Investigado com Ricardo Barros teve reunião em Miami com lobistas do MDB e general angolano
 

As investigações sobre a suposta intermediação de Ricardo Barros em negócios na Copel trouxe à tona um novo personagem: Delmo Vilhena, diretor-executivo da Comanche Biocombustíveis, empresa enrolada em acusações de desvios de até R$ 45 milhões dos fundos de pensão.

Mas não é só isso. O Antagonista localizou o nome de Vilhena numa troca de emails entre o general João Batista de Matos, ex-chefe do Estado Maior de Angola, e os lobistas Jorge Luz e João Augusto Henriques, presos pela Lava Jato por operarem para o MDB no petrolão.

Num dos emails, o general confirma reunião com ambos em Miami, para tratar de projetos de usinas de etanol. Também são citados Delmo Vilhena, seu sócio Ricardo Kume e Jorge Oliveira Rodrigues, ex-gerente de Marketing e Comercialização da Petrobras.

“Foi tomada pela justiça e nós tivemos acesso ao processo e nos dispusemos através de pessoas notadamente competentes do setor sucroalcooleiro e do apoio da Petrobrás (Diretoria de Abastecimento) que nos garantiu um off-take de 100 mil/m³ anual o que viabiliza a operação desta Usina que aos olhos dos técnicos, uma verdadeira jóia”.

No mesmo email, Henriques menciona contatos com o fundo Petros, da Petrobras, para colocá-las em funcionamento. E que esse investimento seria uma das pautas da reunião em Miami.

João Batista de Matos também aparece na delação de Fernando Baiano, que declarou que o general presidia o chamado Instituto de Estudos Angolanos, que contratou palestra de Lula em 2011 com intermediação de José Carlos Bumlai.

 

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2020
    S T Q Q S S D
    « ago    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930