jun
08

Ex-ministro também disse que passou a ser alvo do grupo após deixar o governo e u investigação sobre participação de servidores
Moro diz que ministros comentavam sobre envolvimento de Carluxo no gabinete do ódio
Foto: Adriano Machado/Crusoé

Em depoimento à Polícia Federal no âmbito do inquérito sobre a organização de atos antidemocráticos, Sergio Moro afirmou que “havia comentários correntes de pessoas de dentro do governo da existência do denominado ‘gabinete do ódio’”.

Ainda segundo Moro, Carlos Bolsonaro e Tercio Arnaud, assessor de Jair Bolsonaro, “eram normalmente relacionados ao gabinete do ódio”, descrito pela PF como uma “estrutura montada com a finalidade de produzir e disseminar conteúdos por meio das redes sociais”.

O ex-ministro disse que os próprios ministros do governo, que atuavam dentro do Palácio do Planalto, comentavam sobre a participação dos dois no gabinete do ódio.

Nessa parte do depoimento, ele não citou quais ministros lhe disseram sobre a participação de Carlos e Tercio, mas em outra momento do interrogatório, disse que melhores esclarecimentos, sobre ataques nas redes a autoridades de outros poderes, poderiam ser obtidas, por exemplo, com o então secretário de Governo, Luiz Eduardo Ramos, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e o então secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten.

O depoimento foi realizado no em novembro do ano passado. Moro ainda disse que, após sua saída do governo, passou a ser alvo do grupo.

“Foi a Noite”, Tito Madi: um samba canção de Tom  Jobim na mais que perfeita interpretação à moda gaúcha de Tito Madi. Maravilha!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

jun
08
 
CB.Poder

ANA MARIA CAMPOS

Morreu hoje (07/06) um dos servidor da Câmara dos Deputados que faz parte da história da Casa: o ex-secretário-geral da Mesa Diretora Mozart Vianna. Os amigos da Câmara ainda estão atônitos, sem saber o que ocorreu. Ele não estava internado.

Mozart Vianna de Paiva começou a trabalhar na Câmara dos Deputados como datilógrafo, em 1975, aprovado em concurso público. Em 1984, assumiu o cargo de secretário da Comissão de Redação.

Ex-seminarista, formado em Letras pela Universidade de Brasília, Dr. Mozart, como era conhecido por todos os servidores e deputados, era espectador privilegiado do plenário da Câmara dos Deputados, onde são decididos os principais rumos do país.

Em todas as sessões, inclusive as mais importantes, estava na Mesa, com um documento e uma orientação para passar aos deputados. Era imprescindível em momentos de decisão para garantir que as coisas saíssem corretamente. Conhecia o Regimento da Câmara como ninguém.

 

Em 2011, Mozart se aposentou, mas voltou ao cargo em 2013. Em 2015, aos 62 anos, deixou a Casa.

 

Mozart começou a trabalhar na Secretaria-geral da Mesa em 1991, o posto de Secretário-Geral da Mesa, no qual permaneceu até a aposentadoria como servidor público em 10 de abril de 2000, e continuou sem interrupção como ocupante de cargo de natureza especial até 2011, retornando para um último período de 2013 a 2015.

 

Por sua experiência e conhecimento técnico, além do respeito dos deputados e colegas, Mozart trabalhou com presidentes de vários partidos, como Luís Eduardo Magalhães, Aécio Neves e Arlindo Chinaglia.

jun
08
Posted on 08-06-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 08-06-2021



 

 Sid, NO PORTAL DE HUMOR GRÁFICO

 

jun
08

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

Lorina Kamburova morreu por complicações causadas pela covid-19. A atriz também era cantora e estrelou outros filmes de terror

CB
Correio Braziliense
 

Lorina Kamburova em 'O massacre no Texas' - (crédito: Divulgação)

Lorina Kamburova em ‘O massacre no Texas’ – (crédito: Divulgação)

Conhecida por seu papel na franquia O massacre da serra elétrica, a búlgara Lorina Kamburova morreu, aos 29 anos, de infecção e inflamação nos pulmões causadas pelo coronavírus. A morte foi confirmada pelos jornais russos no último sábado (5/06).

Atriz desde 2011, Lorina ganhou destaque em 2017, quando ficou internacionalmente conhecida por participar de O massacre no Texas, da famosa franquia O massacre da serra elétrica. No longa, a atriz interpretava Betty, a filha do xerife que se tornaria a próxima vítima da família Sawyer.

Lorina também fez outros filmes de terror como Porta do inferno, Dia dos mortos e Doom: aniquilação. O último longa que a búlgara participou foi uma comédia russa, chamada Love and monsters, no qual era uma das protagonistas.

Além da sua carreira como atriz, Lorina era cantora e fazia parte da banda Ross’N Lorina. Em 2017 o grupo participou do evento The one at a sofar, em Sofia, na Bulgária.

  • Arquivos