“MARGARIDA”, GUTEMBERG GUARABIRA: O FACEBOOK RECORDA-ME QUE HÁ UM ANO, NO DIA 26 DE DEZEMBRO , DATA DE CELEBRAR O ANIVERSÁRIO DE MARGARIDA, NESTE ESPAÇO ESPECIAL DO BAHIA EM PAUTA NA REDE SOCIAL. COMPARTILHO HOJE O QUE ESCREVI ENTÃO, COM UMA SÓ MODIFICAÇÃO: A LINDA CANÇÃO, COM O NOME DA ANIVERSARIANTE, VAI INTERPRETADA POR GUARABIRA, O AUTOR, EM LUGAR DO CONJUNTO “ROUPA NOVA”, QUE TAMBÉM GRAVOU A MÚSICA PREMIADA, LINDAMENTE. NO MAIS, NÃO PRECISO MUDAR NADA, PORQUE O AMOR, O AGRADECIMENTO E A FELICIDADE SÓ CRESCERAM E SE TORNARAM SUPERLATIVOS NO TRANSCORRER DE MAIS UM ANO. DIGO E ASSINO DE CORAÇÃO (Vitor Hugo Soares)
 ===================================================
PARABÉNS, MARGARIDA, NO 26 DEZEMBRO DE SEU ANIVERSÁRIO!!!
 
“Margarida”, Gutemberg Guarabira: É nome de flor, de santa, de rainha, de canção. Mas é principalmente nome de mulher amada, a exemplo daquela por quem me apaixonei um dia, há décadas, e que neste 26 de dezembro faz aniversário: Margarida Dourado Cardoso Soares. Sei que uma canção só não basta, por mais bela e expressiva que seja, para dizer tudo sobre esta mulher e tanto e que, com frequência, descubro não ser uma só, mas tantas (amorosa, firme, solidária, verdadeira, generosa), que seria impossível resumir nesta dedicatória musical. Deixemos o resto por conta da poesia de Gutemberg Guarabira , na interpretação perfeita do autor. E Viva Margarida! Com amor e agradecimento pelo encontro e por tê-la ao meu lado. Sempre.
Feliz Aniversário! Bom Dia!
(Vitor Hugo)

 

 

 

 

 

 

dez
26
Posted on 26-12-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-12-2021
 
Aliados de primeira hora de Bolsonaro já admitem que o presidente pode não ser reeleito em 2022
Olavo e Allan dos Santos jogam a toalha
Foto: Reprodução

Num intervalo de dois dias, Eduardo Bolsonaro, Olavo de Carvalho (foto) e Allan dos Santos admitiram que o presidente Jair Bolsonaro pode não ser reeleito no ano que vem, diz a Crusoé.

O pessimismo com as eleições de 2022 foi demonstrado pelo blogueiro foragido Allan dos Santos em vídeo publicado em seu site.

“Olhando o cenário político atual no Brasil, você acredita de fato que não irão tirar o presidente? Você acha mesmo que Bolsonaro será reeleito?”, questionou.

Durante uma entrevista a um canal no Youtube na última terça-feira, Olavo afirmou que a “briga está perdida” e disse que as chances de Bolsonaro reverter esse quadro são “remotas”.

SIL?

DO CORREIO BRAZILIENSE

Pré-candidato à reeleição, o presidente da República sabe que a permanência no Palácio do Planalto depende de uma reação na corrida eleitoral

IS
Ingrid Soares
TM
Taísa Medeiros

 (crédito: Editoria de Arte do Correio)

(crédito: Editoria de Arte do Correio)

O ano de 2022 não será fácil para Jair Bolsonaro. Pré-candidato à reeleição, o presidente da República sabe que a permanência no Palácio do Planalto depende de uma reação na corrida eleitoral — há risco de a candidatura nem chegar ao segundo turno — e da superação de obstáculos complicados para o governo. Além de força eleitoral para vencer adversários como Luiz Inácio Lula da Silva e Sergio Moro, entre outros, Bolsonaro precisará convencer os brasileiros de que reúne condições para recuperar a economia, após dois anos de pandemia da covid-19.

Especialistas ouvidos pelo Correio avaliam, no entanto, que o presidente tenderá a repetir a postura de 2018. Eles acreditam que o presidente subirá ainda mais o tom contra os principais adversários e acenará cada vez mais ao eleitorado mais fiel.

“Eu vislumbro um cenário de acirramento das posturas, declarações e narrativas que fizeram e fazem de Bolsonaro a figura política que conhecemos, com características que encontraram eco em grande parte do eleitorado em 2018”, afirma Ricardo Caichiolo, cientista político do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais do Distrito Federal (IBMEC – DF).

 Segundo Caichiolo, os bolsonaristas convictos serão fundamentais para melhorar a performance do presidente na tentativa de reeleição. Não é uma tarefa trivial. Os índices de descontentamento com o governo estão elevadíssimos. Uma pesquisa divulgada no último dia 14 pelo Instituto de Pesquisas Cananéia (Ipec) mostra que a rejeição ao governo Bolsonaro atingiu 55%. Trata-se do maior percentual desde o início do mandato, em 2019. No levantamento anterior, em setembro, a reprovação estava em 53%. Já a aprovação ficou em 22%. O estudo do Ipec mostra que o ex-presidente Lula (PT) tem 48% das intenções de voto para a Presidência da República em 2022, enquanto Bolsonaro reúne 21%. Com esses números, o atual titular do Planalto corre o risco de ser abandonado pela base composta pelo Centrão.
Arte Corrida de obstáculos
Arte Corrida de obstáculos (foto: Valdo Virgo)

É o que acredita o deputado federal Marcelo Freixo (PSB-RJ). O parlamentar define o Centrão como “pragmático”. “Havendo qualquer possibilidade mais real de inviabilidade eleitoral do Bolsonaro, não tenho a menor dúvida de que o Centrão migrará para outra campanha, provavelmente a de Lula, já que a do Moro é uma candidatura muito semelhante”, analisa.

O cientista político André Rosa ressalta as dificuldades que se apresentam ao chefe do Executivo. “Até mesmo a reeleição de Dilma Rousseff ilustra uma turbulência menor, apesar das denúncias do petrolão. Portanto, mesmo com o poder da máquina pública e com a viabilidade do Auxílio Brasil, algumas candidaturas já fazem Bolsonaro ficar mais fragilizado na disputa”, avalia. Rosa observa que, assim como o antipetismo levou Bolsonaro à cadeira palaciana em 2018, o antibolsonarismo pode tirá-lo do Planalto em 2023.

O analista acredita que, até o primeiro turno, o foco de Bolsonaro será direcionado à candidatura de Sergio Moro, concorrente que vem tirando votos do presidente de maneira expressiva. Para enfrentar essa batalha, Bolsonaro deverá atuar em duas frentes: na desconstrução do ex-juiz e em programas sociais na tentativa de reverter a queda na popularidade. “Ao que tudo indica, Bolsonaro não tem uma estratégia definida para conter a debandada do setor empresarial, a única estrutura que ainda o sustenta é a figura já fragilizada de Paulo Guedes”, avalia Rosa.

Freixo afirma que Bolsonaro se encontra em situação difícil, pois não pode mais lançar o discurso antigoverno, que funcionou em 2018. “Ele não pode ser candidato negando o governo que teve, comportando-se como inovação sobre um governo que é dele mesmo, o que é estapafúrdio. O grande problema é que ele não consegue apresentar resultados. Há uma crise muito profunda, os números não são bons e a perspectiva não é boa”, opina o parlamentar.

Ricardo Ismael, cientista político da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), analisa que as perspectivas são desafiadoras para o titular do Planalto.

“O ano de 2022 é emblemático. Bolsonaro ainda é um candidato competitivo para ir ao segundo turno, mantém pouco mais de 20% de intenção de votos. Mas será uma tarefa árdua tentar reduzir a rejeição e chegar ao segundo turno com condições de vencer. O ano termina com Bolsonaro tendo que pensar em como reduzir sua rejeição, principalmente nos grupos de menor renda onde o presidente Lula tem grande vantagem. Precisará ter cuidado, pois, com a entrada de Moro, uma boa parte do eleitorado que votou nele, pode migrar para o ex-juiz, tornando mais difícil a trajetória de Bolsonaro daqui para a eleição do próximo ano”, analisa.

Ismael também vê o presidente, neste momento, mais preocupado com seu ex-ministro. “Bolsonaro vai lutar para tentar recuperar prestígio junto ao eleitorado de baixa renda e começará a subir o tom contra Moro na tentativa de desconstrução. Isso já se verifica nas redes”, avalia.

dez
26
Posted on 26-12-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-12-2021
Cartografia e Ideologia com Mafalda. Aula de Cartografia - Brasil Escola
 Mafalda na aula de Cartografia. (criação genial de Quino).

dez
26
Posted on 26-12-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-12-2021

 DO CORREIO BRAZILIENSE

No vídeo publicado no canal oficial da família real, sua majestade aparece ao lado da foto do casal, registrada durante a comemoração das bodas de diamante deles, em 2007

JA
Jéssica Andrade

 (crédito: Reprodução/YouTube)

(crédito: Reprodução/YouTube)

O ano de 2021 não foi fácil nem para a monarquia. Em seu tradicional discurso natalino, a rainha Elizabeth II prestou um tributo ao marido, príncipe Philip, que morreu em abril deste ano. Após 73 anos de casamento, é o primeiro Natal da monarca sem o “amado”, como ela carinhosamente se refere a ele no vídeo publicado neste sábado (25/12), no canal oficial da Família Real, no YouTube.

Emocionada, a rainha disse que agora entende que, embora o Natal seja uma época de felicidade e alegria, também pode ser difícil para aqueles que perdem um ente querido, especialmente este ano. O príncipe Philip, Duque de Edimburgo, faleceu em 9 de abril de 2021, aos 99 anos.

“A vida, é claro, consiste em separações finais, bem como em primeiros encontros — e por mais que eu e minha família sinta falta dele, sei que ele gostaria que curtíssemos o Natal. (…) E para mim e minha família, mesmo com uma risada familiar faltando este ano, haverá alegria no Natal, pois temos a chance de relembrar e ver novamente a maravilha da época festiva através dos olhos de nossos pequenos”, declara a monarca britânica.

No vídeo do discurso, a rainha aparece ornada com um broche de safira, que ela utilizou na lua de mel do casal, em 1947. O cenário também contou com uma foto dela e do príncipe Philip, registrado quando comemoraram as bodas de diamante, em 2007.

De acordo com o Palácio de Buckingham, a rainha passou o Natal no Castelo de Windsor, residência oficial da monarca, ao lado de membros próximos da família. O príncipe de Gales, Charles, e a duquesa da Cornualha, Camila, fizeram companhia à rainha.

De acordo com a tradição, a família real costumava comemorar o feriado no palácio de Sandringham, com a realização de um almoço pré-natalino, uma partida de futebol festiva e um jantar na véspera do Natal. O dia seguinte era reservado à abertura dos presentes, o almoço de Natal e o tradicional discurso. O evento foi cancelado por causa do avanço da pandemia causada pelo coronavírus.

  • Arquivos

  • dezembro 2021
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031