Dia de luto nacional será concretizado na segunda-feira, primeiro dia útil do ano

“É com extrema consternação e profundo pesar que o Governo tomou conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo e decidiu decretar um Dia de Luto Nacional a concretizar-se na próxima segunda-feira, 4 de janeiro de 2021”, refere uma nota do gabinete do primeiro-ministro.

As cerimónias fúnebres do fadista estão marcadas também para segunda-feira, com o velório a partir das 9.00 na Basílica da Estrela, em Lisboa, e uma missa de corpo presente pelas 14:00. Ainda não foi revelado em que cemitério será sepultado.

Na mesma nota, em que apresenta “sentidas condolências à família e amigos” do fadista, o executivo anuncia ainda que, na próxima terça-feira, no espetáculo de abertura da Presidência Portuguesa da União Europeia, o Governo prestará uma homenagem nacional a Carlos do Carmo.

O primeiro-ministro, António Costa, já tinha recordado com saudade Carlos do Carmo, através de publicações no Twitter.

“Fazendo eco das palavras que cantou no ‘Fado da Saudade’: ‘Mas com um nó de saudade, na garganta/ Escuto um fado que se entoa, à despedida’ de um grande amigo”, escreveu o primeiro-ministro.

António Costa sublinhou que Carlos do Carmo “não era só um notável fadista, que o público, a crítica e um Grammy consagraram”.

“Um dos seus maiores contributos para a cultura portuguesa foi a forma como militantemente renovou o fado e o preparou para o futuro”, evocou.

Carlos do Carmo morreu esta sexta-feira, aos 81 anos, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, disse o seu filho Alfredo do Carmo à agência Lusa.

Nascido em Lisboa, em 21 de dezembro de 1939, Carlos do Carmo era filho da fadista Lucília do Carmo (1919-1998) e do livreiro Alfredo Almeida, proprietários da casa de fados O Faia, em Lisboa, onde começou a cantar, até iniciar a carreira artística em 1964.

 

Vencedor do Grammy Latino de Carreira, que recebeu em 2014, o seu percurso passou pelos principais palcos mundiais, do Olympia, em Paris, à Ópera de Frankfurt, na Alemanha, do ‘Canecão’, no Rio de Janeiro, ao Royal Albert Hall, em Londres.

Despediu-se dos palcos em 09 de novembro de 2019, com um concerto no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

A discográfica Universal anunciou a publicação do seu derradeiro álbum, “E Ainda?”, para o passado mês de novembro, mas é ainda aguardada a sua chegada às lojas. Neste disco, Carlos do Carmo canta também Herberto Helder, Sophia de Mello Breyner Andresen, Hélia Correia, Júlio Pomar e Jorge Palma, que junta aos poetas do seu repertório.

Be Sociable, Share!

Comentários

Maria Aparecida Torneros on 3 Janeiro, 2021 at 11:08 #

Carlos Volney on 3 Janeiro, 2021 at 15:05 #

É de chorar mesmo, Maria Aparecida, também eu lacrimejei aqui.
2021 começa com a perda estupenda desse artista genial, enquanto o Brasil assiste a desenvoltura sadia de tantas figuras nocivas à humanidade. A morte não é seletiva.
E pra não perder a oportunidade, Mestre Vitor, efusivos parabéns pela cada vez mais apurada qualidade na divulgação de obras musicais. Não creio que exista outro blog que supere a qualidade do BP no desfile de pérolas que vemos aqui.


Maria Aparecida Torneros on 3 Janeiro, 2021 at 22:34 #

Volney. Carlos do Carmo representa o fsdo solene. Garboso. Elegante. Romântico. Tinha se aposentado em 2019..


vitor on 4 Janeiro, 2021 at 19:31 #

Maravilha, Cida! Que bela interpretação de Lisboa, Manina e Moça, por Carlo do Carmo.Bahia em Pauta agradece sua generosa postagem.Forte abraço.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Janeiro 2021
    S T Q Q S S D
    « dez    
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031