• Redação O Antagonista
Em ofício enviado ao presidente do TSE, Luiz Edson Fachin, o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, pediu a retirada do general Heber Garcia Portella
Em escalada de crise, ministro da Defesa substitui general na comissão eleitoral
Foto: Divulgação Exército Brasileiro
 

Em mais um passo na escalada da crise entre o Planalto e o TSE, o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira (foto), pediu a retirada do general Heber Garcia Portella da Comissão de Transparência das Eleições, para substituí-lo.

Em ofício enviado ao ministro Edson Fachin, presidente do TSE, Nogueira diz que, a partir de agora, quer receber diretamente as demandas da comissão.

“Solicito a Vossa Excelência que, a partir desta data, as eventuais demandas da CTE (Comissão de Transparência das Eleições) direcionadas às Forças Armadas, tais como solicitações diversas, participação em reuniões, etc, sejam encaminhadas a este Ministro, como autoridade representada naquela Comissão.”

Na semana passada, o general cobrou do TSE a divulgação das sugestões feitas pela Defesa para, segundo ele, dar mais transparência ao voto eletrônico. Fachin respondeu que não via problemas em divulgá-las e que os documentos haviam sido classificados como reservados pelos próprios militares.

No ofício de hoje, o ministro da Defesa bolsonarista fala em “reafirmar o compromisso das Forças Armadas em contribuir no que for necessário para a paz e a segurança do pleito eleitoral”.

“No Tempo de Don Don”, Zeca Pagodinho: samba antológico da música brasileira, de autoria do genial compositor , poeta e escritor, Nei Lopes, que ontem festejou 80 anos com grande homenagen e celebrações no Rio de Janeiro e no País. Viba!!!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

ELEIÇÕES

DO CORREIO BRAZILIENSE

Dentre os compromissos cancelados estão entrevistas e encontros políticos que Ciro teria no Rio, como uma conversa com o ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves, pré-candidato pedetista ao governo do estado

VD
Vinicius Doria
 

 (crédito: CARL DE SOUZA/AFP)

(crédito: CARL DE SOUZA/AFP)

O pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes (CE), foi diagnosticado com covid-19 e precisou cancelar toda a agenda programada para esta semana, no Rio de Janeiro. Ele passa bem, apresenta sintomas leves, semelhantes aos de um resfriado comum, e só voltará a fazer o teste de detecção da doença daqui a cinco dias. Até lá, segundo apurou o Correio, ficará em quarentena.

Dentre os compromissos cancelados estão entrevistas e encontros políticos que Ciro teria na capital fluminense, como uma conversa com o ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves, pré-candidato pedetista ao governo do estado. Mas, como está se sentindo bem, o pedetista mudou para terça-feira (8/5), às 19h, a live que costuma fazer. Política ‘Bolsonaro deixará Presidência desvalorizada’, diz Ciro Gomes Política Petista denuncia Michelle Bolsonaro por campanha eleitoral antecipada

Ciro é o terceiro pré-candidato envolvido na disputa à Presidência fora de ação nesta semana em razão da covid-19. A senadora Simone Tebet (MDB-MS) teve que suspender a agenda pública por causa do exame positivo do marido dela.

O vírus também tirou de combate Geraldo Alckmin (PSB-SP), pré-candidato a vice na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva. Por causa da doença, Alckmin teve que participar por videoconferência da festa de lançamento da chapa, sábado (7), em São Paulo.

maio
10
Posted on 10-05-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 10-05-2022
Duke no jornal O Tempo (MG)

untura

DO CORREIO BRAZILIENSE

De acordo com estudo da corretora Tullet Prebon Brasil, perda real do valor do salário mínimo pode chegar a 1,7%, ficando em R$ 1.193,37. Desde o Plano Real, em 1994, o salário mínimo não tem uma oscilação tão alta

TA
Tainá Andrade
 

 (crédito: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil)

(crédito: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil)

A corretora Tullet Prebon Brasil calculou, em seu primeiro relatório de maio, que o salário mínimo sofrerá perda real de valor de 1,7%. Isso ocorrerá se a inflação se mantiver de acordo com a previsão do boletim Focus, a 7,65% em 2022, e Selic a 13,25%, como publicado pelo Banco Central (BC). Caso contrário, a perda será ainda maior. A conclusão do estudo rende ao presidente Jair Bolsonaro (PL) o título de primeiro presidente da República, desde o Plano Real, a concluir o mandato com o menor poder de compra que um salário mínimo poderá alcançar.

De dezembro de 2018 ao mesmo período de 2022, a previsão do salário mínimo é passar de R$ 1.213,84 para R$ 1.193,37, a maior desvalorização em 28 anos, desde o Plano Real, em 1994.

“Da ótica das contas fiscais da União, a perda retratada em nossa simulação para o mínimo estende-se, em realidade, a todos os benefícios e pagamentos corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) — toda a folha da Previdência, abono, Loas (Benefício de Prestação Continuada para idosos e pessoas com deficiência de baixa renda)”, detalha o relatório.

  • Arquivos