Santa Dulce dos Pobres | Cronicas Macaenses
José Américo Moreira da Silva - Diretor - Rosa dos Ventos Comunicação | LinkedIn

ARTIGO

 
Deus é brasileiro, mas nunca votou aqui
 
Zé Américo Silva
 
Pelo que me consta, Deus nunca votou aqui, apesar de todos nós sabermos que ele é brasileiro. E como baiano, tenho certeza que nasceu em São Salvador da Bahia. Afinal, nenhum lugar no mundo tem 365 igrejas, uma para cada dia do ano. Portanto não é por acaso que Deus resolveu nascer lá. Teve o mínimo de critério na escolha.
 
Mas, nem a nossa Santa Irmã Dulce, pessoa da intimidade divina, jamais o acompanhou a alguma sessão de votação, nem no primeiro, nem segundo turno. Se tivesse ido, todos nós saberíamos e ia ter foto e tudo no livro de Valber Carvalho. Daí fica fácil concluir que Deus pode até torcer para um ou outro candidato, mas nunca falou isso pra senhor ninguém. Ele não gosta de se meter em política. É fato.
 
Tanto que já mandou vários recados: “Não misturem Política e Religião”. Toda vez que rola essa mistura da confusão. Isso também é fato, mais que comprovado.
Se ele não vota e nem se mete nessa história, por que ele iria permitir que Bolsonaro andasse com seu nome na boca e dizendo nas suas motociatas e outras reuniões onde faz campanha antecipada, que só Deus tira ele da presidência?
Não foi Deus que botou ele lá, portanto não vai se meter para mantê-lo ou tirá-lo do Palácio do Planalto.
 
Por tudo isso, recomendo que #JairBolsonaro para de meter Deus no meio das suas confusões.
Cuide da sua vida, do seu exército, da sua polícia federal, mas não misture Deus com política.
E saiba mais, se você continuar dando bicuda na Constituição, é ela que vai lhe tirar da presidência e Deus não vai se meter nesse furdunço pra te ajudar.
Quem avisa seu amigo é!
Joãozinho Naturá
 
 
 
 

7 comentários

 

 

“Coqueiro de Itapuã”, MPB4: O lendário MPB4, na vitrola do BP, em “Coqueiro de Itapuã”, composição dele, Seo Dorival, para homenagear Magro, que, agora, canta no Céu!

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)

No dia da votação da PEC do voto impresso no plenário da Câmara dos Deputados, o presidente vai receber convite para operação da Marinha
Bolsonaro participará de desfile com tanques de guerra amanhã
Foto: Anderson Riedel/PR
Hoje (10), dia em que acontece a votação da PEC do voto impresso no plenário da Câmara, um comboio de blindados da Marinha desfilará na Esplanada dos Ministérios. O desfile ocorrerá por ordem de Jair Bolsonaro.

O comandante do comboio vai descer de um dos veículos e entregar ao presidente um convite para presenciar o maior treinamento militar da Marinha em Goiás, a Operação Formosa, realizada desde 1988.

O treinamento está marcado para a semana que vem. Contará com veículos anfíbios, aeronaves, carros de combate, veículos de artilharia, lançadores de foguetes e a participação de 2.500 militares.

Jair Bolsonaro, que admitiu hoje que a PEC do voto impresso não deve ser aprovada, vai poder brincar de golpe.

ago
10
Posted on 10-08-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 10-08-2021



 

Amarildo, NA

 

ago
10

e

DO CORREIO BRAZILIENSE

Os cientistas afirmam que a mudança climática provocará episódios de seca ainda mais extremos e frequentes, colocando cada vez mais em perigo a segurança alimentar

AF
Agência France-Presse

 (crédito: Robyn Beck / AFP)

(crédito: Robyn Beck / AFP)

A busca de água se tornou uma obsessão nos vales agrícolas do centro da Califórnia, região que sofre uma seca que pode ameaçar o abastecimento de alimentos dos Estados Unidos.

Os moradores observam consternados como os campos verdes se transformaram em planícies marrons e poeirentas, com árvores mortas, plantas murchas e agricultores desesperados.

Em grande parte da Califórnia, e de toda região oeste dos Estados Unidos, as chuvas registram queda há vários anos e o último inverno foi especialmente seco.

As autoridades estaduais e locais, que temem a falta de água para os moradores das cidades e para a fauna, cortaram abruptamente o fornecimento das fazendas, o que gerou indignação entre os agricultores.

Ao longo das estradas, entre as principais unidades agrícolas, outdoors exibem as frases “Economize a água da Califórnia”. A mensagem acusa as autoridades de “despejar… nossa água no oceano”.

Na Califórnia, que representa 13% da produção agrícola dos Estados Unidos, os fazendeiros reclamam que o governador do estado, o democrata Gavin Newsom, está asfixiando o setor com as restrições, que deixariam os agricultores sem recursos para abastecer os supermercados do país.

“Vamos morrer de fome” 

“Na semana passada secaram dois poços”, afirmou à AFP Nick Foglio, de 28 anos, fazendeiro de quarta geração.

Ele afirma que tem “2.000 acres (800 hectares) de alfalfa que estão secando”.

De pé em um campo seco próximo de Fresno, ele afirma que está preocupado com “a agenda política equivocada, simplesmente vamos morrer de fome e provavelmente o resto do mundo”.

As autoridades californianas não parecem ouvir a mensagem. Na semana passada aprovaram uma nova lei de emergência para impedir que milhares de pessoas – sobretudo agricultores – desviem o fluxo de córregos e rios.

“Em um ano em que a mãe natureza não provoca chuvas, não há água para eles”, disse Jeanine Jones, secretária do Departamento de Recursos Hídricos da Califórnia.

Uma situação “terrível”

Quando as autoridades cortam o abastecimento de água, os agricultores são obrigados a depender dos poços, cavados a centenas de metros de profundidade, mas que têm custo de milhares de dólares.

Mas até estes poços secam. “A situação é bastante terrível, disse Liset García, que dependia da água de um poço para regar metade de sua granja de oito hectares. E agora tudo está seco.

García aguarda há semanas que uma empresa de perfuração de poços, um serviço saturado pela alta demanda, compareça a sua fazenda para tentar encontrar água nas profundidades do solo.

Sentada em sua banca de verduras, perto da cidade de Reedley, esta agricultora de 30 anos atende os clientes com um entusiasmo que nada tem a ver com os estragos em suas terras.

O calor destruiu vários de seus cultivos, que “literalmente cozinharam sob o sol”.

“Tem muita folhagem que já está queimada, assim como fruta que não atingem o tamanho, que não adquirem a suculência e doçura”, explica.

“É quase um luxo inclusive ter comida”, afirma, com uma careta. “Parece loucura para você?”.

Os cientistas afirmam que a mudança climática provocará episódios de seca ainda mais extremos e frequentes, colocando cada vez mais em perigo a segurança alimentar.

Produzir alimentos nos Estados Unidos nestas condições será um desafio. Mas a região pode ter encontrado um salvador.

Nas terras sem cultivos, os painéis solares oferecem uma nova oportunidade de negócio e a promessa de um certo alívio para uma região que sofre com o aquecimento global.

  • Arquivos