fev
01
Postado em 01-02-2022
Arquivado em (Artigos) por vitor em 01-02-2022 00:15

Com Moro em terceiro nas pesquisas, ‘turma do centro’ rasga acordo

Depois de 2 anos prometendo apoio ao candidato mais viável eleitoralmente, partidos da 3ª Via apostam na divisão e facilitam a vida de Lula e Bolsonaro
Com Moro em terceiro nas pesquisas, turma do centro rasga acordo
Foto: Divulgação

Em 2020 e, principalmente, em 2021, presidentes e lideranças de partidos do chamado “centro democrático” se reuniram inúmeras vezes para tratar da construção da tal Terceira Via. O Antagonista noticiou cada movimento dessa turma.

Eles criaram grupos de WhatsApp, se encontraram presencialmente (foto) e deram um monte de declarações bonitinhas sobre “unidade” e “construção de candidatura única”. A ideia, pelo menos na teoria, era fazer surgir uma grande “frente ampla” contra a polarização Lula x Jair Bolsonaro. Pensaram até em incluir PDT e PSB, o que não deu certo, claro. 

Dos partidos que participaram dessas conversas, PV e Solidariedade já pularam para o colo de Lula.

Dos demais, quase todos lançaram candidatura própria: Cidadania (Alessandro Vieira), Novo (Luiz Felipe d’Avila), PSDB (João Doria, que venceu as prévias do partido), MDB (Simone Tebet) e Podemos (Sergio Moro).

DEM e PSL, que também eram da “turma do centro”, aguardam a concretização da União Brasil — a fusão deverá ser homologada pelo TSE em fevereiro — para decidir o que farão.

 Por mais de uma vez, representantes dessas siglas disseram que havia um acordo entre eles: o de apoiar o nome mais viável eleitoralmente, a partir das pesquisas de intenções de voto. Desde que se lançou pré-candidato ao Planalto, em novembro do ano passado, Sergio Moro tem sido esse nome.

Mas, até aqui, a turma decidiu ignorar o acordo e cada um vai jogando o seu jogo. Até quem não tinha a pretensão de ter candidato — o Novo, por exemplo — acabou achando um nome para apresentar, com o argumento de que, “neste momento”, é importante e legítimo que cada partido tente se colocar na disputa.

Inicialmente, lideranças do grupo diziam que até a virada do ano — de 2021 para 2022 — os partidos poderiam fazer seus voos solos. Depois, passaram a falar em janeiro, em fevereiro, em março…

Pela lei eleitoral, as convenções partidárias que marcarão a oficialização das candidaturas só ocorrerão em julho e agosto. Está ficando claro que o discurso da “unidade” era balela, a despeito de algumas conversas aqui e outras tentativas de formar federações ali.

Lula e Bolsonaro agradecem.

Em 2023, a “turma do centro” tocará a vida, podendo, inclusive, compor facilmente com o governo da vez — exemplo do MDB.

Pelo menos duas perguntas merecem ser feitas:

1) Esses partidos querem mesmo um projeto nacional ou fizeram teatro esse tempo todo somente para manter o discurso e focar, por exemplo, na formação de bancada na Câmara?

2) E se, no lugar de Sergio Moro, algum outro nome estivesse em terceiro lugar nas pesquisas, o acordo que previa a garantia do apoio dos demais também estaria sendo rasgado ou postergado?

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2022
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28