Livro Além Da Fé - A Vida De Irmã Dulce - Valber Carvalho | Livro Alem da Fe
 Vida e obra de Sérgio Mattos são narradas em 648 páginas – Lu Lelis – Notícias
RESENHA
BIOGRAFIA DE UMA SANTA

Sérgio Mattos

O jornalista Valber Carvalho nos brindou, em fins de 2020, com o lançamento do livro intitulado  “Além da Fé: a vida de Irmã Dulce”, com 624 páginas, narrando parte da vida da Santa, como resultado de um trabalho de mais de seis anos de pesquisa, envolvendo a consulta  de  13 mil documentos e mais de 500 entrevistas.  O livro (publicado pela Editora  IRMABEM, de Salvador, foi impresso na Edigráfica, do Rio de Janeiro)  foi muito bem produzido e apresenta também ilustrações preciosas e de valor histórico. O título do livro é perfeitamente adequado ao conteúdo e apresenta atratividade para o público alvo, todos aqueles que desejam conhecer os detalhes da vida da primeira Santa brasileira.

“Além da Fé” tem objetivo claro e definido, sendo, portanto, forte candidato ao Prêmio Jabuti, não só pela relevância do tema, mas pela originalidade da narrativa brilhante, incisiva, concatenada e, principalmente,  pela  qualidade da linguagem do texto. Com parágrafos e capítulos curtos, o autor lançou mão de sua experiência profissional, como jornalista de impresso e de televisão, para criar um ambiente semelhante ao de um roteiro cinematográfico, pleno de detalhes que transportam o leitor para o local das narrativas como se lá estivéssemos a testemunhar o que está sendo narrado.

O primeiro volume da biografia de Santa Dulce começa no final do século XIX, quando da formação da família dela, concentrando-se, porém, no período a partir de 1914, ano de seu nascimento, até o ano de 1952, quando tinha 39 anos de idade, apresentando e esclarecendo elementos novos e diferenciados de sua vida. O segundo volume, no qual o autor já está trabalhando, abordará a intensa vida do Anjo Azul dos Alagados a partir de 1953 até os dias atuais. Vale destacar que a Santa da Bahia morreu em 13 de março de 1992, aos 77 anos, e que sua canonização foi iniciada no ano 2000, sua beatificação ocorreu em 2011 e foi canonizada no dia 13 de outubro de 2019.

Para narrar a história de vida de Irmã Dulce, o autor se utilizou da técnica da cartografia biográfica, na qual resgata a contextualização socioeconômica , geográfica e cultural de todo o período da narrativa.  Na obra, o autor apresenta ideias e argumentos bem articulados e pode-se observar que todos os fatos são referenciados e foram checados para não deixar dúvidas.  

Com este livro, Valber Carvalho deixa aflorar todo o seu potencial literário, dotado de uma sensibilidade acima da média para descrever as excentricidades sedutoras de Irmã Dulce, a teimosia e a paciência dela para  concretizar todos os sonhos em servir aos pobres, indo, muitas vezes, de encontro aos interesses dos poderosos.

 Com uma abordagem original, o autor soube explorar e humanizar a figura  incansável de Irmã Dulce em sua luta diária, que a transformou em uma militante que não obedecia regras de horário para comer, dormir e descansar, pois o tempo era curto e ela precisava resolver todos os problemas e vencer os obstáculos que se apresentassem. Se fosse necessário invadir terrenos ou casas para abrigar seus pobres e doentes, ela não hesitava.  

Ela também não tinha vergonha para pedir contribuições para suas obras sociais, tendo se revelado boa administradora e com visão para os negócios, desde que voltados para a proteção e bem estar de seus abrigados. Ela freqüentava os escritórios dos empresários e comerciantes poderosos da Bahia e depois resolveu também visitá-los em suas respectivas  residências, pois  entendeu que os empresários estavam doando apenas como pessoa jurídica e que poderiam também contribuir como pessoa física.

Valber descreve a ousadia e confiança dela em iniciar obras, mesmo não tendo recursos para tal, pois acreditava na providência divina e na ajuda de seu Santo Antonio, a quem pedia ajuda que sempre chegava no momento certo como que já previsto pela leis de Deus e que de alguma forma ela tinha certeza de que chegaria e os problemas se resolveriam. Sobre a confiança dela em Santo Antonio, Valber Carvalho escreveu:

“Se fosse possível traçar um organograma da sua ação missionária, o Santo de Pádua funcionaria como um intercessor especial, com fácil acesso às hostes celestiais. Uma espécie de antena avançada, retransmissora de suas preces ao Altíssimo, a quem não hesitava reclamar quando um de seus inúmeros pedidos não era atendido. Em linguagem popular, Santo Antonio era seu procurador no céu” (pag. 333).

Paralelo à história de Irmã Dulce, outros personagens importantes e que também merecem um estudo aprofundado destacam-se na narrativa, a exemplo do próprio pai dela, Dr. Lopes Pontes;  Frei Hildebrando Kruthaup, que criou  uma rede de cinemas católicos em Salvador, emissora de rádio, gráfica-editora e um jornal, O Mensageiro da Fé;  além de Raymundo Frexeiras, criador do Abrigo dos Filhos do Povo.

Enfim, vale ressaltar que, como leitor,  estou ansioso pelo segundo volume da biografia de Irmã Dulce. Enquanto isso,  recomendo a leitura atenta da primeira parte dessa obra, para que descubram  o quanto a Santa tinha visão de marketing político e habilidade para arrancar donativos para suas obras sociais.  Entre outras coisas ela montou hospital, creche, escolas, farmácia para distribuição de medicamentos e foi, talvez, a primeira pessoa a idealizar o ticket refeição e a implantar uma cesta básica que era distribuída de acordo com a necessidade de cada família. Neste primeiro volume, ou primeira parte, o autor apresenta coerência do começo ao fim.

“Peito Vazio”, Cartola: Simplesmente magistral a composição e a interpretação do sambista e grande poeta da música popular brasileira, para saudar a chegada de março. Viva!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares).

mar
01
Posted on 01-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 01-03-2021

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

No precoce tabuleiro eleitoral que se formou, Marina sinaliza apoio a Ciro Gomes (PDT) como o mais forte para quebrar a polarização entre o PT e o presidente Jair Bolsonaro, embora diga que, antes de nomes, o mais importante é discutir projetos

Agência Estado
 

 (crédito: Reprodução)

(crédito: Reprodução)
Depois de receber 1% dos votos em 2018 na sua terceira tentativa de chegar à Presidência da República, a ex-ministra e ex-senadora Marina Silva (Rede), de 63 anos, diz não ter planos de se lançar em uma nova disputa em 2022. Vivendo em isolamento social em Brasília, ela afirmou em entrevista por telefone ao Estadão que só saiu de casa uma vez desde o dia 1.º de março do ano passado, para ir ao médico.
Sua militância virtual, porém, segue intensa. Ela faz palestras – Marina pretende se aposentar como professora e abriu mão da aposentadoria como senadora – e lidera os debates do partido que criou, a Rede Sustentabilidade. Atualmente, a legenda elabora estratégias para sobreviver à cláusula de barreira no ano que vem.
No precoce tabuleiro eleitoral que se formou, Marina sinaliza apoio a Ciro Gomes (PDT) como o mais forte para quebrar a polarização entre o PT e o presidente Jair Bolsonaro, embora diga que, antes de nomes, o mais importante é discutir projetos.
A sra. tem disposição para disputar uma nova eleição presidencial?
Não gosto de trabalhar com essas conjecturas. Depois de ter 1% dos votos numa eleição, e diante de tanta gente que teve um melhor desempenho, é difícil alguém fazer essa proposta. Principalmente prevalecendo esse critério de que se discute primeiro as métricas eleitorais, em termos de voto, e não métricas qualitativas, em termos de programa. A única coisa que posso dizer é que tenho me dedicado o tempo todo a construir o que é melhor para o Brasil. Tenho essa disposição para o diálogo. Não sou do tipo que acha que um bom projeto de país só funciona comigo.
 
Como tem sido a rotina da sra. na pandemia?
Estou em isolamento social desde o dia 1º de março do ano passado. Já tenho 63 anos. É de conhecimento público que sou uma pessoa hiperalérgica e asmática. Só tenho me comunicado com a minha filha que mora aqui do lado. Eles estão em isolamento também. Só saí do condomínio uma vez para ir ao médico.
 
Como avalia o cenário da pandemia no Brasil, que bate recorde de mortes, e a estratégia dos governadores?
Não há dúvida de que o Brasil está sendo avaliado como o país com o pior desempenho na condução das medidas de saúde em relação à pandemia. Isso se deve ao fato de o governo ter desistido de cuidar da população brasileira e pela politização, que transforma tudo em cálculo eleitoral. Se o cálculo eleitoral dissesse que fazer lockdown daria algum tipo de dividendo, era isso que teria sido feito. O governo federal, por sua vez, criou todas as dificuldades possíveis para se adquirir a vacina. A politização eleitoreira de um tema que tem a ver com a vida das pessoas é um atraso civilizatório. O negacionismo tem várias formas. Tem o ideológico e primitivo, que é colocado em palavras pelo presidente Bolsonaro, que lavou as mãos, e outro é o negacionismo disfarçado, que maquia o que a ciência está dizendo com uma ética de conveniência. Se não fosse o trabalho que a mídia tem feito, a sociedade brasileira estaria totalmente à deriva.
 
O PT já colocou o “bloco na rua” para 2022 com Fernando Haddad. No PSDB, João Doria já se movimenta como candidato e Bolsonaro trabalha abertamente pela reeleição. A Rede terá candidato ao Palácio do Planalto?
Há um erro no que está sendo feito. O Brasil vive um cenário de isolamento no âmbito nacional e agravamento da pandemia, mas se cria aqui o falso dilema de que o mais importante é discutir os nomes. O mais importante é discutir qual é o projeto. Eu participo de um campo do qual fazem parte PDT, PV, PSB, Rede e o Cidadania, que tem sido convidado. Há concordância que neste momento temos que adensar um projeto que leve os setores do campo da esquerda democrática, da centro-esquerda e progressistas a ter um projeto que recupere o Brasil para um percurso civilizatório coerente com o que é uma democracia ocidental. O Brasil não pode ficar trancado do lado de fora achando que pode queimar floresta.
 
Dentro desse coletivo partidário é possível chegar ao consenso em torno de um nome? Nestas legendas tem a sra. e o Ciro Gomes…
O Ciro já tem o nome dele colocado desde o início, o que é legítimo. O que estamos fazendo é um apelo ao campo da esquerda democrática não dogmática, da centro-esquerda, dos setores progressistas e de centro-direita que pensam em primeiro lugar no Brasil. É nesse lugar que estamos nos articulando, e com uma pessoa que tem uma experiência política, administrativa e de política nacional que já colocou seu nome, que é o Ciro Gomes. Ele está fazendo esse diálogo maior, que não é em torno do nome, mas do projeto. O pior dos mundos é criar a velha polarização que existia, entre PT e PSDB, e deixar o tempo todo o brasileiro em terceiro. Agora seria a velha polarização, mas entre Bolsonaro e Lula ou PT. Agora é o momento de a sociedade assumir o primeiro lugar. Tenho a tranquilidade de quem já perdeu três campanhas, já procurei dar uma contribuição.
 
Acredita então que Ciro pode liderar uma terceira via em 2022?
O Ciro Gomes tem legitimidade, competência e capacidade para se colocar, mas eu acho que ele próprio não está trabalhando com essa ideia de terceira via. Ele e todos nós buscamos a recuperação sustentável da economia brasileira, a dignidade humana, a defesa da democracia, da liberdade de expressão e das instituições. Queremos uma primeira via. E que nessa primeira via o Brasil seja capaz de colocar em primeiro lugar a saúde do seu povo.
 
Como avalia o nome do Luciano Huck para 2022? Ele tem conversado com a esquerda.
 
Numa democracia é legítimo que surjam nomes. Caberá ao debate democrático mostrar os compromissos, ideias, alinhamentos políticos e evitar que haja uma pulverização de tal forma que permita a continuidade daqueles que estão fazendo mal ao Brasil. É importante que surjam novas lideranças no cenário político. É importante que tenha surgido o nome do Luciano e que um jovem de sucesso como apresentador tenha a intenção de contribuir com o processo político do Brasil. Eu advogo a renovação da política não só no discurso, mas também dos quadros. Mas acho que ele tem alguns problemas claros a serem enfrentados. A fragilidade da articulação em torno da qual a mídia está falando que ele está, com o DEM e o PSDB. A gente ouve que há essa articulação (dele) em torno do DEM e do PSDB. O DEM na eleição da (presidência) da Câmara foi para o Bolsonaro. O PSDB tem o Doria. Tem aí um desafio muito grande. Ele (Huck) precisa refletir muito.
 
Descarta uma aliança com o PT em uma eventual frente contra Bolsonaro?
Quando o PT já se coloca a priori como tendo Lula ou Haddad como candidato, ele não está entendendo o que está acontecendo. Esse é o momento de olhar de baixo para cima para enxergar o que está acima de nós, e não se candidatar à permanência da velha polarização. O PT tem uma força gravitacional enorme e é um ator importante no processo político, mas a sua importância estratégica será medida pela capacidade de verificar que nem sempre aqueles que têm força gravitacional para polarizar mais conseguem ter a maior credibilidade para derrotar aquele que precisa ser derrotado neste momento. Mais uma vez o PT aponta para uma política de exclusividade, de não considerar a gravidade do momento e ficar discutindo pessoas. Os partidos e lideranças precisam ter um pouco mais de humildade.
 
A Rede recorreu ao STF contra a decisão que impede a fusão de legendas fundadas há menos de cinco anos. Ano que vem será a prova de fogo dos partidos pequenos para superar a cláusula de barreira. A ideia é fundir a Rede com outra legenda?
A Rede não está considerando a fusão. Esse debate foi feito em 2019 e algumas pessoas da Rede achavam que era melhor uma fusão com o Cidadania. Tenho um respeito enorme pelo Roberto Freire, mas a nossa escolha é que a Rede é necessária. Tomamos essa decisão mesmo não tendo (recursos do) Fundo Partidário.
 
Se a Rede não considera a ideia de fusão, por que recorreu ao STF?
A democracia existe para que as pessoas possam ter o direito de escolha. O fato de eu não querer fazer uma coisa não significa que vou criar um mecanismo para todos pensarem igual a mim. Eu posso não querer a fusão neste contexto, mas é possível que em outro contexto isso possa vir a ser desejado.
 
A sra. defende a proposta de federação partidária para superar a cláusula de barreira?
Esse debate vem sendo feito e a Rede participa dele, junto com PCdoB e PV. Isso possibilitaria aos partidos que têm programa, ideal e não são fictícios de poderem existir com suas identidades e programas. Esse debate está sendo feito, sim, entre partidos. Toda discussão na reforma eleitoral foi punir e acabar com os partidos de aluguel.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

mar
01
Posted on 01-03-2021
Filed Under (Artigos) by vitor on 01-03-2021



 

Genildo, NO PORTAL

 

 

O infectologista Júlio Croda, ex-diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, disse ao Valor que o país vive o pior momento da pandemia e que não vê melhora no curto prazo.

Com uma variante mais transmissível, a tendência é ver em outros locais aquele caos que se observou em Manaus, em que as pessoas morreram sem assistência, em casa, precisando de oxigênio. Esse aumento muito rápido foi observado em Araraquara, por exemplo, e pode se repetir em diversas cidades do Brasil. Teremos que adotar medidas mais restritivas, seja por bem ou por mal.”

 

  • Arquivos