Ele lembrou que a situação é tão grave, que foram os Estados Unidos que oficiaram o Brasil sobre a apreensão de uma carga enorme de madeira tirada da Amazônia e exportada por meio de documentos falsos. Essa revelação, por sinal, resultou na queda de Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente. Ele havia defendido publicamente a empresa responsável pela derrubada ilegal de árvores.

O ministro reconheceu que é difícil fiscalizar a Amazônia. “É preciso ter verba para isso”, frisou. O problema é que nenhuma das três esferas de governo — União, estados e municípios — destina recursos suficiente para a proteção do meio ambiente. Muito pelo contrário. Mesmo com dinheiro previsto nos orçamentos, boa parte é contingenciada para a obtenção de superavits primários das contas públicas.

“Não tem como fazer segurança se não houve orçamento. Tem que ser pragmático”, reforçou Moraes. Ele ressaltou que, no Congresso, há emendas de bancada e de relator para que os parlamentares possam destinar recursos à proteção ambiental. Mas são pouquíssimos os projetos contemplados com verbas. Entre os partidos, a grande preocupação é pelo controle do Ministério do Meio Ambiente, não pelas políticas que precisam ser executadas.
O ministro lembrou que a campanha eleitoral começará, efetivamente, em 16 de agosto, mas, até agora, nenhum dos candidatos para cargos nacionais e estaduais apresentou projetos concretos para a preservação do meio ambiente. “Alguém sabe de alguma proposta de partidos para a área ambiental? Nada”, disse. Na avaliação dele, passou da hora de sair do discurso para a prática.

Fome e desemprego

Moares destacou ainda, que, infelizmente, dada à atual conjuntura econômica do país, é difícil se pensar num engajamento mais firme da população no debate em favor da proteção do meio ambiente. “Temos 33 milhões de brasileiros com fome. Como passar a preocupação com o meio ambiente antes da fome. Temos 11 milhões de desempregados”, afirmou. Não por acaso, quando consultada sobre temas mais importantes, a população cita emprego, saúde, educação, segurança pública.

Outro problema grave: sem moradia digna, muitas pessoas acabam ocupando áreas de proteção ambiental. “Como essa pessoa que vai ser retirada dessas áreas vai se preocupar com o meio ambiente se será jogada na rua?”, indagou. Segundo Moraes, a solidariedade com esse público em situação de vulnerabilidade só aparece em momentos de catástrofe, quando centenas ou mesmo milhares perderam a vida.

Moraes acredita que é possível conciliar crescimento econômico, geração de emprego, distribuição de renda, moradia digna, agronegócio com sustentabilidade. Basta, para isso, haver planejamento, vontade política, com todos os atores envolvidos. Ele assinalou que isso também passa pela educação e pelo engajamento das novas gerações. No entender dele, é preciso que a população vista a camisa do meio ambiente como vestiu a da lei de proteção do consumidor.

Desrespeito ao STF

Também o Judiciário deve fazer a parte dele, enfatizou o ministro. Apesar de o Supremo ter criado jurisprudência sobre temas importantes na área ambiental, muitos juízes de primeira instância não seguem o que foi determinado. Um dos exemplos é o Código Florestal. “Todas as semanas chegam ao STF dezenas e dezenas de reclamações de que a jurisprudência não está sendo seguida”, contou. “É preciso ter segurança jurídica”, acrescentou.
O lado positivo é que o Judiciário, em sua maioria, vestiu a camisa do meio ambiente, assim como ocorreu com o Código de Defesa do Consumidor. Moraes assinalou também que há hoje, no mundo, mais de 150 Constituições com regras de proteção ambiental, mas é importante ressaltar que a legislação brasileira foi uma das primeiras do mundo. E não se deve perder isso de vista.

jun
29

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

“Esta noite estamos lidando com uma horrível tragédia humana”, lamentou o prefeito de San Antonio, Ron Nirenberg

AF
Agência France-Presse
 

 (crédito: Jordan Vonderhaar / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)

(crédito: Jordan Vonderhaar / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)

San Antonio, Estados Unidos- Quarenta e seis imigrantes foram encontrados mortos na segunda-feira (27/6) dentro e ao redor de um caminhão abandonado em uma rodovia de San Antonio, Texas, informaram as autoridades.

A descoberta macabra é uma das piores tragédias com imigrantes nos Estados Unidos nos últimos anos e aconteceu cinco anos após um incidente fatal com características similares na mesma cidade do Texas, que fica poucas horas da fronteira com o México.

“Até o momento registramos 46 corpos”, disse o comandante dos bombeiros de San Antonio, Charles Hood.

Ele informou que 16 pessoas – 12 adultos e quatro crianças – foram levadas para o hospital vivas e conscientes.

“Os pacientes que vimos estavam quentes ao toque, estavam sofrendo de insolação, exaustão pelo calor e sem sinais de água no veículo. Era um caminhão refrigerado, mas não havia unidade de ar condicionado visível em funcionamento”, disse Hood.

“Esta noite estamos lidando com uma horrível tragédia humana”, lamentou o prefeito de San Antonio, Ron Nirenberg, em uma entrevista coletiva.

“Por isso, peço a todos que pensem com compaixão e rezem pelos falecidos, pelos feridos, pelas famílias”, disse. “E esperamos que os responsáveis por colocar estas pessoas em condições tão desumanas sejam processados em todo o rigor da lei”.

San Antonio, a 250 km da fronteira, é uma importante rota de trânsito para os traficantes.

A cidade sofre com uma onda de calor, que na segunda-feira chegou a 39,5 ºC.

O veículo foi encontrado em uma estrada perto da rodovia I-35, que segue de maneira direta até a fronteira com o México.

Uma grande operação de emergência foi mobilizada com a presença de policiais, bombeiros e ambulância.

O chefe de polícia de San Antonio, William McManus, afirmou que as autoridades foram alertads às 17H50 locais.

“Um funcionário de um dos edifícios atrás de mim ouviu um grito de socorro”, disse. “(Ele) saiu para investigar, encontrou um contêiner com as portas parcialmente abertas, ele abriu para dar uma olhada e encontrou vários indivíduos falecidos”.

Três pessoas foram detidas, mas o chefe de polícia não sabe se “estão absolutamente conectadas com isto ou não”. A investigação foi transferida para o Departamento de Segurança Nacional.

Quase 60 bombeiros foram enviados ao local e devem receber apoio psicológico, confirmou Charles Hood. “Não estamos preparados para abrir um caminhão e ver diversos corpos lá”, explicou.

O governador do Texas, Greg Abbott, republicano que defende a linha dura contra a migração, atacou o presidente Joe Biden e culpou as “mortais políticas de fronteiras abertas” do democrata.

“Estas mortes estão na conta de Biden”, tuitou Abbott. “Mostaram as consequências mortais de sua recusa em fazer cumprir a lei”.

O ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard, lamentou a tragédia. Ele disse que as nacionalidades das vítimas não foram determinadas, mas que entre os sobreviventes estão dois guatemaltecos.

Caminhões como o encontrado em San Antonio são um meio de transporte amplamente utilizado por migrantes que buscam entrar nos Estados Unidos.

A viagem é extremamente perigosa, principalmente porque os veículos desse tipo geralmente não possuem sistemas de ventilação ou refrigeração.

“O Senhor tenha misericórdia deles. Esperavam uma vida melhor”, escreveu no Twitter o arcebispo de San Antonio, Gustavo Garcia-Siller.

Mais uma vez, a falta de coragem para lidar com uma reforma migratória está matando e destruindo vidas.

– Tragédia repetida –

San Antonio foi cenário de uma tragédia similar em 2017, quando 10 pessoas morreram sufocadas em um contêiner que seguia para os Estados Unidos. O ar condicionado do caminhão estava danificado e os espaço de ventilação cobertos.

Dezenas foram hospitalizadas por insolação e desidratação, embora se acredite que o caminhão transportasse até 200 pessoas – a maioria fugiu quando o veículo parou em um estacionamento.

O motorista do caminhão, que alegou não saber que transportava mais de 100 pessoas no veículo, foi condenado em abril de 2018 à prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional.

“Samba de Verão”, Caetano Veloso:

jun
29
Posted on 29-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 29-06-2022

DO CORREIO BRAZILIENSE

Rússia veta entrada de esposa e filha de Biden e outros 23 americanos

A lista também inclui o líder da minoria republicana do Senado, Mitch McConnell, outros senadores além de professores universitários

AF
Agence France-Presse
 

 (crédito: Mandel Ngan/AFP)

(crédito: Mandel Ngan/AFP)

A Rússia anunciou nesta terça-feira (28/6) que proibiu a entrada em seu território de 25 americanos, incluindo Jill e Ashley Biden, a esposa e a filha do presidente Joe Biden, alegando que são respostas a sanções adotadas pelos Estados Unidos.

“Como reação à constante expansão das sanções americanas contra figuras políticas e públicas russas, 25 cidadãos americanos foram adicionados à lista de exclusão”, informou o ministério das Relações Exteriores da Rússia em um comunicado que inclui os nomes.

A lista também inclui o líder da minoria republicana do Senado, Mitch McConnell, outros senadores como Charles Grassley, Kirsten Gillibrand e Susan Collins, além de professores universitários como Francis Fukuyama.

O governo dos Estados Unidos anunciou sanções contra membros da família de Vladimir Putin, incluindo sua duas filhas, e o próprio presidente russo. Biden está proibido de entrar na Rússia.

Os países ocidentais e a Rússia trocam há vários anos sanções e contra-sanções, mas as medidas de represália aceleraram desde que a Rússia lançou uma grande ofensiva armada contra a vizinha Ucrânia.

As expulsões de diplomatas, as restrições ao comércio e a declaração de funcionários como persona non grata são algumas das muitas medidas impostas por cada lado.

jun
29
Posted on 29-06-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 29-06-2022
Gilmar Fraga / Agencia RBS
Gilmar Fraga no jornal Zero Hora (RS)

Leia mais:

  • Redação O Antagonista
Em entrevista ao Roda Viva, pré-candidato do Republicanos ao governo de São Paulo disse que seu domicílio eleitoral, na casa de uma cunhada, segue a lei
Tarcísio diz que Moro “não teve preocupação de fazer a mudança do domicílio”
Foto. Reprodução/TV Cultura

O ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas (foto) rebateu as críticas de partidários do também ex-ministro Sergio Moro, após o primeiro ter seu domicílio eleitoral em São Paulo aceito, e o segundo teve seu pedido negado pela justiça eleitoral.

Hoje pré-candidato ao governo de São Paulo pelo Republicanos, Tarcísio disse em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, que sua mudança foi dentro da lei, ao contrário do seu ex-colega de trabalho.

“Ele não teve essa preocupação de fazer a mudança do domicílio no tempo oportuno na forma que a lei exigia”, disse Tarcísio, que nasceu no Rio de Janeiro e votava em Brasília. Hoje ele é registrado na casa de uma cunhada em São José dos Campos, no interior do estado. “Eu fiz a mudança de domicílio na forma como preconizava a lei”, ele continuou.

O pré-candidato continua apto a concorrer ao cargo, e considera esta perseguição ao seu domicílio eleitoral como fruto de seu crescimento nas pesquisas. “O que a gente pode concluir: o crescimento da candidatura tá incomodando, e aí sem nada novo se volta ao mesmo assunto”, ele disse.

Sem poder concorrer em São Paulo, Moro agora apostas as fichas no Paraná.

“A Letra I”, Elba Ramalho: a linda canção junina consagrada na voz e na sanfona  sem igual de Luiz Gonzaga, aqui em antológica interpretação de Elba, sem perder o apelo romântico e o encanto original. Confira!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 ... 15 16

  • Arquivos