DO CORREIO BRAZILIENSE

Profissional com várias passagens por veículos de imprensa do país, Ribamar lutou durante 50 dias contra a doença

CB
Correio Braziliense
 

 (crédito: Twitter)

(crédito: Twitter)

Faleceu, nesta terça-feira, 01, vítima da covid-19, aos 67 anos, o jornalista Ribamar Oliveira, do jornal Valor Econômico, após 50 dias de luta contra a doença. A notícia foi divulgada em seu perfil no Facebook. O falecimento de Oliveira, um dos principais nomes do jornalismo brasileiro, com passagens por vários veículos noticiosos, representa uma grande perda para a imprensa do país.

“É com profunda tristeza e uma dor imensa no coração que comunicamos o falecimento do jornalista Ribamar Oliveira. Durante quase 50 dias ele lutou bravamente contra a Covid, mas infelizmente a doença o venceu na tarde desta terça-feira (01). Seu exemplo de ética, de profissionalismo, de dedicação ao jornalismo e de amor à família e à vida nos enchem de orgulho e nos guiarão a partir de agora”, diz o texto sobre ele publicado no perfil do jornalista, que acrescenta: “Em respeito aos protocolos de segurança e ao isolamento sempre defendido por ele ao longo de toda a pandemia, informamos que não haverá velório e seu corpo será cremado, como era da vontade dele. Desde já agradecemos as mensagens de pêsames e de solidariedade. Lílian, esposa, e os filhos Júlia, Valentina e Ricardo”.

Ribamar Oliveira se formou em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB). Antes do Valor Econômico, trabalhou em outros importantes jornais e revistas do país. Foi chefe de redação da sucursal de “O Globo” em Brasília, repórter e coordenador de economia do “Jornal do Brasil”, repórter especial e colunista do “O Estado de S. Paulo”. Trabalhou nas revistas “Veja” e “Isto é”. Ele também atuou como assessor de imprensa do Ministério do Planejamento, em 1994, ano de lançamento do Plano Real, e assessor de imprensa do Banco Central. Ganhou vários prêmios, entre eles o Prêmio Esso de Economia pela reportagem “O escândalo dos precatórios”. É coautor do livro “A Era FHC, um balanço”.

Obituário do jornalista Ribamar Oliveira. Na foto, com a equipe do Jornal de Brasília, no início dos anos 1980

Obituário do jornalista Ribamar Oliveira. Na foto, com a equipe do Jornal de Brasília, no início dos anos 1980 (foto: Arquivo pessoal)

Além do talento profissional, Oliveira era admirado pela simpatia, gentileza e camaradagem para com os colegas de profissão, que o tratavam como Riba. Um deles é o secretário de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal, o também jornalista Bartolomeu Rodrigues. “Ribamar Oliveira, nosso Riba, foi meu colega, meu irmão mais velho, meu mestre, meu amigo de verdade. Um dos maiores jornalistas que este país viu, com que tive a honra de trabalhar por muitos anos”, disse o secretário.

Outro jornalista, José Augusto Gayoso, também lamentou o falecimento do amigo de tantos anos. “Fiquei muito triste. Gostava demais dele. De um colega que cobria a CPI dos Precatórios, virou um amigo, nossas famílias se conheceram, eu sempre admirei demais ele. Há uns cinco anos, quando eu estava no Senado, convidamos ele para uma palestra na Federação das Indústrias de SC, ele veio com a Lilian, foi especial. Ficou de voltar, mas não foi possível”, disse Gayoso. “O texto do Riba era preciso demais. E era um colega muito generoso. Apuração impecável. Exemplo de jornalista”, acrescentou

“Boca Fria”, Fabio Paes (Participação especial de Elomar): o talento genuíno do sertão para o começo de junho de todas as fogueiras! Feliz São João, meu povo! E todos os santos poderosos do mês!

BOM DIA

(Gilson Nogueira e Vitor Hugo Soares)

Na CPI da Covid, o senador não se mostrou satisfeito com as respostas da médica pró-cloroquina e cobrou que ela prestasse atenção em suas explicações
Otto Alencar para Nise: “A senhora não sabe nada de infectologia” e “brincou com a saúde do povo”
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

 

 

Na CPI da Covid, o senador Otto Alencar (PSD) disse que Nise Yamaguchi está “errada” ao defender o uso de cloroquina em pacientes com Covid.

“A senhora está errada. A senhora apostou em uma droga que podia dar certo ou não. E a ciência, por mais que a senhora tenha curso, não admite isso: querer apostar no escuro.”

Em seguida, Otto fez uma série de perguntas, começando com o pedido para que a médica explicasse a diferença entre protozoário e vírus. O senador não se mostrou satisfeito com as respostas de Nise.

“A senhora não sabe nada de infectologia. A senhora não estudou, foi superficial. Não leu, não estudou. De médico audiovisual este plenário está cansado, de alguém que viu, ouviu e não leu, não se aprofundou.”

Alencar acrescentou que Nise “não poderia debater um assunto que não era do seu domínio”.

“Isso não é honesto.”

O senador se queixou várias vezes da médica, pedindo que ela prestasse atenção em sua fala.

“A senhora não sabe, eu vou ensinar.”

Alencar acrescentou, antes de dizer que Nise queria ter sido ministra da Saúde:

“A senhora brincou com a saúde do povo brasileiro.”

Assista:

jun
02
Posted on 02-06-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 02-06-2021



 

Sid, NO PORTAL

 

PM troca de comando em Pernambuco dias após ação violenta que reprimiu protesto anti-Governo no Recife

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), anunciou na noite desta terça-feira que “aceitou o pedido de exoneração” do comandante da Polícia Militar, Vanildo Maranhão. A troca no comando vem dias após a repressão violenta ao protesto “Fora, Bolsonaro” em Recife. Ao menos duas pessoas perderam parcialmente a visão após serem atingidas por balas de borracha disparadas pela polícia. A ação reforçou o debate sobre a influência bolsonarista nas forças de segurança.

Em pronunciamento nas redes, Câmara disse que analisou “incessantemente imagens, relatos e videos de todo o ocorrido na manifestação do último sábado”. “Aquela ação não condiz com as tradições e valores da Polícia Militar de Pernambuco, uma instituição quase bicentenária e de tantos serviços prestados à nossa população”, discursou. O governador disse que, nesta terça-feira, foram afastadoss mais dois oficiais, somand-se aos cinco afastados ainda no sábado. “A investigação em torno do caso continua.”

  • Arquivos