Situação na Bahia ajuda a explicar porque o ex-prefeito de Salvador reagiu com tanta veemência à filiação de Sergio Moro à União Brasil
ACM Neto sente a pressão da polarização
 

Para tentar chegar ao governo do estado neste ano, ACM Neto (foto) tem na Bahia o recall político do avô e o bom índice de aprovação aos seus mandatos como prefeito de Salvador. Com uma aliança ampla, que inclui até João Leão (PP), que era vice do governador petista Rui Costa, ele lidera as pesquisas de intenção de voto até aqui.

Mas, assim como em São Paulo Rodrigo Garcia já recebeu alerta semelhante, ACM ouviu de aliados próximos nos últimos dias que há uma grande chance de a eleição na Bahia repetir a polarização nacional entre petistas e bolsonaristas.

É principalmente por isso que ACM não quer estar atrelado a candidato algum nacionalmente. Não à toa, no mês passado, ele derrubou na Justiça a divulgação de uma pesquisa que o colocava associado a Ciro Gomes (PDT). O ex-prefeito da capital baiana sabe quem tem votos entre eleitores de todos os pré-candidatos à Presidência da República.

ACM tem escutado que seu esforço precisa ser para tentar vencer a disputa já no primeiro turno. A Bahia tem um precedente consolidado de eleição de governadores em um único pleito. Foi assim nas últimas seis eleições: em 2018 e 2014 (Rui Costa, do PT); 2010 e 2006 (Jaques Wagner, do PT); 2002 (Paulo Souto, do PFL); e 1998 (César Borges, do PFL).

Na semana passada, Lula esteve em Salvador para lançar a pré-candidatura de Jerônimo Rodrigues, secretário de Educação de Rui Costa. Apesar da lambança da esquerda antes de definir o nome dele — as pré-candidaturas de Jaques Wagner (PT) e Otto Alencar (PSD) não vingaram –, os petistas acreditam que Rodrigues pode avançar nas pesquisas, pois estão convencidos de que “o ‘ número 13’ ainda é muito forte na Bahia”.

Do outro lado, o candidato de Bolsonaro, João Roma, que trocou o Republicanos pelo PL e deixou o Ministério da Cidadania para mergulhar na campanha, mostrou que vai para cima de ACM, de quem foi chefe de gabinete e que agora encara como adversário. Roma já andou dizendo, como noticiamos, que Lula tem dois candidatos na Bahia: o oficial, Jerônimo Rodrigues; e o “oficioso”, ACM Neto.

Ao sentir a pressão da polarização, o cacique ‘carlista’ tem procurado se manter firme na “neutralidade” aparente. Isso ajuda a explicar porque reagiu com tanta veemência à filiação de Sergio Moro à União Brasil, partido do qual é secretário-geral. ACM não quer ficar colado a ninguém na corrida presidencial, ainda mais ao ex-juiz, odiado por lulistas e bolsonaristas.

Just Like a Woman”, Bob Dylan: música, poesia e interpretação. Tudo no superlativo. Afinal, estamos falando de Dylan. o artista genial, Nobel de Literatura. Fique na melhor companhia que um domingo de outono pode reservar.

BOM DIA!!

(Vitor Hugo Soares)

abr
06
Posted on 06-04-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 06-04-2022

 DO CORREIO BRAZILIENSE

Prefeito de Luís Domingues (MA), Gilberto Braga afirmou que o pastor Arilton Moura pediu propina para intermediar demandas do MEC

RF
Raphael Felice
 

Milton Ribeiro com os pastores Gilson Santos e Arilton Moura (ao fundo) em um culto em Goiânia - (crédito: Reprodução/Redes sociais)

Milton Ribeiro com os pastores Gilson Santos e Arilton Moura (ao fundo) em um culto em Goiânia – (crédito: Reprodução/Redes sociais)

O prefeito do município de Luís Domingues (MA), Gilberto Braga, confirmou à Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) o suposto caso de corrupção envolvendo o pastor Arilton Moura, secretário da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros de Assembleias de Deus no Brasil Cristo para Todos, para facilitar a liberação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação.

O chefe Executivo municipal confirmou que Arilton Moura pediu R$ 15 mil em propina para protocolar o pedido no Ministério da Educação (MEC), no dia 7 de abril do ano passado, e mais 1kg de ouro quando a verba fosse liberada.

“Ele perguntou sobre minhas demandas e eu apresentei a ele. E ele me disse: ‘Você vai me arrumar os R$ 15 mil para protocolar suas demandas e, depois que seu recurso estiver empenhado, como sua região é de mineração, você vai me trazer 1kg de ouro’. Eu não disse nem que sim, nem que não, me afastei da mesa e fui almoçar”, revelou o prefeito.

 

Além de Gilberto Braga, confirmaram os pedidos de corrupção os prefeitos José Manoel de Souza, de Boa Esperança do Sul (SP); e Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO). Calvet Filho, prefeito de Rosário (MA), e Hélder Aragão, de Anajatuba (MA), negaram ter recebido pedidos de propina.

O caso ganhou publicidade no mês passado após a revelação de um áudio no qual o ex-ministro da Educação afirma que a prioridade do MEC seriam “os municípios que precisavam” e “todos os amigos do pastor Gilmar”.

abr
06
Posted on 06-04-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 06-04-2022
Charge do Amarildo Reprodução

abr
06

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

Pedro Franceschi e Henrique Dubugras são cofundadores da empresa de cartões de crédito corporativos Brex e figuram ao lado de nomes como Rihanna, e de fundadores de empresas como a Shein, Canva e Onlyfans

JG
Jéssica Gotlib
 

Pedro Franceschi, de 25 anos, e Henrique Dubugras, de 26 anos (US$ 1,5 bilhão cada), são os dois novos bilionários mais jovens da lista - (crédito: Brex/Forbes/Reprodução)

Pedro Franceschi, de 25 anos, e Henrique Dubugras, de 26 anos (US$ 1,5 bilhão cada), são os dois novos bilionários mais jovens da lista – (crédito: Brex/Forbes/Reprodução)

Dois brasileiros entraram para a tradicional lista de bilionários da revista norte-americana Forbes. Pedro Franceschi, de 25 anos, e Henrique Dubugras, 26, são donos e co-fundadores da empresa Brex, de cartões de crédito corporativos. Eles fazem parte dos 236 novos bilionários de 2022, divulgados nesta terça-feira (5/4). A dupla aparece ao lado de nomes como a cantora e empresária Rihanna e a ex-mulher de Bill Gates, Melinda Gates.

Os brasileiros têm uma fortuna de US$ 1,5 bilhão cada, aproximadamente R$ 7 bilhões. Fundada em 2017, a Brex tem produtos financeiros voltados para sturtups, como um cartão corporativo e um programa de pontos. Em janeiro deste ano, a empresa chegou a valer US$ 12,3 bilhões, colocando os dois jovens brasileiros entre os mais ricos do mundo.

Rihanna, donos do Canva, Onlyfans e Shein também entram na lista

Embora mais de 200 pessoas tenham entrado no famoso ranking, outras 87 saíram e houve uma queda total de US$ 400 bilhões na fortuna somada dos bilionários. Esse é um resultado considerado ruim, quando comparado aos dados de 2021. Entretanto, muitos nomes conhecidos do público foram parar entre os mais ricos.

Um deles é a cantora Rihanna, de 34 anos, cujo patrimônio é estimado em US$ 1,7 bilhão, ou R$ 7,8 bilhões. Além de diva pop, a estrela da música tem participações na linha de cosméticos Fenty Beauty e na marca de roupas íntimas Savage X Fenty. Essas empresas ajudaram a torná-la a primeira pessoa bilionária de Barbados.

Entre os países, a China comanda a lista de novos bilionários, sobretudo com as gigantes da tecnologia. São 62 nomes chineses, como o fundador da varejista Shein, Chris Xu, de 52 anos, com uma fortuna estimada em US$ 5,4 bilhões, aproximadamente R$ 25 bilhões.

Provando que o setor de Tecnologia de Informação é o mais lucrativo do momento, o professor de engenharia Tang Xiao’ou, de 54 anos, também está no ranking. A empresa dele, SenseTime, rendeu um patrimônio de US$ 5,7 bilhões (R$ 26,3 bilhões).

O segundo país com mais novos bilionários é os Estados Unidos, com 50 recém chegados, seguido pela Índia, com 29. Há ainda representantes de empresas bastante conhecidas do público na internet, como Melanie Perkins, de 34 anos, cofundadora e CEO do aplicativo de design gráfico Canva, avaliado em US$ 40 bilhões (R$ 184,6 bilhões).

Dono do OnlyFans (US$ 1,2 bilhão, R$ 5,5 bilhões), o ucraniano Leonid Radvinsky comemorou o seu investimento mais lucrativo na pornografia com a plataforma fundada em 2016. Os cofundadores do mercado NFT OpenSea, Devin Finzer, de 31 anos, e Alex Atallah, de 30 anos (US$ 2,2 bilhões cada; R$ 10,1 bilhões) também se tornaram bilionários.

  • Arquivos