ago
18
Postado em 18-08-2021
Arquivado em (Artigos) por vitor em 18-08-2021 00:20

JORNAL DO BRASIL

Famílias que tentam fugir do país no aeroporto devem voltar para casa e nada acontecerá com elas, dizem líderes do grupo em entrevista coletiva

Foto: Hoshang Hashimi/AFP
Credit…Foto: Hoshang Hashimi/AFP

Por JORNAL DO BRASIL

O Taleban afegão disse nesta terça-feira (17) que quer relações pacíficas com outros países e respeita os direitos das mulheres dentro da estrutura da lei islâmica, na primeira coletiva de imprensa oficial desde a tomada de choque de Cabul.

Os anúncios do Taleban, com poucos detalhes, mas sugerindo uma linha mais branda do que durante seu governo há 20 anos, vieram enquanto os Estados Unidos e aliados ocidentais evacuavam diplomatas e civis no dia seguinte às cenas de caos no aeroporto de Cabul enquanto afegãos lotavam o campo de aviação.

Enquanto correm para a evacuação, potências estrangeiras estão avaliando como responder à mudança na situação no terreno depois que as forças afegãs derreteram em apenas alguns dias, com o que muitos previram como o provável desmoronamento rápido dos direitos das mulheres.

Durante seu governo de 1996-2001, também guiado pela lei islâmica, ou sharia, o Talibã impediu as mulheres de trabalhar e aplicou punições, incluindo apedrejamento público. As meninas não podiam ir à escola e as mulheres tinham que usar burcas que cobriam tudo para sair.

“Não queremos nenhum inimigo interno ou externo”, disse o principal porta-voz do movimento, Zabihullah Mujahid.

As mulheres terão permissão para trabalhar e estudar e “serão muito ativas na sociedade, mas dentro da estrutura do Islã”, acrescentou.

Mujahid disse que o Taleban não buscará retaliação contra ex-soldados e membros do governo apoiado pelo Ocidente, acrescentando que o movimento está concedendo anistia para ex-soldados do governo afegão, bem como contratados e tradutores que trabalharam para as forças internacionais.

“Ninguém vai machucar vocês, ninguém vai bater em suas portas”, disse ele, acrescentando que havia uma “enorme diferença” entre o Taleban agora e 20 anos atrás.

Ele disse que a mídia privada pode continuar a ser livre e independente no Afeganistão e que o Taleban está comprometido com a mídia dentro de sua estrutura cultural.

Ele também disse que as famílias que tentam fugir do país no aeroporto devem voltar para casa e nada acontecerá com elas.

RESISTÊNCIA

O tom conciliador de Mujahid contrastou fortemente com os comentários do primeiro vice-presidente afegão Amrullah Saleh, que se declarou o “legítimo presidente interino” e jurou que não se curvaria aos novos governantes de Cabul.

Apesar de seus comentários francos, não ficou imediatamente claro quanto apoio Saleh desfruta em um país fatigado por décadas de conflito.

O Secretário-Geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que o Taleban deveria permitir que todos aqueles que desejassem deixar o país partissem, acrescentando que o objetivo da organização é ajudar a construir um Estado viável no Afeganistão.

A aliança também disse que o Taleban não deve permitir que o Afeganistão volte a ser um terreno fértil para o terrorismo, alertando que, mesmo após sua retirada, manteve o poder militar para atacar qualquer grupo terrorista à distância.

 Sob um pacto de retirada das tropas dos EUA firmado no ano passado, o Taleban concordou em não atacar as forças estrangeiras quando elas partissem.

A decisão do presidente dos EUA, Joe Biden, um democrata, de seguir o acordo firmado por seu antecessor republicano Donald Trump gerou críticas generalizadas em casa e entre os aliados dos EUA.

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, disse que “as imagens de desespero no aeroporto de Cabul envergonham o Ocidente político”, referindo-se às cenas caóticas nessa segunda-feira, quando milhares de afegãos desesperados para fugir invadiram a pista do aeroporto de Cabul.

RETOMAR VÔOS

As forças dos EUA tomaram conta do aeroporto – sua única maneira de voar para fora do Afeganistão – no domingo, quando os militantes terminaram uma semana de avanços rápidos assumindo Cabul sem lutar.

 

Os voos militares dos EUA que evacuam diplomatas e civis do Afeganistão foram reiniciados na terça-feira, um dia depois de terem sido suspensos devido ao caos no campo de aviação.

As tropas dos EUA dispararam tiros de advertência para dispersar as multidões e as pessoas se agarraram a um avião de transporte militar dos EUA enquanto ele taxiava para decolar.

Cerca de uma dúzia de voos partiu nesta terça-feira, embora a ministra da Defesa francesa, Florence Parly, tenha dito que os bloqueios de estradas do Taleban no aeroporto estavam tornando o acesso extremamente difícil.

Biden disse que precisa decidir entre pedir às forças dos EUA que lutem indefinidamente ou cumprir um acordo de retirada negociado por seu antecessor, o republicano Donald Trump.

“Eu apoio totalmente minha decisão”, disse Biden. “Depois de 20 anos, aprendi da maneira mais difícil que nunca era um bom momento para retirar as forças dos EUA.”

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos