Futebol sem torcida em 2020 dará prejuízo milionário a clubes brasileiros - 13/04/2020 - UOL Esporte
CRÔNICA
 
O PICASSO DOS GRAMADOS
 
Gilson Nogueira
 
O futebol sem torcida nos estádios é como o palhaço no circo sem ninguém para vê-lo. Longe de mim a ideia de psicologizar o jogo com dois times disputando uma partida em um campo de arquibancadas vazias e o palhaço fazendo sorrir o vazio fora do picadeiro.
 
Que onda, meu rei,  ao final das férias dos chamados atletas profissionais, uma pandemia entra em campo para aterrorizar o mundo, ou quase! No embalo da vontade de penetrar na seara livre para explicar o que os atletas profissionais sentem atuando no silêncio quase total, onde o apito do juiz deve ecoar até as nuvens, levo cartão vermelho. Resolvo, então, mergulhar no tubo do meu eu vivido para admitir, se em campo de jogo estivesse, suando a camisa,  estar o jogador, em cada encontro, nos campeonatos nacionais, envolvendo  todas as suas divisões, creio, experimentando um conflito.
 
Qual? A voz do público nas arquibancadas, entre aplausos e vaias. Presumo, estarem eles, os artistas da bola, vivendo um drama. Em campo, sem a
presença dos seus torcedores a incentivá-los, até o domínio da bola fica comprometido. No futebol, seja onde for praticado, há o lado artístico que vem da alma do ator para seu público. Sem ele presente,  esse componente no instante do passe, do chute, do drible, da jogada criativa, para o torcedor ver e sentir, não existe.
 
O futebol sem torcida junto  tem algo de sexo sem desejo, de silêncio pertubador. Pelé, o maior jogador de futebol do Século XX, não teria sido O Deus dos Estádios sem ela, a emoção da plateia  a massagear-lhe o ego. Foi ela que o tornou O Picasso dos Gramados.
Gilson Nogueira é jornalista, colaborador da primeira hora  do Bahia em Pauta.

“Onde anda você”, Vinicius de Moraes e Toquinho:Hermano Silva, autor da letra, e Vinícius de Moraes, autor da música, encontraram-se, um dia, em Salvador. Hermano deu a letra, Vinícius trouxe a música. Casaram-se! E o mundo ficou melhor, depois que ouviu e cantou “Onde Anda Você “! Cante!

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)

 A relação do presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Economia, Paulo Guedes está cada vez mais abalada. O presidente Jair Bolsonaro ameaçou com um “cartão vermelho” a equipe econômica na manhã desta terça-feira (15/9). Em uma publicação nas redes sociais, o chefe do Executivo postou uma mensagem afirmando que “congelar aposentadorias, cortar auxílio para idosos e pobres com deficiência, um devaneio de alguém que está desconectado com a realidade”.

Ele emendou ainda que o governo “jamais tiraria dinheiro dos pobres para dar aos paupérrimos”. Por fim, Bolsonaro anunciou a desistência sobre o programa Renda Brasil, que ficaria no lugar do Bolsa Família.
Em vídeo publicado, visivelmente irritado, Bolsonaro comentou notícias de que o governo estuda congelar nos próximos dois anos as aposentadorias e pensões para economizar recursos para bancar o Renda Brasil.

“Acordei hoje surpreendido com manchetes em todos os jornais. O Globo: “Por Renda Brasil, governo quer congelar aposentadorias”. Estado de S. Paulo: “A economia propõe congelar aposentadoria para criar Renda Brasil”. Folha de S. Paulo: “Governo quer cortar R$ 10 bilhões em auxílio para idosos e pobres com deficiência”. Correio Braziliense: “Em prol do Renda Brasil, governo estuda suspender reajuste dos aposentados”. Eu já disse há poucas semanas que jamais vou tirar dinheiro dos pobres para dar para os paupérrimos”, declarou.

Em nova indireta para Guedes, Bolsonaro ressaltou também que os que pensam nesses tipos de medidas “não tem coração”. “Quem por ventura vier a propor para mim uma medida como essa, eu só posso dar um cartão vermelho para essa pessoa. É gente que não tem o mínimo de coração, o mínimo de entendimento de como vivem os aposentados no Brasil. Vou dizer a todos vocês, de onde veio, pode ser que alguém da Economia tenha falado sobre essas coisas, pode ser, mas por parte de governo, jamais vamos congelar salário de aposentados bem como jamais vamos fazer com que auxílio para idoso e pobre com deficiência seja reduzido para qualquer coisa que seja”, prometeu.

Ao encerrar o vídeo, Bolsonaro acenou ter desistido do Renda Brasil. “Até 2022 no meu governo, está proibido falar em Renda Brasil, vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, concluiu.
Bolsonaro se reuniu às pressas com Guedes nesta manhã. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles também participou do encontro que abordou ainda as queimadas no Pantanal.

Renda Brasil

O Renda Brasil fazia parte do pacote Pró-Brasil. No entanto, o governo não chegou a um consenso sobre a fonte dos recursos para tirar a medida do papel. No último dia 26, Bolsonaro tornou público seu descontentamento com a equipe econômica, capitaneada pelo ministro Paulo Guedes.

O chefe do Executivo afirmou que pediu a suspensão do anúncio do super pacote porque, segundo ele, “não poderia tirar dos pobres para dar a paupérrimos”. Bolsonaro disse que ouviu propostas de utilizar o abono salarial de trabalhadores como uma das fontes para bancar o programa.

set
16
Posted on 16-09-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 16-09-2020
 O Ministério Público Federal em Brasília mandou a Polícia Federal investigar o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, por suposta prática de estelionato e falsidade ideológica.

O inquérito foi pedido pelo Instituto Nacional de Advocacia, associação que reúne 150 advogados críticos à gestão de Santa Cruz.

O Inad acusa Santa Cruz de inserir num processo administrativo a informação falsa de que o Conselho Federal da OAB, que reúne 81 representantes das seccionais estaduais, teria aprovado o pagamento de uma pensão de R$ 17 mil a um ex-funcionário, já aposentado.

 Felipe Santa Cruz ofereceu ‘plano funerário’ e queria virar governador

A concessão da pensão para o ex-funcionário não encontrou consenso na diretoria da OAB, formada por Santa Cruz e outros dirigentes, e por isso o caso foi remetido para o Conselho Federal, que deve deliberar sobre o assunto neste mês.

Em ofício ao MPF, Santa Cruz disse que o ex-funcionário pediu aposentadoria após trabalhar para a OAB por 35 anos e que a ela foi concedida com base numa decisão de 1987.

Na ordem para abrir a investigação, o procurador Caio Vaez Dias determinou que a PF requisite de Santa Cruz cópia dos processos administrativos citados por ele em seu ofício e da ata da sessão do Conselho Diretor sobre a pensão de R$ 17 mil.

O Antagonista tentou contato com Felipe Santa Cruz, mas não obteve resposta até a publicação desta notícia.

set
16

Rodrigo Maia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
blicado em Economia

O presidente da Câmara deixou claro, nesta terça-feira (15/09), que não dará trégua aos planos de saúde. Em mensagem em uma rede social, o deputado afirmou que os convênios médicos estão prejudicando, de forma vergonhosa, os consumidores.

“O que elevou o preço ao consumidor foi o vergonhoso aumento de alguns planos de saúde no meio da pandemia. Em alguns planos, o reajuste chegou a 25%”, escreveu Maia, numa referência a um estudo feito pela Confederação Nacional da Saúde (CNSaúde) apontando que a reforma tributária proposta pelo governo encarecerá os planos em pelo menos 5,2%.

Maia elegeu os planos de saúde como os inimigos da hora. Há mais de um mês ele vem batendo no setor, ao qual acusa de só estar interessado em ampliar as margens de lucro. No segundo trimestre do ano, apenas quatro operadoras lucraram R$ 1,3 bilhão.

O ataque de Maia teve reflexo na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), cujos ocupantes dos cargos de direção têm de ser aprovados pelo Congresso. A ANS suspendeu os reajustes de 25% unciados pelos planos por quatro meses, de setembro a dezembro deste mês

set
16
Posted on 16-09-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 16-09-2020


 

 Jorge Braga, NO DIÁRIO

 

DO EL PAÍS

Presidente comemora na Casa Branca a assinatura da normalização das relações

 Yolanda Monge|Juan Carlos Sanz

Washington / Jerusalém15 sep 2020 – 21:49 BRT
A assinatura dos acordos nesta terça-feira, na Casa Branca.
A assinatura dos acordos nesta terça-feira, na Casa Branca.Alex Brandon / AP

Eleições. Eleições. Eleições. Essa é a palavra-chave. A 50 dias das eleições que podem revalidar a presidência de Donald Trump, o mandatário norte-americano foi testemunha nesta terça-feira na Casa Branca da assinatura de um acordo histórico entre Israel e dois países do Golfo Pérsico, os Emirados Árabes Unidos (EAU) e o Bahrein, que altera o atual equilíbrio no Oriente Médio e que, segundo Trump, finalmente rompeu “o círculo vicioso do terror que existe na região”. Sem citar nomes, Trump disse que “mais cinco ou seis países” estabelecerão em breve relações diplomáticas com Israel. Trump, “o pacificador”, anotou para si mesmo “uma grande vitória” antes das eleições de 3 de novembro e anunciou “um novo amanhecer” na região.

“Temos muitas nações preparadas para seguir [os passos dos Emirados e do Bahrein e normalizar seus laços com Israel]”, disse Trump durante uma reunião bilateral com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu pouco antes de participar, nos jardins da Casa Blanca, da assinatura dos chamados “Acordos de Abraham” entre o Governo israelense e os EAU e o Bahrein. Israel foi representado por Netahyahu, enquanto que pelos EAU e Bahrein compareceram os ministros das Relações Exteriores, o xeque Abdullah bin Zayed bin Sultan Al Nahyan e o xeque Khalid Bin Ahmed Al Khalifa, respectivamente.

amos o curso da história”, declarou Trump, observando que o sucesso obtido estaria em perigo se “Sleepy Joe” —como Trump se refere depreciativamente a seu adversário democrata, Joe Biden—ganhasse a eleição e retomasse os contatos diplomáticos rompidos com o Irã pela Administração Trump e que foram um dos maiores êxitos do Governo de Barack Obama.

Independentemente de que outros países se juntem ou não a esse acordo nas próximas semanas, Trump já conquistou uma importante vitória eleitoral ao conseguir dividir o voto judeu que é tradicionalmente democrata. A Administração precisava de um golpe de efeito e selar uma vitória diplomática, já que praticamente careceu delas nos quatro anos no poder.

Trump e Netanyahu encenaram nesta terça-feira a retribuição de favores mútuos. Se Netanyahu estava em dívida com o mandatário republicano por cada vez que este veio em seu auxílio durante sua luta pela sobrevivência política em seu país, Trump foi elevado aos altares da paz pelo primeiro-ministro israelense na esperança de que o magnata renove o mandato. Se o acordo não constitui “a paz” que Trump anuncia, já que não acaba com o atual tabuleiro de conflito na região e, além disso, entre Israel e esses Estados não houve nenhuma guerra aberta, na verdade eram aliados de facto, cria as condições para normalizar as relações (abertura de embaixadas, viagens) e para que se juntem outros atores importantes.

Sem dúvida, Netanyahu e os líderes do Bahrein e dos EAU criaram a atmosfera para que a campanha eleitoral do republicano anunciasse na semana passada que Trump havia alcançado “a PAZ no ORIENTE MÉDIO”, informando que havia sido indicado para o prêmio Nobel da Paz. (escrevendo erradamente “Noble” em vez de “Nobel”).

“Não foi necessário muito diálogo”, explicou na semana passada Jared Kushner, genro de Trump e conselheiro próximo que desempenhou um papel muito importante na diplomacia do Oriente Médio. “O que fizemos foi criar confiança entre as diferentes partes”, resumiu Kushner. “Estamos diante do início do fim do conflito árabe-israelense”, concluiu o genro do presidente.

Israel está começando a preencher o vazio deixado pela progressiva retirada dos Estados Unidos do Oriente Médio. A ameaça comum que o Irã representa na região —fortalecido na Síria e no Iêmen—propiciou a aproximação entre a potência militar e tecnológica do Estado judeu e o poderio econômico das monarquias do Golfo. A histórica cerimônia desta terça-feira na Casa Branca parece mais um contrato de interesses mútuos do que uma entente geoestratégica. De fato, enquanto Abu Dhabi abraça a fórmula do tratado depois de ter anunciado o intercâmbio de embaixadas com Israel há um mês, o regime de Manama se limitou a subscrever uma declaração genérica de estabelecer relações no futuro, depois de ter aderido na última hora à pompa dos “Acordos de Abraham”.

Estamos assistindo ao nascimento de um novo Oriente Médio? O vaticínio de Kushner parece mais alinhado com a estratégia de campanha para a reeleição do presidente republicano do que com uma reviravolta na região. Kushner, arquiteto na sombra do pacto diplomático, conseguiu pelo menos oficializar com grande aparato e no momento oportuno a normalização das relações com os Emirados e o Bahrein.

Trata-se, em todo caso, de um processo de vinculação regional que vem se estreitando há mais de duas décadas, quando Israel abriu representações comerciais no Golfo depois dos Acordos de Oslo (1993) com os palestinos. Como o ex-diretor de Segurança Nacional Jacob Nagel destacou nesta terça-feira na rádio israelense, “a importância dos acordos não deve ser superestimada nem tampouco desprezada; é um processo que cria um eixo contra o Irã (…) e se supõe que [os Emirados e o Bahrein] receberão em troca apoio militar de Israel e dos Estados Unidos”.

Netanyahu teve o cuidado de divulgar os detalhes do acordo antes da assinatura e se limitou a exaltar sua relevância histórica. Enquanto os israelenses se preparam para passar confinados a partir deste fim de semana e durante três semanas as grandes festas do Ano Novo judaico, o impacto do êxito diplomático do primeiro-ministro foi diluído no Estado hebreu em meio às más notícias diárias sobre a crise sanitária e econômica.

Por enquanto não há menção expressa do rearmamento com aviões furtivos F-35 (teoricamente indetectáveis por radar) com o qual os EUA agradecerão Abu Dhabi por sua disposição em assinar o acordo. Israel teve até agora uma superioridade tecnológica militar garantida por Washington durante seis décadas. Netanyahu deu a entender que pedirá compensações a Trump para manter a vantagem estratégica sobre os céus do Oriente Médio.

Os emiradenses já anteciparam, porém, que a normalização das relações levará à paralisação do projeto israelense de anexação parcial da Cisjordânia, que se amparava justamente no chamado “Acordo do Século”, o plano de paz para o Oriente Médio da Casa Branca apresentado em janeiro e que foi categoricamente rejeitado pelos palestinos. O secretário de Estado dos Emirados para a Cooperação Internacional, Reem al Hashimy, mencionou o assunto na rede CNN: “A suspensão da anexação é um componente importante do acordo (…) em defesa do direito dos palestinos a um Estado e a uma vida digna”.

A mensagem de “paz por paz” que Netanyahu trouxe a Washington em face do supostamente abandonado consenso internacional de “paz por territórios” esconde uma evidente guinada pragmática para a “paz por interesses”. A decisão dos Emirados, grande aliado da Arábia Saudita, e do Bahrein, reino fantoche de Riad, é vista como “traição” pelos palestinos, que não conseguiram forçar uma condenação da Liga Árabe a monarquias do Golfo que precisamente financiam muitos Estados do fórum regional.

Depois do fiasco das negociações com a Coreia do Norte, Trump procura apresentar na campanha um perfil de estadista internacional que soluciona e conclui conflitos ao invés de provocá-los e empreendê-los.

FACÇÕES PALESTINAS SE REAGRUPAM DEPOIS DOS “ACORDOS DE ABRAHAM”

A aproximação de Israel com os países sunitas, encarnados pela federação de principados e pelo pequeno reino insular, teve o efeito inesperado de realinhar as principais facções palestinas. Com todas as pontes rompidas desde 2007, o Fatah, o partido nacionalista do presidente Mahmud Abbas, e o Hamas, o movimento islamista que governa de facto na Faixa de Gaza, criaram junto com o resto dos grupos políticos um “comando unido de resistência”. Essa plataforma, sem precedentes desde a Primeira Intifada (1987-1991), convocou nesta terça-feira os palestinos a protestar com bandeiras negras contra a radical guinada diplomática, que enterra a Iniciativa Árabe de Paz de 2002 (paz por territórios, em essência).

Dois foguetes foram disparados da Faixa de Gaza durante a cerimônia de assinatura em Washington. Um dos projéteis foi interceptado e o outro causou ferimentos leves em pelo menos seis pessoas na cidade costeira israelense de Ashdod.

Os organizadores esperam que a mobilização se intensifique nesta quinta-feira, 38º aniversário do massacre de Sabra e Chatila de refugiados palestinos no Líbano, e na sexta-feira, em uma “jornada de luto” durante o dia sagrado muçulmano. É preciso esperar para ver. Desde as manifestações religiosas de julho de 2017 na mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, e especialmente desde as Marchas do Retorno (2018-2109) na fronteira de Gaza, os palestinos não se levantam em massa contra Israel.

  • Arquivos

  • setembro 2020
    S T Q Q S S D
    « ago    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930