DO JORNAL DO BRASIL

Estudo elencou os 100 maiores devedores dos estados e crescimento da dívida nos últimos anos. Atlas da Dívida Ativa dos Estados Brasileiros foi destaque no Fórum Internacional Tributário 2021

Foto: reprodução da internet
Credit…Foto: reprodução da internet

Por ECONOMIA JB

 

O levantamento encomendado pela Fenafisco (Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital) aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma R$ 896,2 bilhões. Ao longo de um ano, a Federação investigou a composição dos débitos estaduais e elaborou uma lista com os 100 maiores devedores. Os dados estão presentes no Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário.

O estudo, coordenado pelo doutor em economia, Juliano Goularti, com a participação da economista Talita de Messias, identificou que a dívida ativa sob administração das procuradorias gerais dos estados ou das secretarias de fazenda aumentaram 31,40% entre 2015 e 2019.

Para o pesquisador, a maior dificuldade na produção do estudo foi a disponibilização dos dados. Ao todo, dez estados negaram as informações. “Conseguimos reunir subsídios dos mil maiores devedores de apenas 17 estados, pois mesmo com a obrigatoriedade de dar transparência aos dados, as informações não foram divulgadas. A dívida ativa tributária não envolve sigilo fiscal, essa divulgação é obrigatória.”

Em 14 estados, a dívida ativa supera a arrecadação anual com o recolhimento de impostos. Os estoques acumulados do Distrito Federal e Rio de Janeiro equivalem a mais de 200% da arrecadação, enquanto o Mato Grosso quase supera 300%. Outros quatro estados possuem a dívida ativa equivalente a mais de 80% da arrecadação tributária anual.

Os valores devidos pelas empresas aos estados totalizam 13,18% do PIB nacional. Ao passo em que os estoques da dívida ativa aumentam, o pagamento delas é tímido. Em 2016, foram recuperados R$ 4 bilhões, no ano seguinte, em 2017, o montante pago chegou a R$ 5,1 bilhões. A média nacional de recuperação da dívida ativa estadual gira em torno de 0,6%.

“O estudo é revelador e alarmante. É necessária uma política séria para recuperar os montantes devidos e investimento na estrutura das carreiras vinculadas ao fisco. É inaceitável que as empresas devam quase R$ 1 trilhão aos cofres públicos, enquanto o país enfrenta dificuldades para financiar uma renda básica de R$ 400 para famílias que passam fome”, afirmou Charles Alcantara, presidente da Fenafisco, durante o Fórum Internacional Tributário. Caso o valor da dívida fosse recuperado, seria possível pagar 11 anos de Bolsa Família aos mais vulneráveis com valor de R$ 400.

O Atlas também traz os cem maiores devedores de cada estado. As dez maiores devedoras são: Refinaria de Petróleo de Manguinhos (R$ 7,7 bilhões), Ambev (R$ 6,3 bilhões), Telefônica – Vivo (R$ 4,9 bilhões), Sagra Produtos Farmacêuticos (R$ 4,1 bilhões) e Drogavida Comercial de Drogas (R$ 3,9 bilhões), Tim Celular (R$ 3,5 bilhões), Cerpasa Cervejaria Paraense (R$ 3,3 bilhões), Companhia Brasileira de Distribuição (R$ 3,1 bilhões), Athos Farma Sudeste (R$ 2,9 bilhões) e Vale (R$ 2,8 bilhões). O estudo também aponta que os maiores devedores também recebem isenções fiscais em suas áreas de atuação.

Barões da Dívida

Para impulsionar o conhecimento da sociedade sobre a dívida ativa e os maiores devedores estaduais, a Fenafisco lançou o site que reúne informações contidas no Atlas. A divulgação permite que o tema seja acompanhado por todos, dando mais transparência para a questão. Os dados serão atualizados de acordo com o avanço do acesso às informações dadas pelos entes federados.

Estudo

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros é uma iniciativa da Fenafisco, coordenada pelo doutor em economia, Juliano Goularti, desde o final de 2020. Para elaborar o estudo, foram considerados dados de 2015 a 2019. Apesar da obrigatoriedade legal para divulgação das informações, apenas 17 unidades federativas informaram os dados.

“A importância desse estudo é levar ao conhecimento da sociedade e impulsionar a cobrança por mudanças. Dentro de um sistema tributário regressivo, a dívida ativa elevada contribui para a concentração de renda. É um privilégio tributário para poucas e grandes empresas, que escapam da tributação e conseguem ampliar seu poder”, reforça Goularti.

Fórum Internacional Tributário

Esta foi a segunda edição do FIT e teve como tema ‘Tributação, desigualdade e desenvolvimento na América Latina’. O Fórum Internacional Tributário é promovido pela Fenafisco e Anfip, com apoio da Oxfam Brasil, do ISP (Internacional de Serviços Públicos) e do Sindicato dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo (Sinafresp).

OS DEVEDORES

REFINARIA DE PETROLEOS DE MANGUINHOS SA, R$ 7.8 Bi

AMBEV S A, R$ 6.4 Bi

TELEFÔNICA BRASIL S,A, – VIVO, R$ 4.9 Bi

SAGRA PRODUTOS FARMACEUTICOS LTDA, R$ 3.879.087.383,81

DROGAVIDA COMERCIAL DE DROGAS LTDA, R$ 3.494.583.481,20

CERPASA CERVEJARIA PARAENSE SA, R$ 3.318.441.743,72

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO, R$ 3.061.762.759,37

TIM CELULAR S/A, R$ 2.668.220.302,95

ARROWS PETROLEO DO BRASIL LTDA, R$ 2.349.162.072,68

ATHOS FARMA SUDESTE S.A., R$ 1.891.525.190,23

COMPANHIA SIDERURGICA NACIONAL, R$ 1.886.165.927,30

TEC TRANSPORTE ENCOMENDAS E CARGAS LTDA, R$ 1.815.416.095,72

INDUSTRIAS J B DUARTE S/A, R$ 1.681.915.065,70

ECOSERV PRESTACAO DE SERVICOS DE MAO DE OBRA LTDA, R$ 1.533.143.759,21

USINAS SIDERURGICAS DE MINAS GERAIS S/A – USIMINAS, R$ 1.498.310.329,76

VALE S/A, R$ 1.454.201.101,66 (Pará)

VALE S A, R$ 1.048.478.601,53 (Minas  Gerais)

LOUSANO COM DE MAT ELETR LTDA, R$ 1.420.766.169,80

SADIA SA, R$ 1.391.240.545,90

BERTIN LTDA, R$ 1.390.554.637,03 (São Paulo)

BERTIN S,A, R$ 588.030.041,92 (São Paulo)

REDIMPEX ARMAZENS EM GERAL LTDA, R$ 1.369.352.158,44

LIGHT SERVICOS DE ELETRICIDADE S A, R$ 1.332.728.948,37

INCA COMBUSTIVEIS LTDA, R$ 1.257.828.925,57

IMAPI INDUSTRIA & COMERCIO LTDA, R$ 1.213.033.805,25

STAR ONE SA, R$ 1.210.562.757,78

VARIG S A VIACAO AEREA GRANDENSE, R$ 1.208.969.304,56

DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS SANTA CRUZ, R$ 1.208.601.960,03

RODOPETRO DISTRIBUIDORA DE PETROLEO LTDA, R$ 1.181.237.162,48

BOUTIQUE DASLU LTDA, R$ 1.164.662.752,20

E-OURO GESTAO E PARTICIPACAO EIRELI, R$ 1.161.071.852,26

RUBI S,A COMERCIO INDUSTRIA E AGRICULTURA, R$ 1.140.855.920,98

COOPERATIVA DE PRODUTORES DE CANA-DE-ACUCAR, ACUCAR E ALCOOL DO ESTADO DE SAO PAULO, R$ 1.111.023.437,85

 

CARREFOUR COMERCIO E INDUSTRIA LTDA, R$ 1.094.919.648,40

ARCELORMITTAL BRASIL S A, R$ 1.091.873.371,64

IPCE FIOS E CABOS ELETRICOS EIRELI, R$ 1.078.395.129,21

FUTURAMA SUPERMERCADOS LTDA, R$ 1.046.624.369,46

PAES MENDONCA SA, R$ 1.027.610.311,98

NEXTEL TELECOMUNICACOES LTDA, R$ 1.019.065.973,88 (Rio de Janeiro)

NEXTEL TELECOMUNICACOES LTDA, R$ 585.360.974,61 (São Paulo)

VITORIO”S COMERCIO E EXPORTACAO DE CAFE EIRELI, R$ 1.013.535.000,18

PETROMAIS DISTRIBUIDORA DE PETRÓLEO LTDA, R$ 1.008.908.267,10

SAT LOG SERV ARM GERAIS TRANSP LOG LTDA, R$ 988.709.538,97

UNIVEN REFINARIA PETROLEO LTDA, R$ 986.669.250,56

SAFERPAK SERVIÇOS E COBRANÇAS EIRELI, R$ 985.604.809,22

DINAMO DISTRIBUIDORA DE PETROLEO S/A, R$ 984.853.939,23

SUDAMAX INDUSTRIA E COMERCIO DE CIGARROS, R$ 970.833.301,95

G03 INDUSTRIA COM, DISTRIBUICAO DE BEBIDAS LTDA – GRUPO E-OU, R$ 911.750.147,75

F NA E OURO GESTAO DE F E NEGOCIOS LTDA, R$ 898.231.378,21

PORTAL OIL DISTRIBUIDORA DE PETROLEO LTDA, R$ 893.298.938,67

PRAIAMAR INDUSTRIA COMERCIO & DISTRIBUICAO LTDA, R$ 891.175.367,02

STS DISTRIBUIDORA DE PETROLEO LTDA, R$ 877.227.180,05

COMERCIO E EXPORTACAO DE CAFE GRAO FORTE LTDA, R$ 871.267.093,75

MERCANTIL FARMED LTDA, R$ 868.623.819,45

PETROSUL DIST TRANSP E COM COMBUSTIVEIS, R$ 837.050.776,13

VIACAO AEREA SAO PAULO SA, R$ 832.672.263,93

SUPER MIX COMERCIO DE PRODUTOS DE PERFUMARIA LTDA, R$ 809.109.851,56

MONTE CABRAL DISTRIBUIDORA DE COMBUSTÍVEIS LTDA, R$ 807.746.768,83

CRBS S A, R$ 784.516.889,82

CERVEJARIAS KAISER BRASIL S/A, R$ 784.337.572,36

AUDIFAR COMERCIAL LTDA,,R$ 778.350.387,45

TELEMAR NORTE LESTE S A – EM RECUPERACAO JUDICIAL, R$ 736.311.394,34

TRIÂNGULO ALIMENTOS LTDA EM RECUPERAÇÂO JUDICIAL, R$ 726.349.283,00

CLARO S,A, R$ 721.099.817,46

PROCTER & GAMBLE DO BRASIL S/A, R$ 714.067.960,62

TRANSIT DO BRASIL S,A, R$ 710.416.856,97

COMPANHIA AÇUCAREIRA DE PENÁPOLIS LTDA, R$ 700.343.759,26

CIA SIDERURGICA PAULISTA – COSIPA, R$ 695.625.695,41

TIGER OIL DISTRIBUIDORA DE PETROLEO LTDA, R$ 690.355.140,59

VIA BELLA SAUDE E BELEZA LTDA, R$ 681.957.823,75

SOCIEDADE COMERCIAL E IMPORTADORA HERMES, R$ 678.350.282,48

MESBLA LOJAS DE DEPARTAMENTOS S A, R$ 652.118.063,02

SBTEC COMERCIO DE PRODUTOS ESPORTIVOS LTDA, R$ 646.034.858,83

PETRONOVA DISTRIBUIDORA DE PETROLEO LTDA, R$ 628.589.260,18

AXIS COMERCIAL E IMPORTADORA LTDA, R$ 628.090.273,63

POTENCIA PRODUTOS ALIMENTICIOS LTDA, R$ 620.543.470,39

ASPEN DISTRIBUIDORA DE COMBUSTÍVEIS LTDA, R$ 613.797.552,09

RELIGAS DISTRIBUIDORA DE RECICLAVEIS LTDA, R$ 610.981.921,44

FRIGORIFICO MARGEM LTDA, R$ 605.612.817,28

PETROLUNA DISTRIBUIDORA DE PETROLEO LTDA, R$ 600.679.108,54

FRIGORIFICO MARGEN LTDA, R$ 592.621.230,28

QUATRO MARCOS LTDA, R$ 592.370.057,39

MAGNUN PETROLEO LTDA, R$ 589.747.113,71

ESTRELA S H M COML E DISTRIBUIDORA LTDA, R$ 589.160.722,70

COFERFRIGO ATC LTDA, R$ 582.498.073,67

VILA & FERREIRA COMERCIAL LTDA, R$ 580.721.195,81

ITAGUASSU AGRO INDUSTRIAL S/A, R$ 575.729.500,29

VOLKSWAGEN DO BRASIL – INDÚSTRIA DE VEÍCULOS AUTOMOTORES LTDA, R$ 571.826.409,97

FABRAMEX COM IMP EXP LTDA, R$ 571.004.113,95

FERREIRAO ATACADISTA LTDA, R$ 563.902.388,68

CENTROALCOOL S/A (EM RECUPERACAO JUDICIAL), R$ 556.833.793,37

SERVIMED COMERCIAL LTDA, R$ 556.533.938,58

 

 

 

De Vinicius de Moraes para Rubem Braga
Bahia em Pauta » Blog Archive » Janio Ferreira Soares: Dos encantos e magia da Lua que inpira poetas e desencalha navios

 

CRÔNICA

 

No tempo em que sabiás escreviam crônicas

Leio que finalmente está saindo do forno, não os inigualáveis pãezinhos que seu Ulisses fazia na minha infância, embora os aromas interliguem os fatos. Trata-se de “Os Sabiás da Crônica”, reunião de 90 textos de seis autores que nunca tinham sido, digamos, misturados na mesma fornada, dessas que resultam delicadas broas dignas de um café quentinho num amanhecer de outubro.

A ideia começou quando a editora Maria Amélia Mello viu uma foto no jardim da cobertura de Rubem Braga, onde nela estavam, estranhamente engravatados, ele, Vinicius de Moraes, Paulo Mendes Campos, Carlinhos Oliveira, Stanislaw Ponte Preta, Fernando Sabino e mais um jovem amigo de Vinicius destoando em mangas de camisa, que se já não atendesse por Chico Buarque decerto passaria por um intruso tico-tico, ali apenas pra bicar o alpiste escocês que sobejava naquele fértil viveiro onde Ipanema roçava Glasgow.

Pois bem, quem os visse como essas pessoas que cultuam mais o cifrão do que a leveza das palavras, jamais poderia imaginar que ali estava o suprassumo da crônica brasileira da época, assim vestidos porque pousavam para a lente do velho e bom Paulo Garcez (juntamente com Chico os únicos sobreviventes do encontro), que pra nossa sorte deixou o posto de fotógrafo oficial de Juscelino Kubistchek e tornou-se “O fotógrafo do Pasquim”.

E na tarde daquele novembro de 1967, o sol deu o tom exato para o obturador de sua Nikon captar memoráveis fotos, que se na ocasião eram pra divulgação da Sabiá (uma nova editora que Fernando Sabino e Rubem Braga estavam lançando), hoje cumpre o papel de nos mostrar a descontração dos seis já depenados das plumagens que a ocasião exigia, tranquilamente tomando a água que só passarinhos de verdade não bebem e jogando trinados fora na famosa cobertura da Barão da Torre.

No prefácio do livro, o professor de Literatura Brasileira da USP, Augusto Massi, reitera que a maioria das revistas, jornais e editoras que publicaram essas crônicas já desapareceram, assim como todos os bares, restaurantes e boates citados nelas. Os próprios sabiás bateram suas asas e hoje, se justiça poética houver, devem estar onde a primavera é eterna e as crônicas brotam diariamente em amendoeiras que nunca se despem.

Mas o que conforta, caro Massi e grande Maria Amélia, é saber que o canto dessa passarada sempre se fará presente enquanto publicações assim lembrar, por exemplo, daquele almoço em Minas, onde Rubem Braga, como sabiá-mor, canta que o lombo era tão suave que seu dono devia ser “um porco extremamente gentil, expoente da mais fina espiritualidade suína” e, por isso, “a polpa se abria, levemente enfibrada, muito branquinha, desse branco leitoso e doce que têm certas nuvens às quatro e meia da tarde, na primavera”.

Pra terminar, um aviso aos poucos que perdem tempo escrevendo pra este velho aprendiz de sanhaço: o globo.com encerrou suas atividades e a partir de amanhã, 24/10, estarei disponível através do s.janio@lwmail.com.br ou s.janio@outlook.com. Dito isto, às broas.

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura de Paulo Afonso, nas barrancas baianas do Rio São Francisco.

“Sem samba não dá”, Caetano Veloso: do novo disco do baiano de Santo Amaro da Purificação,um samba carregado de citações , que começa a pegar no País. Confira e descubra.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

 

out
24
Posted on 24-10-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 24-10-2021

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

Ela se torna a primeira brasileira a garantir duas medalhas na competição e a segunda a conquistar o ouro em um Campeonato Mundial

AE
Agência Estado

 (crédito: Fernando Frazão/ Agência Brasil)

(crédito: Fernando Frazão/ Agência Brasil)

A brasileira Rebeca Andrade fez história na manhã deste sábado ao conquistar a medalha de ouro na modalidade salto e a prata nas barras assimétricas durante a disputa do Mundial de Ginástica Artística no Japão. Com isso, ela se torna a primeira brasileira a garantir duas medalhas na competição e a segunda a conquistar o ouro em um Campeonato Mundial – a primeira foi Daiane dos Santos, em 2003.

Em suas duas apresentações no salto, Rebeca tirou as notas 15,133 e 14,800, atingindo uma média de 14,966. A segunda colocada foi a italiana Asia D’Amato, que conseguiu uma média de 14,083. Em terceiro lugar, a russa Angelina Melnikova conquistou o bronze, com 13,966, após ter ficado com o ouro no individual geral na sexta-feira, 22.

Nas barras assimétricas, Rebeca conquistou a nota 14,633, ficando atrás da chinesa Wei Xiaoyuan, com 14,733. O bronze foi para a também chinesa Luo Rui, com 14,633. A medalha de prata na modalidade tem grande valor para a brasileira, pois, segundo ela, é uma prova de seu amadurecimento e a realização de um sonho.

“Fiquei muito feliz com a minha paralela, que todo mundo sabe que é meu aparelho favorito”, comentou a ginasta em entrevista ao canal SporTV. “Infelizmente não consegui fazer minha série completa, mas ela foi muito limpa. Isso me dá muito orgulho, mostra como amadureci, como tenho controle sobre meu corpo, sobre minha mente, quando acontece alguma coisa diferente. Isso é muito importante para o atleta. Estou muito feliz, porque era meu sonho ser medalhista da paralela”, completou.

Em julho, Rebeca conquistou duas medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio, um ouro no salto e uma prata no individual geral. Mesmo com o grande desempenho na Olimpíada, ela nunca havia conquistado medalhas na disputa do Mundial, pois passou por de uma série de problemas físicos. Foram três cirurgias no joelho direito, num intervalo de quatro anos.

Agora com duas novas medalhas no currículo, a ginasta pode somar mais uma. Isso porque ela volta a competir na madruga do domingo, às 5h (no horário de Brasília), desta vez disputando na trave para encerrar a já grandiosa participação no Mundial. O brasileiro Caio Souza também tem chance de medalhas, nas barras paralelas.

out
24
Posted on 24-10-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 24-10-2021


 

 Nani, NO PORTAL

 

DO EL PAÍS

Antes do disparo que matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins, um assistente entregou a arma ao ator e garantiu que era segura

A polícia isolou parte da área de filmagem de 'Rust' no rancho Bonanza Creek, onde ocorreu a tragédia.
A polícia isolou parte da área de filmagem de ‘Rust’ no rancho Bonanza Creek, onde ocorreu a tragédia.Andres Leighton (AP)
Luis Pablo Beauregard
Los Angeles
 
 A tragédia não chegou sozinha. Houve vários alertas de irregularidades nas filmagens do faroeste Rust antes de Alec Baldwin acidentalmente matar a diretora de fotografia da produção, na quinta-feira, com uma bala que deveria ser de festim. O homicídio fez vir à tona uma série de denúncias da equipe que participa das filmagens em Santa Fé, capital do Estado do Novo México (Estados Unidos), entre elas, que poucos dias antes havia ocorrido um acidente semelhante, quando o dublê de Baldwin disparou duas vezes com armas que deveriam estar descarregadas. Longas jornadas de trabalho, descumprimento de protocolos de segurança, condições indignas para uma produção independente, atrasos nos pagamentos e problemas logísticos são algumas das questões que emergiram nas horas após a morte de Halyna Hutchins, de 42 anos, diretora de fotografia de origem ucraniana.

Um depoimento prestado à polícia local indica que um assistente de Joel Souza, diretor do filme, era o encarregado de checar as três armas de fogo utilizadas na sequência fatal. De acordo com os investigadores do gabinete do xerife de Santa Fé, o assistente se certificou de que não havia balas de verdade na câmara das pistolas e gritou “arma fria!” (descarregada), depois da revisão. Foi ele quem passou a arma para Baldwin ensaiar uma cena que mudou para sempre a carreira de um dos atores mais veteranos de Hollywood. Um único projétil matou Hutchins, que estava agachada diante de um monitor preparando a tomada, e feriu na clavícula o diretor Souza, 48 anos, que estava ao lado dela. Ele está fora de perigo.

Até o momento não foi formalizada nenhuma acusação, mas a polícia continua a reunir informações e interrogar testemunhas.

Após o tiroteio, Baldwin, de 63 anos, ainda sem saber dos danos que havia causado, começou a questionar aos gritos repetidamente como era possível haver uma arma de verdade no set. “Em todos os meus anos de carreira nunca me entregaram uma arma quente!” (carregada com balas reais), disse o ator, segundo relato de uma testemunha da cena ao Showbiz 411, mídia especializada em informações de Hollywood. Baldwin, também produtor do filme, se dirigiu ao hospital para se informar sobre o estado de saúde das vítimas. Hutchins morreu durante o traslado e Souza teve alta em poucas horas.

Os investigadores isolaram a área no rancho Bonanza Creek, situado a sudoeste de Santa Fé. As investigações se concentram em determinar que tipo de bala matou a diretora de fotografia e como é possível que estivesse na pistola. As produções cinematográficas que usam armas de fogo são obrigadas a seguir protocolos de segurança rígidos sobre o uso de armamento, e as autoridades ainda terão que esclarecer quais deles falharam em Rust. A polícia obteve uma ordem judicial nesta sexta-feira que a autoriza a buscar evidências na área da tragédia e se apropriar de vídeos que as câmeras possam ter capturado para entender como foi o desenrolar dos acontecimentos.

Depois de algumas horas de comoção, Baldwin quebrou seu silêncio com uma postagem nas redes sociais. “Não há palavras para expressar meu choque e tristeza pelo trágico acidente que tirou a vida de Halyna Hutchins, esposa, mãe e colega profundamente admirada por todos nós”, disse o ator no Twitter. Ele foi fotografado chorando diante da delegacia. “Estou cooperando plenamente com a investigação”, acrescentou.

Alec Baldwin fala ao telefone nas imediações da delegacia, pouco depois do acidente.
Alec Baldwin fala ao telefone nas imediações da delegacia, pouco depois do acidente. Jim Weber/The New Mexican (AP)

Com a morte de Hutchins vieram à tona detalhes de uma caótica filmagem que começou no dia 6 de outubro (já foram concluídos 12 dos 21 dias programados). Seis técnicos de cinema e seus assistentes ameaçaram deixar a produção de Rust horas antes do acidente fatal. A equipe estava incomodada com as condições de trabalho que se estendiam por até 13 horas. Depois do acidente, três dos operadores disseram ao Los Angeles Times que os trabalhadores estavam preocupados com o descumprimento dos protocolos de segurança para o uso de armas. Dois operadores de câmeras, que não foram identificados pelo nome, disseram que houve outro incidente no sábado, quando o dublê de Baldwin disparou acidentalmente duas vezes depois que lhe disseram que a arma estava “fria”.

“Precisam investigar o que aconteceu”, disse um dos membros da equipe ao jornal de Los Angeles. “Não houve reuniões sobre segurança nem nos garantiram que isso não aconteceria novamente. A única coisa que eles queriam é que nos apressássemos com as filmagens”, acrescentou. Pelo menos um dos produtores, segundo seu depoimento, foi alertado de que as medidas de segurança não estavam sendo seguidas. A produtora emitiu um comunicado oficial no qual afirma não ter sido informada dessa preocupação. “Embora não tenhamos sido oficialmente informados de nenhuma reclamação relacionada a armas ou segurança, faremos uma investigação interna enquanto a produção estiver paralisada”, informou.

O futuro de Rust é incerto. A produtora informou que as filmagens estão suspensas até novembro e que dará apoio psicológico aos afetados pela tragédia. O clima de insatisfação dos técnicos, porém, abre a possibilidade de uma avalanche de ações judiciais em uma sociedade como a dos Estados Unidos, bastante litigiosa.

  • Arquivos