nov
07
Postado em 07-11-2021
Arquivado em (Artigos) por vitor em 07-11-2021 00:08

DO EL PAÍS

As composições da ‘rainha da sofrência’ começaram a chamar atenção quando ela ainda tinha 12 anos e cantava na Igreja em Goiânia. Menos de 10 anos depois, conquistou o Brasil

Marília Mendonça durante sho em São José dos Campos, no dia 25 de setembro.
Marília Mendonça durante sho em São José dos Campos, no dia 25 de setembro.Will Dias (AP)
Yago Sales
Goiânia –
 
 
 “Todo mundo vai sofrer”, escreveu Marília Mendonça em um de seus maiores sucessos. O verso ganhou um sentido ainda mais profundo nesta sexta-feira, quando a queda do avião bimotor em que viajava para Minas Gerais encerrou de forma trágica a carreira meteórica de uma cantora de apenas 26 anos. Conhecida primeiro como compositora, adentrou o mundo da música pelas vozes de grandes nomes do sertanejo, como Cristiano Araújo, coincidentemente vítima de outra tragédia fatal, aos 29 anos, num acidente de carro em 2015. Dela, Araújo gravou É com ela que eu estou; Jorge & Mateus cantaram Calma; e Henrique & Juliano celebrizaram Cuida bem dela.

Marília nasceu em Cristianópolis, a uma hora de distância de Goiânia. Foi na capital goiana que ainda menina começou a chamar a atenção por sua voz e pelas letras das músicas que já compunha. Logo estava se apresentando em bares e, por fim, em shows que atraíam milhões de fãs, um público que nunca a deixava cantar sozinha. Ao lançar Infiel, em 2016, se estabeleceu como rainha da sofrência, o grande expoente do feminejo —o fenômeno das cantoras de música sertaneja que tomou o país— e a psicóloga dos bares.

Em 2018, iniciou a parceria com a dupla Maiara & Maraísa, com o disco Agora é que são elas 2, e se preparava agora para sair em turnê com as duas pelo projeto Patroas em 2022. Nos últimos meses, respeitou as limitações impostas pelas autoridades por conta da pandemia de coronavírus, mas não deixou de consolar seu público de desiludidos amorosos. No dia 8 de abril do ano passado, estabeleceu um novo recorde para sua carreira de prodígio: se tornou a artista mais assistida em uma live, com 3,3 milhões de visualizações simultâneas.

Na era das redes sociais, os números falam por si: 39 milhões de seguidores no Instagram, 22 milhões no YouTube, 15 milhões no Facebook, 7,8 milhões no Twitter. Nesta sexta-feira, sua morte levou o Estado onde nasceu a guardar três dias de luto. Tirou mensagens de pesar do presidente da República e de seu maior adversário político, o ex-presidente Lula da Silva. Foi reverenciada por gigantes da música nacional, como Caetano Veloso e Gal Costa, e homenageada por jogadores do futebol e por ministros do Supremo Tribunal Federal.

Escritas para evocar amores, decepções e o medo diante das agruras da paixão, as canções de Marília devem ganhar novos significados a partir de sua morte. Músicas como Supera, De sexta a sexta, Ei, saudade e… seus fãs sabem que a lista é muito mais longa. Marília era a intérprete dos brasileiros que amam, perdem e superam. Ao menos é o que, cercada pelo coro de sua plateia, hoje boquiaberta diante da televisão, ela tentava ensinar em suas letras. Resta aos fãs, ainda chocados, repeti-la: “Ei, saudade/ Precisamos conversar/Tão covarde, quando você vai passar?”.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • novembro 2021
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    2930