mar
08
DO EL PAÍS

Golpe ameaça avanços na igualdade de gênero conquistados nos últimos anos no país. Jovem de 20 anos morta com um tiro na cabeça em uma manifestação vira símbolo da luta pela volta da democracia

Birmanesas seguram um retrato de Mya Thwate Thwate Khaing, uma manifestante morta a tiros por policiais durante os protestos em Mianmar, durante o cortejo fúnebre da jovem, em 21 de fevereiro.
Birmanesas seguram um retrato de Mya Thwate Thwate Khaing, uma manifestante morta a tiros por policiais durante os protestos em Mianmar, durante o cortejo fúnebre da jovem, em 21 de fevereiro.STRINGER / Reuters
Singapura 

Mya Thwat completou 20 anos internada na UTI de um hospital da capital birmanesa, Naypydaw, depois de levar um tiro na cabeça. A jovem se tornou a primeira pessoa a morrer ?já são ao menos 54? em decorrência dos ataques das forças de segurança contra os manifestantes que há um mês pedem a restauração da democracia em Mianmar, eliminada pelos militares num golpe de Estado perpetrado em 1º de fevereiro. Sua morte virou um incentivo para que mais jovens e mais mulheres continuassem saindo em massa às ruas para exigir a volta da líder reeleita pela maioria dos birmaneses nas eleições de novembro, a Nobel da Paz Aung San Suu Kyi ?conhecida como A Dama, a chefe de fato do Governo? deposta por um Exército (chamado de Tatmadaw) que tem apenas homens nos seus altos escalões.

Elas não querem ser mártires, e sim uma parte essencial da luta. “Estamos juntas para derrubar o regime militar e restabelecer a democracia. Enquanto nós, as mulheres, nos protegemos do Exército e das suas armas, temos que combater também a discriminação”, resume Tin Tin Nyo, da União de Mulheres Birmanesas, numa palestra digital organizada pela Associação para o Desenvolvimento dos Direitos das Mulheres (AWID, na sigla em inglês). Professoras, operárias têxteis, médicas, enfermeiras, estudantes… Centenas de milhares de mulheres, muitas tão jovens como Mya Thwet Thwet Khaing, ou até mais, aderiram com convicção aos protestos e ao movimento de desobediência civil que confronta os militares. “Diria que as mulheres são mais de 50% dos participantes nos protestos e no movimento”, acrescenta Tin Tin Nyo.

Seu papel na linha de frente trouxe consequências fatais para algumas. Além da jovem de 20 anos que morreu em 23 de fevereiro em Naypydaw, ativistas e organizações de direitos femininos em Mianmar (antiga Birmânia) calculam que pelo menos seis outras mulheres perderam a vida por causa da brutalidade das forças de segurança. A polícia e os militares aumentaram a escalada de violência contra os manifestantes nos últimos dias, com pelo menos 38 mortos na quarta-feira, a jornada mais sangrenta até agora, e passaram a disparar não só balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo, mas também munição real. Entre as vítimas está Ma Kyal Sen, conhecida como Angel (anjo, em inglês). As imagens da semana passada em que ela aparecia usando jeans e uma camiseta preta com os dizeres “tudo vai bem”, pouco antes de morrer durante protestos em Mandalay, a segunda maior cidade do país, fizeram dela uma heroína do movimento. Um tiro na cabeça ceifou a vida dessa jovem praticante de tae-kwon-do, que acabava de atingir a maioridade e se recusava a entregar seu futuro nas mãos dos generais.

A jovem conhecida como 'Angel' (sentada, de camiseta preta) em meio aos manifestantes na quarta passada, 3 de março. Ela foi morta pelas forças policiais.
A jovem conhecida como ‘Angel’ (sentada, de camiseta preta) em meio aos manifestantes na quarta passada, 3 de março. Ela foi morta pelas forças policiais. STRINGER / Reuters

As mulheres constituem 52% da população de Mianmar (um total de 54 milhões de habitantes), mas, apesar de serem maioria, não têm uma representação proporcional nas instituições. Antes do golpe, ocupavam apenas 11% dos assentos parlamentares. Enquanto 85% dos homens em idade ativa (15-64 anos) estão incorporados à força de trabalho, apenas 51% das mulheres têm uma ocupação reconhecida, segundo dados da Agência da ONU para as Mulheres.

No Exército e na polícia sua participação é praticamente nula, sobretudo nas patentes mais altas. Os membros do Tatmadaw são conhecidos por agirem de forma brutal e cometer estupros, segundo investigações da ONU, e nele não há espaço para as mulheres, consideradas impuras e fracas, e menos ainda para que atinjam posições que lhes permitam impulsionar uma luta pela igualdade que tinha avançado timidamente nos últimos 10 anos de experimento democrático, durante a transição encabeçada pela líder à sombra do Governo civil, Aung San Suu Kyi, agora presa e acusada de pelo menos três crimes que podem resultar em anos de prisão.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Com a volta dos generais, o patriarcado se reimpõe oficialmente, embora nunca tenha ido embora totalmente. “Sua volta representa um perigoso retrocesso para as mulheres e a comunidade LGBT e uma grave ameaça a todo progresso que conseguimos nos últimos anos”, afirma May Sabe Phyu, ativista birmanesa dos direitos das mulheres e das minorias. Durante os anos de poder de Suu Kyi, que na prática comandava o governo depois da vitória do seu partido LND, em 2015, apesar de estar legalmente impedida de ocupar a chefia de Governo, ganhou impulso um plano de proteção dos direitos das mulheres. Uma das principais lutas das ativistas era a aprovação de uma lei contra a violência de gênero, cujo anteprojeto passou anos sendo elaborado e agora certamente não estará na pauta dos militares.

“Em um país onde ainda prevalecem os valores patriarcais na vida diária [como servir antes a comida a um homem ou caminhar atrás dele], é muito duro ser feminista. Estava começando a ser mais fácil ter conversas sobre abusos sexuais ou temas assim, mas isto agora será impossível”, diz a jovem Nandar, criadora de um podcast chamado Conversas Feministas com Nandar, de muito sucesso entre moças da sua geração, e no qual chegou a tratar de assuntos que continuam sendo tabu em Mianmar, como o aborto.

O temor de perder as liberdades conquistadas motivou as mulheres a voltarem às ruas, eventualmente recorrendo a estratégias criativas para monopolizar a atenção e zombar dos generais. Por exemplo, algumas saíram em grupo vestidas de noiva, mas também souberam pôr roupas cômodas e capacetes na hora de enfrentar a polícia; estendiam no chão os seus tradicionais sarongues – um vistoso pano típico do Sudeste Asiático, que é enrolado no corpo e amarrado na cintura – para proteger a área dos protestos, prevendo a relutância dos agentes em pisar nesses trajes tradicionais caso quisessem capturar os manifestantes. Costuraram a eles imagens do comandante supremo do Tatmadaw, Min Aung Hlaing, ironizando a questionada virilidade de um homem famoso por sua baixa estatura e que denunciou o “pouco decoro” da vestimenta dos manifestantes, numa crítica velada às mulheres que participam das passeatas.

Sua luta continua, sob a ameaça de que as forças armadas cheguem aos mesmos níveis de violência de 1988, quando milhares de pessoas morreram em protestos pró-democracia que foram ferozmente reprimidos pelo Exército. Mas o medo de viver sob uma nova junta militar – com a anterior assentada no poder durante meio século, de 1962 a 2011 – parece superar o temor de morrer nas ruas, transformadas em campo de batalha em dezenas de cidades birmanesas. “Depois do golpe, foi a primeira vez na minha vida que perdi a esperança. Não precisamos ser presas ou assassinadas, já nos sentimos indefesas. Enquanto o Exército estiver no poder, nossas vozes não importam”, afirma Nandar.

“Mujer”, Placido Domingo: Esplêndida composição do genial mexicano Agustin Lara, na voz única e fabulosa interpretação do espanhol Plácido Domingo.Viva o 8 de março, Dia Internacional da  Mulher. Glorificações e mais conquistas pessoais, sociais, políticas e profissionais a todas elas. Viva!!!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

mar
08
Posted on 08-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 08-03-2021

DO SITE O ANTAGONISTA

Foto: Adriano Machado/Crusoé
Sergio Moro, em sua coluna na Crusoé, diz que as mensagens roubadas da Lava Jato “não podem ser utilizadas para qualquer finalidade. Ainda que as mensagens estejam atualmente em poder da Polícia Federal em decorrência das investigações realizadas contra os hackers, isso não significa que as provas perderam o vínculo com o crime de violação dos aparelhos dos procuradores da República”.

Mas não é só isso.

 Ele diz também que as mensagens roubadas não revelam nenhuma ilegalidade:
  • Houve alguma prova fraudada ou forjada contra algum acusado? Há mensagens que denotam motivações político-partidárias ou espúrias nos processos? Houve ocultação de provas que poderiam resultar na absolvição de algum acusado? As respostas são todas negativas para a frustração dos corruptos e de seus amigos (…).

O que está em jogo nessa nova tentativa de anulação de investigações e condenações com base em narrativas falsas e fundadas em mensagens roubadas não é apenas o passado, o presente e o futuro do combate à corrupção no Brasil, mas também a reputação internacional do país. A vida real de impunidade – que tanto inspirou negativamente a arte e deixou brasileiros sem esperanças – não pode continuar.”

 

mar
08
Posted on 08-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 08-03-2021


 

Thiago Lucas, NO

 

mar
08
Posted on 08-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 08-03-2021

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

O ator precisou ser internado ontem (6) no Hospital Municipal de Urgência, em Guarulhos (SP)

CB
Correio Braziliense
 

 (crédito: Reprodução/ Instagram)

(crédito: Reprodução/ Instagram)

O humorista Kleber Lopes de 39 anos morreu neste domingo (07/03), vítima de complicações da covid-19. Após testar positivo para a doença, ele passou alguns dias em isolamento, mas precisou ser internado ontem (6) no Hospital Municipal de Urgência, em Guarulhos (SP). Ele teve 80% dos pulmões comprometidos e sofreu uma parada cardíaca. O ator era conhecido por interpretar o personagem Rick Marcos no programa “A Praça é Nossa” do SBT. A informação foi confirmada por familiares e amigos.

Segundo o canal, Kleber passou a fazer figuração e elenco de apoio nas esquetes, destacando-se pela irreverência e o talento. Em 2016, ganhou de Carlos Alberto e Marcelo de Nóbrega a oportunidade de interpretar seu primeiro personagem fixo – Ricky Marcos – um divertido cantor inspirado no astro Ricky Martin. Nos anos seguintes forma parceria com Andréa de Nóbrega, como Gigi do quadro A Nova Rica”, 

“O SBT presta solidariedade à família e aos amigos do ator, e deseja que Deus conforte sua família”, diz trecho da nota

  • Arquivos