Na conversa com Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada neste domingo, 14, a médica Ludhmila Hajjar foi logo questionada pelo presidente se era contra ou a favor do lockdown.

Segundo interlocutores que acompanharam o encontro, Hajjar disse acreditar que o lockdown seria uma medida extrema.

Notícias relacionadas:

Bolsonaristas já atacam médica cotada para a Saúde

  • Planalto confirma reunião com cotada para a Saúde

  • “Ela é unanimidade na políti”, diz Lira sobre cotada para Saúde

  • Ludhmila é médica de Maia, Caiado, Toffoli e Gilmar

  • Cotada para Saúde condena cloroquina e diz que “Brasil está fazendo tudo errado na pandemia”

A reunião foi inconclusiva. Apesar da pressão do Centrão pelo nome de Hajjar, o nome da médica tem sido bombardeado pela ala radical do bolsonarismo.

Pesou na decisão inicial da médica a condução das políticas de enfrentamento ao coronavírus. Hajjar pediu mais liberdade de atuação no Ministério da Saúde. O presidente disse que iria avaliar a solicitação.

“Mucho Corazón”, Luiz Miguel: um jeito apaixonado, todo espanhol de cantar bolero (ao vivo) para os românticos de todas as idades e de todos os lugares do mundo. Confira.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

mar
15
Posted on 15-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 15-03-2021

 

O Cassino desrespeitava o decreto estadual que veta festas e aglomerações durante a pandemia

Hellen Leite
 

 (crédito: Divulgação/Polícia Civil)

(crédito: Divulgação/Polícia Civil)

Um cassino com cerca de 200 pessoas foi fechado na madrugada deste domingo, (14/3), em uma operação policial na zona sul de São Paulo. O local havia sido denunciado diversas vezes como sendo um ponto de festas clandestinas.

De acordo com informações da Polícia Civil de São Paulo, no momento da operação, Gabigol, atacante do Flamengo, e o funkeiro MC Gui foram flagrados no estabelecimento. O jogador foi encontrado escondido embaixo de uma mesa do cassino. 

O deputado Federal Alexandre Frota (PSDB-SP) participou da ação e divulgou vídeo do flagrante. 

A maior parte das pessoas que estavam no cassino não usavam máscara e compartilhavam copos de bebidas.

Todos foram encaminhados à delegacia para prestarem depoimento, assinaram um termo circunstanciado se comprometendo a prestar esclarecimentos à Justiça e foram liberados em seguida. Eles responderão por crime contra a saúde pública e jogos de azar.

Fase vermelha

Diante do aumento de casos, internações e mortes pela covid-19, o governo paulista colocou todo o Estado na fase emergencial, ainda mais restritiva do que a fase vermelha do Plano São Paulo, programa de retomada da economia e flexibilização da quarentena. A medida vale de segunda-feira, 15 de março, até o dia 30 do mesmo mês. A intenção é diminuir a ocupação de leitos de UTI e evitar o colapso do sistema de saúde.

O Comitê de Blitze envolve a Guarda Civil Metropolitana e aCoordenadoria da Vigilância Sanitária ( Covisa) pela Prefeitura de São Paulo. O Governo do Estado integra a força-tarefa com profissionais da Vigilância Sanitária, Procon e das Polícias Civil e Militar.

Denúncias de festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não-essenciais podem ser feitas pelo telefone 0800-771-3541 e também pelo site do Procon-SP ou. Centro de Vigilância Sanitária

mar
15
Posted on 15-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 15-03-2021
 


 

Sid, NO PORTAL

 

 

mar
15
Posted on 15-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 15-03-2021
 
 
 DO G1
  • O ministro Alexandre de Moraes determinou neste domingo (14) a substituição da prisão do deputado por prisão domiciliar com monitoramento por tornozeleira eletrônica.

Por G1 Rio

Daniel Silveira deixa Unidade Prisional da PM em Niterói

Daniel Silveira deixa Unidade Prisional da PM em Niterói

 

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) deixou na tarde deste domingo (14) o Batalhão Especial Prisional da PM em Niterói, na Região Metropolitana do Rio.

Daniel saiu sorrindo e acenando para apoiadores e seguiu para Petrópolis, onde mora. Alguns dos apoiadores do deputado exibiam placas com o seu nome, parecidas com a que quebrou com o nome de Marielle Franco em um comício antes de ser eleito.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou neste domingo (14) a substituição da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) por prisão domiciliar com monitoramento por tornozeleira eletrônica.

A defesa do deputado disse que vai recorrer da decisão, que considera desprovida “de fundamentação idônea”, para tentar acabar com as restrições de mobilidade impostas.

“Os argumentos utilizados pelo nobre Ministro da Suprema Corte, condutor dos inquéritos que recaem sobre o Deputado Daniel Silveira, não guardam relação com o objeto primevo da prisão levada a termo ao arrepio do Comando Constitucional e normas legais”, disseram os advogados, em nota.

Em 16 de fevereiro, Silveira foi preso em flagrante por crime inafiançável após divulgar em rede social vídeo no qual defende o AI-5 — instrumento mais duro da ditadura militar — e a destituição dos ministros do Supremo Tribunal Federal, o que é inconstitucional.

 

Moraes tomou a decisão ao analisar pedido de concessão de liberdade provisória, que foi negado. Ele determinou a comunicação imediata ao comando do Batalhão da Polícia Militar no Rio de Janeiro onde o deputado está preso “para o cumprimento integral da presente decisão”.

O ministro autorizou o deputado a participar remotamente — a partir da própria residência — das sessões da Câmara dos Deputados e determinou a expedição de relatório semanal pela central de monitoramento eletrônico.

Alexandre de Moraes também decidiu:

  • proibir visitas sem prévia autorização judicial;
  • proibir qualquer contato com investigados nos inquéritos em tramitação no Supremo que apuram a organização de atos antidemocráticos e a divulgação de conteúdo falso, as chamadas “fake news”;
  • proibir acesso a redes sociais pelo deputado ou pela assessoria dele;
  • proibir que o deputado conceda entrevistas sem prévia autorização judicial.

“Destaco que o descumprimento injustificado de quaisquer dessas medidas ensejará, natural e imediatamente, o restabelecimento da ordem de prisão”, escreveu o ministro na decisão.

  • Arquivos