maio
12

  • Redação O Antagonista
Pré-candidato do PDT rebateu cenários da pesquisa Genial/Quaest segundo os quais, sem sua candidatura, o petista seria capaz de vencer a eleição na 1ª etapa
Ciro sobre Lula no 1º turno: “Nunca venceu, não venceria, nem vencerá”
Foto: André Carvalho/CNI

Em resposta às repercussões da pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira (11), Ciro Gomes (foto) chamou a possibilidade de vitória de Lula ainda no primeiro turno de “puro terrorismo eleitoral”.

Nos dois cenários analisados pelo levantamento sem a presença do pré-candidato do PDT, o ex-presidente petista venceria o pleito na primeira etapa.

 

“Está em curso uma operação midiática, de puro terrorismo eleitoral, com falsos argumentos técnicos e políticos para uma fantasiosa hipótese de vitória de Lula no 1º turno. Nunca venceu, não venceria, nem vencerá”, escreveu Ciro nas suas redes sociais.

Mais tarde, o pedetista argumentou que, sem sua candidatura, “a polarização aumentaria em um momento que Lula estagnou e Bolsonaro se sustenta”. Ciro alegou ainda que sua retirada causaria o contrário do previsto pela pesquisa —ou seja, apresentaria um risco maior para Lula.

“A Ilha”. Djavan: banho musical de encantamento do grande músico, compositor e intérprete que Alagoas deu ao País.Aqui também, na quinta-feira no Bahia em Pauta, um banho de interpretação.. 

 
Ou como sintetiza ainda melhor o jornalista e colaborador da primeira hora do BP: “Djavan , oceano de talento na parada do BP !!! Viva eles !!!
Bom dia !!!
( Gilson Nogueira)

DO CORREIO BRAZILIENSE

Em entrevista ao Correio nesta quarta-feira (11/5), o ex-deputado Eduardo Cunha comentou pré-candidatura a deputado federal no estado de São Paulo e criticou o PT e o ex-juiz Sergio Moro

ID
Isabel Dourado*
 

 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PTB) afirmou que está de volta, após ter a prisão revogada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Após recuperar os direitos políticos, ele anunciou que vai concorrer para deputado federal no estado de São Paulo. Cunha disse, também, já ter um candidato para presidente nas eleições de 2022: Jair Bolsonaro. “Vou votar no Bolsonaro e já estou decidido”.

Em entrevista ao CB.Poder, nesta quarta-feira (11/5), ele confirmou sua pré-candidatura. “Eu vou concorrer. Eu mudei meu domicílio eleitoral para São Paulo por motivos familiares, mas também porque São Paulo é o berço do Brasil. Tudo que acontece lá impacta no Brasil como um todo. São Paulo também é o berço do petismo, então a minha luta e a disputa será contra o PT”, afirmou.

Aposta em Bolsonaro

O pré-candidato do PTB a deputado por São Paulo disse ter a impressão de que a disputa pelo Planalto será decidida no estado. Ele afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve ganhar no Nordeste, mas perder nas regiões Norte e Sul. Centro-Oeste e Sudeste, segundo ele, serão as regiões mais acirradas

Cunha garante, ainda, já ter um candidato para presidente nas eleições de 2022: Jair Bolsonaro. “Vou votar no Bolsonaro e já estou decidido. O PTB deve ir com ele e não posso falar pelo PTB, mas eu vou votar no Bolsonaro por diversas razões. A principal razão é que você tem uma eleição. Eu tenho escrito sobre isso no próprio livro, eu abordo esse processo político atual.”

Em 9 de junho de 2021, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha lançou, junto da filha Danielle Cunha, o livro Tchau, querida: o diário do impeachment. A obra traz histórias sobre os bastidores e as ações que levaram ao impeachment da ex-presidente.

“Não há jeito. Você tem o petismo e o antipetismo, e Bolsonaro transformou o antipetismo no bolsonarismo. Então, nós passamos a ter duas pontas muito fortes que estão bem delineadas no eleitorado brasileiro. Você não vai conseguir quebrar o petismo para o lado da esquerda e não vai conseguir quebrar o bolsonarismo pelo centro ou pela direita”, explicou.

Para Cunha, a opção é Bolsonaro “porque ele é o papel do antipetismo que a gente tem no Brasil e ele é a sua própria vertente política que ele conseguiu criar, que é o bolsonarismo”.

Ascensão e queda

Eduardo Cunha começou a construir sua força na Câmara logo em seu primeiro mandato como deputado federal e quando era líder do PPB, partido ao qual era filiado em 2003 e pelo qual também foi deputado estadual.

Foi no PMDB, ao qual aderiu naquele mesmo ano, e durante os governos do PT, que o deputado acelerou sua ascensão política. Ganhou destaque no segundo mandato de Lula como aliado próximo do então líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), deputado mais longevo da Câmara à época; e também do então presidente da Casa, Michel Temer (SP), atuando como um de seus principais articuladores.

Na presidência da Câmara, Cunha comandou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em 2016. Ainda naquele ano, foi detido preventivamente e condenado em 2017 por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Em 2018, a condenação foi confirmada em segunda instância pelo TRF-4 e Cunha recebeu a pena de mais de 14 anos de prisão.

Em 2020, o ex-deputado recebeu uma segunda condenação no âmbito da operação Lava-Jato, em primeira instância, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Apesar das condenações, a prisão de Cunha ainda era preventiva, ou seja, o tipo de prisão que acontece durante o andamento de um processo, antes que haja uma condenação final, sem possibilidade de recurso.

“Eu fiquei quatro anos e meio preso em uma prisão preventiva , arbitrária, ilegal, declarada por esse juiz considerado parcial (o então juiz Sergio Moro). Eu fiquei preso por nada. Essa condenação que ele me impôs foi anulada pelo Supremo Tribunal Federal no dia 14 de setembro do ano passado.”

Cunha afirma que Sergio Moro o usou para tentar passar uma visão de que era imparcial na atuação como juiz. “Hoje, a gente sabe que o Moro era o chefe de uma organização política que pode ser considerada criminosa. Ele está começando a pagar por aquilo que ele praticou e eu espero que ele pague por tudo”, afirmou.

Clima de tensão

Ao ser questionado sobre o atual período pelo qual o país passa, Cunha afirmou que vê “espuma demais” e diz não enxergar nenhum risco à democracia ou de golpe.

“Eu vejo espuma demais e pouco conteúdo. Eu não vejo risco à democracia, eu nunca vi qualquer tipo de risco ou golpe. Não vi nenhum atentado contra a democracia sendo feito. Eu tenho uma visão completamente diferente. Efetivamente, todo mundo tem o direito de querer fiscalizar as urnas eletrônicas, até porque aquilo que era seguro um dia pode não ser amanhã. Então, zelar pela segurança da urna todos tem que ter essa preocupação. Não é um atentado à democracia.”

Cunha comentou ainda que Bolsonaro tem uma diferença na forma de tratar as coisas e carrega uma grande oposição da mídia brasileira porque ele foi o único presidente que conseguiu substituir a interlocução com a população por meio da comunicação direta sem ter que ter uma reverberação com a mídia.

Confira entrevista na íntegra:

*Estagiária sob a supervisão de Andreia Castro

maio
12
Posted on 12-05-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 12-05-2022

maio
12
Posted on 12-05-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 12-05-2022

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

Etapa de testes faz parte do rito do processo eleitoral e inclui fiscalização da Polícia Federal

LP
Luana Patriolino

 (crédito: Crédito: Antonio Augusto/secom/TSE)

(crédito: Crédito: Antonio Augusto/secom/TSE)

Em defesa à lisura das eleições, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) simula, nesta semana, novos testes às urnas eletrônicas para afastar a possibilidade ataques cibernéticos às máquinas. A análise já estava prevista, segundo o rito da Corte, mas acontece em meio às críticas do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao sistema eleitoral brasileiro.

O processo é chamado Teste Público de Segurança do Sistema Eletrônico de Votação (TPS). Nele, os pesquisadores repetem cinco planos de exportação de vulnerabilidades do equipamento. Esses exercícios foram aplicados em novembro de 2021, na fase anterior do ciclo de testes públicos das urnas.

Desde que foi eleito, Jair Bolsonaro e seus apoiadores afirmam que as eleições de 2018 foram fraudadas e que a chapa teria ganhado em primeiro turno contra Fernando Haddad (PT).

  • Arquivos