Bolsonaro dobra aposta em Carlos para campanha nas redes sociais - CartaCapital
 Bolsonaro reforça aposta no filho Carlos na campanha de reeleição…
Lula x Moro, a batalha das narrativas - 24/12/2021 - Hélio Schwartsman - Folha
Lula(PT) sepulta CPI anti-Moro, que revela ganhos em consultoria nos EUA.

ARTIGO DA SEMANA

Bolsonaro reforça Carlos, Lula aborta CPI anti-Moro

Vitor Hugo Soares

Janeiro caminha para o fim como o diabo gosta:com a disputa presidencial sinalizando os embates encarniçados que se travarão neste 2022, e os campos dos confrontos mais pesados e decisivos da primeira hora. À “direita”, o dono do poder da vez, Jair  Bolsonaro desafia cabeças coroadas do Centrão, em geral, e do PL em particular – a começar pelos aliados, Valdemar Costa Neto e o ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, – ao prometer dobrar a aposta no filho Carlos, vereador licenciado na Câmara do Rio, para comandar seu projeto de reeleição no conturbado mundo digital , afrontando seus dois aliados de maior envergadura, defensores da contratação de um marqueteiro, da confiança do dono do PL, para tocar a propaganda da campanha.

À “esquerda”, ruídos dos últimos dias, deixam claro: está sendo desmontada – pelos maiorais do PT,  a começar por Lula e a presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann, – a bomba relógio articulada no Congresso, sob o formato de uma CPI anti-Moro (Podemos), a pretexto de apurar “conflito de interesse do ex-magistrado no período em que atuou como consultor na empresa Alvarez & Marsal, nos EUA. A idéia do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), começou a fazer água na terça-feira, em entrevista de Gleisi  ao portal UOL  quando afirmou que seu partido não apoiará CPI neste caso, e que “o PT faz estudos jurídicos, e pode conseguir as informações pretendidas por outros meios”. Em seguida, Lula foi direto ao ponto, em ordem unida aos companheiros. Nada de CPI anti  Moro. Ponto.

De volta ao começo: é segredo de Polichinelo, da “direita” bolsonarista, a conversa de que tudo vai bem no alto comando da campanha. O que escapa dos bastidores palacianos – os desvãos do gabinete presidencial e da Casa Civil, – é o contrário. Já escapou do véu de sigilos, que Bolsonaro avalia, e até já admite conversar com marqueteiros sugeridos por ministros mais chegados e por Valdemar Costa Neto. Mas o mandatário bate coturno: o filho Carlos terá o controle da comunicação digital, mesmo que seja aceita a sugestão dos “maiorais” do Centrão , de contratar um marqueteiro político, sendo o publicitário Duda Lima, o mais cotado por enquanto.
Outro dado também já escapole pelas frestas: Carlos tem respaldo e confiança absoluta do pai presidente, mas também da primeira-dama Michelle Bolsonaro, que aposta, há muito, no talento com algoritmos e na lealdade do enteado. O vereador do Rio é vulto de presença permanente nos ambientes mais decisivos e nervosos do palácio, onde é tido como um às da vitória nas eleições passadas. Chefões do Centrão engolem a seco “o sapo Carluxo”, reforçado na gestão por integrantes do grupo conhecido como “gabinete do ódio”. Jogo duríssimo, ainda em andamento, mas de previsível choque que vai sendo protelado…

…Enquanto isso, o ex-ministro Sérgio Moro festeja o recuo do alto comando petista na CPI  na Câmara e até prometeu divulgar nesta sexta-feira, por iniciativa própria “e em consideração aos brasileiros”, os seus ganhos na consultoria prestada a Alvarez & Marsal. “O PT recuou da ideia de criar uma CPI contra mim. Percebeu que, além de não haver justificativa legal, seria um tiro no pé, pois a CPI  seria uma oportunidade de relembrar aqueles que realmente receberam suborno das empresas investigadas na Lava Jato”, publicou o ex-juiz em suas redes sociais. O resto a conferir.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail; vitors.h@uol.com.br

“Dear Lonely Hearts”, Nat King Cole :Ne huma voz como a de Cole para aquecer corações solitários. Em um dia de sábado ou em qualquer tempo.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

jan
29
Posted on 29-01-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 29-01-2022
Pré-candidato do Podemos ao Planalto tenta se aproximar de lideranças religiosas; segundo, o ex-juiz a conversa foi sobre o combate à fome
Moro se reúne com cardeal Dom Odilo Scherer
Foto: Reprodução/Twitter

Em busca de apoio de lideranças religiosas, Sergio Moro (à esquerda na foto) se reuniu nesta sexta-feira (28) com o arcebispo de São Paulo, cardeal Dom Odilo Scherer (à direita na foto). Ao comentar o encontro no Twitter, o pré-candidato do Podemos ao Planalto disse que eles conversaram sobre o combate à fome no Brasil.

“Boa conversa com o arcebispo de São Paulo, cardeal Dom Odilo Scherer, sobre as preocupações da Igreja com o social, especialmente o aumento da fome. Falei sobre a proposta de criar uma Força Tarefa para erradicação da pobreza e da importância de manter programas de transferência de renda”, escreveu Moro.

 Dom Odilo é crítico ao governo de Jair Bolsonaro e já repreendeu publicamente a conduta do presidente na condução da pandemia.

jan
29
Posted on 29-01-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 29-01-2022


 

 Passofundo NO PORTAL

 

jan
29
Posted on 29-01-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 29-01-2022

DO CORREIO BRAZILIENSE

Ex-ministro se diz orgulhoso de ter desembarcado da gestão Bolsonaro e alega que trabalho dele foi sabotado pelo presidente

GC
Gabriela Chabalgoity*
BL
Bernardo Lima*
 

 (crédito: Sergio Dutti)

(crédito: Sergio Dutti)

O ex-juiz Sergio Moro (Podemos), pré-candidato ao Palácio do Planalto, resolveu centrar fogo no presidente Jair Bolsonaro (PL). Ele disse ter “muito orgulho” pelo desembarque do governo, no qual ocupou o Ministério da Justiça e Segurança Pública e relatou que sua participação na atual gestão tinha como objetivo consolidar os avanços contra a corrupção e “honrar” as expectativas criadas pelo trabalho na Operação Lava-Jato.

“Quando o projeto foi sabotado pelo atual presidente da República, porque ele temia avanços de investigações sobre coisas erradas feitas por ele e pela família dele, isso enfraqueceu o combate à corrupção”, afirmou, em entrevista, ontem, à Rádio CBN Caruaru. “Eu permaneci no governo enquanto pude, lutando por essa pauta, até que o presidente me atropelou e trocou o diretor da Polícia Federal.”

A estratégia de Moro de atacar o governo é minimizada por parlamentares apoiadores do Executivo. O deputado federal Bibo Nunes (RS- PSL), por exemplo, afirmou que a candidatura do ex-juiz é “natimorta”. “Ele não tem espaço nenhum. A disputa será entre Lula e Bolsonaro”, frisou o parlamentar, em relação ao líder das pesquisas de intenção de voto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e ao segundo colocado, o atual chefe do Executivo. “Ninguém da esquerda tem mais carisma do que Lula e ninguém da direita tem mais carisma do que Bolsonaro. Moro vai ser diluído. Para nós, ele é tido como um traidor e ingrato.”

 
 

Para o cientista político Rócio Barreto, a intenção de Moro é tirar do presidente o lugar no segundo turno. “Ele não tem condições de ultrapassar Lula, então, tenta derrubar Bolsonaro”, disse. O especialista enfatizou que a parcela do eleitorado a ser conquistada pelo ex-juiz é formada por aqueles que não acreditam na inocência de Lula e não aprovam a gestão do atual governo. “Por isso, o bombardeio dele é no Bolsonaro, para conquistar os votos que o presidente ainda tem.”

Na avaliação do cientista político Ismael Almeida, o caminho para Moro chegar à segunda fase do pleito passa por uma mudança de discurso, colocando Lula e o Supremo Tribunal Federal (STF) como seus principais alvos. “Acredito que ele teria chances de avançar ao segundo turno se ajustasse o discurso dele, focando as críticas em Lula e no STF. Porque ele não tem como crescer no eleitorado de esquerda, então, acaba só tendo chances de realmente competir nas eleições se conquistar os votos da centro-direita e dos mais conservadores, bolsonaristas”, destacou.

Almeida classificou como arriscada a tática de Moro de intensificar os ataques a Bolsonaro, já que integrou a atual gestão. “Quando você ataca um governo do qual fez parte, o eleitorado pode encarar esse discurso como uma contradição”, avaliou.

Estagiária sob a supervisão de Cida Barbosa

  • Arquivos

  • Janeiro 2022
    S T Q Q S S D
    « dez   fev »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31