Estátua de Ariano Suassuna é depredada no Centro do Recife - TV Jornal

Ariano Suassuna: escultura depredada e largada no chão na Rua da Aurora…

ARTIGO DA SEMANA

Atraso e falácias: Suassuna (no chão) e Bolsonaro na ONU

Vitor Hugo Soares

Em linha reta (aérea), 6.740 quilômetros separam Recife, na beira do Rio Capibaribe, Nordeste do Brasil, de Nova York, cosmopolita cidade da costa leste dos Estados Unidos, à beira do Rio Hudson. Na capital cercada de pontes, na poética Rua da Aurora, a estátua de Ariano Suassuna, mestre e símbolo da inteligência regional e nacional, teve as pernas quebradas e foi jogada no chão, na madrugada do dia 21, num ataque de “vândalos” (definição usada no noticiário deste caso torpe). Na cidade norte-americana, sede da ONU, na abertura de sua 75ª Assembleia Geral, em histórica primeira sessão digital, dia 22, o presidente Jair Bolsonaro jogou nas costas de “índios e caboclos”, a responsabilidade pelas devastadoras queimadas na Amazônia, Pantanal e no resto do país.

Estes dois fatos evidenciam: no jogo pesado e não raramente repulsivo e condenável (da política, dos sectarismos religiosos, dos engodos governamentais, das ideologias, dos interesses dos negócios e dos negociantes), a “Veneza brasileira” e a “Maçã” podem ficar mais próximas do que se poderia imaginar. Principalmente quando a questão é de atraso e de falácias, presentes nos dois casos.

O discurso do presidente, pré-gravado e ouvido pelo próprio Bolsonaro, no Palácio do Planalto, ao lado de seus ministros em rígida, casernosa, mas efusiva formação, a fala do chefe de estado, que abriu a reunião de mandatários do planeta (por praxe), teve reações díspares e contraditórias, local e mundialmente. Informações de bastidores revelam que nos quartéis e nos núcleos de decisão do governo, o clima foi de festa.

 Sabe-se, por exemplo, que os militares ficaram em êxtase. A começar pelo ministro-chefe do Gabinete da Segurança Institucional (GSI), “Boina Azul” das Nações Unidas, general Augusto Heleno, que teria contribuído com dicas e macetes para amaciar a fala do capitão e torná-la mais palatável e sonora aos ouvidos mais relevantes na ONU. Um eufórico integrante do governo vibrou: “Foi tudo o que esperávamos. O presidente marcou posição, atacou críticos, sem ser agressivo” .

Os críticos e opositores do governo, no entanto, são duros e implacáveis em suas análises sobre o pronunciamento de Brasília para o mundo, via Nações Unidas. Noves fora adjetivos, que vão de “mentiroso”, “falsário”, “cínico” e outros impublicáveis – partidos de diplomatas, parlamentares, governantes, indigenistas, dirigentes de ONGs, artistas, intelectuais e outros mais – “caíram matando” (na expressão soteropolitana) em cima de Bolsonaro. A síntese, neste caso, talvez esteja na reação de Beto Marubo, da Univaja: “Na ONU, o presidente da República sugeriu que queimadas são provocadas por índios e caboclos, justamente as vítimas desse crime em série. Enquanto governo persistir em falácias e teses infundadas, o mundo e os próprios brasileiros ficarão sem resposta nessa questão ambiental”, criticou o representante indígena. Ponto.

E estamos de volta à Rua da Aurora, em Recife, e à escultura de Suassuna (obra de Demétrio Albuquerque) depredada no chamado Circuito dos Poetas, onde estátuas de outros vultos da cultura e da inteligência do Brasil,  já tiveram nariz quebrado, braços extirpados e pescoços cortados. Tudo atribuído a “vândalos”, não identificados e impunes. Desse jeito, onde iremos parar? Responda quem souber.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitors.h@uol.com.br

“Canoeiro”, Dorival Caymmi:  Seo Dorival canta,do Alto, para o canoeiro do Mar da Bahia, que não é da China!

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)

O governo da Bahia pretende buscar parceiros para a venda do Parque de Exposições, Centro de Convenções e do terreno que compreende o Detran e a Rodoviária de Salvador. A afirmação foi feita pelo próprio governador do Estado, Rui Costa (PT), nesta quarta-feira, 23.

“Vamos convidar todo mundo interessado em conhecer as áreas e elaborar projetos. Vamos fazer o leilão desses locais e vender a área dos Centro de Convenções, Parque de Exposições e outras áreas na cidade e no estado”, explicou durante a entrega da contenção de encosta na Rua Fé em Deus, no bairro do IAPI.

Conforme disse Rui, o estado deve trabalhar na publicidade internacional e desenvolvimento de projetos para as vendas. A comercialização dos espaços foi uma forma encontrada para cobrir o recurso da contrapartida para a construção da ponte Salvador-Itaparica, orçada em R$ 1,5 bilhão.

O contrato vencido pelo Consórcio Ponte Salvador-Itaparica, formado pelas empresas estatais Chinesas CCCC e CR 20, em dezembro do ano passado, em um leilão na bolsa de valores de São Paulo, tem custo estimado de R$ 5,3 bilhões.

Desse total, R$ 3,8 bilhões serão desembolsados pelo consórcio chinês e R$ 1,5 bilhão pelo governo do Estado. A concessão do projeto executado por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP) será de 35 anos.

A equipe de A TARDE procurou a Secretaria de Turismo, para saber mais informações sobre o impacto desta venda no setor de entretenimento, porém, até o momento, não obteve retorno. A Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri), pasta que administra o Parque, também foi procurada.

Inaugurado em 30 de setembro de 1978, o Parque ocupa uma área de 450 mil metros quadrados, entre as avenidas Paralela e Dorival Caymmi, no bairro de Itapuã, próximo ao Aeroporto Internacional de Salvador. Sedia eventos agropecuários, como a Exporural e a Feira Internacional da Agropecuária (Fenagro).

O espaço também recebe eventos dos mais variados tipos, como festivais e apresentações musicais nacionais e internacionais, como o Vila Mix e o Festival da Cultura Japonesa.

set
26
Posted on 26-09-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-09-2020

DO SITE O ANTAGONISTA

URGENTE: Celso de Mello antecipa aposentadoria para 13 de outubro
Brasília – Ministro Celso de Mello durante sessão plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) para julgamento sobre imunidade de deputados estaduais do Rio (Carlos Moura/SCO/STF)

Conforme publicamos em primeira mão no último dia 17, o ministro Celso de Mello vai adiantar sua aposentadoria. Ele acaba de entregar à Presidência do STF um pedido para deixar a corte em 13 de outubro, duas semanas antes de completar 75 anos e ter de aposentar pela compulsória.

Celso acaba de voltar de uma licença médica e já passa por problemas de saúde há alguns anos. Recentemente, colocou uma prótese no quadril e vinha tratando de um problema na cabeça do fêmur.

 O ministro tem 52 anos de serviço público e pode se aposentar por tempo de serviço.

DO CORREIO BRAZILIENSE

Segundo o boletim médico, o chefe do Executivo encontra-se estável clinicamente, sem febre e sem dor

IS
Ingrid Soares
 

 (crédito: Sérgio Lima/AFP)

(crédito: Sérgio Lima/AFP)

A cirurgia do presidente Jair Bolsonaro para retirada de cálculo da bexiga terminou sem intercorrências. Segundo o boletim médico do hospital Albert Einstein, a intervenção durou 1h30 e o cálculo foi totalmente removido. “No momento, o paciente encontra-se estável clinicamente, afebril e sem dor”, diz um trecho do documento.

Bolsonaro está sob acompanhamento de dois médicos, o cardiologista Leandro Echenique e o urologista Leonardo Lima Borges e deve receber alta no máximo, até domingo. Contudo, com o bom andamento da intervenção, o presidente pode ser liberado ainda hoje.

Para extrair a pedra, a equipe médica  recorreu a uma cirurgia conhecida como cistolitotripsia, considerada simples e minimamente invasiva. Esse método permite que um cano fino siga através do canal da uretra até chegar à bexiga, onde a pedra será fragmentada com a ajuda de um laser. No início do mês, o presidente comentou que estava com uma pedra na bexiga “maior que um grão de feijão”.

Outras cirurgias

Esse é o sexto procedimento médico realizado pelo chefe do Executivo após a facada recebida em 2018, durante a campanha eleitoral, em Juiz de Fora (MG). Dentre as intervenções, ele se submeteu a uma cirurgia de emergência em razão de uma complicação causada pela aderência das paredes do intestino e teve de retirar uma bolsa de colostomia.Nesse intervalo, Bolsonaro também fez uma cirurgia para correção de uma hérnia incisional na região da área atingida pela facada e fez uma operação de vasectomia.

Causas

As causas para a aparição de um cálculo vesical variam. A pessoa pode já ter predisposição à formação de pedras na bexiga, mas existe a possibilidade de o cálculo ter sido formado no rim e se deslocado à bexiga. Além disso, a pedra pode aparecer devido a algum grau de retenção urinária ou por acúmulo de urina na bexiga.

O problema mais frequente causado por um cálculo vesical é a dificuldade para urinar. A pedra na bexiga entope a uretra e, com isso, o paciente acaba sentindo dores para expelir a urina. Outro reflexo da doença é a interrupção do jato urinário. Dessa forma, a retirada do cálculo é fundamental para evitar que a pedra cresça dentro da bexiga, comprometendo ainda mais o sistema urinário, ou para que o paciente desenvolva algum tipo de inflamação mais gve, que em determinados casos pode evoluir para uma septicemia.

set
26
Posted on 26-09-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-09-2020



 

Sponholz, no

 

set
26
Posted on 26-09-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-09-2020

DO EL PAÍS

Os ministérios da Casa Civil, Justiça, Infraestrutura e Saúde revogam norma que estava em vigor que vetava a entrada de estrangeiros por seis aeroportos: Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima e Tocantins

AE
Agência Estado

 (crédito: Noel Celis/AFP - 4/2/20)

(crédito: Noel Celis/AFP – 4/2/20)
O governo federal decidiu liberar a entrada de estrangeiros no Brasil por qualquer aeroporto do País. Em portaria publicada em edição extra do Diário Oficial da União na noite de quinta-feira, 24, os ministérios da Casa Civil, Justiça, Infraestrutura e Saúde revogam norma que estava em vigor que vetava a entrada de estrangeiros por seis aeroportos: Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima e Tocantins. Os demais aeroportos do Brasil já podiam receber passageiros de outros países.
A Portaria de ontem mantém a restrição excepcional e temporária de entrada no País de estrangeiros de qualquer nacionalidade por rodovias, outros meios terrestres ou transporte aquaviário pelo prazo de mais 30 dias. Essas restrições não se aplicam ao brasileiro, nato ou naturalizado; imigrante com residência de caráter definitivo, por prazo determinado ou indeterminado, no território brasileiro; profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional, desde que devidamente identificado; funcionário estrangeiro acreditado junto ao Governo brasileiro; estrangeiro que seja cônjuge, companheiro, filho, pai ou curador de brasileiro ou cujo ingresso seja autorizado especificamente pelo Governo brasileiro em vista do interesse público ou por questões humanitárias; e portador de Registro Nacional Migratório; e transporte de cargas.
Com relação ao ingresso por aeroportos, não há restrição, desde que obedecidos os requisitos migratórios, como portar visto de entrada quando ele for exigido. A Portaria diz ainda que o estrangeiro em viagem de visita ao País para estada de curta duração, de até 90 dias, deverá apresentar antes do embarque, à empresa transportadora, comprovante de aquisição de seguro válido no Brasil para cobertura durante todo o período de viagem.

  • Arquivos

  • setembro 2020
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930