•  
Bolsonaro é avisado de que candidatura de Moro é para valer
 

Aliados de Jair Bolsonaro disseram-lhe que a candidatura de Sergio Moro “é para valer”, segundo O Globo.

“Um dos interlocutores de Bolsonaro emendou que o presidente não deveria se preocupar porque Moro tem a antipatia da esquerda e perdeu parte da direita ao deixar o governo atirando”.

 Na verdade, o sociopata deve temer a candidatura de Sergio Moro justamente por esses motivos: ele meteu a esquerda corrupta na cadeia e resistiu às manobras golpistas da direita

Time after Time”, Tony Bennet:esplêndida performance de Bennett na interpretação de um clássico da música norte-americana. Estilo único e inimitável. Confira.

(Fique Bnnett e boa quarta-feira)

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)

out
06

Pandemia

DO CORREIO BRAZILIENSE

Francisco Cesar Pinheiro tinha câncer e asma; ele não resistiu a uma parada cardiorrespiratória

CB
Correio Braziliense
 

 (crédito: redes sociais )

(crédito: redes sociais )

Morreu, nesta terça-feira (5/10), aos 77 anos, o servidor aposentado da prefeitura de Fortaleza Francisco Cesar Pinheiro, pai da secretária de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como Capitã Cloroquina.

Cesar Pinheiro passou quatro meses internado em um hospital particular de Fortaleza depois de contrair covid-19. Em agosto, ele recebeu alta, mas voltou ao hospital devido a um quadro de infecção urinária. Nesta terça-feira, ele não resistiu a uma parada cardiorrespiratória. O servidor aposentado tinha câncer de próstata e asma.

Em maio, quando depôs na CPI da Covid, Mayra disse aos senadores que o pai dela tinha se tratado com hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina, o kit covid defendido por ela para tratamento da doença e que comprovadamente não tem eficácia. “Meu pai, que ficou muito grave, ainda permanece internado na UTI. Meu pai tinha uma doença de base, um câncer de próstata, eu tive a doença, vários membros da minha família tiveram, e aqueles que se submeteram ao ‘tratamento precoce’ graças a Deus todos evoluíram. Meu pai, a despeito do internamento na UTI, permanece vivo e nos próximos dias deverá voltar pra casa”, disse à época.

O falecimento de Francisco Cesar Pinheiro foi confirmado por Mayra pelas redes sociais. “Que o Senhor Deus nos fortaleça nesse momento de despedida”, lamentou.

out
06
Posted on 06-10-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 06-10-2021



 

 Sid, NO PORTAL DE HUMOR

 

out
06
Posted on 06-10-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 06-10-2021

DO CORREIO BRAZILIENSE

Morre, aos 70 anos, Lizzie Bravo, única brasileira a gravar com os Beatles

Fotógrafa foi casada com o cantor e compositor Zé Rodrix

DS
Daniel Seabra – Estado de Minas
 

Lizzie Bravo lançou o livro 'Do Rio a Abbey Road', com várias fotos dos Beatles - (crédito: Reprodução/Facebook)

Lizzie Bravo lançou o livro ‘Do Rio a Abbey Road’, com várias fotos dos Beatles – (crédito: Reprodução/Facebook)

Morreu, nesta segunda-feira (4/10), no Rio de Janeiro, a cantora e fotógrafa Lizzie Bravo. Ela ficou bastante conhecida por ter sido a única brasileira a participar de uma gravação com os Beatles. Bravo morreu nas semanas seguintes ao seu aniversário de 70 anos, completados em 29 de maio.

Segundo relatos, nos últimos tempos, ela vinha sentindo dificuldades físicas, devido a um problema cardíaco congênito que enfrentava. Passou quatro dias no CTI, há duas semanas. Teve uma melhora, mas há uma semana voltou para o hospital e acabou morrendo.

 
 
Lizzie Bravo ao lado de John Lennon, nos estúdios, em Londres
Lizzie Bravo ao lado de John Lennon, nos estúdios, em Londres (foto: Lucy Rigo / Divulgação)

A história de Lizzie com os Beatles começou em 1967, quando ela ganhou, de presente de 15 anos, uma viagem para Londres, para onde foi uma amiga. No mesmo dia de sua chegada, ela se encontrou com os Beatles, e passou a frequentar o lado de fora dos estúdios da EMI, em Abbey Road, todos os dias, vendo-os com muita frequência. Pouco menos de um ano depois, em um determinado dia, ela estava na porta do estúdio, como de costume, quando Paul McCartney saiu, numa noite de fevereiro de 1968, saiu e perguntou se alguma daquelas meninas que lá estavam conseguia sustentar uma nota aguda.

Lizzie disse que conseguia e ainda levou uma amiga inglesa junto. Elas passaram duas horas nos estúdios com os quatro Beatles, produzidas por George Martin, e cantaram vocais para a música ‘Across the Universe’, dividindo o microfone com John e Paul, alternadamente.

Bravo ainda participou ativamente de uma grande parte da história da música brasileira. Ela foi casada com Zé Rodrix, e foi a inspiração, como ‘a esperança de óculos’, do compositor, parceiro de Sá e Guarabyra, para escrever a música ‘Casa no Campo’.

Naquele período de grandes composições da MPB, Lizzie atou como fotógrafa e registrou momentos importantes. Em 2020, ela lançou o livro ‘Do Rio a Abbey Road’, com várias fotos dos Beatles.

Bravo esteve em BH algumas vezes, e participou da BH Beatle Week, junto com bandas como os mineiros da Sgt. Pepper
Bravo esteve em BH algumas vezes, e participou da BH Beatle Week, junto com bandas como os mineiros da Sgt. Pepper (foto: Renata Franco/Divulgação)

Ela esteve muitas vezes em Belo Horizonte, sempre particpando da BH Beatle Week, tradicional evento anual, que reúne, na capital mineira, vários fãs e adorares dos ingleses de Liverpool. A banda mineira Sgt. Pepper, uma das principais representantes da beatlemania em BH, se manifestou, pelas redes sociais.

“É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de Lizzie Bravo, a brasileira que cantou com os Beatles! Lizzie conseguiu o feito mágico de cantar na gravação da música ‘Across The Universe’ em 1968, a convite de Paul McCartney. Grande fã dos quatro rapazes de Liverpool, tinha histórias fantásticas sobre o período em que viveu em Londres, acompanhando o dia a dia deles nos estúdios de Abbey Road. Excelente cantora, Lizzie trabalhou com diversos grandes artistas da MPB. Foi casada com o músico Zé Rodrix, que a homenageou com a expressão ‘esperança de óculos’, na canção ‘Casa No Campo’. Lizzie era uma pessoa extremamente querida, com uma visão de mundo muito humana e uma imensa generosidade! Para nós da Banda Sgt. Pepper ficam as boas lembranças dos momentos em que nos encontramos com essa grande estrela do Universo Beatle!”

A banda promete uma homenagem a Lizzie Bravo no próximo sábado (9/10), quando se apresenta na Tratoria (Rua Professor Moraes, 158, Savassi, em BH), às 21h. O ingresso custa R$20 e mais informações podem ser obtidas pelo telefone (31) 99896-4357.

O baterista Jô Andrade, da banda Hocus Pocus, outra cover de Beatles, com bastante história em BH, também prestou sua homenagem. “Falamos que pessoas especiais quando vão para o plano espiritual viram estrela. Na noite passada nasceu uma estrela de infinita grandeza. Obrigado Lizzie Bravo por sua amizade. Esteja na luz e em paz.”

Aggeu Marques, músico mineiro que também se dedica a tocar músicas dos Beatles, participando de várias bandas cover dos ingleses em BH, lamentou bastante. “A Lizzie era uma figura muito presente. Ela veio em todas as BH Beatle Week, só na última ela não veio. Ficamos muito amigos, fomos juntos ao show do Paul McCartney, no Rio. Ela sempre esteve com a gente aqui, com minha mulher, minha filha. Era uma pessoa sensacional, independentemente da projeção que ela teve com os Beatles.”, disse.

Aggeu ainda lembrou de outros trabalhos de Bravo, como cantora. “Trabalhou com Egberto Gismonti, com Milton Nascimento. Era uma pessoa muito amável. Nunca sonegou nenhuma informação da vida dela. Fez um livro sensacional. Realmente é uma tristeza”, lamentou.

No próximo sábado (9/10), Aggeu Marques também fará um show, em BH, no Cine Theatro Brasil Vallourec, quando irá homenagear a fotógrafa. “Ela era apaixonada pelo John Lennon, era o beatle dela. E eu vou começar o show dedicando a ela”, adiantou. “Lizzie foi a rainha, a pessoa mais importante da beatlemania brasileira.”

Músico mineiro Aggeu Marques dedicará seu show, no próximo sábado, a Lizzie Bravo
Músico mineiro Aggeu Marques dedicará seu show, no próximo sábado, a Lizzie Bravo (foto: Arquivo pessoal/Divulgação)

O show recebeu o nome de ‘John Lennon – 81 anos’, com Aggeu Marques e banda e o Quarteto de Cordas Fractal. Será uma dupla celebração: ao aniversário do ex-beatle e ao Cine que, em 8 de outubro, completa oito anos de reabertura e funcionamento em Belo Horizonte.

A apresentação será em formato híbrida, e os ingressos presenciais (público reduzido) estão disponíveis a R$60 (inteira) e R$30 (meia). Para assistir à transmissão o valor é de R$10 (inteira) e R$5 (meia). Compras pelo site ou na bilheteria do teatro.

Aggeu Marques se apresentará com sua banda – Vitor Campos na guitarra, Max Santiago no baixo, Carlos Eduardo no teclado, Fábio Sartori na bateria e Eduardo Santos na percussão. O Quarteto de Cordas Fractal faz participação especial com os violinistas Samuel Gomide e Thiago Rocha, o violista Rômulo Salobreña e o violoncelista Rodrigo Garcia. O repertório será de músicas da carreira solo de John Lennon, como as clássicas “Imagine”, “Woman”, “Mother”, entre outras.

Serviço
‘Show John Lennon – 81 anos’
Aggeu Marques e Quarteto de Cordas Fractal
Sábado – 9 de outubro – 21h
Ingressos – www.cinetheatrobrasil.com.br
presencial: 60 reais (inteira) e 30 reais (meia)

Live: 10 reais (inteira) e 5 reais (meia)

  • Arquivos