dez
12
Postado em 12-12-2021
Arquivado em (Artigos) por vitor em 12-12-2021 00:12

DO CORREIO BRAZILIENSE

Dallagnol relembrou uma série de fases da força-tarefa e atacou decisões do STF que anularam condenações da Lava-Jato

CB
Correio Braziliense
 

 

Com declarações semelhantes aos discursos do pré-candidato à Presidência Sergio Moro, o ex-procurador Deltan Dallagnol se filiou, ontem, ao Podemos, ampliando a base de apoio do ex-juiz. No evento, tentou fazer uma ponte entre o perfil de procurador e de candidato, resgatando o que toma como avanços da Lava-Jato e criticando medidas do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Dallagnol relembrou uma série de fases da força-tarefa e atacou decisões do STF que anularam condenações da Lava-Jato. Ele comparou a Corte a um árbitro que quer “mudar as regras e anular os gols” depois da partida. “A luta contra a corrupção é uma luta da sociedade brasileira e precisa ser vencida de baixo para cima”, defendeu, na solenidade em Curitiba, enquanto lia um discurso previamente preparado.

Apresentado por Moro como o próximo deputado federal “mais votado do Paraná”, Dallagnol disse que vai assinar uma carta suprapartidária, visando “colocar no Congresso Nacional 200 deputados com três compromissos básicos: democracia, combate à corrupção e preparação política”.

Ao sustentar sua atuação como procurador no que chamou de “defesa do que é certo”, reforçou a postura de Moro de colocar o combate à corrupção como mote da campanha de 2022. O ex-juiz também esteve no evento, mas foi embora antes da fala do recém-filiado.

Em seu discurso, Moro fez uma defesa contundente dos membros do Podemos que compunham a mesa. Entre eles, os três senadores do estado, Oriovisto Guimarães, Alvaro Dias e Flávio Arns. “A nossa turma é esta turma aqui. Não é a turma do mensalão, do petrolão, da rachadinha. Nós aqui não precisamos ficar escondendo ninguém”, sustentou. No próximo ano, Dias deve se candidatar novamente ao Senado na expectativa de manter a bancada do partido.

Moro foi um dos poucos a extrapolar o tema do combate à corrupção e voltou a citar os problemas econômicos do país.

Do lado de fora, um pequeno protesto de um coletivo ligado ao PT o acusava de ter usado o Ministério Público para fins pessoais e ser “inelegível” para uma possível candidatura.
A filiação de Dallagnol consolida o esforço do Podemos de criar uma “bancada da Lava-Jato”, com ex-integrantes do Judiciário e do Ministério Público. Além de Dallagnol, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot também deve se filiar à legenda.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • dezembro 2021
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031