Boulos: Não vamos esperar sentados até 2022, diz político em protesto
Guilherme Boulos, do MTST: o destaque do protesto na Paulista
contra Bolsonaro.

ARTIGO DA SEMANA

Boulos, a “saia” de Lula e o conselho de Mainardi

Vitor Hugo Soares

Antes de ter o pescoço ceifado e a cabeça entregue a prêmio (no melhor sentido da mitologia dos celtas) ao advogado Antonio Carlos (Kakay) e aos donos dos cordéis que movem o poder no judiciário nacional – no altar dos sacrifícios do programa Manhattan Conection, na TV Cultura –, o sempre polêmico jornalista Diogo Mainardi parece ter conseguido plantar a idéia que começa  germinar no discurso e ações de Guilherme Boulos, que obteve em São Paulo, os primeiros frutos no grande protesto contra o governo do presidente Jair Bolsonaro, o M29, que alcançou o País de ponta a ponta e teve seu momento apoteótico na Avenida Paulista. O fato sinaliza, para este jornalista, que Boulos decidiu testar pra valer a dica de Mainardi, oferecida na sua penúltima participação no programa ancorado por Lucas Mendes: “Você tem brilho próprio e é limpo. Saia debaixo da saia de Lula e seja você mesmo o candidato da esquerda em 2022″.

“É preciso contextualizar o fato jornalístico para mais fácil e necessário entendimento do leitor ou ouvinte”, recomendava o falecido editor nacional do Jornal do Brasil, Juarez Bahia, mestre de teoria e pratica da Comunicação de várias gerações de profissionais de imprensa do País. Sugestão essencial neste caso explosivo e delicado, principalmente quanto ao desfecho muitos decibéis acima do tom, do embate Mainardi x Kakay, que resultou na saída de Diogo, “para não sacrificar o futuro do Manhattan Connection”, como escreveu o jornalista em seu pedido de demissão, no qual agradece os companheiros de 17 anos de programa – Lucas, Caio, Pedro e Angélica – e renova o xingamento a Kakay. Pedro Andrade também saiu do programa solidário com o colega.

Na entrevista de Boulos, que dividiu o tempo de conversas com a atriz Cristiani Torloni, o clima também esquentou no terreiro do âncora mineiro, em NY. O hábil e inteligente presidente do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e dirigente nacional do PSOl deu respostas elegantes, democráticas e bem humoradas, às questões mais incendiárias e provocativas do antagonista entrevistador. Mainardi fez pesadas críticas ao ex-presidente Lula – que encabeça as pesquisas para enfrentar Bolsonaro nas eleições de 2022, pela “esquerda”– e sugeriu ao entrevistado “sair debaixo da saia de Lula” e buscar caminho próprio na disputa.

Mas Boulos, na hora, não engoliu a “isca” e desarmou o jornalista: “Você, Diogo, tem uma verdadeira obsessão pelo Lula. Cada frase, você fala cinco, seis vezes o nome dele”. A partir daí quebrou-se o gelo que parecia conduzir a conversa para um choque verbal violento (a exemplo do embate com o egocêntrico Kakay, na semana seguinte). 

E voltamos a Juarez Bahia, do começo deste artigo. Em seu referencial “Dicionário do Jornalismo Brasileiro” ele assinala que os padrões do noticiário privilegiam a entrevista, principalmente nos meios áudio-visuais, dando-lhe uma essencialidade na comunicação de massa. Mas alerta: “Os maiores riscos da entrevista estão na dissimulação e na fabulação. Como diz Edgar Morin, a entrevista se fundamenta na fonte mais rica e duvidosa: a palavra.” Na mosca! Vejam os efeitos da condutora e decisiva presença de Guilherme Boulos na organização e discursos, do protesto contra o governo do presidente Bolsonaro, na capital paulista e no resto do País, com repercussões políticas que embaralham o jogo nas esquerdas. A conferir.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta.E-mail: vitors.h@uol.com.br

“Señora”, Bienvenido Granda y La Sonora Matancera: a combinação mais que perfeita da era de ouro do bolero cubano: o imponente Granda e o conjunto musical de fama mundial formado em Matanzas, a amada cidade cubana de Célia Cruz e outros nomes notável da musica romântica da América Latina e Caribe. Vai dedicada a Volney, amigo do peito e da primeira hora do Bahia em Pauta. Ele conhece e admira como poucos a música do notável Bienvenido Granda. Viva!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

 

jun
05
DO SITE O ANTAGONISTA
Técnico da seleção brasileira sofreu ataques no Twitter por apenas dar a entender, sem confirmar explicitamente, que jogadores de times europeus podem não disputar a Copa América
Tite é alvo de bolsonaristas nas redes
Foto: Adriano Machado/Crusoé

Tite, o técnico da seleção brasileira, virou alvo dos bolsonaristas nas redes sociais por apenas dar a entender —sem confirmar explicitamente— que os jogadores “europeus” convocados podem não disputar a Copa América no Brasil.

No final da manhã, o treinador chegou ao topo do ranking de assuntos mais comentados no Twitter com a hashtag #foratite.

Depois de Colômbia e Argentina desistirem de realizar o torneio de seleções por causa da pandemia da Covid, Jair Bolsonaro acertou com a CBF que ele seria disputado no Brasil —hoje, o país deve superar as 470 mil mortes pela doença.

Ontem (quinta, dia 3), conforme publicamos, Tite deu uma entrevista coletiva na qual não confirmou o boicote ao torneio. “Temos uma posição, mas não vamos externar isso agora. Temos uma prioridade agora de jogar bem e ganhar o jogo contra o Equador [nesta sexta, 4]”, declarou o técnico.

jun
05
Posted on 05-06-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-06-2021



 

Adnael, NO PORTAL DE HUMOR

 

jun
05
Posted on 05-06-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-06-2021
 
AE
Agência Estado
 

 (crédito: Sergio Lima/AFP)

(crédito: Sergio Lima/AFP)
A CPI da Covid pretende convocar o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) para questioná-lo sobre o “gabinete paralelo”, afirmou o relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), em live do centro acadêmico da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
Segundo Renan, a presença do filho do presidente em uma reunião com a Pfizer sobre oferta de vacinas “é um fato que embasará a qualquer momento, em qualquer circunstância, a convocação do vereador”. A participação de Carlos Bolsonaro na reunião foi confirmada pelo gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, após ser questionado sobre o tema em seu depoimento na CPI.
“Espero que essa necessidade (convocação de Carlos Bolsonaro)continue a haver para concretizarmos o que a CPI entende sobre esse tráfico de influência, essa participação de pessoas que nada tinham a ver com o governo nas tratativas de aquisição da vacina. Sobretudo depois de o presidente ter fechado todas as portas para a vacinação dos brasileiros. Precisa ser esclarecido e já há requerimentos na CPI para que isso efetivamente aconteça”, disse o relator.
Os requerimentos para a convocação de Carlos Bolsonaro já foram protocolados em maio pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Humberto Costa (PT-PE). Ambos também solicitaram convocação do assessor especial para Assuntos Internacionais do Planalto, Filipe Martins, cuja presença na reunião com a Pfizer foi outra confirmada por Carlos Murillo.
 

  • Arquivos