set
12
Postado em 12-09-2021
Arquivado em (Artigos) por vitor em 12-09-2021 00:30

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

Vinte anos após atentados, a volta do Talibã ao poder no Afeganistão ascende o medo do país se tornar terreno para novos ataques e para violação de Direitos Humanos

TM
Thays Martins
 

 (crédito: Aamir QURESHI / AFP)

(crédito: Aamir QURESHI / AFP)

Após o 11 de setembro de 2001, o mundo nunca mais seria o mesmo. Como consequência do atentado, os Estados Unidos, junto a um grupo de outros países, deram a partida para a chamada Guerra ao Terror. De lá para cá, o mundo assistiu a uma batalha travada entre o Ocidente e o Oriente Médio em uma disputa que parece interminável. Vinte anos após aquela data fatídica, a retirada das tropas norte-americanas do Afeganistão parecia que já tinha passado da hora. Porém, a saída desastrosa das tropas trouxe ao país um cenário de incertezas muito parecido ao que existia no pré-2001.

A volta do Talibã ao poder acende o alerta para a possibilidade de infração aos direitos humanos e também o medo de ataques terroristas. A nova crise humanitária que o país começa a enfrentar, sem ao menos ter se recuperado, também acende o alerta para como o mundo irá lidar com os refugiados e com a xenofobia já tão presente.

Para especialistas, são vários os caminhos possíveis que o país pode trilhar daqui para frente. No cenário otimista, o Talibã tentará assegurar direitos humanos básicos para conseguir a legitimidade do governo. Mas por outro lado, estudiosos temem que essa ideia fique só no papel e que o país sirva de berço para associações terroristas. “Sem dúvida não serão tempos fáceis. Se o Talibã cumprir a palavra que não vai ter vingança contra aqueles que estavam vinculados ao governo dos Estados Unidos e garantir direitos humanos básicos, eles vão conseguir ter uma certa legitimidade e ser incorporados ao fluxo financeiro e mercado”, avalia Felipe Cordeiro, coordenador do curso de relações internacionais da Universidade de São Paulo (USP).

“Mas tem um conjunto de cenários menos otimistas. Já há indícios de que essas lideranças têm controle reduzido nas áreas rurais do país e têm relatos de que violações sérias de direitos humanos estão ocorrendo. O regime voltando como era no fim da década de 1990 vai aumentar o isolamento internacional do país o que vai trazer mais problemas para a população com condições econômicas ainda piores”, lamenta.

Segundo o coordenador do curso de relações internacionais da Universidade de Brasília (UnB), Antônio Jorge Ramalho da Rocha, é muito difícil que o Talibã assuma a mesma postura de 20 anos atrás. “Eles hoje têm mais maturidade, mais recursos e mais consciência da necessidade de se apresentar ao mundo como um grupo de poder com o qual se pode dialogar e negociar em termos razoáveis. A maioria dos vizinhos tem interesse na estabilidade que eles podem produzir na região e estará disposta a colaborar, desde que eles não adotem posturas extremistas e absurdas que tenham muita visibilidade”, afirma. São exatamente esses apoios que podem ajudar o país a se reerguer. “É difícil fazer uma projeção. Mas é possível que a China dê apoio ao governo e também o Paquistão, que já é um parceiro, o que facilitaria a reestruturação”, avalia Yann Duzert, professor dos MBAs da Fundação Getulio Vargas (FGV) e autor do livro Negociação Internacional.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2021
    S T Q Q S S D
    « ago    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    27282930