Arthur Lira nega ameaça de ministro Braga Netto sobre voto impresso: 'mentira' - PontoPoder - Diário do Nordeste

Braga Neto e Lira: ameaças às eleições sem voto impresso.

ARTIGO DA SEMANA

Dória e Aécio brigam, Leite afaga ACM Neto (Braga ameaça)

­Vitor Hugo Soares

A política nacional segue seu curso em tempo sombrio de pandemia. Enquanto o ministro da Defesa, general Braga Neto, tenta solapar os alicerces democráticos, com ameaças levadas vias travessas ao presidente da Câmara, Artur Lira, de que “sem o voto impresso não haverá eleições em 2022 no Brasil”. O jornal Estado de S. Paulo cumpre o seu papel de informar a sociedade sobre a trama armada nos desvãos do Planalto, de fundar, em pleno século XXI, uma nova “República das Bananas” às margens do Lago Paranoá, quando mal começa o recesso no Legislativo e Judiciário.  

E segue o corso: entre tapas verbais do governador de São Paulo, João Dória e o deputado Aécio Neves, em contraste com afagos virtuais e presenciais do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), no primo partidário, ACM Neto, presidente nacional do DEM, ex-prefeito de Salvador e postulante já em campanha ao governo da Bahia. Assim os tucanos tentam abrir caminho para emplacar o nome de um candidato – na terceira via, entre Lula e Bolsonaro – ao comando da República nas eleições do ano que vem.

Estes fatos esquentaram, a ponto de causar incêndios, o que se previa frio ou morno mês de julho. O atropelo de Braga Neto queima como batata quente em Brasília. As desavenças de Dória e Aécio, somadas à viagem de Leite ao Nordeste, animaram o circuito São Paulo, Belo Horizonte, Porto alegre e Salvador.
Diga-se a bem dos fatos: desde o surgimento do nome de  Dória como postulante do PSDB, o deputado mineiro tornou-se incômoda pedra no sapato do governador paulista, com críticas ácidas e insinuações laterais à “pouca experiência” e, principalmente, aos laços que vincularam Doria ao então candidato Jair Bolsonaro, para vencer as eleições paulistas.
No chumbo grosso trocado, o governador acusa o parlamentar   “de gostar mesmo é de fazer conchavos com o Centrão para prejudicar o Brasil”. Neves deu troco ferino: afirmou que Dória nunca foi de fato do PSDB e “apenas usou o partido para seus projetos pessoais, como quer fazer mais uma vez”, referindo-se à possível candidatura do paulista à presidência da República, “além de humilhar o ex-governador Geraldo Alckmin”. O lance mais drástico, porém, veio de Dória: pediu a expulsão do neto de Tancredo do PSDB. Xeque.

Agora um olhar sobre a Bahia onde, semana passada, desembarcou o tucano Eduardo Leite. Motivo da viagem: uma conversa com o neto de ACM. O encontro se deu num jantar, sexta-feira, 16, no histórico Corredor da Vitória, no cinematográfico apartamento do empresário João Gualberto, ex- prefeito de Mata de São João. Participaram também o atual prefeito de Salvador, Bruno Reis e o deputado federal Adolfo Viana (PSDB). O governador gaúcho deu ainda longa entrevista, na Radio Metrópole, ao apresentador e ex-prefeito Mario Kértez. Ficou a impressão de que Leite aposta em seu estilo conciliador, seu êxito como gestor e sua juventude para ser o nome do PSDB para disputar a Presidência da República. Via redes sociais, ACM Neto falou do seu “prazer ao receber um dos grandes nomes da nova geração de políticos do Brasil. Fico muito esperançoso no futuro, por ver que a nossa geração tem bons exemplos de integridade, liderança e gestão pública. Com diálogo podemos construir um caminho”… Precisa desenhar? Tudo bem diferente das bravatas de Braga Neto e das arrelias Dória x Aécio. O resto a conferir.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitors.h@uol.com.br­­­

“Canção da América”, Milton Nascimento: um hino a amizade, na impressionante interpretação do grande artista mineira, na despedida do doutor José Santos Pereira, que parte deixando muita saudade na Bahia que ele amou e honrou como filho, médico, professor e amigo.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

jul
24
Posted on 24-07-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 24-07-2021
Levantamento de consultoria mostra que nomes como Eduardo Leite, João Doria e Ciro Gomes têm picos de interesse na internet e depois caem; mobilização em torno de Bolsonaro e Lula é maior
“Popularidade digital expõe dificuldade de candidatos da terceira via
Foto: Itamar Aguiar/Palácio Piratini

Acompanhamento da consultoria Quaest sobre a “popularidade digital” de políticos brasileiros, em plataformas como Twitter, Facebook, Instagram e YouTube, mostra a dificuldade dos candidatos da terceira via para se manterem populares na internet, relata Duda Teixeira na Crusoé.

“Quando começou a vacinação, o João Doria atingiu um pico, depois caiu. Eduardo Leite ganhou projeção com sua entrevista em que se assumiu gay, mas sua popularidade voltou ao mesmo nível depois. Ciro Gomes cresceu depois de falar em religião, depois diminuiu”, diz Felipe Nunes, professor da UFMG e diretor da consultoria.

 Segundo Nunes, Jair Bolsonaro e Lula continuam sendo os personagens capazes de mobilizar mais gente no mundo digital, mas a popularidade dos dois também tem oscilado.

jul
24
Posted on 24-07-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 24-07-2021



 

Amarildo, NA

 

jul
24
Posted on 24-07-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 24-07-2021

o

do correio braziliense

Deputada está com diversos traumas pelo corpo e cinco fraturas na face e uma na coluna, mas diz não saber como se machucou

AF
Augusto Fernandes
 

 (crédito: Reprodução/Redes sociais)

(crédito: Reprodução/Redes sociais)

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) descartou a possibilidade de que o marido dela, Daniel França, tenha sido o responsável pelas agressões que a parlamentar diz ter sofrido na madrugada de domingo (18/7) e que a deixaram com traumas em diferentes partes do corpo, além de cinco fraturas na face e uma na coluna.

A congressista criticou quem está acusando o marido dela de violência doméstica e disse que ele nunca seria capaz de uma atitude dessas. “O que foi feito aqui foi coisa de profissionais, não de amadores. Eu não tenho o perfil mocinha indefesa que sofre violência doméstica. Eu enfrentaria e denunciaria. Ademais, é fácil eu dar uma sova nele caso tentasse algo”, garantiu Hasselmann, em uma publicação nas redes sociais.

A parlamentar ainda disse que “esse tipo de ilação só ajuda os criminosos” e afirmou que seria a primeira a denunciar se fosse vítima de algum episódio de violência doméstica. “Que irresponsabilidade. Uma ilação dessas é criminosa. Não sou mulher de malandro e seria a primeira a denunciar qualquer agressão, seja de marido, irmão, pai ou quem quer que seja”, escreveu.

Além de isentar o marido de qualquer culpa, Hasselmann destacou que foi ele quem a salvou. “Meu marido, médico, foi quem me socorreu. Se estou viva e não afogada numa poça de sangue é por ele. Não vou permitir injustiças e calúnias em cima de gente decente, honesta, nobre. Em cima de um homem que daria a vida por mim. Isso é pura canalhice especulatória.”

  • Arquivos