Nem Lula, nem Bolsonaro. Nem horror, nem terror', diz João Doria ao Nordeste sobre eleições 2022 - Rádio Jornal
Dória bateu duro em Bolsonaro e Lula no “Passabdo a Limpo da
Rádio Jornal do Comércio, “de Pernambuco falando para o mundo”

ARTIGO DA SEMANA

“Nem horror nem terror”: Dória, de Pernambuco para o mundo
­­­­Vitor Hugo Soares

“Pernambuco falando para o mundo”, proclama o locutor da Radio Jornal do Comércio, de Recife, no começo de afiada e desafiadora entrevista do governador de São Paulo, João Dória Jr (PSDB), sobre política nacional e o papel estratégico do Nordeste, nas eleições presidenciais do ano que vem. O tucano distribui bicadas sutis e ferinas, às vezes: ora dirigidas ao atual ocupante do Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro, à direita, ora ao ex Luiz Inácio Lula da Silva, à esquerda. “Nem horror nem terror”,  sintetiza, às vésperas do senador Tasso Jereissati – seu companheiro de partido – receber Lula, em Fortaleza, no começo desta semana. Dória fala ao programa “Passando a Limpo&rdq uo;, cuja voz e carisma do apresentador Geraldo Freire alcançam capitais, cidades de porte médio e populações do chamado “Nordeste mais profundo”, onde candidatos começam a jogar seus anzóis para fisgar votos em 2022.
 
Em Salvador, na madrugada, escuto a reapresentação da conversa do tucano paulista, da chamada Terceira Via, falando do Palácio dos Bandeirantes – com recursos de áudio e imagem, que lhe permitem visualizar seus bem informados entrevistadores – a milhares de distância do Rio Capibaribe. O âncora fala sobre a constante presença de Lula, Ciro e Bolsonaro no Nordeste. Quando da entrevista do governador de São Paulo, por exemplo, Lula andava no Recife, em conversas com o prefeito João Campos (PSB), antes mesmo de se reunir com dirigentes locais do PT. No começo desta semana, o petista confabulava com Jereissati (PSDB), no Ceará. Na quarta-feira desembarcava em Salvador, tendo ao seu lado o senador Otto Alencar (PSD), um dos astros da CPI da Covid 19. Também com o “companheiro governador,” Rui Costa e do amigo senador, Jaques Wagner, que amola as facas para encarar o osso duro de roer ACM Neto – presidente nacional do DEM e ex-prefeito da capital baiana – na sucessão estadual que se aproxima. Precisa desenhar?.   

De volta ao Recife. De posse dos dados das mais recentes pesquisas, Geraldo Freire provoca Dória logo no começo do “Passando a Limpo”: “O senhor é um gestor reconhecido, com papel destacado no combate à pandemia não só em seu estado, mas também na vacinação da população em todo País, e tem todos os atributos e direito de postular a presidência da República, mas não consegue passar dos 5% da aprovação popular, e daí para baixo. “Será – como dizem seus críticos – porque o senhor é apressado demais, mal é eleito para um cargo já está pensando no próximo?” pergunta o âncora. Outro entrevistador completa: ”O senhor segu e desconhecido no Nordeste, está mesmo disposto a viajar para caçar voto no chamado Brasil profundo?”

O tucano diz: ”Calma, é preciso ter calma. O melhor portifólio de um candidato é a sua gestão, e de minha parte a principal tarefa é a gestão em meu estado. Além de contribuir para o país sair desta crise terrível da pandemia, que acredito acontecerá até outubro. “Depois poderemos nos dedicar à campanha e já estou acostumado a começar por baixo nas pesquisas. Mas digo desde já: Nem horror nem terror”, referindo-se à polarização entre o mandatário da vez e o ex.  “Quanto ao Nordeste, lembro que sou filho de baiano (o ex-deputado democrata cristão, João Dória, cassado e exilado pela ditadura, leal escudeiro de João Goulart (Jango), mesmo nos anos mais duros de de sterro.) “Portanto, metade de meu sangue é de baiano, de nordestino”, destacou. O resto a ver.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitors.h@uol.com.br

“Guendolyne”, Julio Iglesias: maravilhosa interpretação da canção amorosa com a qual, há décadas, o astro da música espanhola conquistou o público do Eurovision. Confira.

BOM DIA!

(Vitor Hugo Soares)

 

 

ago
28
Posted on 28-08-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 28-08-2021
 
DO CORREIO BRAZILIENSE

“Eu sei que custa caro. Daí tem um idiota que diz “ah, tem que comprar feijão”. Cara, se não quer comprar fuzil, não enche o saco de quem quer comprar”, disparou.

IS
Ingrid Soares
 

 (crédito: Reprodução / Redes Sociais)

(crédito: Reprodução / Redes Sociais)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (27/08) que “todo mundo tem que comprar fuzil”. A declaração foi feita a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada ao comentar sobre decretos relacionados a Colecionadores, Atiradores Desportivos e Caçadores (CACs) e fazendeiros.

“Tem que todo mundo comprar fuzil, pô. Povo armado jamais será escravizado. Eu sei que custa caro. Daí tem um idiota que diz “ah, tem que comprar feijão”. Cara, se não quer comprar fuzil, não enche o saco de quem quer comprar”, disparou.

Ontem, em aceno à sua política armamentista, o presidente voltou a defender o porte e a posse de arma para a população. O mandatário ironizou matérias da imprensa apontando que o número de aquisição de armamentos tem dobrado ano após ano e rebateu dizendo esperar que “quintuplique”. Segundo o mandatário, “quanto mais armado estiver o povo, melhor é para todo mundo”

Ainda hoje, Bolsonaro disse que não quer interferir em outros poderes e governa dentro da Constituição, mas que “é difícil governar o país dessa maneira”.

“Tem ferramentas lá dentro (da Constituição) para ganhar a guerra. Tem gente que está do lado de fora. Difícil governar um país desta maneira. O único dos Poderes que é vigiado o tempo todo e cobrado sou eu. O que acontece para o lado de lá não tem problema nenhum. Eu não quero interferir para o lado de lá, nem vou. Agora, tem que deixar a gente trabalhar para o lado de cá”, acrescentou.

Ele ainda negou intenção de dar o golpe. “Alguns dizem que eu quero dar golpe. São idiotas, eu já sou presidente, pô”, justificou. Sobre os atos de 7 de setembro, o presidente reforçou que participará em Brasília e em São Paulo e negou que manifestantes pró governo possam causar tumultos nas ruas. “Pessoal nosso que vai às ruas não depreda patrimônio, não joga pedra na PM [Polícia Militar], não invade nada. É um pessoal do bem”.

Durante o final da manhã, Bolsonaro participou de cerimônia de passagem do Comando de Operações Especiais em Goiânia. Sem agenda oficial na parte da tarde, a previsão é de que ele participe de uma motociata na cidade.

ago
28
Posted on 28-08-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 28-08-2021



 

Amarildo, NA

 

 
 

Os medalhistas do Brasil na Paralimpíada de Tóquio

No terceiro dia de competição, o Brasil soma seis ouros, quatro pratas e sete bronzes, ocupando a 6ª posição no quadro geral. Conheça os esportistas paralímpicos brasileiros que já subiram ao pódio nesta edição e acompanhe a evolução do país no quadro de medalhas

Wallace, Wendell, Gabriel, Silvânia e Petrúcio, cinco dos seis medalhistas de ouro do Brasil até aqui.
Wallace, Wendell, Gabriel, Silvânia e Petrúcio, cinco dos seis medalhistas de ouro do Brasil até aqui.

O Brasil soma nos Jogos Paralímpicos Tóquio 2020, que está no seu terceiro dia de competições, 17 medalhas: seis de ouro, quatro pratas e sete bronzes. O país já tinha a predominância na natação, com destaque para o multimedalhista Daniel Dias, mas disparou na soma de medalhas com a chegada do atletismo. Só o primeiro dia de competições do esporte já trouxe quatro ouros para o Brasil, entre eles os bicampeões Petrúcio Ferreira e Silvânia Costa. O Brasil também já subiu ao pódio no hipismo e na esgrima em cadeira de rodas.

A meta do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) é manter o Brasil entre os 10 países com mais medalhas pela quarta edição consecutiva das Paralimpíadas. Nesta sexta-feira, a delegação brasileira garantiu ao país a sexta colocação no quadro geral de medalhas, atualizado diariamente. Com seis ouros, o Brasil se aproxima cada vez mais do objetivo de chegar à 100ª medalha de ouro da história das competições ?até agora foram 93 ouros para atletas paralímpicos brasileiros desde a estreia do país nas Paralimpíadas, em 1972 (a competição foi criada em 1960).

Veja o quadro de medalhas dos Jogos Paralímpicos de Tóquio e a classificação por países.

Natação

A natação (juntamente com o atletismo) é uma das modalidades em que os esportistas brasileiros despontam entre os favoritos em várias classes. Pela regra do Comitê Paralímpico Internacional, a natação paralímpica tem 14 categorias funcionais para abranger todas as PcDs (pessoas com deficiência). Atletas com deficiências motoras competem nas categorias S1 a S10; deficiências visuais estão contempladas nas categorias S11 a S13; e esportistas com deficiência intelectual ficam na S14. Conheça os nadadores brasileiros que garantiram medalha nos Jogos Paralímpicos Tóquio 2020.

Gabriel Bandeira celebra o ouro nos 100m borboleta classe S14.
Gabriel Bandeira celebra o ouro nos 100m borboleta classe S14.MOLLY DARLINGTON / Reuters

Gabriel Bandeira, ouro nos 100m borboleta e prata nos 200m livre da classe S14. – Aos 21 anos, o paulista garantiu ao Brasil o primeiro ouro na Paralimpíada de Tóquio em sua estreia. O nadador foi o primeiro colocado nos 100m borboleta da classe S14 (categoria que estreou nesta edição) e ainda marcou um novo recorde, ao concluir a prova aos 54s76. O britânico Reece Dunn (55s12) ?atual recordista mundial? ficou com a prata, e o australiano Benjamin Hance (56s90) conquistou o bronze. “Minha vida na natação paralímpica só está começando. Isso é só o começo”, previu Bandeira em entrevista à SporTV após o ouro. E estava certo: dois dias depois, levou a prata nos 200m livre da mesma categoria, com 1min52s74. Desta vez, Dunn faturou o ouro 1min52s90. O russo Viacheslav Emeliantsev ficou com o bronze fazendo 1min55s58. O nadador brasileiro começou a competir profissionalmente somente no ano passado.

Wendell Belarmino levou o ouro nos 50m livre para deficientes visuais.
Wendell Belarmino levou o ouro nos 50m livre para deficientes visuais.MARKO DJURICA / Reuters

Wendell Belarmino, medalha de ouro nos 50m livre da classe S11 – O brasiliense de 23 anos chegou aos Jogos de Tóquio dizendo que queria “se divertir e chegar ao pódio”, e acabou levando a segunda medalha de ouro da natação em sua primeira final paralímpica da vida. Wendell Belarmino marcou 26s03 nos 50m livre para deficientes visuais da classe S11, deixando para trás o chinês Dongdong Hua (26s18) e o lituano Edgaras Matakas (26s38).

Gabriel Araújo celebra a medalha de prata nos 100m costas da classe S2 da natação.
Gabriel Araújo celebra a medalha de prata nos 100m costas da classe S2 da natação.MOLLY DARLINGTON / Reuters

Gabriel Araújo, medalha de prata nos 100m costas da classe S2 – Foi do atleta mineiro de 19 anos a primeira medalha para o Brasil nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. Araújo celebrou a prata com uma dancinha no pódio e prometeu repetir a coreografia nas outras vitórias que ainda espera celebrar no Japão. “Se tem pódio, se tem Gabriel, tem dancinha”, disse o atleta, que ainda compete em outras duas provas. Gabriel Araújo marcou 2min02s47 nos 100m costas da classe S2. O ouro ficou com o chileno Alberto Abarza (2min00s40) e o bronze com o russo Vladimir Danilenko (2min02s74).

Daniel Dias, medalha de bronze nos 200m livre da classe S5.
Daniel Dias, medalha de bronze nos 200m livre da classe S5.MOLLY DARLINGTON / Reuters

Daniel Dias, medalha de bronze nos 200m e nos 100m livre da classe S5 – Com dois bronzes nas duas primeiras provas que disputou em Tóquio, o paulista chegou a 26 medalhas paralímpicas na carreira, aos 33 anos. É o nadador masculino mais premiado da história da competição. O 27º pódio de Daniel Dias veio no revezamento 4x50m livre, outro bronze, mas desta vez ao lado de Joana Silva, Patrícia dos Santos e Talisson Glock. Ele ainda compete em ao menos outras três provas na capital japonesa.

Phelipe Rodrigues celebra a 8ª medalha paralímpica de sua carreira, um bronze nos 50m categoria S10.
Phelipe Rodrigues celebra a 8ª medalha paralímpica de sua carreira, um bronze nos 50m categoria S10.ALE CABRAL/CPB

Phelipe Rodrigues, bronze nos 50m livre S10 masculino – O pernambucano natural de Recife garantiu a terceira melhor marca na prova (23s50) e, em Tóquio, conquistou a 8ª medalha paralímpica de sua carreira. O ouro ficou com o australiano Rowan Crothers (23s21), e a prata foi para o ucraniano Maksym Krypak(23s33). Aos 30 anos, o nadador brasileiro ainda deve disputar outras duas provas com chances de medalha.

Patrícia, Daniel, Joana e Talisson no pódio com a medalha de bronze.
Patrícia, Daniel, Joana e Talisson no pódio com a medalha de bronze.MARKO DJURICA / Reuters

Daniel Dias, Joana Neves, Patrícia Pereira e Talisson Glock, bronze no revezamento 4x50m livre misto – A natação deu a primeira medalha coletiva ao Brasil no revezamento 4x50m livre misto. Nesta categoria, a soma dos números das categorias do atleta tem que ser igual ou menor que 20. Por isso, a equipe competiu com Patrícia (S4), Daniel (S5), Joana (S5) e Talisson (S6), nesta ordem. Os brasileiros fecharam em terceiro com uma ótima recuperação no final, terminando sete centésimos a frente da Ucrânia. O ouro ficou com a China, que quebrou o recorde mundial, e a prata com a Itália.

Russell, Pikalova e Maria Carolina Santiago no pódio.
Russell, Pikalova e Maria Carolina Santiago no pódio.MARKO DJURICA / Reuters

Maria Carolina Santiago, bronze nos 100m costas S12 – A primeira medalha individual da natação feminina em Tóquio veio pelas braçadas da pernambucana Maria Carolina Santiago, de 36 anos. Ela marcou 1min09s18 nos 100m costas da classe S12, para deficientes visuais. Ficou atrás da britânica Hannah Russell (1min08s44) e da russa Daria Pikalova (1min08s76). Santiago competia na natação convencional até 2018, quando teve a visão reduzida por uma alteração congênita.

Esgrima em cadeira de rodas

A esgrima só é disputada em cadeira de rodas na Paralimpíada. Os atletas são divididos em três classes: A, B e C. O critério é a mobilidade do atleta, especialmente do tronco. Quem compete na classe A tem mais dificuldade, enquanto quem está na C tem a mobilidade menos comprometida.

Guissone comemora vitória na esgrima em Tóquio.
Guissone comemora vitória na esgrima em Tóquio.Takuma Matsushita/CPB

Jovane Guissoni, medalha de prata na classe B – Gaúcho de Barros Cassal, Jovane Guissoni conquistou a medalha de prata na classe B da esgrima em cadeira de rodas no segundo dia de competição. Na campanha pela prata, foram oito lutas e apenas duas derrotas, uma delas para o vencedor Alexander Kuzyokov, do Comitê Paralímpico Russo. Guissoni é vice-líder do ranking mundial e foi campeão paralímpico em 2012. “Meu objetivo era trabalhar bastante para chegar aqui em Tóquio, fazer o meu melhor e garantir uma medalha para o Brasil. Feliz, jogando solto e colocando em prática tudo aquilo que treinei”, comemorou o brasileiro.

  • Arquivos