nov
22

 

Bahia em Pauta » Blog Archive » Janio Ferreira Soares: “Angelo, percebendo  que não voltaria mais pra casa, pediu pra fazer o que mais gostava na vida:  soltar uma pipa”
 ARTIGO

                                             Mais uma eleição nas quebradas do sertão

                                            Janio Ferreira Soares

Comecinho da manhã de domingo, 15 de novembro e bombas explodem nas imediações da minha aldeia, não para anunciar as novenas que sobejam por aqui. O motivo do foguetório é uma espécie de “se ligue que a eleição começa já”, fato que, pensando bem, também tem algo de religioso, pois a maioria dos eleitores digita o número de seu candidato como se pagasse antecipadamente uma graça que só será alcançada se seu “santo” vencer e tiver caráter suficiente para cumprir a promessa.

A primeira eleição que tenho na memória ocorreu em outubro de 1962, em Glória (BA), quando seu Zé Casimiro (PSD) e meu querido tio Lindemar (UDN), disputaram voto a voto a honra de ocupar a cadeira situada sobre o piso de um casarão próximo a uma das muitas curvas que o São Francisco fazia antes de se jogar nas cachoeiras de Paulo Afonso. Naquele tempo a eleição era um acontecimento, onde as pessoas vestiam as melhores roupas e se dirigiam às seções como se estivessem indo ao baile do clube municipal na noite de Santo Reis.

Pois bem, encerrado o primeiro dia de apuração (devido ao atraso do Juiz Eleitoral houve a necessidade de interromper a contagem) e faltando apenas abrir a urna do povoado Brejo do Burgo, a comemoração em frente à casa de seu Zé Casimiro, então com sete votos de frente, varou a madrugada, contrastando com o ambiente fúnebre na casa de minha avó Aristéia, onde rostos abatidos e velas acesas pra Santo Antônio reforçavam o clima de velório.

Com apenas quatro anos de idade e ainda sem entender quase nada dessas coisas, conta minha tia Aldinha que eu estava meio desolado num canto do quarto, quando ela me pegou no colo e disse: “Não se importe não, meu filho, mas parece que o seu Dadá vai perder”, no que eu, entre o sono chegando e o beicinho antecipando o pranto, respondi, no pronome característico da infância: “Eu se importo, sim!”.

Manhã seguinte, por ser outubro, o dia amanheceu como só o décimo mês tem a capacidade de deixá-lo, com as cores das folhas novas dos tamarineiros e umbuzeiros verdejando de uma forma tal, que a rua mais parecia um final feliz de um conto dos Irmãos Grimm.

E foi assim, com apenas 24 votos válidos na última urna – e com poucos e desanimados udenistas acompanhando a quase impossível virada -, que o nome “Lindemar” foi gritado pelo escrutinador por 18 vezes, enquanto “Zé Casimiro” repetiu-se por apenas 6, o que levou o “meu” Dadá a vencer por 5 votos, provocando em Valdemarzinho o grito de: “Ô negro de sorte!”, que se atualmente soa inconcebível, à época refletia unicamente uma expressão de carinho entre amigos de uma terra que hoje jaz.

Em tempo: tia Aldinha fez 94 anos este mês. Em dezembro será a vez de Dadá soprar o mesmo número de velinhas. A eles, o meu mais terno amor.

 

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura de Paulo Afonso, na magem baiana do Rio São Francisco

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • novembro 2020
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30