jan
10

DO CORREIO BRAZILIENSE

Inquérito foi instaurado para apurar circunstâncias do acidente

TM
Thays Martins
 

 (crédito: Handout / Minas Gerais Fire Department / AFP)

(crédito: Handout / Minas Gerais Fire Department / AFP)

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e a Marinha do Brasil localizaram as últimas duas vítimas do desabamento de um paredão no Lago de Furnas em Capitólio, Minas Gerais, na tarde deste domingo (9/1). Ao todo, 10 pessoas foram encontradas mortas no local, todas elas estavam na mesma lancha que foi atingida pelas pedras. Todas elas também eram da mesma família e conhecidos. 

Segundo a Polícia Civil ainda não é possível afirmar com certeza que não há mais nenhuma vítima. Por isso, as operações irão continuar. “Pode ser que eu estava caminhando e caiu a pedra. Nenhum dos órgãos recebeu informações de outros desaparecidos, mas se for uma pessoa sozinha pode ser que seja. Não estamos com pressa de parar os trabalhos”, destacou o delegado Marcos Pimenta em coletiva de imprensa

Até o momento, duas vítimas foram oficialmente identificadas. Uma delas é Júlio Borges Antunes, de 68 anos, natural de Alpinóplis, Minas Gerais. O outro nome ainda não foi divulgado. 

De acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais, a identificação das outras vítimas ainda deve demorar a ser feita pelo estado dos corpos. “Importante agora é acalentar essas famílias enlutadas e identificar o máximo de vítimas possível”, destacou o delegado Marcos Pimenta. Segundo ele, a Polícia Federal poderá ajudar na identificação dessas pessoas. 

A polícia também afirmou que um grupo de WhatsApp foi criado com os familiares das vítimas e que toda a assistência está sendo prestada a eles.

“O Estrangeiro”, Nara Leão: versão e produção de Roberto Menescal
de Nara Leão em rara gravação da composição famosa de de Georges Moustaki. Do álbum Nara rara. Impersível para quem gosta de boa música.Tributo do BP à musa da canão popular que ontem teria celebrado 80 anos. Saudades!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

jan
10
Posted on 10-01-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 10-01-2022
 

DO CORREIO BRAZILIENSE

A ex-estudante de arte, plebeia, entrou para a família mais observada do Reino Unido em 2011

A/
AFP / Phil Hazlewood
 

 (crédito: MARTIN BUREAU/AFP)

(crédito: MARTIN BUREAU/AFP)

Londres, Reino Unido – A duquesa de Cambridge e futura rainha da Inglaterra, Kate Middleton, comemora neste domingo (9) seus 40 anos, no auge de sua popularidade e com um papel cada vez mais importante dentro da família real britânica.

Nascida Catherine Middleton e apelidada Kate, esta ex-estudante de arte, plebeia, entrou para a família mais observada do Reino Unido em 2011. Para muitos, a esposa do príncipe William, filho mais velho do herdeiro ao trono, simboliza hoje o futuro da monarquia.

De cabelos castanhos e aparência sempre impecável, Kate sempre aparece sorridente nos compromissos oficiais, enviando uma imagem de confiança em um momento difícil para uma monarquia que enfrenta muitos escândalos e divisões.

Kate e seu marido William, que completará 40 anos em junho, ganharam visibilidade desde o início da crise sanitária, realizando videoconferências com profissionais da saúde ou contando sua vida de confinamento junto aos seus filhos George, Charlotte e Louis em uma grande casa de campo.

À medida que as restrições foram se flexibilizando e que a rainha Elizabeth II, de 95 anos, foi reduzindo as atividades em sua agenda, o casal multiplicou as aparições oficiais, desde a estreia mundial da nova sequência da saga de James Bond até a cúpula sobre o clima COP26.

Kate também se envolveu mais em seus assuntos favoritos, como a infância e, junto a William, a saúde mental e a proteção do meio ambiente.

O ex-secretário privado de casamento, Jamie Lowther-Pinkerton, citou entre suas virtudes o fato de ter os pés no chão e seu caráter incontestável.

“Ela dedica um tempo para falar com as pessoas”, explicou Lowther-Pinkerton ao jornal The Times, comparando-a com a mãe da rainha Elizabeth II, um símbolo da resistência britânica durante a Segunda Guerra Mundial: “Quando tem que fazer algo, ela faz”.

No início de seu relacionamento com William, na universidade escocesa de Saint Andrews, as origens sociais de Kate, que foi criada em uma família de classe média, deram muito o que falar, assim como sua capacidade para fazer parte do mundo da realeza, repleto de tradições e convenções.

Mas ela, ao menos em público, deu a impressão de se adaptar perfeitamente às suas obrigações relacionadas ao seu papel na família real, ao contrário de sua cunhada Meghan, pouco querida pelos tablóides e bastante impopular entre os britânicos.

Com Kate, os jornais se mostraram bastante benevolentes, principalmente desde que Meghan e seu esposo, o príncipe Harry, decidiram se afastar da família real e se mudaram para os Estados Unidos.

jan
10
Posted on 10-01-2022
Filed Under (Artigos) by vitor on 10-01-2022

 

Charge do Amarildo Reprodução

Amarildo no Blog do Noblat (portal Metrópoles)

 
Td
Talita de Souza
 

Mais de 200 bombeiros atuaram para combater as chamas e regatar as vítimas de um incêndio em um prédio residencial no Bronx, em Nova York - (crédito: David Dee Delgado for The New York Times)

Mais de 200 bombeiros atuaram para combater as chamas e regatar as vítimas de um incêndio em um prédio residencial no Bronx, em Nova York – (crédito: David Dee Delgado for The New York Times)

Um incêndio em um prédio residencial de 19 andares no Bronx, em Nova York, deixou mais de 60 feridos e ao menos 19 mortos, sendo nove deles crianças. As chamas foram iniciadas por volta das 11h da manhã deste domingo (9/1), em um apartamento duplex no segundo e terceiro andares, e, em poucos minutos, se espalhou por toda a edificação, que conta com 120 unidades residenciais.

O comissário do Corpo de Bombeiros, Daniel Nigro, afirma que os agentes chegaram ao local em três minutos após a notificação e já encontraram as vítimas mortas “em todos os andares, com parada cardíaca e respiratória”. Nigro conta que “as condições de fumaça neste prédio eram sem precedentes”, o que pode ter causado mortes rápidas dos moradores do local.

Foram necessários 200 bombeiros da cidade de Nova York para combater as chamas e fazer o resgate das vítimas. Das 63 pessoas feridas, 32 estão com risco de vida e foram conduzidas para cinco hospitais do Bronx. Uma fonte do jornal The New York Times identificada apenas como “uma autoridade municipal” confirmou que 19 pessoas morreram até o momento, sendo nove delas crianças.

Cerca de 25 janelas foram quebradas para tirar as vítimas dos locais
Cerca de 25 janelas foram quebradas para tirar as vítimas dos locais (foto: David Dee Delgado for The New York Times)

O prefeito da cidade, Eric Adam, declarou, em entrevista coletiva, que “os números são horríveis” e que este é “um dos piores incêndios que testemunhamos nos tempos modernos”. A causa da tragédia ainda não foi esclarecida, mas os Bombeiros afirmam que o fogo se espalhou mais facilmente porque a porta do apartamento em que as chamas foram iniciadas estava aberta.

O prédio foi construído em 1972 e, de acordo com as autoridades, parecia não ter saídas de segurança. Cerca de 25 janelas foram destruídas para chegar até as vítimas.

  • Arquivos

  • Janeiro 2022
    S T Q Q S S D
    « dez   fev »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31