TRBN - Tribuna da Bahia

ARTIGO/PONTO DE VISTA

A importância da terceira via

Por Joaci Góes


   

Aos queridos sobrinhos Cylene e Joilson Góes Filho!

Ao longo da história, a humanidade tem aprendido que a saída dos constantes impasses que defronta, expressos na dilemática proposição shakespeariana do to be or not to be, reside, majoritariamente, numa terceira opção. A tríade, portanto, passou a presidir a busca da resolução dos conflitos individuais e coletivos. A começar pela criação do Espírito Santo como saída do conflito pai e filho, segundo Jung. Algo como a síntese para solucionar a escolha entre tese e antítese. Do mesmo modo, o hinduísmo já havia chegado à tríade Brahma, Vishnu e Shiva que representam a criação, a conservação e a destruição. A tríplice concepção freudiana do id, ego e superego seria dessa mesma índole, bem como a tríplice divisão da história em teológica, metafísica e positiva, segundo Augusto Comte, ou a teológica-intuitiva, racional e sensorial, segundo Pitirim Sorokin. O tríplice fator – intuição, desejo e racionalidade-, seria a base das teorias psicológicas e sociológicas, conclusão muito posterior à presença dos três deuses: Júpiter, Demétrio e Marte no Panteon Romano, simbolizando a soberania, a fertilidade e a guerra.

No plano pragmático, a antropologia se desenvolve em três linhas sucessórias: a patrilinear, a matrilinear e a bilateral, do mesmo modo que nossa identificação no mundo se expressa, no singular ou plural, do eu(nós), você(s), ele(s). É também tríplice nossa divisão do tempo: passado, presente e futuro. As casas reais só se digladiaram quando não dispuseram de uma terceira opção. De todo modo, a solução dos problemas humanos foi sempre encontrada em díades ou tríades, só excepcionalmente, acima disso, segundo motivações de natureza biológica, social e cultural, atuando isoladamente ou em conjunto de duas ou três.

Como a unicidade política é associada ao despotismo das ditaduras, a díade representa a restauração do equilíbrio que pode ser assegurado por uma terceira alternativa. A emergência de uma quarta, quinta ou sexta alternativa, para o bem ou para o mal, assegura a induzida polarização entre as duas forças componentes do dilema inicial.  

No mundo da práxis, não há porque nos sujeitarmos ao imperativo das díades iniciais que tanto contribuíram para o desenvolvimento da inteligência humana, como a percepção da noite e do dia, da escuridão e da claridade, do bem e do mal, quente e frio, alto e baixo, grande e pequeno. Da percepção de nós e dos outros, nasceu o maniqueísmo nós e nossos inimigos, que conduziu à bipolaridade entre os valores, objetos, e entidades naturais e culturais. 

O filósofo suíço Ferdinand de Saussure(1857-1913), de cujos estudos nasceu a linguística como ciência autônoma, de influência capital no campo da teoria da literatura e dos estudos culturais, reconheceu haver encontrado na capacidade humana, de dizer se algo é ou não é o que se examina, a base para a elaboração da teoria da linguagem. Foi Saussure quem propôs que a ciência dos signos, de que a linguística é parte essencial, fosse chamada de semiologia. Nesse diapasão, a grande maioria das guerras foi ferida entre dois povos, apenas. Quando os litigantes exorbitaram de dois, por litígio, os excedentes foram integrados às coalizões que se formaram, ocasionando a redução para dois de praticamente todos os contendores em 100% dos casos, como é da natureza dos conflitos. 

Toda essa digressão vem a propósito do momento político, no Brasil, que aponta para a necessidade imperiosa da busca de uma terceira via para restaurar a boa convivência entre nós. Do modo de encarar a solução do perigoso impasse em que nos encontramos dependerão a paz e a prosperidade da família brasileira.

Joaci Góes, escritor, ex-presidente da Academia de Letras da Bahia e ex-diretor da Tribuna da Bahia.

Acordei com uma baita vontade de votar em Sergio Moro (de novo)
Foto: Adriano Machado/Crusoé

 

 

O golpe que está sendo tramado pelos quadrilheiros do Congresso Nacional para cassar os direitos de Sergio Moro estimulou-me a reproduzir uma coluna que publiquei na Crusoé, em 24 de maio:

“Acordei com uma baita vontade de votar em Sergio Moro. Neste momento, ele nem pensa em se candidatar a presidente da República. Está no ostracismo, em Washington, empenhado unicamente em fazer direito o trabalho na empresa que o contratou. Como ele nunca roubou, tem de ralar para se sustentar. Só aparece aqui de duas em duas semanas, com suas colunas na Crusoé.

 

Eu já disse alguns meses atrás: sou o porta-bandeira do terceiro bloco. Voto em qualquer um dessa turma. Mas ninguém encarna melhor o terceiro bloco do que Sergio Moro. Ele é o que há de mais distante de Lula e de Jair Bolsonaro. É visto como antagonista de ambos — e é temido por ambos. Até o ano passado, ele era a pessoa mais popular do país. Agora mudou: uma imensa fatia do eleitorado, composta por lulistas e bolsonaristas, passou a rejeitá-lo raivosamente. Trata-se de mais um trunfo do qual ele pode dispor: a hostilidade pornográfica de uma gentalha que representa o que temos de pior.

A Lava Jato foi carbonizada por Gilmar Mendes e seus parceiros. Depois da passagem dos incendiários, só restaram cinzas. Uma candidatura de Sergio Moro teria de ser erguida, portanto, com outros pressupostos. Quais? Aqueles de uma sociedade menos bananeira, menos selvagem, menos pervertida, menos corrupta. Duvido que isso possa engajar a maioria do eleitorado, mas o Brasil virou uma disputa entre minorias — e a minoria do bem tem alguma chance, ainda que remota, de derrotar as minorias criminosas que pretendem humilhá-la.

É duro imaginar Sergio Moro num palanque, discursando para seus apoiadores com aquela voz desafinada. Esse é outro ponto que me faz querer votar nele. Ele não tem o menor pendor caudilhesco. Jair Bolsonaro demitiu-o porque ele se recusou a aparelhar a PF. Mas não foi só isso. Sua demissão ocorreu também porque ele contrariou o sociopata durante a epidemia, apoiando ostensivamente as medidas de isolamento social, em parceria com Luiz Henrique Mandetta, que agora pode refazer a dobradinha com ele, na chapa presidencial.

Estou só especulando em voz alta. O único fato incontestável desta coluna é que acordei com uma baita vontade de votar em Sergio Moro.”

Nesta quinta-feira, depois do golpe, a vontade ficou ainda mais forte.

 “O Nosso Olhar”, Sergio Ricardo: InesqueSérgio!!!
BOM DIA!!!
(Gilson Nogueira)

ago
27
Posted on 27-08-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 27-08-2021

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

O Correio traz o resumo das participações de brasileiros nos Jogos Olímpicos da noite de quarta até a manhã desta quinta-feira (26/8)

JM
Júlia Mano*
 

Quarteto do revezamento 4x50m da natação fecharam o segundo dia de conquistas para o Brasil com o bronze - (crédito: ALE CABRAL/CPB)

Quarteto do revezamento 4x50m da natação fecharam o segundo dia de conquistas para o Brasil com o bronze – (crédito: ALE CABRAL/CPB)

Os Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020 entraram no segundo dia de competições na noite da última quarta-feira (25/8) e foram até a manhã desta quinta (26/8). O Brasil faturou mais quatro medalhas, duas delas saíram das piscinas do Centro Aquático da capital do Japão. No hipismo, Rodolpho Riskalla conquistou o inédito pódio do adestramento individual, enquanto Jovane Guissone deixou escapar o que seria o segundo ouro dela na esgrima em cadeira de rodas.

» Natação

Daniel Dias vem ampliando o arsenal de medalhas em Tóquio com apenas dois dias de Jogos Paralímpicos. O brasileiro já faturou três bronzes, dois deles na manhã desta quinta-feira (26/8) nos 100m livres S5 e no revezamento 4x50m misto, prova que disputou ao lado de Patrícia Santos, Joana Neves e Talisson Glock. Com as conquistas, o nadador chega a marca de 27 medalhas paralímpicas.

Mais brasileiros caíram na água na noite de quarta-feira (25). Esthefany Rodrigues, Susana Schnarndof e Joana Euzébio disputaram a fase classificatória dos 100m livres S5, mas somente Joana avançou para a final. No entanto, na briga pelo pódio, ela terminou na 8ª colocação. Eric Tobera, nos 100m livres S4, Talisson Glock e Roberto Rodriguez não chegaram à disputa por medalhas nos 200m medley SM6. Também ficaram para trás nas qualificatórias Ruan Souza, nos 100m peito SB9, e Matheus Souza, nos 400m livre S11.

» Esgrima em cadeira de rodas

Jovane Guissone quase faturou o segundo ouro paralímpico. O brasileiro ficou com o primeiro lugar do pódio de Londres-2012, mas deixou a medalha dourada escapar na capital japonesa, faturando a prata. O esgrimista teve seis lutas entre a noite de quarta e a manhã desta quinta-feira, perdendo apenas duas. A primeira foi ainda na fase classificatória, contra o ucrâniano Oleg Naumenko. A segunda foi na final, na qual caiu para o russo Alexander Kuzyukov. Já Carminha Oliveira, na categoria A, perdeu as quatro batalhas e não avançou para as quartas de finais.

» Hipismo

Rodolpho Riskalla conquistou a inédita medalha brasileira no adestramento individual classe 4. Montado em um Dom Henrico, o cavaleiro faturou a prata, com 74,659% de aproveitamento no conjunto embalado por “Aquarela do Brasil”. O brasileiro pode subir mais uma vez no pódio na próxima segunda-feira (30/8).

» Goalball

Depois da goleada em cima da Lituânia na terça-feira (24/8), a Seleção masculina encarou a primeira derrota diante dos Estados Unidos. Os estadunidenses conseguiram virar no final da partida e vencer por 8 x 6. O próximo desafio dos brasileiros é na sexta-feira (27/8), contra a Argélia.

» Tênis de mesa

O Brasil teve 11 partidas no segundo dia de Jogos Paralímpicos e cinco mesa-tenistas que representaram o país venceram os confrontos. Carlos Carbinatti, Joyce Oliveira e Bruna Costa não deram chances aos adversários e triunfaram por 3 sets a 0. Israel Stroh enfrentou o egípcio Mohamed Youssef em um jogo emocionando, que teve virada na segunda parcial e vitória por 3 x 1. Welder Knaf venceu o irlandês Colin Judge por W.O.

Cátia Oliveira, Luiz Filipe Manara e Jennyfer Parinos perderam as partidas por 3 sets a 1. Enquanto Marliane Santos, David Andrade e Paulo Sérgio Filho foram dominados e derrotados por 3 a 0.

» Halterofilismo

Três brasileiros estiveram na disputa da modalidade no dia. João Maria Júnior na categoria até 49kg terminou na sexta colocação. Lara Lima, de até 41kg, ficou em sétimo. E Bruno Carra, até 54kg, ficou distante do pódio ao falhar nas três tentativas de levantar o peso de 157kg.

» Ciclismo

Os ciclistas do Brasil também ficaram distantes do pódio. Na perseguição C1 3000m, Carlos Alberto Soares terminou na 9ª colocação da fase de classificação. No contrarrelógio C4-5 1000m, André Luiz Grizante e Lauro Chaman também não foram para a final, se despedindo de Tóquio em 21º e 9º lugar, respectivamente.

ago
27
Posted on 27-08-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 27-08-2021



 

 Sid, NO PORTAL DE HUMOR

 

ago
27
Posted on 27-08-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 27-08-2021

DO EL PAÍS

Pentágono confirma que 12 militares dos EUA morreram e 15 ficaram feridos nas explosões na capital afegã. São pelo menos 60 mortos e 140 feridos, de acordo com diversos meios de comunicação e agências. União Europeia insiste na criação de rotas seguras para o campo de aviação de Cabul após o ataque

Duas explosões nos arredores do aeroporto de Cabul, no Afeganistão, deixaram dezenas de mortos e feridos. Vídeo mostra o socorro às vítimas.Vídeo: Reuters

 

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, garantiu que o ataque em Cabul não ficará sem resposta e dirigiu-se aos terroristas durante pronuncimaneto: “Sentimo-nos indignados e com dor. Não vamos perdoar e não vamos esquecer isso. Vamos caçá-los e vamos fazê-los pagar por isso“. O Estado Islâmico (EI) assumiu a responsabilidade pelos ataques perto do aeroporto de Cabul por meio da conta do grupo no Telegram, relatam as agências Reuters e AFP. Em um comunicado divulgado por sua agência de propaganda Amaq, o EI manifesta orgulho por que um de seus combatentes “conseguiu ativar seu cinturão de explosivos” perto de um grupo de colaboradores norte-americanos. O porta-voz do Talibã, Suhail Shaheen, disse nesta quinta-feira que o grupo condena “veementemente” as duas explosões que ocorreram perto do campo de aviação na capital afegã e que causaram pelo menos 13 mortes, incluindo menores, e mais de 60 feridos. Alguns meios de comunicação, como o Wall Street Journal e a BBC, estimam os números em 140 feridos e mais de 60 afegãos mortos. O general William “Hank” Taylor, do Exército dos Estados Unidos, confirmou que 12 militares norte-americanos morreram e 15 ficaram feridos durante uma entrevista coletiva oferecida pelo Pentágono, onde advertiu que os Estados Unidos retaliarão se houver mais ataques. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, reiterou o pedido da União Europeia (UE) para garantir vias de acesso seguras ao aeródromo. Pelo menos seis países europeus —Polônia, Hungria, Holanda, Dinamarca, Alemanha e Bélgica— já haviam encerrado a evacuação de pessoas do Afeganistão, devido ao agravamento da situação de segurança e à ameaça de um ataque suicida. A Espanha planeja concluir a missão de evacuação nesta sexta-feira.

  • Arquivos