Blues Walk”, Os Bossa Três: Estamos aì, em todas estações, pensando positivo! Os bons são maioria! Acredite! Bom Domingo!

(Gilson Nogueira)

jun
27
Posted on 27-06-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 27-06-2021
Crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press.

A segurança com que o técnico do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda se apresentou à CPI da Covid deixou o governo muito preocupado com os possíveis desdobramentos. Até aqui, acredita-se que o presidente Jair Bolsonaro está protegido por ter dito que, em março, avisou ao então ministro Eduardo Pazuello sobre as suspeitas de irregularidades no contrato bilionário para a compra da Covaxin. Mas só isso não resolve, em se tratando de alguém que, como Bolsonaro, afirma dia e noite não tolerar corrupção e negócios suspeitos, tampouco evita um desgaste para o governo como um todo. Ainda mais quando o deputado Luis Miranda informa que teria avisado, inclusive, ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A principal ponta solta dessa história, avaliam os senadores, é a pressão de um parlamentar, (no final da CPI, revelado o nome, o líder do governo, Ricardo Barros), para desembaraçar o pagamento e a importação da Covaxin, um contrato de R$ 1,6 bilhão de uma vacina que não havia sequer concluído a fase três de testes. Essa novela ainda terá muito enredo nos próximos dias.

O autor da emenda

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR), ex-ministro da Saúde, terá um convite para comparecer à CPI apresentado em breve. Isso porque é autor da emenda que queria colocar, além da Anvisa, a indiana Central Drugs Standard Control Organization para autorizar a importação e distribuição de vacinas. Esse será o principal motivo.

E o Luís Miranda, hein?

O deputado pelo DEM-DF concluiu que não tem mais nada a perder, uma vez que rompeu suas pontes com o governo e também não é aceito nos partidos de esquerda. Nesse sentido, parte agora para uma missão na base do tudo ou nada. Vai centrar seu discurso na luta contra a reforma administrativa e, conforme o leitor da coluna já sabe, sonha com o
Senado em 2022.

Dá com uma das mãos…

Levada ao Congresso por três ministros de Estado, a proposta de aumento da faixa de isenção do imposto de renda é parte do pacote do governo para tentar recuperar a popularidade perdida. A avaliação do mercado de capitais é a de que o governo pensou apenas no curto prazo, o que pode funcionar no imediatismo, mas trazer problemas para o futuro.

… tira com a outra

O texto apresentado traz mudanças profundas, complexas e estruturais, com riscos de aumento na carga tributária, fuga de investidores e aumento do custo das empresas. Não por acaso, a Bolsa despencou. E, nesse cenário, se a reforma acabar mesmo com o estímulo às empresas, a resultante será menos empregos e investimentos. Ou seja: ao mesmo tempo em que alivia um lado, ampliando o volume de isenção, o governo aperta no setor de empregos, um dos gargalos para destravar o desenvolvimento no país.

E pode piorar

A ideia fechada entre os ministros e o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), é levar o texto direto para o plenário, sem comissão especial. Em se tratando de impostos, a pressa, invariavelmente, é inimiga da perfeição.

Lula no aquecimento/ Embora diga que ainda não decidiu se será candidato, a entrevista do ex-presidente Lula ao jornalista Paulo Moreira Leite elenca um programa de governo que inclui, até mesmo, a criação de uma moeda dos BRICS para negociações entre os países do bloco — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

De olho/ Autor de dois pedidos de impeachment contra o agora ex-ministro Ricardo Salles, o deputado federal Celio Studart (PV-CE) deixa um recado para o novo gestor da pasta: “Vamos continuar passando o pente fino em todas as ações do Ministério do Meio Ambiente. O novo ministro não vai passar a boiada”.

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”/ Luís Miranda tentou faturar com a chegada da vacina da Janssen ao Brasil. Logo cedo, postou em suas redes que seu irmão, Luís Ricardo, foi buscar a vacina. E, de quebra, ainda mencionou João 8:32, sempre citado por Bolsonaro.

510 mil mortes…/ Em seis dias, foram 10 mil. Nesse ritmo, a previsão do cientista Miguel Nicolelis de que, em setembro, vamos ultrapassar os Estados Unidos nessa tragédia, ocorrerá antes do prazo que ele calculou. O pesadelo não terminou. Por isso, cuide-se.

jun
27
Posted on 27-06-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 27-06-2021

DO CORREIO BRAZILIENSE

Antes da psico-oncologista Cristiane Bergerot, 39 anos, apenas um brasileiro havia sido agraciado, entre 23 vencedores de 2018 a 2021

MR
Mariane Rodrigues
 

Trabalho premiado da psico-oncologista Cristiane Bergerot aborda avaliação oncogeriátrica via telessaúde - (crédito: Minervino Junior/CB/D.A Press )

Trabalho premiado da psico-oncologista Cristiane Bergerot aborda avaliação oncogeriátrica via telessaúde – (crédito: Minervino Junior/CB/D.A Press )

Uma psicóloga brasiliense tornou-se destaque internacional ao vencer um prêmio considerado o Oscar da oncologia mundial. A psico-oncologista Cristiane Bergerot, 39 anos, do Centro de Câncer de Brasília (Cettro), foi agraciada com o Global Oncology Young Investigator Awards 2021, oferecido pela Conquer Cancer Foundation. A premiação foi feita em um dos maiores congressos mundiais sobre oncologia, o Asco Annual Meeting 2021, que aconteceu no início deste mês, entre os dias 4 a 8.

De 2018 a 2021, 23 pesquisadores receberam o prêmio, sendo apenas dois brasileiros. Além de Cristiane, Pedro Isaacsson, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, foi agraciado em 2019, com uma pesquisa sobre câncer de próstata. Cristiane destaca que a concorrência é grande e que foi a primeira vez que ela se inscreveu no prêmio. “Não estive sozinha. Tenho o apoio do meu coinvestigador principal (Paulo Bergerot) e dos meus mentores, os doutores William Dale (City of Hope, EUA), Enrique Soto (Instituto Nacional de Ciencias Medicas y Nutricion Salvador Zubiran, México) e João Nunes (Cettro)”, reitera, em forma de agradecimento.

A área de Cristiane, a psico-oncologia, tem como principal objetivo tratar dos aspectos emocionais dos pacientes com câncer para reduzir o sofrimento durante o processo do adoecimento. O trabalho apresentado por ela foi uma análise de um programa de avaliação geriátrica, por meio de um sistema de telemedicina, em pacientes idosos que começaram tratamento quimioterápico contra o câncer.

Como prêmio do Asco Annual Meeting 2021, a psicóloga ganhou U$ 50 mil, quantia que patrocinará o estudo com duração de aproximadamente um ano. “Recebemos o grant (premiação) agora. Obtivemos a autorização do comitê de ética para realização do estudo na semana passada. Estamos iniciando a coleta de dados”, comenta Cristiane.

De acordo com os estudos de Cristiane, o número de pessoas com idade igual ou superior a 65 anos crescerá, mundialmente, de 703 milhões, em 2019, para 1,5 bilhão, em 2050. Essa população representa um grande desafio global na assistência oncológica (mais de 60% de todos os adultos diagnosticados com câncer têm idade igual ou superior a 60 anos).

O estudo

Cristiane destaca que existem diversos estudos que demonstram o benefício da avaliação oncogeriátrica para direcionamento do tratamento oncológico. O estudo premiado de Cristiane tem por objetivo avaliar a viabilidade de um programa de avaliação oncogeriátrica via telessaúde, que segue as diretrizes propostas pela Asco, em pacientes com câncer, com idade igual ou superior a 65 anos, em início de tratamento quimioterápico. “Um planejamento terapêutico será proposto e discutido com o médico assistente e o paciente. Três meses após o início do tratamento, reavaliaremos esses pacientes”, explica a premiada. O estudo será feito com 61 pacientes.

A professora Edvane Birelo Lopes, 53 anos, supervisionou Cristiane no seu pós-doutoramento no Programa de Pós -graduação em Ciências da Saúde, da Unifesp, e também trabalhou lado a lado na assistência de pacientes e familiares e ensino de residentes em oncologia.

“A doutora Cristiane Decat Bergerot trilha uma trajetória brilhante como pesquisadora na área da oncologia, e foi muito merecido receber o Global Oncology Young Investigator Awards 2021, na Asco. Eu tive o privilégio de ver as pesquisas conduzidas pela doutora. Elas trazem repercussões importantes para as boas práticas assistenciais em oncologia no Brasil, como demonstra o estudo com a população geriátrica em tratamento antineoplásico. Esperamos que ela continue a inovar e retroalimentar as evidências científicas na oncologia, contribuindo para a excelência da assistência e visibilidade internacional de nosso país”, comenta a professora.

O coordenador do serviço de oncologia do Cettro, Murilo Buso, 52 anos, conta que conheceu Cristiane quando ela ainda era estagiária em psicologia assistencial, “Doutora Cristiane começou a trabalhar conosco como estagiária, e ali a gente já percebia uma pessoa com um perfil muito peculiar. Focava em objetivos e resultados, uma pessoa extremamente resiliente e bastante dedicada”, relata Buso.

Outros prêmios

A brasiliense voltou de Los Angeles (EUA) em maio de 2020 para assumir o serviço de psico-onco e integrar a equipe do Cettro. Desde então, a doutora tem se destacado na área. “Esse é o segundo grant internacional que recebo, em menos de um ano, desde meu retorno ao Brasil”, declara.

No início deste ano, a psico-oncologista foi premiada por uma pesquisa que avalia o uso de um aplicativo baseado na intervenção mindfulness para pacientes com câncer renal metastático no Brasil. O valor de subsídio foi de U$ 125 mil, oferecido pela Kure It Cancer Research. Para Cristiane, são várias as evidências de que a intervenção via internet reduz sintomas de depressão e ansiedade, além de melhorar efeitos colaterais do tratamento e sintomas da doença, como dor e fadiga, por exemplo

jun
27
Posted on 27-06-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 27-06-2021



 

Cellus, no portal de humor

 

Por Luiza Tenente, G1

VÍDEO: Jogador do Palmeiras faz sucesso ao postar comentários sobre os livros que lê

VÍDEO: Jogador do Palmeiras faz sucesso ao postar comentários sobre os livros que lê

O meia Gustavo Scarpa, do Palmeiras, entrou em campo naquele 9 de maio com uma baita pressão: precisava fazer, de qualquer jeito, um gol contra a Ponte Preta. A classificação para as quartas de final do Campeonato Paulista estava em jogo? Sim, também. Mas o desempenho do jovem na partida valia ainda outro prêmio: um livro (era mais uma aposta com Pedro Jatene, ex-preparador técnico do clube).

Se o jogador fizesse a rede balançar — ou ao menos desse uma assistência — , ganharia essa recompensa. Caso decepcionasse, perderia a própria camisa.

Parece que a técnica deu certo como tática motivacional (alô, coaches): Scarpa fez um gol e deu o passe para outros dois. Palmeiras, 3; Ponte, 0.

“Já estou tirando os troféus da estante para abrir espaço para mais livros, né? Vou achar outro lugar para colocar os prêmios”, diz.

Essa devoção à literatura não é “caça-like” de rede social, não. O palmeirense vai além de só postar foto das capas no story do Instagram: como bom jogador, curte uma resenha.

Scarpa posta resenhas de livros nas redes sociais — Foto: Reprodução/Instagram

Scarpa posta resenhas de livros nas redes sociais — Foto: Reprodução/Instagram

“A metamorfose” é “maneiro; [tem o] moleque inseto” (em uma precisa definição do personagem de Franz Kafka). “A revolução dos bichos”, de George Orwell, é “uma sátira interessante kkkk, outra época e pá”.

E, para citar um exemplo de literatura russa, porque não há fronteiras na biblioteca de Scarpa: “Uma Confissão”, de Liev Tolstói, “é um pouco pesado, mas depois fica bem daora”.

Post de Scarpa sobre 'A Metaformose' — Foto: Reprodução/Instagram

Post de Scarpa sobre ‘A Metaformose’ — Foto: Reprodução/Instagram

São mais de 90 comentários sobre obras contemporâneas, clássicas, religiosas…

“Falei: vou postar, vai que o pessoal se interesse, que eu ajude alguém a ter vontade de ler. Aí, a repercussão foi muito boa, muitas pessoas gostaram, e continuei”, conta.

De fato, são análises literárias de sucesso — viralizaram nas redes sociais nesta semana.

Gustavo Scarpa é boleiro e leitor — Foto: Divulgação/Palmeiras

Gustavo Scarpa é boleiro e leitor — Foto: Divulgação/Palmeiras

Para começar, Bíblia e Steve Jobs

Scarpa leu seu primeiro livro na sétima série (ou oitavo ano, na nomenclatura atual): “Tonico e Carniça”, do brasileiro José Rezende Filho.

Mas o apreço maior pelas letras veio com a Bíblia, em 2009, quando o jovem começou a frequentar a igreja. “Passei a ler com mais frequência a partir dela”, diz.

Dez anos depois, o espectro de interesses aumentou. “Minha tia me deu a biografia do Steve Jobs [empresário e fundador da Apple], aí curti para caramba e comecei a querer conhecer outras coisas.”

Por “outras coisas”, entenda: Albert Camus, Thomas More, Maquiavel, Lewis Carroll, C. S. Lewis, Harper Lee e Gabriel García Márquez, por exemplo.

A lista é extensa. Mas, se for para escalar o camisa 10 da estante, Scarpa nem hesita: Fiódor Dostoiévski. Dois lances do russo conquistaram o coração do jovem leitor: “Crime e castigo” e “Os irmãos Karamásov”.

“São livros grandes, mas histórias muito legais, que passam rápido. Quando vi, já tinha lido um tantão!”, conta.

Post sobre "Crime e Castigo" — Foto: Reprodução/Instagram

Post sobre “Crime e Castigo” — Foto: Reprodução/Instagram

E dá tempo de ler tanto?

Pode ser no vestiário (a área da banheira de gelo é uma ótima dica de espaço silencioso, garante Scarpa), no hotel, nas viagens…

“Eu tenho o hábito de ler independente do lugar ou do momento [do time]. Se ganhou ou perdeu, não dá para se basear nisso, né? Questão é chegar em campo e dar o seu melhor. Depois, a vida precisa seguir”, diz.

Antes, o atleta não lidava bem com as derrotas: não lia, não ouvia mais música, só “ficava fuçando notícia e vendo comentário” nas redes sociais. “Mas isso não me fez e não me faz bem. Os livros me ajudaram bastante.”

Churrascão rendeu

Scarpa guarda os livros em duas estantes de seu quarto, em Hortolândia, no interior de São Paulo: em uma, os que já foram lidos; em outra, os próximos da lista (como “Orgulho e Preconceito”, “Divina Comédia” e “Guerra e Paz”).

Nem todos são comprados pelo próprio Scarpa. O churrasco de aniversário de 2020 (em janeiro, antes da pandemia) rendeu vários exemplares novos, por exemplo.

“Veio uma pá de gente, aí mandei mensagem falando que o presente era livro. Ganhei um monte”, diz.

Por enquanto, nenhum gerou mais polêmica que “Dom Casmurro”. O comentário “traiu! kkk”, sobre a personagem Capitu, acirrou os ânimos dos seguidores do atleta:

“O pessoal é meio sem noção na internet, já começou a achar que tenho um candidato [político] porque falei isso. Mas foi de boa. Mantenho meu posicionamento: traiu.”

‘Prazeroso e edificante’

O jogador faz um convite (sem clubismo, vale para todo torcedor):

“Quem não tem o hábito de ler precisa entrar nessa, porque é muito saudável. Sei que a tecnologia dá muita opção de jogo para a galera se divertir, mas se a pessoa tiver consciência e otimizar seu tempo, pode ler um pouquinho por dia”, afirma.

“No começo, é forçado; depois, fica prazeroso e edificante.”

O incentivo é convincente, mas não ouse pedir algum exemplar emprestado para Scarpa.

“Eu falo que ‘poxa, não dá’. Aí compro e dou de presente. Preciso cuidar dos meus livros.”

  • Arquivos