mar
22
Posted on 22-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 22-03-2021
 UFBA e o Semiárido, 1.
Joaci Góes
Ao veterinário Antônio Araujo de Souza, ex-prefeito de Ourolândia, cidadão- estadista dedicado à valorização do Semiárido.
Em nosso livro Como Governar um Estado: o caso da Bahia, enfatizamos a importância do envolvimento das universidades, na realização de pesquisas que definam os limites das intervenções que respeitem as peculiaridades ambientais do Semiárido e aumentem o seu aproveitamento em benefício das populações autóctones. A formação de pessoal técnico para orientar o aproveitamento sinérgico desse capital social é medida imperiosa para fomentar a produtividade das populações nativas, ensinando-lhes a amealhar e disseminar conhecimentos, experiências, tecnologias e inovações para o desenvolvimento do Semiárido que apresenta alguns dos mais frágeis indicadores sociais do País.
O Recôncavo Sul-baiano possui clima semiárido, em face de sua irregular distribuição pluviométrica, fator contributivo para a intermitência da maioria dos cursos d´água que cortam a Região, entre os quais se destacam as sub-bacias dos rios Jaguaripe, Mocambo, da Dona, do Jacaré, Corta Mão, Jequiriçá, Ribeirão, Geléia, Preto das Almas, Velho, Gandu, do Peixe, da Mariana, Igrapiúna, do Engenho, Una, Caranguejo, Piau, e os riachos do Meio, Caboclo, da Barriguda, da Areia. Embora a caatinga esteja presente – a noroeste -, a Mata Atlântica é aí dominante, definindo a formação biótica, para o que contribui a influência de restingas e manguezais, nos diferentes estuários.
A variação pluviométrica no território baiano cai de 2.600 mm, entre Salvador e Ilhéus, no litoral, para 400 mm, no extremo Norte do Estado, oscilação responsável pela diversidade climática, como o úmido, subúmido, semiárido e árido. O potencial ambiental baiano compreende os biomas do Cerrado, da Caatinga e da Mata Atlântica.
O Semiárido é um território heterogêneo, até hoje ignorado, na multiplicidade de suas dimensões e peculiaridades ecológicas, sociais e econômicas. Na Bahia, o Instituto Estadual de Inovações criou o programa Inova Semiárido, com o propósito de identificar e selecionar oportunidades, fomentar e disseminar iniciativas e projetos com embriões de inovação que sejam a base para a formulação de políticas públicas e para iniciativas governamentais e não governamentais que proporcionem soluções inovadoras para o Semiárido. Impõe-se, portanto, estreita colaboração entre os setores públicos e privados, com as ações disseminadas para conhecimento da sociedade. O Semiárido, tradicionalmente pensado como espaço homogêneo, é, na verdade, um território heterogêneo em suas variáveis físico-ambientais e socioeconômicas. Esta exuberante diversidade ainda não foi levada em conta pelas políticas aí aplicadas.
As iniciativas corretas constituem notável fonte de ensinamentos para que usufruamos de suas possibilidades, a começar pela implantação de sistemas produtivos sustentáveis que sirvam de base para a geração de riquezas pelos produtores mais pobres.
Meio à rica bibliografia sobre o Semiárido, homenageio a obra do saudoso engenheiro Manoel Bonfim Ribeiro, que dedicou parte de sua vida a essa Região. No livro A potencialidade do semi-árido brasileiro, ele aponta as vocações e os inteligentes aproveitamentos de suas possibilidades, mediante a união do conjunto das características e valores regionais com as conquistas do avanço tecnológico, propugnando pelo abandono dos erros históricos que têm impedido o desenvolvimento racional de uma região que, na Bahia, abriga quase metade de sua população. Historicamente, os famigerados gigolôs da “indústria da seca” têm tirado partido ilegítimo dessa tradicional penúria. As vítimas desse crime continuado compõem os maiores percentuais de analfabetos, subnutridos, tuberculosos, chagásicos, desempregados, subempregados e moradores de sub-habitações do País.
Em 2017, o Governo da Bahia, através de Vivaldo Mendonça Filho, titular da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado, produziu um documento em que destaca o CIMATEC, instituição referência em educação, pesquisa, desenvolvimento e inovação para a indústria, entre outras, para a produção e transformação do conhecimento, com soluções que estimulem a inovação nas atividades produtivas, valorizando a competitividade e o empreendedorismo, de modo articulado, visando a elevação do emprego e da renda.
Quanto a UFBA, não poderia ter contribuído para o desenvolvimento do Semiárido se não tivesse se desviado do leito de suas finalidades?!
 
 Joaci Góes é escritor, ex-presidente da Academia de Letras da Bahia. Artigo publicado na Tribuna da  Bahia, edição de 18/3.

“Eu me lembro”, Irmão Lázaro (ex-Lazinho do Olodum): Desde as grandes performances em apresentações e desfiles grandiosos de Lazinho, do grupo musical do Pelô de fama internacional, ao canto gospel de fé da religião evangélica que abraçou e que emocionava multidões. Este é o tributo do Bahia em Pauta ao extraordinário cantor de sempre. . Saudades!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

mar
22
Posted on 22-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 22-03-2021

DO CORREIO BRAZILIENSE

Secretaria-Geral da Presidência da República pede que a PF investigue Ciro Gomes por afirmar que o presidente é “ladrão”, “boçal” e “incapaz de administrar a economia do país”

Augusto Fernades
 

 (crédito: Barbara Cabral/Esp.CB/ DA.Press)

(crédito: Barbara Cabral/Esp.CB/ DA.Press)

O ex-ministro e ex-deputado federal Ciro Gomes (PDT) virou alvo de investigação da Polícia Federal por críticas ao presidente Jair Bolsonaro. Devido a uma entrevista que o pedetista fez à Rádio Tupinambá, de Sobral (CE), em que ele chamou o presidente de “ladrão”, “boçal” e “incapaz de administrar a economia do país”, a Secretaria-Geral da Presidência da República pediu a instauração de um inquérito ao ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, por entender que Ciro praticou crime contra a honra do chefe do Executivo federal. O próprio Bolsonaro assinou o pedido de abertura do inquérito.

Nas redes sociais, Ciro repudiou a abertura de uma investigação contra ele, dizendo que considera grave a tentativa de Bolsonaro de intimidar opositores e adversários. “Entendo que é um ato de desespero de quem vê sua imagem se deteriorar todos os dias pela gestão criminosa do Brasil na pandemia”, rebateu o político, que reforçou as críticas ao presidente. “Bolsonaro está condenando nosso povo à morte. E vamos seguir lutando para salvar vidas e contra sua política genocida.”

Reação

O caso de Ciro é apenas mais um entre os episódios recentes de investigações contra pessoas que se contrapõem ao governo Bolsonaro. Na última semana, por exemplo, o youtuber Felipe Neto passou a responder a um inquérito da Polícia Civil do Rio de Janeiro, instaurado com base na Lei de Segurança Nacional e no Código Penal, após denúncia apresentada pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), pelo suposto crime de calúnia contra o presidente ao chamá-lo de “genocida”. No momento, contudo, o processo está suspenso por determinação da Justiça do Rio.

Os últimos acontecimentos motivaram uma série de ações judiciais para que sejam apurados eventuais excessos do governo federal na utilização das leis penais. Uma delas, apresentada à Procuradoria-Geral da República (PGR) pelos deputados do PT Gleisi Hoffmann (PR), Rui Falcão (SP) e Paulo Teixeira (SP), pede a investigação de eventual abuso de autoridade cometido por André Mendonça, depois de o ministro usar a Lei de Segurança Nacional para denunciar um sociólogo de Palmas (TO), que disse que Bolsonaro é um “cabra à toa” e que não vale “um pequi roído”, e um grupo de 25 pessoas de Uberlândia (MG), que fez críticas ao mandatário nas redes sociais.

Lewandowski destaca que ela é “uma lei editada antes da nova Constituição, da Constituição cidadã, da Constituição que traz logo na sua parte preambular um alentadíssimo capítulo aos direitos e garantias fundamentais” e que, por isso, o STF precisa tomar uma decisão.

Notícia-crime contra Jefferson

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) prepara notícia-crime contra o senhor Roberto Jefferson (RJ), presidente nacional do PTB que divulgou em seu perfil no Instagram mensagem que a entidade considera ser antissemita. Segundo nota divulgada pela Conib, a postagem do senador evocaria “uma das formas mais vis de atacar os judeus, o infanticídio”. Assim, considera que se caracterizaria crime de racismo, “com aumento de pena pelo fato de ter sido praticado por intermédio de rede social”. Ainda de acordo com a nota, “as evidências do ilícito e dos comentários de seguidores, que também podem ser caracterizados como crime, foram preservados para investigação criminal“.

mar
22
Posted on 22-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 22-03-2021


 

 J. Bosco, no jornal

 

mar
22
Bolsonaro: “Estão esticando a corda”
Foto: Reprodução/ Redes Sociais

 

No dia de seu aniversário de 66 anos, Jair Bolsonaro fez um discurso para apoiadores que estavam do lado de fora do Palácio da Alvorada:

Pode ter certeza, minha força vem de Deus e de vocês. Enquanto eu for presidente, só Deus me tira daqui. Eu estarei com vocês”, afirmou.

Em destaque:Jair Bolsonaro

Não abriremos mão desse poder que vocês me deram na ocasião das eleições. Fizemos o maior projeto social do mundo que é o auxílio emergencial. Agora, o que o povo mais pede para mim ‘eu quero trabalhar’. Ninguém quer viver de favor do estado e abrir mão de sua liberdade. Vamos vencer essa batalha. Estamos do lado certo. Não queremos que o país mergulhe no socialismo.” 

Bolsonaro também ganhou um bolo dos apoiadores, que cantaram parabéns.

  • Arquivos